Robô se “reproduz” fabricando sozinho “filhos” mais evoluídos

Skynet na área…

Quem assistiu algum dos filmes da série “Exterminador do Futuro” vai entender o que significa esta imagem. Mas, para quem nunca viu, explico: na série de filmes, a Skynet é uma inteligência artificial altamente avançada criada no fim do século XX. Ela opera principalmente por meio de robótica avançada e sistemas de computador. Assim que se tornou autoconsciente, ela enxergou a humanidade como uma ameaça à sua existência e decidiu acionar o holocausto nuclear conhecido como “Dia do Julgamento” e enviar um exército de Exterminadores contra a humanidade.

E quem acabou nos salvando foi o Schwarzenegger em seu papel mais famoso no cinema, como um Exterminador que se volta contra seus criadores e detona os demais robôs.

Bem, tudo isso é ficção, certo? Uma inteligência artificial se reproduzindo, máquinas criando outras máquinas… Com o risco dessas máquinas se rebelarem contra nós, humanos, e considerando que somos dispensáveis porque os robôs são autossuficientes…

Será mesmo que é ficção?

Pesquisadores da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, fizeram um “robô-mãe” que deixaria o Terminator orgulhoso. A máquina é capaz de fabricar “robôs-filhos”, avaliá-los baseado na performance de suas tarefas e, a partir daí, melhorar as próximas gerações. Ou seja, sem qualquer intervenção humana, o “robô-mãe” cria um processo evolutivo de seus descendentes.

Esse “reprodutor de máquinas” construiu e testou dez gerações de “robôs-filhos” – que, na verdade, são pequenos cubos com um motor interno – em cinco experimentos. Para desenhar e construir cada robozinho, a mãe levou cerca de dez minutos.

Mamãe e seu filhinho…

Cada robô-filho tinha a tarefa de viajar a maior distância possível em um certo período de tempo. Para se ter uma ideia de como o processo evolutivo funcionou, os últimos robozinhos terminavam a tarefa duas vezes mais rápido que seus “irmãos” da primeira geração.

É claro que existe uma diferença enorme com a evolução biológica. Principalmente pelo fato de que o robô-filho nunca poderá se tornar um robô-mãe. Mesmo assim, a pesquisa mostrou que uma máquina consegue, sozinha, melhorar a construção de outras. Detalhe: percebendo, inclusive, nuances que uma análise humana deixaria de lado.

Estaríamos caminhando para uma Skynet do mundo real?

 

Se lá… Mas espero que nunca chegue o dia de a gente ter que dizer “Hasta la vista, baby”…

Publicado por Julio

Uma pena eu não ter nascido herdeiro ou milionário. Pois tenho um grande potencial pra isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: