Crendices nipônicas

O Japão é o país dos trens de alta velocidade, das novidades tecnológicas,  da exportação de supercarros. Pode não parecer um ambiente propício para  crendices populares, mas a verdade é que ele é um dos países mais supersticiosos  do mundo.

Pavor do número quatro
Japoneses têm pavor do número 4. É que a  pronúncia desse número é a mesma da palavra morte, shi. Por isso, não estranhe  se não encontrar o quarto andar em um prédio, ou se achar a vaga de carro de  número quatro vazia. Além disso, alguns hospitais japoneses não têm os números  4, 9, 14, 19, ou 42 nos quartos. Shi-ni, ou 42, também significa morrer. Já o  número 420 lê-se shi-ni-rei, ou espírito morto. O 24, então, é morte em dobro:  ni-shi.

Números da sorte
Mas os números não trazem apenas mau  agouro. Um exemplo é o dia 29 de setembro. A data é muito indicada para começar  um namoro, ou marcar o noivado e o casamento. Tudo porque a leitura em japonês  do número 929 (no país, o mês vem antes da data) é ku-tsu-ku, que significa  “grudar”. Ou seja, acredita-se que o casal que oficializa a união nesse dia  permanecerá ‘grudado’ para todo o sempre. Romântico…
Ciclo de seis dias
Durante os séculos 14 a 19, os  japoneses utilizavam um calendário lunar, composto por seis dias, conhecido como  Rokuyo ou Rokki. Cada dia tem um nome e é associado a um dia de boa ou má sorte.  São eles o senshô, tomobiki, senbu, butsumetsu, taian e shakkô. É comum marcar  casamentos e funerais baseados no Rokuyo. Acredita-se que o Taian é a melhor  data para celebrar o matrimônio. Os calendários japoneses costumam estampar em  que dia caem essas datas.
Cobra da fortuna
Se em alguma caminhada  campestre você se deparar com um pedaço de pele de cobra, pegue-o e guarde na  carteira. De acordo com os japoneses, o couro do réptil fará com que você fique  rico ou encontre dinheiro. Para os japoneses, o ser rastejante simboliza  dinheiro e saúde. Alguns acreditam que a cobra é um animal de Deus. Dizem que ao  matá-la a pessoa perderá dinheiro.
Deitar como  morto
Na hora de decorar seu quarto, lembre-se de não posicionar a cama  para o norte. Ou melhor, não coloque a cabeceira nessa direção. De acordo com os  japoneses, somente pessoas mortas são colocadas desse jeito. No Japão, é costume  prestar muita atenção ao colocar a cama no quarto ou na hora de estender o futon  para dormir. Essa superstição é denominada kita-makura. Kita significa norte e  makura, travesseiro.
Idades turbulentas
Os templos e santuários do  Japão costumam receber homens e mulheres que não querem sofrer a maldição do  ‘yakudoshi’. A palavra se refere às idades de 42 anos para homens, e 33 para  mulheres. A palavra ‘yaku’ significa calamidade e doshi, idade. Os japoneses  acreditam que esse período é crítico e turbulento, por isso os amigos e parentes  oferecem uma festa para reunir energia positivas para ajudar a superar as  dificuldades do período. No ano seguinte, ou seja, quando a mulher completar 34  e o homem 43, é a vez dos aniversariantes retribuírem a festa. O agradecimento é  chamado de yakubarai. Segundo estudiosos, os dois números integram o princípio  do Yin e Yan, pois 34 é o contrário de 43 e a soma de 4 + 3 = 7, que é  considerado um número místico. Algumas pessoas agradecem com um culto, em vez de  festa.

Os japoneses acreditam que dá azar…
– Matar uma aranha de  manhã
– Arrebentar a tira do chinelo, getá, sandália, tamanco e afins

 –  Comer tempurá com melancia na mesma refeição
– Levar um vaso de planta para  uma pessoa doente
– Passar por um carro funerário
– Estrear sapatos novos à  noite
– Quebrar o pente
– Responder a um sonâmbulo
Superstições de  boa sorte
– Se um passarinho fizer cocô na sua cabeça, isso é sinal de  bom presságio
– Se a primeira pessoa que encontrar de manhã for uma monja,  terá um dia de sorte
– Se o ouvido direito coçar, terá boas  notícias
Algumas crenças muito estranhas
– Não se deite logo após  comer. Você pode se transformar em uma vaca!

-Em uma refeição, não misture  enguia com umê (ameixa japonesa). Isso pode trazer muito azar.

– Se cortar as  unhas à noite, você não estará presente quando seus pais falecerem.

Publicado por Julio

Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: