O Dinheiro e suas histórias

Você já imaginou como seria a nossa vida sem dinheiro?

Atualmente, acho que ninguém consegue nem pensar nessa possibilidade, mas houve tempo em que o dinheiro não existia – enquanto moeda como conhecemos hoje. Tudo era na base de troca.

Você deve ter ouvido falar disso… O escambo.

Era uma troca de mercadoria por mercadoria, e funcionava mais ou menos assim: eu tenho carne sobrando, e você tem milho sobrando. Preciso do milho e você quer carne, então a gente trocava um pelo outro. O problema é que nem sempre a coisa funcionava sem problemas, porque às vezes era complicado estabelecer o real valor de cada coisa. Tal obstáculo levou cada civilização a encontrar uma maneira de dar valor às mercadorias baseado em algum elemento que tinha um significado importante para aquele povo. Surgiram então as moedas de troca ou moedas-mercadorias…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Alguns tipos de mercadoria, como as cabeças de gado ou peças de metais preciosos – por serem mais escassas e, por isso mesmo, mais procuradas – passaram a ter mais valor que outras. A mesma coisa com o sal. Ele não era tão comum como atualmente, e servia antigamente principalmente para conservar os alimentos. Então, tornou-se um valioso instrumento de troca. Foi inclusive usado para pagar os soldados romanos, daí a origem da palavra “salário”!

Com o passar dos séculos, as pessoas perceberam que era complicado usar mercadorias perecíveis nas suas transações. O valor oscilava muito e não dava para acumular riquezas. Por exemplo, se eu trocasse lenha por peixe, acabaria comendo toda a minha fortuna – ou, se não, minha casa ficaria fedendo peixe se demorasse pra… Hã… Gastar esse “dinheiro”… Foi aí que o metal entrou na história. Ele podia ser manipulado e transformado em moedas, o que era mais fácil de ser transportado em vez de barras.

As primeiras moedas, cunhadas em ouro e prata, surgiram na Lídia (atual Turquia), no século VII a.C. Eram parecidas com as que conhecemos hoje, com peso e valor definidos e com a impressão de algum símbolo oficial para atestar a sua origem.  A primeira figura histórica a ter sua imagem registrada numa moeda foi Alexandre, o Grande, da Macedônia, por volta do ano 330 a.C.

O papel-moeda surgiu bem depois, quando as pessoas começaram a guardar seus bens de valor naquilo que mais tarde se convencionou chamar de “banco”, ganhando de volta um recibo daquilo que fora guardado.  Com o tempo, esses recibos passaram a circular de mão em mão, sendo utilizados como forma de pagamento. Foi assim que surgiu a “moeda de papel”.

 

Gostou? Essas curiosidades, e muito mais, você encontra no e-book DINHEIRO História, Mitos & Crenças.

DINHEIRO História, Mitos & Crenças

Você vai conhecer alguns fatos divertidos, tudo sobre as moedas do mundo,  dicas de organização financeira e muito mais.

O e-book está à venda na Amazon e também na Saraiva. Você vai gostar!

 

 

 

Publicado por Julio

Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: