Ingleses antigos cortavam e queimavam mortos por medo de zumbis

Scroll down to content

Hoje pode parecer um papo meio “Walking Dead”, mas na Inglaterra da Idade Média não era incomum a crença de que mortos “acordassem” do “sono profundo da eternidade” para aterrorizar os habitantes do campo e das cidades. E um estudo recente trouxe este tema do campo do folclore para as páginas científicas da arqueologia. O estudo, realizado por pesquisadores do instituto público de patrimônio inglês, Historic England, e da Universidade de Southampton, encontrou na região de Wharram Percy, em Yorkshire, no Reino Unido, ossadas datadas do período entre os séculos 11 e 14 com evidências de violação pós-morte.

Os ossos encontrados indicaram que os cadáveres foram decapitados, desmembrados e queimados, levantando a possibilidade de que os antigos habitantes da região tenham tomado esta atitude para impedir que os mortos “revivessem”.

Foram analisados 137 pedaços de ossos pertencentes a pelo menos dez indivíduos com idade entre 2 e 50 anos. Os pesquisadores chegaram à conclusão de que os corpos foram cortados logo após a morte, quando os ossos ainda estavam macios e foram, então, queimados.

Ossos com marcas de faca foram encontrados por arqueólogos na região de Wharram Percy, na Inglaterra.

Por que cortar e queimar os ossos? Para tentar entender a razão daqueles homens medievais terem cortado e queimado os ossos de outros humanos, os cientistas levantaram algumas hipóteses e procuraram indícios nos fósseis encontrados.  A primeira hipótese seria a de que os corpos eram de gente de fora da região, algo como inimigos, que teriam sido cortados e queimados por essa razão.

No entanto, foi feita uma análise a partir dos isótopos de arcadas dentárias que revelou que os mortos eram habitantes da região de Wharram Percy, ou seja, eram locais. Uma outra possibilidade levada em conta pelo grupo liderado pelo biólogo Simon Mays foi a de canibalismo. Nesse caso, contudo, o tipo de corte nos ossos não se parece com o que seria esperado no caso de alimentação. As marcas de cortes estavam agrupadas ao redor da cabeça e do pescoço, e não nas grandes ligações musculares, aponta o estudo. Na sua conclusão, publicada no  Journal  of  Archaeological  Science, os autores afirmam que não é possível ter certeza sobre a razão dos cortes e da queima dos cadáveres, mas consideram a hipótese de que os ingleses da Idade Média temessem os mortos-vivos a mais consistente. E de onde veio a ideia de medo de zumbis?

A equipe levou em conta textos de escritores medievais que apontavam que a decapitação, o desmembramento e a incineração de mortos poderiam fazer com que eles não “ressuscitassem”.

Ilustração reconstitui antiga vila de Wharram Percy, na Inglaterra, no final do século 12.

“A ideia de que os ossos de Wharram Percy são os restos de cadáveres queimados e desmembrados no intuito de impedi-los de sair de seus túmulos parece ser a que melhor se adequa às evidências”, disse Simon Mays, que é um biólogo especializado em esqueleto humano. “Se estamos certos, esta é a primeira boa evidência arqueológica que temos para essa prática. Ela nos mostra um lado sombrio das crenças medievais e fornece um lembrete de como a visão medieval do mundo era diferente da nossa”, conclui.

 

 

 

 

 

Fonte:

Uol Ciência

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: