Atualidades, Curiosidades, Family, Novidades

PORQUE A NOSSA IMUNIDADE TAMBÉM ENVELHECE!

Esqueça as cápsulas e receitas caseiras! No lugar deles, escolha um suplemento alimentar que auxilia no funcionamento do sistema imune com um delicioso sabor de romã e limão.
É isso mesmo: as vitaminas e os minerais certos que você realmente precisa ingerir!

Não requer nenhum esforço para incorporar essa deliciosa bebida em pó à base de glutamina, vitaminas e minerais na sua rotina diária. Mesmo nos dias mais corridos será muito fácil cuidar da sua imunidade! Beba (M)mūn™ para ajudá-lo a fazer o que você ama, o ano inteiro.*

PORQUE A NOSSA IMUNIDADE TAMBÉM ENVELHECE!

Nosso sistema imune também envelhece, por isso é mais importante do que nunca manter o seu bom funcionamento à medida em que:

   

Envelhecemos         Vivemos stress        Ficamos cansados   E toda hora doentes

EM CADA DOSE DE PRODUTO

Glutamina

• 5000 mg (5g) por dose
• Fonte natural de energia para diversos tecidos do corpo
• Glutamina

Blend de Nutrientes que auxiliam no funcionamento do sistema imune*

• Vitamina A (100 % VD*)
• Vitamina C (100 % VD*)
• Zinco (30 % VD*)

Blend de Antioxidantes que auxiliam na proteção dos danos causados pelos radicais livres

• Vitamina C (100 % VD*)
• Cobre (30 % VD*)
• Manganês (30 % VD*)

Produto

(M)mūn™ é um verdadeiro shot de imunidade!*
Este suplemento alimentar, elaborado com ingredientes selecionados, consiste em um blend de vitaminas, minerais e glutamina.
Nunca foi tão gostoso ficar imune!*

*As vitaminas A, C e o zinco auxiliam no funcionamento do sistema imune.

 

 

Benefícios

Repleto de sabor, o (M)mūn™ é uma maneira prática e deliciosa de auxiliar no funcionamento do sistema imune*.
• Possui vitaminas A, C e zinco, que auxiliam no funcionamento sistema imune;
• Contém Blend de antioxidantes – vitamina C, cobre e manganês, que auxiliam na proteção dos danos causados pelos radicais livres;
• Glutamina 100% pura;
• Com romã, limão e gengibre em pó;
• Baixo valor energético;
• Adoçado com Stevia;
• Sem glúten;
• Sem corantes artificiais (coloração rosada reforçada com beterraba em pó);
• Sem conservantes.

Uso

Adicione um scoop (6,0g) do produto em um copo de 100 ml de água, mexa até completa diluição e consuma em seguida.
Consumir uma dose diariamente.

 

 

 

 

 

 

 

Se quiser comprar agora, basta clicar no botão abaixo:

Se quiser se juntar à empresa global que mais cresce no mundo, graças à simples ideia que todo mundo merece uma chance de viver uma vida com saúde juventude e descobrir a liberdade financeira, visite-nos clicando no logo que está abaixo.

 

Curiosidades, Novidades, Sabedoria

Tecnologias do Velho Oeste

O Velho Oeste é o período histórico em que os EUA buscaram expandir suas fronteiras em direção à Costa Oeste do continente – o qual perdurou durante boa parte do século XIX e início do XX.

Apesar de o início da colonização do território norte-americano ter acontecido dois séculos antes, o interesse em alcançar a outra costa surgiu em 1803, depois de o país ter adquirido um estado pertencente à França – episódio que ficou conhecido como a “Compra da Louisiana”. O pontapé para a jornada territorial foi dado pelo então presidente Thomas Jefferson.

Contudo, na procura por riquezas e progresso, os exploradores não contavam encontrar tanta resistência da comunidade indígena que já habitava aquela parte do continente. O grande fluxo da migração dos descendentes dos europeus acabou oprimindo a cultura e a população da minoria étnica, que nesse caso eram os índios.

A linha temporal do Velho Oeste se estendeu até 1920, acompanhando o término da Revolução Mexicana. Essa combinação de corrida por poder e guerra civil acabou impulsionando o desenvolvimento e aprimoramento de diversas tecnologias. Algumas delas você verá agora.

Tiro nem tão certeiro

Detalhe do fecho de pederneira de uma espingarda do século XIX. (Fonte da imagem: Werner Hanauska/Wikimedia Commons)

A espingarda de pederneira é uma arma com cano longo que usa o fecho de pederneira como dispositivo de disparo. Esse mecanismo consiste em uma peça com o formato de um martelo (também chamada de “cão”) que, ao ser acionada pelo gatilho, atinge um componente móvel de aço (denominado “fuzil”).

Com o impacto, é gerada uma faísca que incendeia a pólvora alocada no orifício que interligava essa parte da arma com o interior da sua câmera – ocasionando a deflagração que, enfim, dispara a bala de chumbo esférica. Atirar com esse tipo de armamento não era nada fácil. Todo o processo de preparação para um disparo era feito manualmente, fato que o tornava muito lento – um combatente bem treinado conseguia atirar no máximo três vezes por minuto.

O mínimo erro nesse procedimento, ou a presença de pólvora de má qualidade, era o suficiente para impedir o disparo. Além disso, por usar balas esféricas, os tiros estavam sujeitos a deformações e desvios com muita facilidade. Com isso, era quase impossível acertar um inimigo que estivesse a mais de 100 metros de distância.

Apesar de no período do Velho Oeste já existirem modelos de espingardas mais avançadas, as armas com fecho de pederneiras eram mais acessíveis, por isso se popularizaram nos confrontos entre índios e exploradores.

Não mexa na dina…

A. Serragem (ou qualquer outro tipo de material absorvente) misturada à nitroglicerina; B. Revestimento de proteção em torno do material explosivo; C. Cápsula detonadora; D. Fio ligado à cápsula detonadora. (Fonte da imagem: Pbroks13/Wikimedia Commons)

A dinamite foi inventada por Alfred Nobel em 1867 e foi uma tecnologia amplamente utilizada durante a expansão territorial norte-americana. Esse artefato consiste basicamente na combinação de nitroglicerina (composto químico altamente explosivo) a materiais absorventes – como argila ou serragem.

As chamadas “bananas” de dinamite possuem aproximadamente 20 centímetros de comprimento por 3,2 centímetros de diâmetro e pesam cerca de 230 gramas. Esse material foi muito utilizado no Velho Oeste para escavação de minas de carvão.

Contudo, devido à instabilidade da nitroglicerina, que pode detonar com qualquer movimento mais brusco, houve muitos acidentes durante a exploração de minério. Nesse período, diversos edifícios que estocavam dezenas de caixas de dinamite acabaram indo para os ares, literalmente. Obviamente, o explosivo também foi utilizado para guerrear – ele era a forma mais eficiente de acabar com acampamentos e meios de transporte inimigos.

Piuííí

Foto: autor desconhecido

O carvão extraído das minas abertas com a dinamite servia, entre outras atividades, para alimentar os motores a vapor que impulsionaram trens e barcos no oeste dos EUA a partir do século XIX. Esse tipo de maquinário usa a pressão do vapor, devidamente direcionada, para movimentar pistões conectados a peças articuladas e interligadas a rodas ou “moinhos” – promovendo o movimento dos veículos.

Embora a turbina a vapor tenha sido criada no século anterior, ela começou a ser utilizada em locomotivas sobre trilhos a partir de 1804 e em barcos três anos mais tarde. No avanço dos EUA rumo à Costa Oeste, os trens movidos a vapor geralmente serviam para o transporte de cargas, como alimentos, carvão e madeira. Por sua vez, os navios eram utilizados em sua maioria para a locomoção de pessoas.

Você pode até achar que essas tecnologias seculares estão obsoletas, mas elas ainda circulam por aí. Aqui no Brasil, existem locomotivas (apelidadas carinhosamente de marias-fumaça) rodando por cidades do interior e barcos (popularmente conhecidos como “gaiolas”) navegando pelos rios São Francisco e Amazonas.

Poder de destruição

(Fonte da imagem: Producer/Wikimedia Commons)

Para ocasiões em que o poder de fogo precisava de mais potência, os exploradores apelavam para os canhões – os quais, de maneira grosseira, naquela época, podiam ser considerados revólveres gigantes. Isso porque o funcionamento de ambas as armas é bem parecido.

Um canhão também possui uma peça metálica (martelo) que ao se chocar com a munição envolta por pólvora incita uma explosão (deflagração), a qual lança o projétil (bolas de ferro ou chumbo que chegavam a ter 15 cm de diâmetro e pesar 34 kg) a uma distância de até 3 km.

Há grandes controvérsias sobre que povo teria inventado o canhão. Entre as hipóteses existentes, as mais aceitas seriam que os chineses ou os mouros teriam sido os responsáveis pelo desenvolvimento desse armamento. O dado mais concreto é que a arma foi elaborada no século XIII, depois do descobrimento da pólvora.

Na corrida do Velho Oeste, os canhões foram usados em inúmeras batalhas – decidindo muitas delas. Como essas armas acompanhavam os movimentos de peregrinação, a maioria delas era montada sobre carretas de madeira para facilitar a sua locomoção – uma prática muito comum também durante a Primeira Guerra Mundial.

Sentido noroeste

Bússola do século XVIII feita de madeira, bronze, aço e vidro. (Fonte da imagem: Luis García/Wikimedia Commons)

O sol sempre foi um recurso de orientação bastante utilizado. Contudo, no século XIX não existia um mecanismo de direcionamento mais seguro do que a bússola. De maneira bem simplória, podemos definir esse dispositivo como uma agulha magnética, fixada de forma que a permita ter mobilidade, e que é atraída pelo polo magnético terrestre.

De acordo com relatos históricos, a descoberta da orientação natural dos ímãs é atribuída aos chineses. Assim, por consequência, a invenção da bússola também foi incluída no portfólio dos orientais.

Durante as longas caminhadas dos exploradores que promoveram a expansão territorial dos EUA, esse instrumento de navegação foi muito importante para que eles não perdessem o rumo da Costa Oeste.

Ponto, traço, traço e ponto

Telégrafo usado no Velho Oeste

Samuel Morse ainda era estudante quando, em 1832, teve contato com conhecedores do eletroímã. Esse fato foi crucial para que o inventor tivesse a ideia de construir um equipamento para comunicações à longa distância por meio de códigos. Três anos mais tarde, ele tinha um primeiro protótipo do telégrafo.

O Código Morse, o mais difundido para esse tipo de equipamento, usa pontos e traços para construir mensagens que possam ser transmitidas de maneira rápida e segura – evitando que as informações sejam entendidas por pessoas indesejadas. Até a popularização do telefone, no início do século XX, o telégrafo foi o principal mecanismo de comunicação – incluindo o período do Velho Oeste.

******

Um documentário produzido pelo History Channel mostra mais algumas invenções desse período. Algumas nem saíram do papel, outras são ridículas. Ainda assim, é interessante saber como as pessoas tentaram solucionar diversos problemas. Divirta-se.

 

 

 

 

 

Fontes:

tecmundo.com.br, Fernando Daquino

Wikipedia

Youtube

Atualidades, Curiosidades, Family, Novidades, Sabedoria

Anos Dourados | moda e comportamento anos 50

A Segunda Grande Guerra havia terminado, deixando a Europa literalmente em escombros, assim como o Japão depois do lançamentos de duas bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, em agosto de 1945. A política continuava bastante tensa, pois a Guerra havia colocado a então União Soviética no palco das grandes potências. Stalin, ditador, chegou até a Alemanha, mas não saiu do país, conforme tratados anteriores.

Totalmente destruída devido a bombardeios dos Aliados, inclusive na população civil alemã (algo que a História tenta esconder até hoje), os Aliados nada puderam fazer e o país foi dividido em dois: Alemanha Oriental, um satélite da URSS e a Alemanha Ocidental, democrática e com suporte dos Aliados (França, Inglaterra e Estados Unidos). A capital Berlim, dividida, foi transferida para Bonn (famílias inteiras foram divididas juntamente com o Muro) e permaneceu neste status quo até 1989, com a Queda do Muro de Berlim, já na era de Mickhail Gorbachev.

Em pouco tempo, a Guerra Fria entre Estados Unidos e União Soviética emergiu forte e perigosa, com a diplomacia deixada de lado. Essa animosidade  culminou com a Guerra da Coreia, onde Estados Unidos apoiavam o Sul e a União Soviética, o Norte. Nunca foi assinado qualquer armistício até hoje e a divisão das Coreias é um pesadelo para suas populações.

Ao fim, Coreia do Sul passou a ser aliada dos americanos e a Coreia do Norte, apoiada pelos soviéticos, deu no que deu até hoje: o país mais fechado do mundo, governado pelo terror e pelo medo da terceira geração de Kim  Jon Il, o patriarca do país. Momentos de tensão e a ameaça de uma guerra nuclear pairavam no ar como um peso na cabeça de todo o mundo.

E ainda tinha mais: este cenário tenso ainda jogou mais água na fervura. Era o tempo da caça às bruxas,  Comitê de Atividades Antiamericanas ( HUAC, em inglês) do senador por Wisconsin, Joseph McCarthy.

Joseph McCarthy

Artistas, escritores, pessoas comuns ficaram na mira da Comissão para “varrer o comunismo” do território americano. Foi um absoluto desrespeito às liberdades individuais que haviam emergido com força total depois da Guerra. Afinal, o Ocidente, capitalista era o símbolo da liberdade de expressão, da livre iniciativa. Começava também a política anti-segregação racional no sul dos Estados Unidos. É o início dos direitos civis para os negros americanos.

Mesmo assim, o mundo vivia a euforia de mais um pós-guerra, onde mais de 25 milhões de pessoas morreram e o mundo soube dos horrores do Holocausto, a grande matança de judeus, ciganos, gays e outras minorias pelas SS alemãs.

O mundo queria ‘passar uma borracha’ em tanta atrocidade e tentava criar uma forma de viver e mudar tudo o que estava aí, esquecendo o passado de perdas e tristeza.

O rock ainda engatinhava, mas seu ídolo máximo, Elvis Presley, lindo e jovem, fazia a mulherada delirar.

Quando se alistou na Guerra da Coreia, as fãs choravam, mas ele, como bom-moço que era à época, foi servir seu país. Na volta, o escândalo: inventou a dança rebolante do rock e os seus trejeitos correram mundo. A moçada começa a servir-se da liberdade e dos direitos civis, que ainda iriam dar o que falar – e convulsionar o mundo – na década seguinte.

Evidentemente, a moda refletia a euforia, a liberdade, a conquista de ser você mesmo. Até porque, com a guerra terminada, retornava o dinheiro e o glamour! Era a época das pin-ups.

O “New Look” de Dior é a grande referência da moda feminina nessa fase do século XX: cintura marcada; saia godê; calça corsário (capri); sapatilhas; cintos finos e tons pastel. Chega de preto, verde oliva, azul-marinho. A onda eram os tons pasteis, leves como a sociedade Ocidental queria viver.

O “New Look” de Christian Dior fez a cabeça da mulherada mundo afora. Sem racionamento, a partir de 1947, Dior usava metros e mais metros de tecido para criar um vestido bem amplo e na altura dos tornozelos.

NUNCA uma tendência foi tão rapidamente aceita como o “New Look” de Dior. A mulher necessitava sentir-se feminina novamente, gostar do luxo e da sofisticação. As saias desciam novamente. Cintura bem marcada e sapatos de saltos altos,  luvas e outros acessórios de luxo, como pele (ainda não havia restrições ecológicas) e joias, muitas joias .

O ícone fashion da temporada era a maravilhosa e estilosa AUDREY HEPBURN!

A influência do “New Look” foi tão arrebatadora que os estilistas do século XXI, da Maison Dior, continuam colocando a cintura marcada, as saias rodadas e os chapéus em suas coleções, a exemplo de John Galliano em 2008, antes de cair em desgraça por racismo.  É o genial na simplicidade sofisticada. Este é o conceito do “New Look”.

Grace Kelly, a atriz que virou princesa, era um dos ícones do “New Look”…,assim como Brigitte Bardot, que estouraria no mundo inteiro com o filme ““… E Deus fez a Mulher”, de Roger Vadim.

 

Grace Kelly
Brigitte Bardot

A blusa ombro a ombro, também chamada de Brigitte Bardot, foi uma das primeiras peças de moda a cair no gosto popular, e sem estar nas passarelas. O mesmo se deu com o xadrez (Vichy) e o “petit pois” (as famosas bolinhas, bolas e bolonas na estamparia da época e, claro, o retorno delas décadas depois).

O mix de listras, xadrez e outras estampas vem dos anos 50. É o de sempre: o que foi ontem volta hoje “repaginado”

Tudo parecia simples e prático, acompanhando as mudanças provocadas pela Guerra.

A década foi marcada por três mulheres com Estilos & Atitudes diferentes. Tinham em comum o charme e o glamour.

Audrey Hepburn – estilo e sofisticação. Meiga, mas ciente de seu lugar no mundo;

Brigitte Bardot – menina, despojada, mas estilosa e dona de si. Estilo mais solto, sem se ater a uma tendência ou outra.

Grace Kelly – faz mais o jeito de Audrey Hepburn. Imagem meiga, sofisticada, estilo clássico – especialmente ao se tornar a Princesa de Mônaco. Foi a atriz favorita de Alfred Hitchkok.

A VOLTA DE CHANEL

Somente em 1954 Coco Chanel reabriu sua Maison em Paris, fechada durante toda a guerra. Primeiramente foi vista como “colaboracionista” do governo de Vichy, aliado dos alemães, pois havia sido amante de um oficial das SS ( o livro “Dormindo com o Inimigo” fala sobre essa fase da vida de Chanel). Aos 70 anos de idade, criou algumas peças que se tornariam ícones inconfundíveis: o tailleur com guarnições trançadas, a famosa bolsa a tiracolo em matelassê e o scarpin bege de ponta escura.

A tradição e os valores conservadores estavam de volta. As pessoas casavam cedo e tinham filhos. Nesse contexto, a mulher dos anos 50, além de bela e bem cuidada, devia ser boa dona-de-casa, esposa e mãe. Vários aparelhos eletrodomésticos foram criados para ajudá-la nessa tarefa difícil, como o aspirador de pó e a máquina de lavar roupas. A calça “rancheira” usada por trabalhadores rurais entra para o mundinho fashion e vira febre da moçada.

O símbolo da calça jeans e camiseta branca foi o ator James Dean.

Topete, T-shirt branca, calças jeans detonadas e o cigarro sempre na boca.  Símbolo do cinema americano da época, sua fama só cresceu ao morrer ainda jovem num acidente de carro.

James Dean foi a personificação do Estilo& Atitude masculino, Estilo que é também descontração. Quanto à Atitude, basta ver o seu olhar na foto.

Em contraposição ao estilo americano descartavelmente planejado, com produtos pouco duráveis, na Europa ressurgiu, especialmente na Alemanha, o estilo modernista da Bauhaus, uma escola de arte, design e arquitetura fundada em 1919 por Walter Corpius ( durou apenas 14 anos, mas influenciou o modernismo e continua atualíssimo), dando continuidade à criação inovadora.

O foco era a fabricar bens duráveis, com design voltado à funcionalidade e ao futuro. De cadeiras a edifícios, a fórmula de linhas simples, durabilidade e equilíbrio eram os pontos fundamentais de qualquer criação que levasse a assinatura dos arquitetos e designers, incluindo a União Soviética, um dos pilares da Bauhaus, considerada arrojada e vanguardista até hoje. Discípulos famosos foram Oscar Niemeyer, Lúcio Costa ( a concepção da Esplanada dos Ministérios é puramente Bauhaus) e Philip Stark, o designer mais famoso da atualidade.

Objetos da Escola de Arquitetura e Design Bauhaus

Criação de Marcel Breuer
Cadeira Barcelona criada por Mies van der Rohe, em1929.

Ao som do rock and roll, a nova música dos anos 50, a juventude norte-americana e mundial buscava sua própria moda. Entre os negros, era vez do jazz. Ambos os ritmos mudaram o modo de ouvir música e lançaram grandes nomes, como Beatles, Louis Armstrong e outros gênios da música americana. O jazz influenciou a bossa nova brasileira que também ganhou o mundo. Uma década de experimentação, inovações e liberdade.

MODA

Na moda? Bem, a moda foi para o lado colegial, que teve origem no sportswear. As moças agora usavam, além das saias rodadas, calças cigarrete até os tornozelos, sapatos baixos, suéter e jeans.

O conforto passou a ser a palavra-chave para o vestir, um critério que adotamos até hoje, a MODA CONFORTÁVEL acima de tudo. As maisons francesas voltaram com tudo com a “haute couture”, sempre para poucas, e o streetwear começa a ganhar força. Um claro sinal de que a moda estava sendo ‘desconstruída’ de acordo com a época. Eram ícones que se tornavam objetos ‘cult’ por serem confortáveis, de fácil acesso e barato: camisetas, calça Levi´s, sapatilhas, tecidos para as costureiras ( quase toda a roupa da classe média era realizada por costureiras).

Moda praia
Calça Cigarrete anos 50 (quase uma legging)
Calça capri

As revistas de moda e das celebridades dos cinemas serviam de ‘inspiração’ para os vestidos rodados, as saias plissadas feitas pelas costureiras. O motivo: a mão-de-obra barata que ficou desempregada depois da Guerra e a profusão de tecidos incríveis em todo o mundo.

Será apenas no final da década de 60 que o binômio passarela/ruas irá mudar para ruas/passarela, fórmula que se mantém até hoje, tal a força da MODA CONCEITO, MODA CONFORTO, MODA STATEMENT, que as ruas levam até as passarelas e não “the other way around”.

 

 

Fonte:

ecolebrasil.com, Mônica Ayub – Jornalista, empresária e assessora de comunicação. Autora do Livro Estilo e Atitude: Reflexos da moda: XIX ao século XXI

Atualidades, Curiosidades, Novidades

Streaming de vídeo tem mais audiência que TV paga no Brasil

Netflix e outros serviços de streaming superam Ibope de TV por assinatura entre 7h e 0h; audiência online pode ser ainda maior

Serviços de streaming representam o futuro do entretenimento televisivo, e isso também vem se tornando realidade no Brasil: uma pesquisa da Kantar Ibope aponta que as transmissões pela internet de serviços como NetflixYouTubeGloboplayAmazon Prime Video e outros já ultrapassam a audiência de TV por assinatura.

O colunista Ricardo Feltrin, do UOL, obteve dados relativos ao mês de maio. A audiência entre 7h e 0h de conteúdo em streaming foi de 6,9 pontos, representando 14,6% de todas as TVs ligadas no Brasil; enquanto os canais pagos somaram 6,7 pontos e 14,1%. Cada ponto de medição representa 250 mil domicílios.

Considerando a média das 24 horas no dia, o streaming empatou com a TV por assinatura com 5,7 pontos, e teve um décimo a mais na porcentagem de transmissões. No entanto, é bem provável que a audiência online seja ainda maior: a medição do Kantar Ibope considera apenas conteúdo exibido em TVs, deixando de lado grande parte da população que consome videos através de smartphones, tablets e computadores.

Não é surpresa que os serviços de streaming tenham boa performance: o custo mensal de TV por assinatura é muito elevado, enquanto a internet fornece soluções mais baratas e até gratuitas. O aparelho do Ibope (peoplemeter) mensura Netflix, YouTube, Globoplay, Amazon Prime Video, UOL Play, Record PlayPlus, Google Play Filmes, conteúdo adulto, entre outros.

Dados da Anatel de abril de 2020 revelam que o Brasil tinha 15,3 milhões de acessos de TV por assinatura. A Claro e NET ocupam 49% desse mercado, com cerca de 7,5 milhões de assinaturas, seguidas por Sky (4,5 milhões), Oi (1,49 milhões) e Vivo (1,27 milhões). A tecnologia mais utilizada é DTH (satélite), com 49,7%, seguido por cabo (43,9%) e IPTV por fibra óptica (6,4%).

TV aberta ainda domina Ibope

Ainda que os streamings estejam cada vez mais relevantes, as plataformas digitais ainda estão longe de desbancar os canais de TV aberta no país – ao menos enquanto a internet não for acessível à maior parte da população. Entre 7h e 0h, mais de 60% dos televisores estão sintonizados em algum canal tradicional, sendo pelo menos 30% na Globo.

Além disso, o Grupo Globo possui forte presença no mercado de TV paga em canais como Globonews, Telecine, GNT, Multishow, SporTV, Gloob, Bis e Off.

 

 

 

 

Fonte:

tecnoblog.net

 

Curiosidades, Family, Humor, Novidades

Fatos curiosos… e nojentos… sobre os cavaleiros medievais

A gente se acostumou a ver o cavaleiro medieval no cinema, na TV ou nos quadrinhos, como sendo um sujeito galante, corajoso e, muitas vezes, bonitão. Por exemplo, o primeiro papel de destaque do Roger Moore, muito antes de ficar famoso em todo mundo como James Bond, 007, foi o do cavaleiro Ivanhoé – uma série britânica que chegou a passar nas TVs brasileiras na década de 1960.

Roger Moore, ainda mocinho, como Ivanhoé.

Antes dele, porém, já havia um herói medieval de muito sucesso nos quadrinhos, criado por Hal Foster, o Príncipe Valente.

Repare como são fortes, altos, bonitos e limpinhos. Assim como outros heróis medievais cujos filmes a gente assistiu nas telonas…

Sinto desapontá-los, porém, com a verdade nua e crua: embora nos filmes, seriados e contos sobre os incríveis cavaleiros medievais, eles sejam retratados como guerreiros fortes e, principalmente, altos, acredita-se que a média de altura deles não passasse muito de 1,60 metro! Essa afirmação ainda não tem provas científicas, mas o tamanho das armaduras encontradas e apresentadas em museus ao redor do mundo sugere que o número seja preciso e próximo do real…

Mas as novidades bombásticas não param aí!

Talvez você saiba que as condições de higiene no mundo medieval não eram das mais favoráveis para as pessoas, mas para os cavaleiros, eram ainda piores. Não existiam locais de banho acessíveis para os membros da classe guerreira e eles podiam passar um ano inteiro com apenas três banhos! Imagine o cheirim debaixo da armadura…

Falar nisso me fez lembrar de outro… hã… detalhe…

Vestir uma armadura completa poderia levar até uma hora e, em várias ocasiões, só era possível com a ajuda de um servo. Sendo assim, os cavaleiros não viviam tirando e colocando suas armaduras quando queriam. Então, se chegasse a hora de o coitado fazer o número 1 ou – ainda pior  – o número 2, e ele não conseguisse remover partes de sua armadura, teria que fazer tudo vestido mesmo! Por isso, alguns modelos de armaduras possuíam pequenas aberturas que permitiam que os cavaleiros pudessem se aliviar mesmo vestidos.

O que era um risco de levar um golpe por entre essas aberturas…

Agora, pensa como era o interior de uma armadura dessas? Sem banhos e oportunidades de ir ao banheiro, os cavaleiros passavam horas dentro de armaduras imundas. Além das sujeiras do próprio corpo, elas podiam acumular sangue dos próprios guerreiros ou dos adversários e pedaços de comida. Barbas, cabelos e mãos também eram repletos de sujeira…

Daí, meu caro leitor ou cara leitora, se era difícil para os cavaleiros medievais encontrarem condições propícias para o banho, imagine se eles iriam se preocupar com seus dentes? Além da falta de higiene, vários cavaleiros apresentavam dentes irregulares, por terem quebrado alguns deles em batalha. Não era raro encontrar um cavaleiro mais experiente sem todos os dentes antes mesmo dos 30 anos.

Agora… pensa na aparência de um guerreiro desses?

Sujeira por todo o lado, nas unhas, cabelos… pedaços de comida, sangue seco, cheiro de jaula dentro da armadura de metal… Esquece o visual de um príncipe sedutor… Quando tiravam sua armadura, nada de cabelos e barbas aparados e dentes limpinhos, eles se pareciam mais com os bárbaros selvagens contra os quais lutavam.

Aí, nosso herói medieval fedido e sujo tirou a armadura e, depois de tanto tempo preso naquela lata de sardinha gigante, ele quer ter uma noite de rala e rola.

De novo, esqueça a imagem de guerreiros honrados e galãs conquistadores de princesas e mocinhas indefesas. Era comum que os cavaleiros conseguissem sexo, após as vitórias em batalha, violentando mulheres e garotas de vilas ou tribos rivais. Virgens eram os alvos preferidos dos cavaleiros.

Sim, eu sei que tudo isso é uma grande decepção… esses heróis galantes não tinham nada de galantes. Talvez seja melhor mesmo a gente guardar na memória a imagem de nossos heroicos cavaleiros enfrentando dragões e salvando a princesa.

Pelo menos, nesses contos, a gente não precisa lidar com a realidade, né?

Caráter vetor criado por macrovector – br.freepik.com

 

 

 

 

fontes:

wikipedia

fatosdesconhecidos.ig.com.br

 

Novidades

Em 1964, a imprensa disse sim ao golpe militar

Fonte: blog de Mário Magalhães

Há mais de 50 anos, o Brasil viveu uma virada política com a instauração do regime militar, que durou de 1 de abril de 1964 até 15 de março de 1985, sob comando de sucessivos governos militares. O blog de Mário Magalhães relembrou as primeiras páginas de jornais e capas de revistas publicadas nas horas quentes do princípio de abril de 1964:

“Mais do que informação, constituíam propaganda, notadamente a favor da deposição do presidente constitucional João Goulart.

Até onde alcança o conhecimento do blogueiro, as imagens configuram a mais extensa amostra (ficarei feliz se não for) do comportamento do jornalismo brasileiro meio século atrás. Trata-se de documento histórico, seja qual for a opinião sobre os acontecimentos.

Dos periódicos aqui reunidos, oriundos de cinco Estados, a maioria são jornais diários, alguns dos quais já não circulam, e dois são revistas hoje extintas.

Apenas três se pronunciaram em defesa da Constituição: ”Última Hora”, ”A Noite” e ”Diário Carioca”. Nos idos de 1964, os dois últimos não tinham muitos leitores.

Os outros, em diferentes tons, desfraldaram a bandeira golpista.

As fontes da garimpagem foram: Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional; Google News Newspaper Archive; sites e versões impressas de jornais; não menos importantes, blogs e sites, aos quais sou imensamente grato.

É muito provável que, quanto mais capas se somarem, maior seja a proporção das publicações que saudaram o movimento que pariu a ditadura de 21 anos.

Para não ser original e repetir uma expressão consagrada: em 1964, a imprensa disse sim ao golpe”.

O Globo (Rio), 2 de abril de  1964:”Empossado Mazzilli na Presidência”.
Título do editorial: ”Ressurge a democracia!”

O Dia, 3 de abril de 1964: ”Fabulosa demonstração de repulsa ao comunismo”.

Jango chegou ao Rio Grande do Sul no dia 2. De lá, iria para o Uruguai. ”O Dia”: ‘‘Jango asilado no Paraguai!”.



Jornal do Brasil (Rio), 1º de abril de 1964: ”S. Paulo adere a Minas e anuncia marcha ao Rio contra Goulart”.

”’Gorilas’ [pró-Jango] invadem o JB.”

Folha de S. Paulo, 2 de abril de 1964: ”Congresso declara Presidência vaga: Mazzilli assume”.

”Papel picado comemorou a ‘renúncia’ de João Goulart.”

A Noite (Rio), 1º de abril de 1964: ”Povo e governo superam a sublevação”.

Contrário ao golpe, jornal aposta no triunfo de Jango.

Diário de Piracicaba (SP), 2 de abril de 1964: ”Cessadas as operações militares: A calma volta a reinar no país”.

No dia seguinte: ”Relação de deputados que poderão ser enquadrados: Comunistas ou ligações com o comunismo”.

Diário de Pernambuco, 2 de abril de 1964: ”Jango sai de Brasília rumo a Porto Alegre ou exterior: posse de Mazilli”.

Governador constitucional Miguel Arraes, vestido de branco no Fusca, é preso e cassado.

Última Hora, 2 de abril de 1964: ”Jango no Rio Grande e Mazzilli empossado”.

Jogando a toalha: ”Jango dispensa o sacrifício dos gaúchos”.

O Estado de S. Paulo, 2 de abril de 1964: ”Vitorioso o movimento democrático”.

É a contracapa, porque a primeira página, era o padrão, só tinha notícias do exterior.

O Cruzeiro, 10 de abril de 1964: ”Edição histórica da Revolução”.

Revista celebra um herói da ”Revolução”, o governador de Minas, Magalhães Pinto, um dos artífices do golpe.

Fatos & Fotos, abril de 1964 (data não identificada): ”A grande rebelião”.

Uma revista em júbilo.

Diário da Noite (São Paulo), 2 de abril de 1964: ”Ranieri Mazzilli é o presidente”.

O jornal dos Diários Associados trata a nova ordem como ”legalidade”

Diário Carioca, 1º de abril de 1964: ”Guarnições do I Exército marcham para sufocar rebelião em Minas Gerais”.

O jornal defendeu a Constituição.

Correio da Manhã (Rio), 1º de abril de 1964: ”(?) Estados já em rebelião contra JG”.

Editorial clama pela deposição de João Goulart: ”Fora!”.

Diário de Notícias (Rio), 2 de abril de 1964: ”Marinha caça Goulart”.

”Ibrahim Sued informa: É o fim do comunismo no Brasil.”


Atualidades, Curiosidades, Family, Novidades

A Garota de Vermelho de 1913

Mais de 100 anos depois de terem sido tiradas, essas imagens de uma adolescente em Dorset, na Inglaterra, tomaram conta do Twitter e do Instagram.

Uma foto em close relativamente incomum na época, tirada na praia em Lulworth Cove, Dorset, em 1913. A grande abertura reduziu o fundo a uma quase abstração, e a falta de referências óbvias do período em que foi tirada dá a esta imagem um toque moderno. Christina in a Red Cloak, 1913, Mervyn O’Gorman © Royal Photographic Society Collection

A garota em questão é Christina, e as fotos circularam nas redes sociais e na imprensa mundial. O Daily Mail a chamou de “a Dama de Vermelho original”. O Daily Mirror sugeriu que as imagens pareciam tão contemporâneas que deveríamos usar a hashtag #tinaonthebeach. E o El Pais apelidou Christina de “Una‘ pin-up ’de Flickr del siglo XX” .

O longo tempo de exposição deu ao mar uma qualidade vítrea e a grande abertura e a profundidade de campo limitada colocaram Durdle Door, ao fundo, fora de foco. Christina on the Beach, 1913, Mervyn O’Gorman © Royal Photographic Society Collection

Mas, quem foi Christina?

Seu nome completo era Christina Elizabeth Frances Bevan e ela nasceu em Harrow em 8 de março de 1897. Christina era filha de Edwyn Robert Bevan e Mary Waldegrave, que era conhecida pela família e amigos como Daisy. Eles tinham duas filhas – Christina e Anne Bevan – e moravam a apenas dois minutos a pé da casa da família de Mervyn O’Gorman, o fotógrafo amador e autor das fotos.

Um slide de Christina, Daisy e Anne caminhando até a praia em West Lulworth – a localização dos retratos de Christina – agosto de 1913. Por Mervyn O’Gorman

Talvez nunca saibamos qual era a relação precisa entre as duas famílias, mas, qualquer que fosse o vínculo, ambas as famílias eram claramente amigas. Certamente, a amizade foi suficiente para Mervyn acompanhar Daisy e suas duas filhas em uma viagem a Lulworth Cove em agosto de 1913, onde tirou os retratos de Christina.

Um retrato evocativo tirado na praia de Lulworth Cove. A escolha do traje de banho de Cristina foi fortuita, já que o vermelho era uma cor que o processo autocromo capturava particularmente bem. Christina on the Beach, 1913, Mervyn O’Gorman © Royal Photographic Society Collection


O autocromo é um antigo processo de fotografia colorida. Patenteado em 1903 pelos irmãos Lumière, na França, e comercializado pela primeira vez em 1907, permaneceu o principal processo para se obter fotografias a cores durante o início do século XX, especialmente na década de 1930.

Foto do Taj-Mahal usando o autocromo, de 1921.


Uma fotografia serena, quase surreal. O longo tempo de exposição necessário, mesmo sob sol forte, deu ao mar uma qualidade irreal de vidro. O vermelho vivo de seu traje está em dramático contraste com os tons naturais suaves do fundo. Ao longe avista-se o barco a remo que aparece em algumas das outras fotografias tiradas no mesmo dia. Christina Paddling, 1913, Mervyn O’Gorman © Royal Photographic Society Collection

E quem foi Mervyn O’Gorman?

Nascido na Irlanda, Mervyn Joseph Pius O’Gorman (1871–1958) é mais conhecido como um dos maiores engenheiros aeronáuticos britânicos. Durante a Primeira Guerra Mundial, ele foi chefe do Royal Aircraft Establishment em Farnborough. Ele também foi um pioneiro do automobilismo, escrevendo o O’Gorman’s Motoring Pocket Book em 1904, e esteve ativamente envolvido no Royal Automobile Club, tornando-se seu vice-presidente. Posteriormente, desempenhou um papel fundamental na introdução do Código de Trãnsito nas Estradas.

O’Gorman era um artista, além de engenheiro, concentrando-se em gravura e trabalho com laca. Ele também era um fotógrafo talentoso. Um homem bem-humorado com enorme energia física e mental, ele parece ter sido quase universalmente querido e admirado.

Neste retrato, Christina olha pensativamente para um lago ornamental. O local desta fotografia não é conhecido, mas pode ser os jardins de Rempstone Hall perto do Castelo de Corfe em Dorset. Christina by the Pond, 1913, Mervyn O’Gorman © Royal Photographic Society Collection

 

O’Gorman captura uma cena atemporal enquanto o grupo faz seu piquenique na praia em Dorset, com Durdle Door ao fundo. O estojo da câmera de O’Gorman pode ser visto perto da irmã de Christina; uma das grandes vantagens do processo autocromo era que não exigia aparelhos especiais – os fotógrafos podiam usar placas autocromáticas em suas câmeras. A Picnic on the Beach, 1913, Mervyn O’Gorman © Royal Photographic Society Collection

Curiosidades, Novidades

Primeira transmissão ao vivo da TV mundial foi com os Beatles

Os Beatles não foram importantes apenas para a música, considerados até hoje o maior grupo de rock da história, mas tiveram significativa influência sobre outras práticas e costumes da humanidade, especialmente os jovens.

Eles estão ligados eternamente à história da televisão, pois foi com esse extraordinário grupo formado por John Lennon, Ringo Star, Paul McCartney e George Harrison, que foi realizada a primeira Transmissão Mundial de TV ao vivo, evento que ocorreu no dia 25 de junho de 1967, direto de Londres.

A história foi essa:

No verão de 1967, em 18 de maio, os Beatles assinaram um contrato para representar a BBC, e a Grã-Bretanha, no programa Our World, que foi o primeiro programa de televisão ao vivo via satélite para todo o mundo e que foi assistido por aproximadamente 400 milhões de pessoas nos cinco continentes. O conceito do programa seria unir o planeta e mostrar, em pequenos segmentos, um pouco de cada país. Para isso, vários artistas e personalidades foram convidados, como Pablo Picasso e Maria Callas. O segmento que fechava a transmissão foi justamente o dos Beatles.

John Lennon escreveu a canção All You Need is Love especialmente para a ocasião, pois a BBC disse que tinha de ser simples para que os telespectadores de todo o mundo pudessem entender, e tivesse uma mensagem positiva. Afinal, a Guerra do Vietnã estava em seu auge nesse momento.

A transmissão via satélite foi idealizada pelo produtor da BBC britânica, Aubrey Singer, que comandou a sala principal de controle da transmissão dos estúdios da emissora na capital da Inglaterra. Para a empreitada se concluir, além da existência de outras salas de controle ao redor do mundo, foi necessária a utilização de três satélites geoestacionários de longo alcance na órbita terrestre (Intelsat I, Intelsat II e ATS-1), cerca de 1,5 milhões de quilômetros de cabos e uma numerosa equipe de funcionários também espalhada pelo mundo (cerca de 10 mil pessoas teriam trabalhado na transmissão, entre técnicos, produtores e intérpretes, nas mais de duas dezenas de países para os quais o sinal do programa chegou ao vivo).

Não houve políticos ou chefes de estado autorizados a participar na transmissão.

Os Beatles ensaiando a canção

Na cantina do estúdio, pouco antes de começar a transmissão

Empresas nacionais de radiodifusão de 14 países forneceram material para o programa de 125 minutos, que foi exibido em preto-e-branco. As organizações envolvidas foram da Austrália , Áustria, Canadá, Dinamarca, França, Itália, Japão, México, Espanha, Suécia, Tunísia, Reino Unido, EUA e Alemanha Ocidental e o programa também foi mostrado – sem contribuir com seu próprio conteúdo – na Bélgica, Bulgária, Finlândia, Irlanda, Luxemburgo, Mônaco, Holanda, Noruega, Portugal e Suíça.

John e Paul do lado de fora da van que os levou ao estúdio

Paul e Ringo antes do momento histórico

Na semana antes da transmissão, sete países do bloco oriental – liderados pela União Soviética – pularam fora, aparentemente em protesto  à Guerra dos Seis Dias.
Os Beatles tocaram All You Need Is Love rodeados por vários amigos, incluindo Mick Jagger, Keith Richard, Marianne Faithfull, Keith Moon, Eric Clapton, Pattie Harrison, Jane Asher, Graham Nash e Hunter Davies. Todos estavam vestidos com roupas coloridas, e foram cercados por flores, balões e cartazes.

Abaixo, a gravação original, a partir de 3:01 e como foi transmitida, em preto e branco. A seguir, a mesma gravação, colorizada, e que veio na coleção Anthology.

 

 

 

Fonte:

meionorte.com

diariodosbeatles.blogspot.com

Atualidades, Curiosidades, Family, Humor, Novidades

Inventos curiosos e bizarros criados durante a Era Vitoriana

Londres, em 1901

A era vitoriana começou em 1837, quando a rainha Victoria ascendeu ao trono britânico, e durou até 1901, quando morreu. Assim como em qualquer outro período da história da humanidade, esse período ficou marcado por dezenas de invenções estranhas, porém curiosas, criadas para ajudar as pessoas na época. Separamos algumas dessas invenções. Você irá se surpreender ao conhecer cada uma delas e descobrir para que elas serviam.

Veja a seguir:

Caixas-balanço para banhos de ondas

Muitos vitorianos acreditavam no uso de água para tratar lesões, curar doenças e melhorar o seu bem-estar de uma maneira geral. Isso muitas vezes os motivavam a viajar para córregos e rios, para que pudessem tomar banhos especiais na água corrente. Esses rios e riachos eram muitas vezes localizados longe das cidades, o que significava que a maioria das pessoas deixavam suas casas durante vários meses para irem até o local se banhar. Então alguns empreendedores inventaram as caixas-balanço, para que as pessoas pudessem tomar banhos de ondas sem precisar viajar para longe de casa. Caixas-balanço se pareciam com banheiras comuns, exceto pelo fato de serem curvas, para permitir que os usuários se balançassem durante o banho e simular o movimento de correntes de água dos rios.

Xícaras-Bigode, para cavalheiros bigodudos

Um bigode bem cuidado era o orgulho de um cavalheiro vitoriano. Os homens na época até mesmo colocavam cera no bigode, para que ficassem com a aparência suave e ao mesmo tempo resistente. Isso, no entanto, trazia alguns problemas, pois a cera derretia sempre que algum bigodudo bebia chá ou café. Isto levou à invenção da “xícara-bigode”, com a aparência bizarra que se vê na imagem acima.

Elas eram como uma xícara de café comum, exceto pelo fato de haver um apoio semicircular que protegia o bigode dos cavalheiros. Depois do invento, surgiram também as colheres-bigode, que também se pareciam com as colheres normais, mas que tinham uma guarda levantada na ponta para proteger o bigode. Xícaras e colheres-bigode começaram a sumir do mercado somente após a Segunda Guerra Mundial, época em que os homens começaram a… raspar os bigodes.

Motor Scouts

As Motor Scouts foram inventadas pelo britânico Frederick Richard Simms entre 1888 e 1889. É um dos primeiros veículos armados do mundo, equipado com uma metralhadora. O problema é que a única proteção do veículo ficava na frente da metralhadora, então os soldados tinham que torcer para encontrar os inimigos de frente, porque se alguém chegasse de repente pelos lados… bye, bye!

A invenção acabou não sendo usada na guerra; afinal, quem teria coragem de subir uma montanha ou enfrentar os terrenos acidentados de campos de batalha pedalando um quadriciclo pesado destes e ainda correndo risco de vida? Melhor ir à pé mesmo! Problemas à parte, a invenção acabou inspirando a criação dos primeiros carros de guerra blindados.

Escovas de cabelo rotativas automáticas

Escovas de cabelo rotativas eram basicamente escovas de cabelo equipadas com motores. Foram inventadas porque se acreditava na época que o uso de uma máquina automática para escovar o cabelo era um sinal de progresso. As escovas de cabelo eram ligadas a um sistema de rodas e polias e alimentadas por turbinas hidráulicas, motores a vapor, ou motores a gás, mas as versões iniciais eram movidos por pessoas, mesmo, como o senhor na imagem acima.

As máquinas foram utilizadas principalmente para escovar a cabeça, embora sua patente indicasse que também poderiam ser usadas para escovar o corpo (durante o banho) e até mesmo para escovar roupas. A escova rotativa foi inventado por Edwin Gillard Camp, que alugava suas máquinas para cabeleireiros progressistas.

Linhas de trem Atmosféricas ou Pneumáticas

Os trens de hoje funcionam com eletricidade ou com diesel. No passado, eles funcionavam a vapor e carvão. Na Inglaterra vitoriana, eles eram movidos a ar…

Havia dois tipos de trens movidos a ar: os atmosféricos, que ficavam por cima da terra, e os trens pneumáticos, que se moviam no subsolo. A primeira estação de trem atmosférica do mundo foi inaugurada na Irlanda em 1844 e logo em seguida na Inglaterra.

Os trens atmosféricos dependiam de várias “estações de bombeamento”, encontradas a cada 3 km de distância ao longo dos trilhos, para bombear o ar necessário para a locomoção do trem. O sistema ferroviário acabou sendo encerrado devido ao seu alto custo de manutenção e também pelo fato de que os ratos muitas vezes comiam os revestimentos de couro usados para selar os dutos de ar.

Os trens pneumáticos, por outro lado, foram inventados na Inglaterra após o serviço postal londrino ter solicitado um meio mais rápido de transporte para o governo. A London Pneumatic Dispatch Railway (LPDR), ou “Ferrovia Londrina de Despacho Pneumático”, foi então criada e se tornou a primeira ferrovia pneumática do mundo. Além de encomendas, a ferrovia também era usada para transportar pessoas. Assim como as ferrovias atmosféricas, porém, as ferrovias pneumáticas também tinham um custo de manutenção muito alto, e pior ainda, só podiam realizar as manutenções por um curto período de tempo (nove minutos no máximo), por causa da falta de ar dentro dos dutos.

Cintos de cólera

A era vitoriana foi marcada por epidemias, principalmente a febre tifoide e a cólera, pois a higiene pessoal era precária na época. Os esgotos eram despejados sem tratamento diretamente nos rios, onde as pessoas iam buscar água para beber e cozinhar. Além disso, as pessoas defecavam em valas abertas. Sabemos hoje que a cólera é causada por alimentos contaminados, mas os vitorianos não sabiam. Muitos acreditavam que era causada pelo mau cheiro ou pelo contato. Os médicos também não sabiam como tratar adequadamente alguém infectado com a doença.

Mas as pessoas cismaram que a doença era resultado do estômago congelado. Foi por isso que criaram algo que, de acordo com o que se imaginava, seria a solução: os “cintos de cólera”, que serviriam para proteger as pessoas. Eram feitos de lã ou de flanela e aqueciam o corpo das pessoas mais frágeis.

Na realidade, os cintos não ajudavam em nada, mas foram amplamente usados na época, e até mesmo no serviço militar, onde oficiais médicos do exército britânico os usavam para “tratar” soldados com cólera. Os militares acreditavam tanto nos cintos inúteis que mantinham um sempre à mão para o caso de surtos.

Eletrofones

Os eletrofones faziam parte do serviço de comunicação de Londres, permitindo que as pessoas escutassem notícias, espetáculos de teatro e até mesmo missas de igrejas diretamente pelos fones sem sair de casa. O primeiro desses dispositivos foi o “Theatrophone,” inventado na França por Clement Ader em 1881. Para usá-lo, tudo o que o usuário precisava fazer era chamar a telefonista e pedir para ser conectado ao teatro ou à igreja.

Os usuários também podiam falar com a central do eletrofone, que funcionava através de linhas telefônicas, para solicitar uma música específica. O serviço era oferecido por assinatura, custava 5 libras por ano e fez muito sucesso, as pessoas iam até locais específicos para usar o serviço e algumas até promoviam festas com os fones

As transmissões via eletrofone terminaram em 1925, após a invenção do rádio e suas transmissões gratuitas.

Tinta para as veias

Na era vitoriana, acreditava-se que os aristocratas, as pessoas mais importantes da sociedade, tinham sangue azul. Querendo comprovar suas origens nobres, várias mulheres usavam o azul da Prússia para pintar em seus braços as veias, nas quais correria sangue azul…

 

 

 

 

Fonte:

rockntech.com.br: Simon Ferreira