Espionagem? Ou apenas escândalo sexual?

No mesmo momento em que o penúltimo filme de James Bond, Skyfall, se mostrou um enorme sucesso nas bilheterias, um escândalo envolvendo um espião, no caso, o espião-chefe da CIA, abalou os Estados Unidos.

O general da reserva David Petraeus, diretor da CIA, caiu alguns dias depois da reeleição de Obama, demitido por causa de uma relação extraconjugal.

A carreira de David Petraeus, 60 anos, parece ser a própria imagem da disciplina e do rigor

Herói da Guerra do Vietnã e responsável por estabilizar o Iraque depois da invasão americana ordenada por George Bush, reduzindo drasticamente a violência – sem o que a retirada militar de 2011 não teria sido possível – o general já estava vivendo  em meio às investigações sobre o trabalho da CIA após o ataque ao consulado americano em Benghazi (leste da Líbia), que matou o embaixador e três funcionários americanos.

Paula Broadwell, na foto abaixo com o general no Afeganistão, casada com um radiologista e mãe de dois filhos, ex-major do Exército dos Estados Unidos, graduada em Harvard e na Academia Militar de West Point, se tornou especialista em combate ao terrorismo. Foi ao escrever a biografia do chefe da CIA, um dos generais mais prestigiados da história recente americana, que ela iniciou com ele uma relação que acabou com a sua carreira e manchou a reputação de Petraeus.

(2011) Petraeus e Paula posam no Afeganistão

O FBI iniciou uma investigação e revistou a casa de Paula porque todos se perguntavam: Qual era a verdadeira natureza de seu relacionamento com Petraeus? Por que chegou a enviar e-mails ameaçando uma segunda mulher, que era vista como uma potencial rival? Foi essa mulher que pediu ajuda ao FBI por causa das ameaças e isso desencadeou o escândalo.

Todos temiam que a segurança nacional do país estivesse em perigo, pois Broadwell teve acesso a informações confidenciais da CIA, seja escrevendo a biografia do general, seja em seus encontros secretos… Sem contar que ele, como espião-mor dos EUA, poderia ser chantageado. Mas as investigações nada revelaram nesse sentido, ao menos até agora: o general foi reformado e se diz arrasado com o fim da carreira, enquanto Broadwell diz que se arrependeu do relacionamento com ele.

Esse escândalo com toques de adultério e espionagem faz lembrar outro escândalo famoso, o Caso Profumo nos anos 1960, na Inglaterra, em meio à guerra-fria (veja aqui). Na época, os inimigos eram mais visíveis, eram países e não organizações terroristas sem bandeira, e a coisa toda era mais preto no branco.

Hoje, o inimigo é invisível e está oculto nas sombras.

Publicado por Julio

Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo…

Um comentário em “Espionagem? Ou apenas escândalo sexual?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: