Leis bizarras sobre sexo

As leis existem para tornar a convivência em sociedade mais fácil, mas algumas leis são bem estranhas, principalmente quando se trata de sexo.

As leis estão em todos os lugares e ditam como devemos viver. Elas variam de Estado para Estado, e mais ainda, de país para país. Há leis que são relacionadas ao ato sexual, e estas são importantíssimas na luta contra os crimes sexuais.

Porém, ao redor do mundo há algumas leis relacionadas ao sexo que são, no mínimo, estranhas, e não estão apenas no Oriente Médio, onde é comum ter muitas leis relacionadas ao ato sexual.

Confira algumas das mais bizarras e que já não são mais usadas, embora ainda estejam na Constituição desses Estados ou países. E cuidado, se estiver viajando por algum desses locais, elas ainda podem ser acionadas a qualquer momento!

  • Em Guam, é proibido que as mulheres se casem virgens. Para que a lei não seja infringida, há homens que viajam pelo pequeno país, localizado a oeste do Oceano Pacifico, e tiram a virgindade das moças. Eles recebem por isso…
  • Há uma lei religiosa na maioria dos países muçulmanos do Oriente Médio que diz que é proibido ter relações sexuais com carneiros e, posteriormente, comer sua carne.
  • Em Hong Kong, a infidelidade pode chegar a custar a vida, já que é permitido que a mulher traída mate seu marido adúltero e a amante. Porém, a mulher deve matar o marido com as próprias mãos, enquanto a amante pode ser morta como a mulher traída preferir.
  • Na Colômbia, há uma lei muito peculiar que diz que a mãe deve assistir à primeira relação sexual que sua filha tem com o marido.
  • Em Minnesota, nos Estados Unidos, há uma lei que proíbe os homens de manterem relações sexuais com peixes vivos. A lei não diz nada sobre peixes mortos ou sobre mulheres terem relações com os peixes.
  • No Líbano, é permitido ter relações sexuais com animais, porém os animais devem ser apenas do sexo feminino. Caso contrário, a pessoa pode ser punida com a morte.
  • Os preservativos devem ser usados sempre, pois estes garantem que nenhuma DST (doença sexualmente transmissível) seja contraída. Aqui sabemos disso e seguimos, mas não há nenhuma lei específica. Porém, em Nevada, nos Estados Unidos, há uma lei que proíbe as relações sexuais sem preservativo.
  • Em Bakersfield, na Califórnia, é proibido fazer sexo com satanás — sim, com o capiroto! — sem preservativos.

  • Em Indiana, também nos Estados Unidos, os homens são proibidos de ficar sexualmente excitados em público.
  • Em Tallinn, na Estônia, é estritamente proibido jogar xadrez durante o ato sexual.
  • Na Indonésia, quem for pego se masturbando pode ser condenado à morte por decapitação.
  • Em Londres, na Inglaterra, não é permitido fazer sexo sobre uma motocicleta estacionada…

Vale lembrar que aquilo que é estranho para nós, pode ser perfeitamente comum em outras culturas e devemos sempre respeitar. Mesmo que achemos bizarro…

Fontes:

blastingnews.com

megacurioso.com

terra.com.br


Barão de Itararé — dois em um, o humorista e o personagem

Em 1926, no dia 13 de maio, o Barão de Itararé lançava A Manha, que era a caricatura dos jornais da época e, por tabela, da própria época. Esse tipo de jornalismo nunca fora feito em lugar nenhum. Só surgiu em grande escala muito mais tarde, nos Estados Unidos, no Mad de Harvey Kurtzman e no National Lampoon.

“Se fosse possível, eu retirava tudo o que disse”, o Barão de Itararé afirmou, em 1965. Pode ser apenas mais uma provocação, mas é bom ver um homem que foi em cana mais de uma vez pelo que disse negar a própria importância, ao setenta anos, quando estava fora de perigo. São atitudes como essa, mais do que a obra, que mantêm o encanto desse nobre que se auto-atribuiu o título em honra pela bravura demonstrada no campo de uma batalha que não houve.

LOCAL DESCONHECIDO, 16-04-1958: O jornalista e escritor Barão de Itararé, durante entrevista ao jornal “Última Hora”. (Foto: Acervo UH/Folhapress)

Fernando Apparício de Brinkerhoff Torelly, nome digno de um barão, nasceu em 29 de janeiro de 1895, numa diligência a caminho da fazenda do avô, no Uruguai. Não se sabe exatamente onde. O que importa é que o futuro jornalista, poeta, matemático, cientista, político e Marechal-almirante e Brigadeiro do Ar Comprimido gostou do mundo: havia sol e cigarras.

Aos dois anos, perdeu a mãe. Foi criado no Uruguai, pelas tias, na fazenda do avô. Aos sete, voltou para Rio Grande, para morar com o pai, João da Silva Torelly, que o botou no mau caminho. Era homem violento, maragato doente. Odiava tanto os chimangos que não permitia ao filho nem cumprimentar um amanuense, para ficarmos no mais baixo dos funcionários do governo. “Meu pai era mais louco que eu”, Apparício Torelly dizia.

A revista MAD, norte-americana de humor satírico, foi fundada pelo empresário William Gaines e pelo editor Harvey Kurtzman em 1952. A revista satiriza todos os aspectos da cultura popular americana, bem na linha do que fazia nosso Barão.

Entre 1905 e 1911, Apparício esteve no internato Nossa Senhora da Conceição, dos jesuítas alemães, em São Leopoldo. Não estudava muito, mas prestava atenção às aulas e tinha boa memória. Em 1909, lançou seu primeiro jornal, O Capim Seco. Era inteiramente escrito à mão. Era clandestino e satírico. Primeiro jornal, primeiro problema com as autoridades: toda a tiragem de um exemplar foi apreendida. É que a matéria de capa era uma gozação com o padre-reitor.

No colégio, Apparício fazia teatro, imitando os alemães da colônia para eles mesmos. Também se dedicou à música: cantou no coro e tocou flauta, trompa e trombone. No esporte, o futebol. Seu time foi campeão no ginásio e chegou a vencer uma formação do Grêmio de Porto Alegre.

Quando deixou o colégio, foi para Porto Alegre. Queria fazer Direito, mas o pai aconselhou Medicina: “Meu filho, para que um advogado tenha boa clientela, é preciso muito talento. A um médico basta assinar receitas e atestados de óbito”.

A National Lampoon, também norte-americana, foi criada em 1970 e circulou até 1988, e seu diferencial quanto à MAD era seu humor negro e propositalmente controverso.

A passagem de Apparício Torelly pela faculdade tem inúmeras histórias de irreverência. Quase todas lendas, algumas espalhadas pelo próprio Torelly. Até 1918, estudou Medicina, ou melhor, leu os livros e confiou na memória. Quase não ia às aulas. Preferia frequentar o Clube dos Caçadores, uma mistura de cabaré e casa de jogo, mesmo andando sempre na pindaíba. Ao pai de uma namorada, que o acusou de não ter futuro, disse que futuro ele tinha, o que não tinha era presente.

Colaborava no jornal Última Hora, de Porto Alegre. Colaborava também em revistas pequenas, como KodakA Máscara. Os poemas escritos nesse tempo foram reunidos no volume Pontas de Cigarro, de 1916. Os “versos diversos” não eram sobre as angústias da adolescência, fase que, mais tarde, o autor definiria como a época em que o garoto pensa que não será tão cretino como o pai. Eram sátiras sobre a falta de grana, doença causada pelo micróbio da pindaíba, o conhecido “ariadocócus promptíferus pindahibensis”.

Em 1917, fundou dois semanários de humor: O Chico e O Maneca. No ano seguinte, abandonou a Medicina. Começava um período que chamou de maragateada: viagens pelo interior, em campanhas pelas suas ideias. Fundava e afundava jornais, além de dar conferências em teatros e cinemas. Digamos conferências, mas o certo é que o homem discursava, cantava e dançava.

O Barão continua famoso, até hoje, pelas suas frases curtas e hilariantes.

Para se ter uma ideia, deixemos o futuro barão lembrar uma performance em Bagé, frente à melhor sociedade, quando se fingiu engasgado: “Depois de dizer que quisera ter o dom da oratória, que quisera ser um Demóstenes, gaguejando, vi que a plateia estava aflita. As mulheres se abanavam, apertadas em espartilhos. E eu dava a impressão de que não podia dizer nada, que não conseguiria dizer absolutamente nada. Eu… eu… quisera, quisera… Quando todos pareciam explodir de nervosos, eu cantei: ‘Eu quisera ser a rola, a rolinha do sertão/ pra poder fazer um ninho, na palma da sua mão”.

Em 1925, por causa de uma crise de hemiplegia, foi aconselhado pelo médico a procurar um clima quente. Assim “tomei um Ita no sul”. Chegou ao Rio de Janeiro com cem contos de réis, que logo tratou de perder no jogo, tendo de ir procurar emprego. Acabou no jornal O Globo, assinando como Apporelly, nome que mais tarde simplificou para A por L.

Ainda nesse ano, escreveu um drama humorístico chamado A facada e trocou O Globo pelo A Manhã, onde tinha uma coluna: “Amanhã tem mais”. Não teve por muito tempo. Foi posto na rua. Em 1926, como vingança, fundou A Manha.

A redação era na rua 13 de Maio. O primeiro exemplar saiu no dia 13 de maio. No expediente se lia: rua 13 do corrente. Lia-se também não ter expediente, porque um jornal sério não vive de expedientes. Era um órgão de ataque… de risos. Saía às quintas-feiras, por isso se chamava um vibrante quinta ferino. Mas às vezes saía às sextas, porque uma grande folha não podia ficar presa à folhinha. No seu primeiro ano, A Manha fechou as contas com um lucro de dez mil contos de réis.

A Manha se especializou em publicar asneiras atribuídas a políticos, apenas parodiando seus nomes. Levou isso tão longe que logo o jornal era o “órgão oficial” do governo, já que o Diário Oficial não elogiava o presidente Washington Luís o suficiente. É pouco? O próprio presidente, assinando-se Vaz Antão Luís, se tornou colunista, ou melhor, era um colunista que acumulava as funções de presidente. A Manha tencionava desempenhar condignamente “sua árdua missão, com a graça de Deus e de outros ilustres colaboradores”.

Em 1929, Assis Chateaubriand o convidou para publicar A Manha como encarte do Diário da Noite, que seria o órgão oficial da Aliança Liberal, partido de Getúlio Vargas. Nas quintas-feiras, quando saía o encarte, a tiragem do Diário da Noite aumentava drasticamente. Chegou a 125 mil, quando Getúlio anunciou o programa da Aliança Liberal, na Esplanada do Castelo.

Em 1930, A Manha se desligou do Diário da Noite. Em outubro, Getúlio tomou o poder. Nessa época de incertezas diárias, Apporelly deu uma das manchetes mais famosas do jornalismo brasileiro: HAJA O QUE HOUVER, ACONTEÇA O QUE ACONTECER, ESTAREMOS COM O VENCEDOR. E com grande senso de oportunidade, o diretor d’A Manha se fez barão poderoso, que gostava de se ver “rodeado de cupinchas e aderentes, ostentando no peito as mais variadas condecorações”, que iam desde “artísticas tampinhas de cervejas nacionais, até fichas lavradas de companhias de ônibus e de cassinos clandestinos”. Esse personagem se tornou tão vivo que suplantou Apporelly, que às vezes se referia ele na terceira pessoa, às vezes na primeira, na mesma fala.

Em 1932, houve o levante armado, em São Paulo, conhecido como Revolução Constitucionalista. O Barão, sem se impressionar, publicava coisas do tipo: O GÁS MORTEIRO TOMOU PARATI E EVACUOU PEDREGULHOS. Falava, claro, do general Góes Monteiro, senhor chegado a uma birita. Por coisas assim, o barão foi em cana e advertido a tomar cuidado com sua “linguinha de prata”. Diz que ficou sensibilizado com a admiração dos tiras por sua figura, admiração tão grande que ele precisou posar de frente e de perfil para o fotógrafo da polícia.

Em 1933, publicou Caldo Berde, assinado por Furnandes Albaralhão. Tratava-se de uma antologia de poemas com sotaque português saídos n’A Manha. Nesse ano, Hitler assanhou a Europa e outros lugares. Aqui, esse assanhamento se chamou integralismo. O Barão, mal de ouvido, entendeu o lema “a Deus, Pátria e Família” como “adeus, Pátria e Família”. Aderiu. Mas, ao se dar conta do engano, “voltou a ocupar um lugar decente na sociedade”.

Em 1935, o barão participou da criação da Aliança Nacional Libertadora. A Intentona acabou mal. O Barão não participou das conspirações, nem tocou em armas, mas na onda de terror que veio em seguida, A Manhadeixou de circular e “eu com ela”. Ficou um ano e meio preso. No navio D. Pedro I deixou crescer uma barba de D. Pedro II.

Em 1936, foi parar no presídio da Frei Caneca, no Rio. Segundo Graciliano Ramos, a chegada do homem foi a mais rumorosa. Era um sucesso mesmo atrás das grades. Ainda segundo Graciliano, para combater o tédio, o barão planejava uma biografia do seu personagem, um volume mais grosso que um tijolo. Não parava de falar nela. Mas jamais a escreveu. Pelo menos no papel, como afirmou o humorista Fortuna: “Porque dia a dia ele não fez outra coisa. Na sucessão das aventuras do nosso querido diretor até chegar a Barão, o Apparício Torelly atinge a verdadeira criação literária. O ponto alto dessa criação deu-se quando ele a transpôs para o plano da realidade, encarnando a sua própria personagem, quando de fato estava distanciado dela, pois era o símbolo e síntese de todos os poderosos que satirizava. E isto não há como compilar. É a criação viva dentro da própria vida”.

Anistia, segundo o dicionário do Barão, é um ato pelo qual o governo resolve perdoar generosamente as injustiças que ele mesmo cometeu. Pela metade de 1937, o Barão se viu na rua por falta de provas. Mal teve tempo de se acostumar: em novembro, o Estado Novo. O Barão foi para uma das ilhas-prisões da Baía da Guanabara. Foi solto três meses depois.

Tentou relançar A Manha, mas, por prudência, preferiu alvos de fora, como Hitler, Mussolini, Franco e Salazar.A Manha só voltou mesmo em 1945, graças à associação com o jornalista Arnon de Melo. Agora o ilustre fidalgo estava na companhia de vários colaboradores: José Lins do Rego, Carlos Lacerda, Rubem Braga, Aurélio Buarque de Holanda, Álvaro Moreyra, Sérgio Milliet e muitos outros.

Em outubro, adeus Estado Novo. Um pouco antes, quando havia apenas rumores, A Manha deu talvez sua melhor manchete: HÁ ALGO NO AR ALÉM DOS AVIÕES DE CARREIRA. Essa frase se tornou o anúncio nacional das crises.

Como vereador, defendeu o direito de voto para os analfabetos e denunciou, entre outras coisas, o esbulho sofrido pelos índios, situação não muito diferente hoje. Teve alguns apartes que se tornaram famosos. Numa discussão sobre influência dos capitais norte-americanos na economia brasileira, um vereador resolveu citar o ex-chefe de polícia do Estado Novo e perguntou se os nobres colegas sabiam a posição dele. O Barão, na bucha: “Eu sei! É três dedos abaixo do rabo do cachorro”.

Em 1949, o barão publicou seu Almanhaque. O segundo saiu em 1955 e o terceiro no ano seguinte. Eram antologias do material publicado n’A Manha.

Em 1950, em agosto, surgiu novamente A Manha, que se aguentou até junho de 1958. Mesmo tendo trabalhado uma vida como humorista, o barão considerava a influência do humor “levemente benéfica e bastante entorpecente”.

Longe do jornalismo, vivia de modo franciscano, num apartamento atulhado de livros. Eram tantos livros que, quando um quarto ficava lotado, ele passava a dormir em outro. Todo o dinheiro que tinha vinha de uma pensão dada pela Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro.

Morreu em 1971, aos 76 anos, com apenas 61, porque descontou quinze anos: o tempo perdido na faculdade de Medicina, o tempo que passou preso e o tempo, uns três anos, em que perseguiu mulheres bonitas sem resultado.

O brasão do Barão.

Fonte:
Ernani Ssó , sul21.com.br

Expressões curiosas em italiano

Tenho alguns amigos italianos, ou filhos de italianos, que me ensinaram muitas coisas. Dentre elas, o uso dos gestos (claro, qual italiano consegue se expressar sem gesticular?) e de algumas expressões que adoro.

O idioma italiano é fascinante, melodioso e as expressões que guardei são perfeitas para certas situações (e para xingar alguém, então, não tem idioma melhor!). Deixe-me mostrá-las:

Stare con le mani in mano

Estar com as mãos na mão, literalmente. Ou de mãos abanando.

Imagina como deve ser frustrante para um italiano ficar parado sem gesticular! Mas a expressão é geralmente usada quando alguém não está fazendo nada enquanto os outros estão trabalhando.

“Non stare lì con le mani in mano, aiutami con questa valigia!” “Não fique aí parado! Me ajude com a minha bagagem!”

Ou para chamar a atenção de alguém grosseiro ou mal educado. Por exemplo, você convida para um aniversário e todos deviam trazer alguma coisa e a pessoa chegou sem nada:

“Che maleducato! È arrivato alla festa di compleanno con le mani in mano.” “Que grosso! Ele veio para o aniversário segurando as próprias mãos.”

Non ci piove

Não chove. Ou, para nós, não se discute! Não se fala mais nisso!

Essa é curiosa.  Terminar uma discussão com non ci piove significa que você está muito confiante sobre sua fala final, e que não há espaço para mais discussão.

Neymar è il miglior giocatore del mondo, su questo non ci piove!” “Neymar é o melhor jogador do mundo, e não se fala mais nisso!”

Acqua in bocca!

Literalmente, Água dentro da boca! Para nós, seria algo como “bico fechado”.

Sempre achei essa expressão muito curiosa. Ela é usada para trocar uma confidência, uma fofoca ou um segredo, mas pede-se ao outro para não revelar a fonte. Assim, toda vez que se queira revelar algo, avise o parceiro para não “dar com a língua nos dentes”, Acqua in bocca! Esse é o aviso.

“È un segreto, acqua in bocca!” “É um segredo, bico fechado!”

Pietro torna indietro

Pietro vem de volta? Seria o nosso “São 2 v, vai e volta”.

Por exemplo, você emprestou uma camisa, ou um livro, e quer que seja devolvido logo. Em italiano fica legal porque Pietro rima com indietro.

“Mi presti questo libro?”“Você pode me emprestar esse livro?”

“Sì, ma c’è scritto Pietro sulla copertina! Pietro torna indietro!” “Sim, mas Pietro está escrito na capa! São 2 v!”

Non avere peli sulla lingua

Não ter pelo em sua língua. Em português, seria “não ter papas na língua”, “falar o que pensa”.

Pessoas sem pelo na língua não têm medo de serem honestas, mesmo quando correm o risco de ofender alguém; não existem filtros.

“Non rimanerci male, non è cattivo… semplicemente non ha peli sulla lingua.” “Não pense mal dele, não é uma má pessoa… simplesmente fala o que pensa.”

Chiodo scaccia chiodo

Essa é bem curiosa: Prego tira prego. Talvez em português a melhor tradução fosse “Quando uma porta se fecha, outra se abre”.

Se você algum dia terminar o namoro com alguém e quiser o conselho de uma mamma italiana, você vai ouvir  “chiodo scaccia chiodo!”

Em outras palavras: você vai esquecer esse (enferrujado, péssimo, ruim) prego, porque em breve um brilhante e novinho vai substituí-lo! Essa expressão é normalmente usada em casos de amor, mas também pode ser aplicada a qualquer pessoa que está tentando superar algo (um emprego, um amigo que não liga de volta, uma briga).

“Sei ancora innamorato di lei? Dai, troverai presto qualcun altro… chiodo scaccia chiodo!” “Você ainda está apaixonado por ela? Não se preocupe, quando uma porta se fecha…”

Avere un diavolo per capello

Literalmente, quer dizer: Ter um diabo por cabelo. Seria, para nós, a pessoa estar fora de sienraivecida. Com o diabo no corpo.

Existe algo que descreva melhor quando uma pessoa fica furiosa? É como se ela estivesse encapetada, com uma horda de diabinhos gritando na sua orelha. Tantos quantos seus fios de cabelo!

“Lasciami stare…ho un diavolo per capello”“Me deixa… estou com o diabo no corpo!”

 

*****

 

Bem, como eu disse no início, xingar em italiano parece mais legal que em português:

Porco dio, ma va a fancullo!!!!

Um que se usa muito no trânsito é cuglione = C ::ahhhh:: zao…

Agora, se quiser mesmo xingar um italiano, chama o cara de cornuto. De preferência emenda fazendo chifrinho com a mão (tipo heavy metal). Embora seja apenas um simples “corno”, é o pior xingamento para eles, porque isso é uma coisa que envolve a família. Como eles valorizam muito a família, qualquer coisa que a envolva é muito ofensiva.

 

E aguarde, porque a Máfia vai bater à sua porta…

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:

pt.babbel.com

ilustrações Elena Lombardi

O mago dos efeitos sonoros

Quando a gente conversa sobre efeitos sonoros engraçados e que são usados em animação, em games e até em filmes, a primeira lembrança que vem à mente são os efeitos sonoros dos desenhos da Hanna-Barbera.

Eles de fato foram os pioneiros a usar esses efeitos nos desenhos animados para a TV, lá no começo dos anos 1960. Criaram uma biblioteca enorme de sons, como o bongô tocado rapidamente para o som dos pés de um personagem saindo correndo. Ou o som de uma freada de carro quando alguém parava de repente. Muitos deles são usados até hoje, seja na forma original, seja reciclados com as novas tecnologias – e até inspirando os efeitos sonoros dos animes.

Mas muita gente não sabe que, há mais de 80 anos… um cara meio maluco foi contratado pelos Estúdios Disney para gravar uma música para um dos desenhos do Mickey, e acabou se tornando o chefe do Departamento de Efeitos Sonoros da empresa!

O Mago dos efeitos sonoros

 

Jimmy Macdonald criou, segundo suas próprias contas, cerca de 25.000 sons ao longo de sua carreira na Disney, que durou mais de 40 anos. Começou cantando à tirolesa, dublando os anões de “Branca de Neve”, fez a voz do Mickey substituindo Walt Disney, que não tinha mais tempo de fazer isso e também porque, de tanto fumar, já não alcançava o falsete do personagem.

Jimmy criava sons para os desenhos usando o que tivesse à mão. Por exemplo, um par de cocos para representar o galope de cavalos. Quando não havia nada que pudesse usar, ele inventava o aparelho e imitava o som de trovões, de chuva, de passarinhos cantando, tudo de forma artesanal, sem manipulação como se faz hoje – e sincronizando com a imagem e com a orquestra, que tocava o tema musical.

Atualmente, esse trabalho de sonoplastia tem inúmeros recursos tecnológicos à disposição, mas os principais designers se inspiram no velho Jimmy. Especialmente quando a Pixar, por exemplo, tem como um de seus pilares os efeitos sonoros.

“Wall-E”, de 2008, é o melhor exemplo. O filme não tem diálogos, e os personagens se comunicam por meio de chiados e outros sons exóticos. O engenheiro de som do filme, Ben Burtt – considerado o pai do design sonoro moderno e que criou os efeitos sonoros da trilogia clássica de “Star Wars”, – fala sobre isso no vídeo abaixo. E se refere à sua maior inspiração, o mago Jimmy Macdonalds.

Ele mostra como a sonoplastia era criada nos antigos desenhos da Disney, e como a genialidade e o improviso ajudaram a criar a magia desses desenhos, magia que ele continua a buscar nos dias de hoje.

 

 

Por que os personagens da Disney não têm pais?

Eu trabalhei na Editora Abril durante muitos anos, primeiro escrevendo histórias em quadrinhos com os personagens de Walt Disney, e mais tarde como diretor editorial dos gibis, além de livros e revistas de colorir – não só com os personagens Disney.

Durante todo esse tempo, as pessoas sempre me perguntavam o motivo do Huguinho, Zezinho e Luisinho não terem pais, vivendo sempre com seu tio Donald. Ou, indo mais fundo, qual seriao motivo dos personagens que aparecem nos filmes também não terem mães ou pais?

O que eu respondia segue abaixo, mas aqui de forma mais elaborada e aprofundada, porque na ocasião o tempo sempre se mostrava muito curto para que eu pudesse me alongar.

Em primeiro lugar, não foi Walt Disney quem criou esse conceito de deixar os pais ausentes em suas histórias. Esse é um recurso literário muito utilizado nas obras voltadas às crianças e jovens, e é muito evidente já nos contos dos irmãos Grimm. A ausência dos pais permite que os personagens sejam aventureiros, libertando-os do controle da mãe (ou do pai). Afinal, que pai deixaria que os filhos saíssem pelo mundo correndo riscos?

Além disso, é possível perceber que esses personagens “órfãos” amadurecem mais rapidamente, justamente por não existir uma figura de pai ou mãe que o proteja. O sucesso literário mais recente, e que confirma essa regra, é Harry Potter…

Já nos contos de Grimm os pais e as mães quase não apareciam.

Essa “ferramenta”, digamos assim, dá excelentes oportunidades de roteiros. Porque a ausência de pais não significa, necessariamente, que eles estejam mortos, mas apenas que são irrelevantes naquela história que se pretende contar – e eles podem surgir em novas histórias. Há também o contrário: é justamente a ausência de um pai que pode ser o mote da transformação e amadurecimento do personagem, que citei antes. Por exemplo, em “O Rei Leão” é a morte do pai de Simba que muda tudo, levando o vilão ao trono e obrigando o herói a enfrentar esse trauma e reivindicar sua posição.

Especificamente em Disney, há uma outra boa razão para que pais e mães não apareçam com frequência. A maior parte das animações da Disney são adaptações de histórias antigas muito conhecidas, e que já no original não traziam os pais do herói:

Há ainda casos em que um dos pais aparecia e logo morria, como no já citado “Rei Leão”, ou em “Bambi”, que perde a mãe logo no começo da história.

Já em filmes como “Alice no País das Maravilhas”, não se sabe se os pais estão vivos ou mortos e eles nem são citados em nenhum momento… E isso não faz diferença nenhuma. E um exemplo que destoa de todos os outros é “Peter Pan”, no qual a família de Wendy aparece e ainda tem um papel importante na história.

Tudo bem, eu demonstrei que Disney não tem “nada contra pais e mães”, mas sei que as pessoas querem mesmo saber sobre os sobrinhos do Donald, porque acham estranho eles passarem a vida com o tio. Bem, segundo o que apareceu numa tira de jornal há muitos anos, a irmã (ou prima, essa parte é confusa) de Donald pede que Donald fique com os meninos durante algum tempo, porque o pai deles está no hospital por causa de uma brincadeira dos monstrinhos…

Existe até uma carta dela explicando os motivos desse pedido:

Bem, a irmã do Donald, pelo jeito, resolveu deixar os meninos lá por tempo indefinido… O que deu origem a todo um universo ligado ao Donald, e daí surgiram personagens inesquecíveis: Tio Patinhas, Margarida, Gastão, Prof. Pardal, os Metralhas e etc etc etc.

Mais uma vez, a ideia de um personagem ter sobrinhos não é exclusividade Disney. O Pica-Pau tem, o Scooby-Doo, o Popeye. E o motivo é muito simples e de ordem prática. O personagem deve continuar solteiro, mas precisa de crianças para interagir e darem ideias para novos roteiros. E, se por acaso o sobrinho não agradar, é mais fácil sumir com ele do que com um filho!

Enfim, não existe nenhuma motivação satânica da Disney de querer acabar com a família, como pregam alguns sites malucos por aí. E nem existe verdade naquele mito bastante difundido de que a justificativa para a ausência de pais  – ou, mais especificamente, de mães – nas histórias envolve a própria mãe de Walt, Flora Disney.

É uma história trágica, de fato.

Elias e Flora Disney, pais de Walt

No final dos anos 1930, Walt Disney começava a percorrer seu caminho de sucesso.  Depois da grande bilheteria de “Branca de Neve”, ele e seu irmão Roy decidiram realizar o sonho de todo garoto pobre, dar uma casa aos pais, Flora e Elias.  E compraram uma bela residência perto do Estúdio Disney, em Burbank. Menos de um mês depois de se mudar, Flora queixou-se a Walt e Roy que a fornalha no porão, que aquecia a casa durante o rigoroso inverno, tinha problemas de funcionamento. Walt mandou funcionários do Estúdio para consertar, e tudo aparentemente tinha ficado bem.

Mas, infelizmente, o problema não fora devidamente corrigido. Na manhã do dia 26 de novembro de 1938, quando a governanta chegou para trabalhar, ela passou mal com o cheiro de gás na casa e abriu todas as portas e janelas. Na sequência, procurou os patrões e encontrou os pais de Walt desacordados. Elias havia encontrado a esposa no banheiro e, ao tentar carregá-la para fora, também desmaiou.

O socorro foi chamado. Elias e a governanta, chamada Alma Smith, foram internados com sinais de intoxicação, mas conseguiram sobreviver. Flora Disney, porém, já estava morta quando os paramédicos chegaram à residência.

Claro que Walt se sentiu mal por isso, embora nunca comentasse o assunto. As pessoas é que especulavam que ele se sentia culpado “por ter comprado a casa, por ter mandado seus funcionários consertar e acabaram fazendo um serviço mal feito, e que por tudo isso a ideia de ele ter contribuído para a morte da mãe o deixou com esse trauma e que é por isso que, nos filmes, ou a mãe não aparece ou morre logo no começo”.

Apesar de Walt não ter tido culpa desta inesperada tragédia, ele teria vivido assombrado pela culpa deste incidente e daí nas suas histórias haver sempre a morte do símbolo materno.

 

***************************

 

Acho essa teoria tão sem sentido (quem a difundiu se esqueceu de todos os contos de fada adaptados por Disney, como citei acima…) quanto a de que Walt  teria pedido que congelassem seu corpo para ser descongelado no futuro. Segundo a própria filha, Diane, disse: “Meu pai nunca nem ouvira falar de criogenia”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes:

Wikipedia

megacurioso.com,br

nytimes.com

huffingtonpost.com

eonline.com

raopo.com.br

hopesandfears.com

thesun.co.uk

disneytheory.com

 

 

 

 

A origem da empresa ACME, dos desenhos do Papa Léguas

Quem nunca assistiu um desenho da série Looney Tunes não sabe o que é divertimento. O elenco se tornou famoso, sendo o grande ícone o coelho Pernalonga. Mas também estrelavam muitos episódios outros personagens populares, como Frajola, Patolino, Gaguinho e, dentre tantos astros, o Coiote e o Papa- Léguas.

E a ACME Corporation, uma espécie de nossa Tabajara, aparecia em quase todos os desenhos. Sempre tive curiosidade em saber que raios era essa empresa, e de onde surgira esse nome. Fui pesquisar, e olha só o que descobri:

A ACME Corporation fabrica de tudo, desde meras bigornas até kits para o cultivo de tornados. Como o Coiote sabe bem, os produtos da marca podem ter uma qualidade duvidosa, mas são sempre entregues com uma agilidade de invejar. O cliente tranquilamente posta sua encomenda, e espera calmamente ao lado da caixa postal, recebendo o produto em menos de três segundos, mesmo em pleno deserto.

