Ferro de passar, colher e pó de arroz eram truques de beleza!

Ficar bonita nem sempre foi fácil como nos dias de hoje, com todas as opções de produtos e de aparelhos disponíveis. Antigamente, nos tempos de minha avó, quem queria se produzir precisava recorrer a métodos pouco ortodoxos, como alisar o cabelo usando ferro de passar ou curvar os cílios com a ajuda de uma colher.

Não é mentira, não! Veja só como as coisas eram mais difíceis:

Ferro de passar roupa x Chapinha

Antigamente, a preparação para balada incluía uns bons minutos com a cabeça deitada em cima da tábua de passar, momento em que, em vez da atual chapinha, o ferro de passar era a ferramenta para alisar as madeixas. O método, no entanto, não era lá muito saudável para o cabelo. “Podia gerar um dano físico, com a perda da estrutura do fio”, explica o dermatologista Geraldo Magela. A chapinha, por sua vez, é feita de um material menos agressivo e sua temperatura não é tão quente, o que afeta menos as madeixas.

Azeite de oliva x Demaquilante

Demaquilante era artigo de luxo, antigamente (e não existia até meados dos anos 1970 – até então, eram usados os leites de limpeza facial, caríssimos!). O jeito, então, era apelar para o azeite de oliva. De acordo com a dermatologista Monica Aribi, o que fazia o produto ser eficaz para retirar a maquiagem é o fato de ele ser um óleo. “Mas é contra indicado porque o índice de acido graxo é muito alto para a pele, isso pode resultar em acne”, alerta a dermatologista.

Pasta de dentes x Secativos para espinhas

Antigamente, quando aparecia uma espinha no seu rosto bem no dia em que você tinha um encontro, era de conhecimento geral o melhor produto para acabar logo com ela: pasta de dente. “A pasta tem componentes secativos, mas não é o ideal porque essas substâncias não vão só secar a espinha, mas também queimar a pele em volta”, explica a dermatologista.

Colher x Curvex

Antes da popularização do curvex, a colher era a melhor amiga da mulher que queria cílios de boneca. A técnica era simples: encaixar os fios no lado côncavo e pressioná-los com cuidado. Ela é usada até hoje por ninguém menos do que Gisele Bündchen. Segundo o maquiador Porfírio Passos, do Studio W Higienópolis, em São Paulo (SP), o método não faz mal se feito corretamente. “O efeito não é tão eficaz, mas ainda pode ser usado em uma emergência”, opina o profissional.

Permanente x Babyliss

Enquanto hoje as pessoas correm para o salão para alisar o cabelo com processos químicos, nos anos 1980 as mulheres faziam o contrário: cacheavam o cabelo com a permanente. O procedimento danificava e modificava a estrutura dos cabelos. A nossa sorte foi a invenção do babyliss, o que diminuiu a procura do processo nos salões. “Essa evolução permitiu ter cabelos cacheados em minutos, trazendo mais praticidade”, indica o cabeleireiro Fernando de Jesus do Werner Coiffeur, no Rio de Janeiro (RJ).

Pó de arroz x Pó translúcido

Entrar em um quarto em que uma mulher havia acabado de passar pó de arroz era garantia de uma crise de tosse. O cosmético, uma mistura de talco inodoro e pigmentos suaves, era usado para deixar a pele com um aspecto mais bonito e uniforme. “Mas, geralmente, deixava a pele com tom bem mais claro”, explica o maquiador Porfírio Passos. Com o passar dos anos, a pele com aspecto cada vez mais natural ganhou força e o pó translúcido, cuja textura é leve e ajuda a tirar o brilho da tez, se tornou o queridinho.

 

 

 

 

Carolina Maggi, UOL

Publicado por Julio

Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: