Atualidades, Curiosidades, Novidades

Os lugares abandonados mais estranhos do mundo

Há algum tempo, falei da exploração urbana, ou urbex, a exploração de estruturas construídas pelo homem que estejam abandonadas ou em ruínas. Esse é um hobby que pode ser perigoso, porque embora sua natureza seja basicamente documental, os seus praticantes muitas vezes precisam invadir propriedades alheias e isso, além do risco de causar acidentes, ainda tem o risco de levar à prisão. (aqui)

Decidi voltar ao tema porque encontrei mais fotos de lugares incríveis e misteriosos que foram construídos pelo bicho-homem e depois esquecidos por lá, em função de terem perdido sua utilidade. São locais impressionantes:

Mina de diamante Mirny, na Sibéria Oriental, na Rússia.
Mina de diamante Mirny, na Sibéria Oriental, na Rússia.
Hotel Salto del Tequendama, em Columbia, nos EUA
Hotel Salto del Tequendama, em Columbia, nos EUA
Flats abandonados, em Keelung, Taiwan
Flats abandonados, em Keelung, Taiwan
City Hall Subway Station, em Nova York
City Hall Subway Station, em Nova York
Construídos originalmente durante a Segunda Guerra Mundial como postos para proteger o rio Tâmisa de invasores, estes fortes estão abandonados na Inglaterra.
Construídos originalmente durante a Segunda Guerra Mundial como postos para proteger o rio Tâmisa de invasores, estes fortes estão abandonados na Inglaterra.
Em 1890, a Mitsubishi comprou a ilha de Hashima e construiu lá uma cidade, que serviria de moradia para os funcionários que iriam trabalhar numa mina de carvão submarina… Ela funcionou até 1960, quando a mina foi abandonada… E a cidade na ilha também!
Hotel Casino Palace, no resort abandonado de Haludovo, próximo a Malinska, na ilha de Krk, Croácia. O resort foi construído como uma joint venture entre o governo comunista da então Iugoslávia e Bob Guccione, o fundador da revista “Penthouse”. O objetivo era construir um local opulento para milionários no Mar Adriático. Ele abriu suas portas no início de 1972, na Iugoslávia do ditador Josip Tito, e fechou-as menos de um ano depois, quando decretou-se sua falência.
um sofá quebrado simboliza o abandono neste conjunto habitacional na área de Durban Deep, em Roodepoort, a oeste de Joanesburgo, África do Sul. A comunidade que cresceu ao redor de uma mina é agora um local frequentado somente por criminosos. Todos os objetos com algum valor, incluindo torneiras e portas, foram roubados e vendidos
O sofá quebrado simboliza o abandono neste conjunto habitacional na área de Durban Deep, em Roodepoort, a oeste de Joanesburgo, África do Sul. A comunidade que cresceu ao redor de uma mina é agora um local frequentado somente por criminosos. Todos os objetos com algum valor, incluindo torneiras e portas, foram roubados e vendidos.

 

 

 

Anúncios

5 comentários em “Os lugares abandonados mais estranhos do mundo”

  1. Juro que pensei que a última foto fosse de alguma favela brasileira. Interessante que é igual em tipo de população geralmente afrodescendentes ligados por comodismo ao narcotráfico e o famoso sofá que serve de ponto para olheiros (rabiolas) como eles mesmos se intitulam.
    Lembro ainda que os famosos CAVEIRÕES que usamos no Brasil para tentar entrar nas favelas dominadas são realizações de fábricas especializadas da África do Sul o que prova que a violência lá e aqui são idênticas. Lá por terem sofrido o preconceito racial do apartheid e aqui não seria pelo mesmo motivo?
    O ódio que percebo nas pessoas afrodescendentes é tão grande que chega a dar medo, acredito que jamais iremos conseguir viver como humanos que somos, ficaremos sempre no disfarce como acontece quando a fome aperta e o leão divide ou aceita a presença do crocodilo para comerem junto a carniça, pena que aqui não podemos comer políticos, acho que merecia até um acompanhamento de molho à juristas.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Concordo com suas observações. Não saberia dizer, no entanto, se essas populações se acomodam ao narcotráfico, ou se são escravizadas por ele – como o foram pelos conquistadores europeus e, antes ainda, por conquistadores de suas próprias etnias… Lembre-se que, na época da escravidão no Brasil, era um rei africano angolano que vendia os escravos para os mercadores portugueses que os traziam à Bahia. Esse rei conquistava outras tribos e escravizava seus membros, fossem eles nobres ou não. Em resumo, a crueldade é inerente ao bicho-homem, diferente dos animais, que caçam para sobreviver.

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s