E olha, levando em conta o número de encomendas feitas pelo Coiote, incluindo produtos defeituosos, ele deve ser o maior cliente da companhia…

O curioso é que a fictícia ACME Corporation apareceu pela primeira vez em 1923 (ACME DRUG CO) na comédia Safety Last! com Harold LLoyd, e tem sua origem no mundo real.

O nome “Acme” apareceu pela primeira vez nos EUA dos anos 1920, época em que empresas precisavam figurar nas Páginas Amarelas para serem encontradas (para quem não sabe,  Páginas Amarelas é uma lista telefônica de empresas e serviços, internacionalmente conhecida pela cor amarela do diretório comercial).

Com o intuito de aparecer logo no início da lista telefônica, que colocava tudo em ordem alfabética, empresas de todos os tipos começaram a mudar de nome para “Acme”. A palavra garantia um lugar nas primeiras páginas, e era um bom nome para qualquer ramo de atividade: ela vem do grego para “ápice” – o ponto máximo. Com tanta gente usando a mesma tática de marketing, o nome  perdeu o significado, e começou a ser associado a produtos genéricos. Havia até mesmo uma empresa de verdade chamada Acme, que fabricava bigornas.

“Se você procurasse na lista telefônica por, por exemplo, farmácias, a primeira seria a Farmácia Acme,” explicou o animador da Warner Bros. Chuck Jones, em documentário de 2009.

O grande animador Chuck Jones

A companhia ACME reapareceu num desenho animado do Hortelino Troca-Letras com um kit para aprender boxe por correspondência. Contudo, a maior parte dos produtos é vista nos desenhos animados do Papa-Léguas e Coiote, e foi nessa série que a empresa ficou famosa.

O nome irônico era perfeito para o conglomerado fictício: uma empresa que produzia de tudo – até mesmo pedregulhos desidratados, que ficam gigantescos ao entrar em contato com água -, e cujos produtos eram o oposto daquilo que se espera de algo chamado “Acme”.

Curiosamente, o nome ficou tão comum que foi utilizado até mesmo em outros desenhos da época. E Chuck Jones garante: ao contrário do que especulam, o nome não é uma sigla para A Company that Makes Everything (‘Uma Empresa que Faz Tudo”) ou para American Corporation Manufacturing Everything (Corporação Americana que Fabrica Tudo). Mas não explica o que é…

De todo modo, para encerrar, nada melhor do que vermos nossos heróis (e os produtos ACME) em ação.

 

 

 

Fonte:

Pedro Henrique Lutti Lippe, UOL

Nomes exóticos de cidades… que existem mesmo.

É surpreendentemente criativa a mente humana… Na hora de batizar os filhos, por exemplo, essa criatividade extrapola. Tem gente que recebeu nomes bizarros como Ácido Acético Etílico Da Silva. Ou Agrícola Beterraba Areia Leão. E ainda Amável Pinto e Antônio Treze de Junho de Mil Novecentos e Dezessete…

E os nomes de cidades, então?

Essa cidade fica em Mato Grosso.

Tomar no Geru fica em Sergipe.

A simpática Cuparaque fica em Minas e tem quase 5.000 habitantes.

Capitão Poço, no Pará, é um município com grande produção de laranjas.

Recursolãndia – isso mesmo… – fica no Tocantis e tinha cerca de 3.500 habitantes em 2004.

É uma cidade no interior do Rio Grande do Norte

Essa cidade do Tocantins não recebeu esse nome por causa da grande quantidade de barro no município, como se pode pensar à primeira vista. Foi uma homenagem a seu fundador, Elvécio Cabral Barros. Talvez tenham se inspirado na Disneylândia…

Os nomes exóticos não param aí. Temos ainda Pintópolis (MG), a 600 km de Belo Horizonte, fundada por Germano Pinto, que era dono de terras e abriu espaço para a construção de casas e comércios. Assim surgiu Pintópolis. Lá no Maranhão temos dois povoados, Pau de Estopa e Afoga Bode, e pouco se sabe sobre a origem dos nomes.

Ao redor do mundo, a coisa se repete e a imaginação fértil é abundante.  Na Áustria existe um vilarejo chamado Fucking, nome que é uma homenagem ao comandante militar Focko Ukena. Em Borgonha, o povoado francês Anus é alvo constante de piadinhas. Tem também Bösta, na Suécia; Bunda, na Austrália e até Batman, na Turquia.
A mais impressionante, porém, é a pequena cidade de Llanfairpwllgwyngyllgogerychwyrndrobwllllantysiliogogogochno País de Gales, chamada também de Llanfair. A tradução?
 Igreja de Santa Maria no fundo do aveleiro branco perto de um redemoinho rápido e da Igreja de São Tisílio da gruta vermelha…