Atualidades, Curiosidades, Family, Novidades

A História do Leite Moça

Há poucos dias, postei aqui uma informação sobre a nova embalagem do Leite Moça no Brasil. Mas daí, a curiosidade foi mais forte e fui pesquisar a fundo sobre a história desse produto… Que no pão francês, depois de retirar o miolo, é uma das gordices mais irresistíveis do mundo!

A história do leite condensado

O leite condensado surgiu quando o americano Gail Borden, tentando desidratar o leite comum, descobriu que, antes de transformar-se em leite em pó, o produto virava leite condensado. A invenção dele, patenteada em 1856, só foi valorizada quando estourou a Guerra Civil Americana, quatro anos depois. Transportando leite em pó e leite condensado para as tropas – e depois colocando esses produtos no mercado, ele ficou rico. Mas foi somente alguns anos mais trade, em 1867, que surgiu a primeira indústria criada especialmente para a produção comercial do leite condensado. Foi quando o americano George H. Page, proprietário da empresa Anglo Swiss Condensed Milk iniciou na cidade suíça de Cham a fabricação de leite condensado, utilizando o leite abundante e de boa qualidade produzido no país. Rapidamente o produto fez sucesso na Europa, principalmente entre as mulheres, que reforçavam a alimentação de seus filhos dando-lhes o energético e açucarado leite condensado.
A história do leite Moça
A Sociedade Nestlé, por sua vez, iniciou a fabricação de leite condensado logo a seguir. Essa concorrência entre as duas empresas terminaria em 1905 numa fusão que deu origem a Nestlé & Anglo Swiss Condensed Milk Co. A jovem com trajes típicos que aparecia nos rótulos das embalagens do produto era uma camponesa suíça do século XIX. Naquela época, o leite condensado mais popular da Suíça tinha a marca LA LAITIÉRE, que significa “vendedora de leite”.
Quando esse leite foi exportado para outros países, procurou-se um nome equivalente na língua de cada região para onde o produto foi levado, nome este sempre associado à figura da camponesa típica com seus baldes de leite. Em espanhol, por exemplo, foi adotada a marca LA LECHERA, e na língua inglesa MILKMAID.
Os primeiros carregamentos de leite condensado chegaram ao Brasil em 1890 como uma alternativa ao leite fresco, cujo abastecimento era problemático. O produto era vendido nas drogarias e, inicialmente, comercializado com o nome de MILKMAID (chamado assim pela falta de uma palavra equivalente em português). Mas os brasileiros tinham dificuldade para pronunciar esse nome inglês e passaram a chamar o produto de o “leite da moça”, referindo-se à ilustração da camponesa em seu rótulo. A princípio utilizado como bebida (reconstituído com água obtinha-se o leite já adoçado), o leite condensado podia ser armazenado por muito tempo, o que era importante em períodos de escassez.
Quando a Nestlé abriu sua primeira fábrica no país, em 1921, na cidade de Araras, em São Paulo, e começou a produzir o produto, optou pela solução lógica de utilizar uma designação criada espontaneamente pelos consumidores: LEITE MOÇA.
Somente durante a Segunda Guerra Mundial o leite condensado chegou à cozinha para valer, sendo utilizado pelas donas de casa como ingrediente para o preparo de doces e sobremesas. O fator decisivo para a popularidade da marca foi a paixão nacional pelos doces, herdada dos portugueses, associada ao gosto pelas compotas e frutas, herança africana. Um exemplo disso foi o Brigadeiro, que se tornou um marco importante na história da marca. Conta-se que em 1945, as eleitoras do Brigadeiro da Aeronáutica Eduardo Gomes, candidato a Presidência da República, criaram o doce misturando Leite Moça com chocolate em pó, a fim de arrecadar fundos para sua campanha. O Brigadeiro perdeu a eleição para o General Eurico Gaspar Dutra, mas o outro Brigadeiro foi se tornando, com os anos, um dos docinhos preferidos de crianças e adultos, presença constante em festas de aniversários.
Mas já desde a década de 1930 que o Leite Moça era o ingrediente principal de um dos mais antigos livros de receitas lançados no país. Indicava-se o produto na preparação de diversos pratos como tortas, bolos, pudins, cremes, sorvetes, e duas décadas depois, com o lançamento do Nescafé, o rótulo das latas trazia receitas que o indicavam na mistura com o novo produto:“Para bolos, tortas, cremes, balas, biscoitos, recheios, etc., etc. Para tomar com café, chá ou chocolate, pode ser empregado sem diluir. Com o Leite Condensado Moça e com o café puro concentrado Nescafé, prepara-se um delicioso café com leite: é a combinação perfeita”.
1930_2_dl
O Leite Moça é um dos produtos mais conhecidos e tradicionais no Brasil, e sua linha se diversificou com novas versões como o desnatado; novos sabores como morango e chocolate; sobremesas geladas; o doce de leite cremoso; a linha de cereais; chocolates, sorvetes e etc., mas o produto original continua forte, tendo sua embalagem sofrido poucas alterações ao longo do tempo.
A seguir, como curiosidade, alguns anúncios antigos do Leite Moça:
propaganda do leite moça revolução consitucionalista em 1932
O anúncio acima é de 1932, e pegou carona na Revolução Constitucionalista, e foi publicado no jornal “O Estado de S. Paulo”.
Anúncio de 1930, onde se afirmava que o Leite Moça era bom para atletas: “No café, no esporte, na merenda. Em todas as oportunidades da vida sobressai a excelência do Leite Condensado Moça, que é o mais puro leite da vaca, de que se evapora a água, e que, isento de germes, tem garantida uma conservação indefinida. A experiência é a mãe da ciência, e o Leite Moça é um produto resultante da ciência e da experiência”.
Este já é mais moderninho, de 1979.

