Ray Harryhausen, lenda do cinema fantástico

Scroll down to content

Ray Harryhausen, uma lenda em Hollywood por seu pioneirismo na arte dos efeitos especiais, morreu em 2013 em Londres, aos 92 anos.

O gênio de Harryhausen estava em conseguir dar vida a seus modelos de animação. Fossem dinossauros pré-históricos e criaturas mitológicas, nas mãos de Ray não eram marionetes, mas personagens tão importantes quanto os atores que eles enfrentavam e, em alguns casos, mais importantes ainda, eram a própria razão de ser do filme.

Vencedor de um Oscar honorário em 1992 e detentor de uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood, seu trabalho influiu na carreira de diretores como Steven Spielberg, James Cameron, Peter Jackson e George Lucas, que se inspiraram em obras de Harryhausen como “O Monstro Do Mar Revolto” (1955), “A Ilha Misteriosa” (1961), “Um milhão de anos antes de Cristo” (1966), “Sinbad” (1981) e “Fúria de Titãs” (1981).

“Sem Ray Harryhausen, possivelmente não teria existido ‘Guerra nas Estrelas'”, disse certa vez George Lucas , o cérebro da célebre franquia galática.

“‘O Senhor dos Anéis’ é meu filme homenagem a Ray Harryhausen. Sem seu amor por essas imagens maravilhosas e sua forma de narrar, esse filme não poderia ter sido feito, pelo menos não por mim”, afirmou Peter Jackson, diretor da saga.

Possivelmente o trabalho mais lembrado de Harryhausen é o da animação dos sete esqueletos do filme “Jasão e os Argonautas” (1963), que lhe tomou três meses de filmagem.

Ao longo de sua carreira, ele produziu 17 filmes, se encarregou dos efeitos especiais de 15 e dirigiu 9 curta-metragens. Também trabalhou como ator em comédias como “Um Tira da Pesada III” (1994) e “Os Espiões que Entraram numa Fria” (1985).

Nascido em Los Angeles no dia 29 de junho de 1920, sua paixão pelos efeitos especiais nasceu ao assistir o filme “King Kong” (1933), a produção rodada em preto e branco por Merian C. Cooper e Ernest B. Schoedsack a cuja estreia assistiu quando Hollywood começava a despertar para os filmes em cores.

Uma exibição que marcou sua vida e que lhe converteu no mestre da animação quadro a quadro, após ver o trabalho de Willis O’Brien, artista capaz de transformar um boneco simiesco de 45 centímetros em Kong, o gigantesco gorila que subiu ao topo do Empire State, o edifício mais alto do mundo à época.

“É a fantasia mais real já criada e que segue viva sete décadas mais tarde”, afirmou Harryhausen à Efe em 2005.

“Todos os que praticamos a arte da ficção científica e os filmes de fantasia sentimos que nos apoiamos nos ombros de um gigante. Sem a contribuição de Ray ao imaginário coletivo, não seríamos quem somos”, declarou o diretor James Cameron (de Avatar e Titanic).

Abaixo, uma compilação de seus trabalhos mais conhecidos:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: