Atualidades, Curiosidades, Novidades, Sabedoria

PALAVRAS SEM TRADUÇÃO VIRAM IMAGENS

DESIGNER CRIA ILUSTRAÇÕES PARA SÉRIE DE PALAVRAS ESTRANGEIRAS QUE NÃO TÊM SINÔNIMOS EM OUTRAS LÍNGUAS.

Saudade é uma palavra que só existe na língua portuguesa – essa é uma frase que praticamente todo brasileiro já ouviu antes.

Assim como esse tesouro intraduzível do português, várias outras línguas contam com suas joias únicas, sem tradução direta para outros idiomas e, algumas vezes, bastante difícil de explicar.
A designer indiana Anjana Iyer, instalada hoje em Auckland (Nova Zelândia) utilizou este incrível banco de dados poliglota e criou ilustrações que traduzem cada uma delas.

A série de imagens fez parte de um projeto de 100 dias no qual a profissional deveria criar, diariamente, uma ilustração inédita. De acordo com Anjana Iyer, o projeto ajudou-a a melhorar suas habilidades como ilustradora e ainda a motivava todos os dias a aprender novas línguas.

Palavra do inuíte (região do Ártico na América do Norte) que significa “a frustração de esperar alguém aparecer em sua vida”.

Palavra do norueguês que significa “sentar em um ambiente exterior em um dia ensolarado para tomar uma cerveja”.

Palavra do irlandês que é um substantivo coletivo para ovos de Páscoa.

Palavra do japonês que significa “o tipo de efeito de luz disperso e salpicado que ocorre quando o sol brilha através de árvores”.

Palavra do maori das Ilhas Cook que significa “ter uma perna menor que a outra”.

Palavra do finlandês que significa “um galho de árvore que afundou até o chão de um lago”.

Palavra do francês que significa “rir quietamente na sua barba enquanto pensa em algo que aconteceu no passado”.

Palavra do kwangali (idioma do subgrupo banto das línguas nigero-congolesas) que significa “o ato de andar nas pontas dos pés sobre areia quente”.

Palavra do italiano que significa “mulher, geralmente idosa e solitária, que se devota a cuidar de gatos de rua”.

Palavra do tcheco que significa “dar apenas um toque em um celular para que a outra pessoa ligue de volta e você não precise gastar créditos”.

Palavra do polonês que significa “telegrafista dos movimentos de resistência do lado soviético da Cortina de Ferro”.

Palavra do japonês que significa “o gosto agridoce de um momento rápido e evanescente de beleza transcendente”.

Palavra do russo que significa “uma pessoa que faz muitas perguntas”.

Palavra do alemão que significa “a sensação de estar sozinho nas florestas”.

Fonte:

anualdesign.com.br

Atualidades, Curiosidades, Family, Novidades, Sabedoria

Anos Dourados | moda e comportamento anos 50

A Segunda Grande Guerra havia terminado, deixando a Europa literalmente em escombros, assim como o Japão depois do lançamentos de duas bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, em agosto de 1945. A política continuava bastante tensa, pois a Guerra havia colocado a então União Soviética no palco das grandes potências. Stalin, ditador, chegou até a Alemanha, mas não saiu do país, conforme tratados anteriores.

Totalmente destruída devido a bombardeios dos Aliados, inclusive na população civil alemã (algo que a História tenta esconder até hoje), os Aliados nada puderam fazer e o país foi dividido em dois: Alemanha Oriental, um satélite da URSS e a Alemanha Ocidental, democrática e com suporte dos Aliados (França, Inglaterra e Estados Unidos). A capital Berlim, dividida, foi transferida para Bonn (famílias inteiras foram divididas juntamente com o Muro) e permaneceu neste status quo até 1989, com a Queda do Muro de Berlim, já na era de Mickhail Gorbachev.

Em pouco tempo, a Guerra Fria entre Estados Unidos e União Soviética emergiu forte e perigosa, com a diplomacia deixada de lado. Essa animosidade  culminou com a Guerra da Coreia, onde Estados Unidos apoiavam o Sul e a União Soviética, o Norte. Nunca foi assinado qualquer armistício até hoje e a divisão das Coreias é um pesadelo para suas populações.

Ao fim, Coreia do Sul passou a ser aliada dos americanos e a Coreia do Norte, apoiada pelos soviéticos, deu no que deu até hoje: o país mais fechado do mundo, governado pelo terror e pelo medo da terceira geração de Kim  Jon Il, o patriarca do país. Momentos de tensão e a ameaça de uma guerra nuclear pairavam no ar como um peso na cabeça de todo o mundo.

E ainda tinha mais: este cenário tenso ainda jogou mais água na fervura. Era o tempo da caça às bruxas,  Comitê de Atividades Antiamericanas ( HUAC, em inglês) do senador por Wisconsin, Joseph McCarthy.

Joseph McCarthy

Artistas, escritores, pessoas comuns ficaram na mira da Comissão para “varrer o comunismo” do território americano. Foi um absoluto desrespeito às liberdades individuais que haviam emergido com força total depois da Guerra. Afinal, o Ocidente, capitalista era o símbolo da liberdade de expressão, da livre iniciativa. Começava também a política anti-segregação racional no sul dos Estados Unidos. É o início dos direitos civis para os negros americanos.

Mesmo assim, o mundo vivia a euforia de mais um pós-guerra, onde mais de 25 milhões de pessoas morreram e o mundo soube dos horrores do Holocausto, a grande matança de judeus, ciganos, gays e outras minorias pelas SS alemãs.

O mundo queria ‘passar uma borracha’ em tanta atrocidade e tentava criar uma forma de viver e mudar tudo o que estava aí, esquecendo o passado de perdas e tristeza.

O rock ainda engatinhava, mas seu ídolo máximo, Elvis Presley, lindo e jovem, fazia a mulherada delirar.

Quando se alistou na Guerra da Coreia, as fãs choravam, mas ele, como bom-moço que era à época, foi servir seu país. Na volta, o escândalo: inventou a dança rebolante do rock e os seus trejeitos correram mundo. A moçada começa a servir-se da liberdade e dos direitos civis, que ainda iriam dar o que falar – e convulsionar o mundo – na década seguinte.

Evidentemente, a moda refletia a euforia, a liberdade, a conquista de ser você mesmo. Até porque, com a guerra terminada, retornava o dinheiro e o glamour! Era a época das pin-ups.

O “New Look” de Dior é a grande referência da moda feminina nessa fase do século XX: cintura marcada; saia godê; calça corsário (capri); sapatilhas; cintos finos e tons pastel. Chega de preto, verde oliva, azul-marinho. A onda eram os tons pasteis, leves como a sociedade Ocidental queria viver.

O “New Look” de Christian Dior fez a cabeça da mulherada mundo afora. Sem racionamento, a partir de 1947, Dior usava metros e mais metros de tecido para criar um vestido bem amplo e na altura dos tornozelos.

NUNCA uma tendência foi tão rapidamente aceita como o “New Look” de Dior. A mulher necessitava sentir-se feminina novamente, gostar do luxo e da sofisticação. As saias desciam novamente. Cintura bem marcada e sapatos de saltos altos,  luvas e outros acessórios de luxo, como pele (ainda não havia restrições ecológicas) e joias, muitas joias .

O ícone fashion da temporada era a maravilhosa e estilosa AUDREY HEPBURN!

A influência do “New Look” foi tão arrebatadora que os estilistas do século XXI, da Maison Dior, continuam colocando a cintura marcada, as saias rodadas e os chapéus em suas coleções, a exemplo de John Galliano em 2008, antes de cair em desgraça por racismo.  É o genial na simplicidade sofisticada. Este é o conceito do “New Look”.

Grace Kelly, a atriz que virou princesa, era um dos ícones do “New Look”…,assim como Brigitte Bardot, que estouraria no mundo inteiro com o filme ““… E Deus fez a Mulher”, de Roger Vadim.

 

Grace Kelly
Brigitte Bardot

A blusa ombro a ombro, também chamada de Brigitte Bardot, foi uma das primeiras peças de moda a cair no gosto popular, e sem estar nas passarelas. O mesmo se deu com o xadrez (Vichy) e o “petit pois” (as famosas bolinhas, bolas e bolonas na estamparia da época e, claro, o retorno delas décadas depois).

O mix de listras, xadrez e outras estampas vem dos anos 50. É o de sempre: o que foi ontem volta hoje “repaginado”

Tudo parecia simples e prático, acompanhando as mudanças provocadas pela Guerra.

A década foi marcada por três mulheres com Estilos & Atitudes diferentes. Tinham em comum o charme e o glamour.

Audrey Hepburn – estilo e sofisticação. Meiga, mas ciente de seu lugar no mundo;

Brigitte Bardot – menina, despojada, mas estilosa e dona de si. Estilo mais solto, sem se ater a uma tendência ou outra.

Grace Kelly – faz mais o jeito de Audrey Hepburn. Imagem meiga, sofisticada, estilo clássico – especialmente ao se tornar a Princesa de Mônaco. Foi a atriz favorita de Alfred Hitchkok.

A VOLTA DE CHANEL

Somente em 1954 Coco Chanel reabriu sua Maison em Paris, fechada durante toda a guerra. Primeiramente foi vista como “colaboracionista” do governo de Vichy, aliado dos alemães, pois havia sido amante de um oficial das SS ( o livro “Dormindo com o Inimigo” fala sobre essa fase da vida de Chanel). Aos 70 anos de idade, criou algumas peças que se tornariam ícones inconfundíveis: o tailleur com guarnições trançadas, a famosa bolsa a tiracolo em matelassê e o scarpin bege de ponta escura.

A tradição e os valores conservadores estavam de volta. As pessoas casavam cedo e tinham filhos. Nesse contexto, a mulher dos anos 50, além de bela e bem cuidada, devia ser boa dona-de-casa, esposa e mãe. Vários aparelhos eletrodomésticos foram criados para ajudá-la nessa tarefa difícil, como o aspirador de pó e a máquina de lavar roupas. A calça “rancheira” usada por trabalhadores rurais entra para o mundinho fashion e vira febre da moçada.

O símbolo da calça jeans e camiseta branca foi o ator James Dean.

Topete, T-shirt branca, calças jeans detonadas e o cigarro sempre na boca.  Símbolo do cinema americano da época, sua fama só cresceu ao morrer ainda jovem num acidente de carro.

James Dean foi a personificação do Estilo& Atitude masculino, Estilo que é também descontração. Quanto à Atitude, basta ver o seu olhar na foto.

Em contraposição ao estilo americano descartavelmente planejado, com produtos pouco duráveis, na Europa ressurgiu, especialmente na Alemanha, o estilo modernista da Bauhaus, uma escola de arte, design e arquitetura fundada em 1919 por Walter Corpius ( durou apenas 14 anos, mas influenciou o modernismo e continua atualíssimo), dando continuidade à criação inovadora.

O foco era a fabricar bens duráveis, com design voltado à funcionalidade e ao futuro. De cadeiras a edifícios, a fórmula de linhas simples, durabilidade e equilíbrio eram os pontos fundamentais de qualquer criação que levasse a assinatura dos arquitetos e designers, incluindo a União Soviética, um dos pilares da Bauhaus, considerada arrojada e vanguardista até hoje. Discípulos famosos foram Oscar Niemeyer, Lúcio Costa ( a concepção da Esplanada dos Ministérios é puramente Bauhaus) e Philip Stark, o designer mais famoso da atualidade.

Objetos da Escola de Arquitetura e Design Bauhaus

Criação de Marcel Breuer
Cadeira Barcelona criada por Mies van der Rohe, em1929.

Ao som do rock and roll, a nova música dos anos 50, a juventude norte-americana e mundial buscava sua própria moda. Entre os negros, era vez do jazz. Ambos os ritmos mudaram o modo de ouvir música e lançaram grandes nomes, como Beatles, Louis Armstrong e outros gênios da música americana. O jazz influenciou a bossa nova brasileira que também ganhou o mundo. Uma década de experimentação, inovações e liberdade.

MODA

Na moda? Bem, a moda foi para o lado colegial, que teve origem no sportswear. As moças agora usavam, além das saias rodadas, calças cigarrete até os tornozelos, sapatos baixos, suéter e jeans.

O conforto passou a ser a palavra-chave para o vestir, um critério que adotamos até hoje, a MODA CONFORTÁVEL acima de tudo. As maisons francesas voltaram com tudo com a “haute couture”, sempre para poucas, e o streetwear começa a ganhar força. Um claro sinal de que a moda estava sendo ‘desconstruída’ de acordo com a época. Eram ícones que se tornavam objetos ‘cult’ por serem confortáveis, de fácil acesso e barato: camisetas, calça Levi´s, sapatilhas, tecidos para as costureiras ( quase toda a roupa da classe média era realizada por costureiras).

Moda praia
Calça Cigarrete anos 50 (quase uma legging)
Calça capri

As revistas de moda e das celebridades dos cinemas serviam de ‘inspiração’ para os vestidos rodados, as saias plissadas feitas pelas costureiras. O motivo: a mão-de-obra barata que ficou desempregada depois da Guerra e a profusão de tecidos incríveis em todo o mundo.

Será apenas no final da década de 60 que o binômio passarela/ruas irá mudar para ruas/passarela, fórmula que se mantém até hoje, tal a força da MODA CONCEITO, MODA CONFORTO, MODA STATEMENT, que as ruas levam até as passarelas e não “the other way around”.

 

 

Fonte:

ecolebrasil.com, Mônica Ayub – Jornalista, empresária e assessora de comunicação. Autora do Livro Estilo e Atitude: Reflexos da moda: XIX ao século XXI

Atualidades, Curiosidades, Humor

Placas de banheiro muito criativas!

São criações surpreendentes, e em um local mais surpreendente ainda.

Os banheiros geralmente exibem aquelas placas de identificação padronizadas, determinando apenas se é masculino ou feminino, com o desenho genérico que você vê em locais públicos. Claro, nesses locais transitam pessoas de diferentes nacionalidades e culturas, até de formação, e a imagem que representa os gêneros tem que ser a mais facilmente identificável possível.

Mas existem donos de bares e restaurantes que decidiram inovar e encomendaram placas criativas – algumas até demais, porque o obrigam a pensar um pouco, e isso pode ser complicado quando se está apertado. Dê uma espiada:

placas-de-banheiro-criativas_1

placas-de-banheiro-criativas_2

placas-de-banheiro-criativas_3

placas-de-banheiro-criativas_5

placas-de-banheiro-criativas_6

placas-de-banheiro-criativas_7

placas-de-banheiro-criativas_8

placas-de-banheiro-criativas_10

placas-de-banheiro-criativas_12

placas-de-banheiro-criativas_16

placas-de-banheiro-criativas_18

placas-de-banheiro-criativas_23

placas-de-banheiro-criativas_25

placas-de-banheiro-criativas_31

placas-de-banheiro-criativas_35

 

 

Fonte:

rockntech.com.br

 

 

Atualidades, Curiosidades, Family, Humor, Novidades, Sabedoria

Paris vs. Nova York

Vahram Muratyan é um artista gráfico armênio criado na França cujo trabalho se divide entre criações para clientes e trabalhos pessoais. No outono de 2010, durante uma longa estadia em Nova York, Vahram lançou seu primeiro blog, Paris vs New York, um registro das duas cidades. Um site visto mais de 4 milhões de vezes, e que finalmente se transformou no livro “Paris vs Nova York”, publicado pela Penguin.

É um trabalho belíssimo, que mostra a “guerra visual” vivida por um amante de Paris morando na cidade americana. Não há nenhuma análise profunda falando de uma cidade ou de outra, apenas ilustrações comparando as duas em diversos temas, como estado de espírito, roupas, cenários, trilha sonora e foi publicado no Brasil no começo deste ano. Para quem conhece, não conhece, gostaria de conhecer as duas metrópoles, é uma viagem de extremo bom gosto e muito divertida, por conta de muitas comparações. Quem teve a sorte de visitar as duas, vai adorar.

E quem gosta de design, ilustrações e criatividade vai se esbaldar. Veja alguns exemplos – poucos, para não estragar o prazer do livro.

jrQfgfCdepardieu--de-niro-009BORDEAUX_COSMO31293950superheros

Atualidades, Curiosidades, Family, Humor

George Barris desenhava veículos que pareciam saídos de desenhos animados

George Barris (1925-2015) foi um designer americano mais conhecido pelos seus carros personalizados feitos para Hollywood, principalmente o  Batmóvel de 1966.

Aos 7 anos de idade, Barris já construía carros de brinquedos usando madeira . Foi aí que ganhou os primeiros concursos patrocinados por lojas de hobby. George e seu irmão Sam trabalhavam no restaurante da família e, por sua ajuda, ganharam um Buick 1925, que não estava lá em tão boa forma. George logo o trouxe de volta à vida através do seu talento. Foi o seu primeiro carro customizado. Eles o venderam e, com o lucro obtido, começaram a trabalhar em um novo projeto.

A demanda e a fama do trabalho dos irmãos só aumentava. Foi quando criaram um clube para os proprietários de veículos personalizados, chamado Kustoms Car Club.

Em 1951, Sam tinha personalizado um Mercury Coupé para si e um cliente, que botou os olhos nele, encomendou um carro similar. Esse veículo foi exposto em uma feira chamada Motorama em 1952, e acabou ofuscando o trabalho dos melhores designers de Detroit. Sam também construiu um Ala Kart modelo de 1929 da Ford e, com isso, recebeu dois AMBR (prêmio pelo Roadster mais bonito da América) .

Apesar da atenção alcançada, Sam decidiu largar o negócio e George seguiu a empreitada com sua esposa Shirley, ajudando na promoção da empresa. No início de 1960, Barris, juntamente com outros customizadores seus conhecidos, criou exposições itinerantes que foram montadas para atrair compradores mais jovens.

Logo ele chamou a atenção de estrelas como Bob Hope, Frank Sinatra, John Wayne e Elvis Presley, adaptando seus carros, e foi inevitável que fosse contratado para produzir carros especiais para séries de TV, como o Batmóvel e, depois, carros para “Os Monkees”, “Mannix” e “Os Monstros”, entre outras.

Abaixo, alguns dos carros produzidos para a TV e para celebridades:

O carro da Família Monstro
O carro da Família Monstro
O carro dos Monkees
O carro dos Monkees
 carro-caminhão da série "Família Buscapé", hoje em um museu.
O carro-caminhão da série “Família Buscapé”, hoje em um museu.
Os Mustang conversíveis que ele fez sob encomenda para Sony e Cher, quando a cantora ainda era casada cm esse cantor. Eram customizados no espírito de "ele e ela".
Os Mustang conversíveis que ele fez sob encomenda para Sony e Cher, quando a estrela ainda era casada com esse cantor. Eram customizados no espírito de “ele e ela”.
O Rolls Royce dourado que ele fez para a atriz Zsa-Zsa Gabor.
O Rolls Royce dourado da atriz Zsa-Zsa Gabor.
Este, ele fez para John Wayne...
Este, ele fez para John Wayne…

E agora, alguns modelos extravagantes que Barris fazia para se divertir ou para colecionadores. A maioria desses modelos está no museu dedicado à sua memória, situado em Los Angeles.

 

Fontes:

ideafixa.com

george barris museum

wikipedia

Atualidades, Curiosidades, Family, Humor, Novidades

Logotipos mal elaborados

Farmácia Kudawara… Que tipo de farmácia é essa?

Eles realmente amam as crianças!

Instituto de Estudos Orientais… Esse é f…

A loja se chama Megaflicks, mas como as letras ficaram muito juntas… De repente, sei lá, isso ajuda nas vendas.

Kids Exchange. Mas como escreveram tudo junto, aí já viu.

Belo médico de computador.

Feche um olho…

Eu não ia atualizar este post, mas surgiram duas adições que NÃO POSSO deixar de compartilhar…

Office of Government Commerce, do Reino Unido… Antigamente, eles usavam este logotipo:

Daí, como acontece em todos os departamentos de governo de todos os países, os burocratas que assumiram decidiram “reposicionar as marcas corporativas, no intuito de mostrar à população as novas posturas de governança” e contrataram a peso de milhões (de libras!) um renomado escritório de design londrino. Depois de meses de estudo, eles vieram com isto:

Não sei bem como foi, se alguém imprimiu o logo e o papel caiu no chão em certa posição, ou se alguém estava com torcicolo, o fato é que se você girar a imagem acima a 90 graus sentido horário, você verá isto:

Resultado: depois de centenas de milhares de libras gastas, o novo logo está sendo “reestudado” e a OGC voltou a usar o logo antigo…

1973. Catholic Church’s Archdiocesan Youth Commission lança seu novo logo:

Tudo bem, eram tempos mais simples, mas, caramba… Já naquela época havia uma alteração na visão da sociedade sobre o sacerdócio: de benevolentes cuidadores e orientadores de crianças para molestadores infantis. Quer dizer, apesar de ser um logo bonito, traz uma imagem polissêmica imprudente demais.

ADENDO – a polissemia é a característica de uma palavra (ou imagem) ter um novo sentido além de seu sentido original, guardando uma relação entre elas. Esse recurso da linguagem é muito usado na linguagem publicitária.

Atualidades, Curiosidades, Novidades

Os mais belos carros já construídos

Escolher um carro normalmente não é uma atitude racional, e a emoção tem uma parcela importante no processo. Por isso, pessoalmente, me assusto com a quantidade de carros horríveis, ou simplesmente insossos, rodando pelas nossas ruas e estradas.  Um carro é um objeto de desejo, e seu design geralmente é o que mais me atrai, e depois vem preço, conforto, desempenho, confiança na marca etc. Por isso, fiz uma lista dos 12 carros mais bonitos que já vi, seja ao vivo (uns poucos) ou por fotos e filmes. Se tivesse espaço, minha lista teria mais de 30 modelos…

1929 Duesenberg Modelo J

1965 Porsche 356

1957 Mercedes 300SL Gullwing

1961 Alfa Romeo Giulietta Spider

1957 Citroen DS

1957 Bel-Air

1957 Cadillac Eldorado

1961 Jaguar E-Type

1968 Karmann-Ghia

1925 Rolls Royce Phantom

2005- Alfa Romeo 159

2012 Lamborghini Aventador