 

 

Fonte:
mundodasmarcas.blogspot.com.br
garotinharuiva.wordpress.com

16 comentários em “A História do Leite Moça”

  1. A moça da embalagem só vendia né? ! Se desfrutasse do produto não mantinha a cinturinha…
    Que interessante a história: para bebês! Para soldados em plena guerra!
    Essa é uma das descobertas ao acaso que deram certo e embora passe o tempo, continua a fazer parte de nossas vidas. Já fui gamada em leite condensado, mas, hoje, já estou mais controlada rsrs
    leite moça batido com vinho e gelo – muito bom
    Leite moça na salada de frutas…
    São as formas paliativas de adoçarmos nossas vidas. E viva ao leite moça!
    Abs Julio, parabéns pelo texto e pela pesquisa, realmente interessante.

    Curtido por 2 pessoas

  2. Ah ah ah ah! Verdade, Michele, a moça do leite mantém essa cinturinha há quase um século! Ahahahaha!
    Eu também procuro me controlar como você, e as formas de consumo eram iguais às suas: na salada de frutas, com vinho, tirando o miolo do pão francês e recheando, com sorvete, direto na lata, com pera, no sexo (ops!), rsrsrsrs.

    Eu que agradeço o prestígio de sua visita e seus comentários sempre oportunos!

    Curtido por 1 pessoa

  3. Ótima pesquisa, e me deu vontade agora de furar uma “latinha”, rsss. Ainda acredito que melhor que o condensado da Nestlé não tem. 😉

    Então vamos adoçar o povo deixando uma receitinha deliciosa que sempre preparo.

    Pavê de Damasco.

    1 lata de leite moça
    1 de creme de leite
    2 ovos
    biscoito Champagne
    250 gramas de Damasco Sírio ( mais escurinho )
    1 xicara de leite

    Como preparar:
    Cozinhe o Damasco em uma panela com bem pouca água, quando estiver macio retire e reserve. Estando frio bata no liquidificador e reserve.
    Em outra panela coloque a lata de leite moça, com duas gemas sem clara (reserve as claras) e uma xícara de leite e ponha para ferver. Torna-se-a um creme, retire e coloque em um Pirex ou qualquer refratário espalhando pelo fundo todo.
    Molhe os biscoitos em leite, coloque por cima do creme, coloque o creme de Damasco espalhando por igual.
    Bata as claras em neve, adicione o creme de leite sem soro e uma colher de sopa de açúcar ou Fit, e coloque por cima do Damasco, tape com filme ou a tampa do refratário e ponha para gelar por 24 horas.

    Obs: Não sirva em hipótese alguma sem a minha presença. 😉

    Curtido por 1 pessoa

  4. Muito emocionante é gratificante conhecer a história desse ingrediente indispensável nas nossas cozinhas atualmente! Parabéns pela iniciativa! Adorei!

    Curtir

  5. Hoje em dia se você der leite condensado pra um bebê, você vai preso. Estamos na era do mimimi, você não pode comer isso,não pode comer aquilo e blá blá blá senão você “morre”.
    Tem gente que tem a pachorra de dizer que até as frutas fazem mal.
    Como eu queria voltar pra essa época…

    Curtir

  6. NICOLAS APPERT, o verdadeiro inventor do Leite Condensado, abaixo, uma pequena discrição da verdadeira história.
    Surgiu como resultado das experiências do francês Nicolas Appert em 1820, na pesquisa para esterilização e conservação de alimentos em embalagens herméticas.[1] Em 1828, o inventor francês Malbec aplicou o método de Appert ao leite fresco de vacas para criar o leite condensado. Esta nova forma de tratar o leite é expandida por toda a Europa. Em 1853, chega aos Estados Unidos pelas mãos de Gail Borden que patenteia o método em 1856.

    Curtir

  7. Adorei o texto, eu aqui pesquisando pra ver se acho a receita do bolo de minha infância, que tinha um palhacinho com cabelos de fios de ovos, mostrado pela Nestle, e não encontro em lugar algum. Via aquele bolo em várias propagandas.

    Curtir

  8. Julin… sua matéria me lembrou meus tempos de exército. Quando estava de guarda, eu sempre ia para o posto com uma latinha de Leite Moça no bolso da gandola. De madrugada, às vezes no frio, era uma delícia mamar uma latinha daquelas…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.