Como surgiu o vibrador?

Meu amigo Claudio Attílio comentou que eu sou o principal responsável por estar resolvendo todas as dúvidas existenciais que ele arrasta desde o princípio de sua existência.

Dando sequência, então, a esse trabalho de utilidade pública, apresento a seguir a resposta para uma dessas dúvidas que assola a mente da humanidade desde que Nero tacou fogo em Roma: como surgiu o vibrador? Depois de exaustivas pesquisas, descobri a melhor explicação no site muitointeressante.com.br.

Segundo o que apurei, ele surgiu para descansar as mãos dos médicos, que já estavam exaustas de masturbar suas pacientes.

Inventado em meados do século 19, o vibrador era um instrumento médico para a cura da histeria, doença que acometia exclusivamente mulheres. Sintomas como irritabilidade, ansiedade, choro, falta ou excesso de apetite e outros altos e baixos tão conhecidos do público feminino caracterizavam a histeria, doença que a comunidade médica acreditava ser causada por deslocamentos no útero. O diagnóstico, curiosamente, era dado na maioria das vezes para mulheres solteiras e viúvas, e em alguns casos, mulheres que não tinham muita atividade sexual em casa. O tratamento? Massagem no clitóris até a paciente atingir o “paroxismo histérico”, ou em termos atuais, o orgasmo.

Mulheres passaram a lotar os consultórios e os médicos, de tanto massagear clitóris de pacientes, começaram a ter uma espécie de LER (lesão por esforço repetitivo). Como a necessidade é um dos maiores impulsos humanos, o tratamento “manual” se aperfeiçoou e passou a ser feito com um instrumento – o vibrador!

O The Manipulator foi o primeiro vibrador patenteado da história em 1869, pelo médico norte americano George Taylor. Ele era movido a vapor.

Depois do The Manipulator, vários outros vibradores foram lançados, movidos a manivela, ar comprimido, a bateria e a eletricidade.

Modelo Woody, movido a manivela.
Modelo Dr. Johansen’s, movido a manivela.
Modelo Chas a Cyphers, movido a ar comprimido.
Modelo Giro-Lator, movido a eletricidade.
O “fabuloso White Cross” era vendido em lojas de departamento, na primeira década do século XX, e foi um dos primeiros a ter seu uso doméstico liberado.
Anúncio do White Cross Vibrator, publicado no The New York Tribune em janeiro de 1913.

À medida que foi ganhando conotação sexual, o vibrador adquiriu um ar negativo e ligado à vulgaridade, principalmente por conta do seu uso em filmes pornô. Só voltou a ser relativamente aceito na década de 60, com a revolução sexual feminina.

Hoje sexólogos e ginecologistas o indicam não para curar uma doença, mas para auxiliar no prazer e na descoberta sexual da mulher.

Há também um caso médico da atualidade em que os vibradores são indicados para homens – mas para aqueles que fazem cirurgia para mudança de sexo. Durante vários meses após a cirurgia, quem troca o bilau por uma ximbica precisa usar um vibrador periodicamente, para que o canal vaginal aberto ali não cicatrize.

 

Publicado por Julio

Uma pena eu não ter nascido herdeiro ou milionário. Pois tenho um grande potencial pra isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: