A misteriosa organização que matava japoneses no Brasil


As fake news estão em evidência nos últimos tempos, mas não são uma invenção moderna. Em 1946 elas já existiam – e faziam vítimas no Brasil.


A família Mizobe chegou ao Brasil em 1927

Após o fim da Segunda Guerra, um grupo extremista de imigrantes japoneses começou a espalhar o boato de que o Japão não havia perdido a guerra. Segundo eles, as notícias da rendição do imperador japonês em 1945 eram mentiras espalhadas pelos Aliados para minar o moral dos nipônicos.

A crença dos membros do grupo nacionalista Shindo Renmei em sua própria versão da realidade era tão forte que eles assassinavam quem dissesse a verdade. As vítimas eram outros imigrantes, que aceitavam o fato de que o Japão tinha perdido a guerra. Os extremistas os chamavam de “corações sujos” e acreditavam que eles deveriam ser eliminados por amor à pátria.

Entre 1946 a 1947, pelo menos 23 membros da comunidade japonesa no Brasil foram assassinados por causa de seu compromisso com a verdade. E ao menos 147 foram feridos.

O pai de Aiko Higuchi foi um deles.


Aiko Higuchi, com 98 anos, é filha do primeiro imigrante morto pelo grupo Shindo Reimei

A vida na guerra

Em agosto de 1942, o Brasil entrou na Segunda Guerra ao lados dos Aliados – EUA, Reino Unido, França, União Soviética e China, entre outros – contra os países do eixo: Alemanha, Itália e Japão.

Imigrantes desses países eram vistos com desconfiança. Foi uma época difícil para os 160 mil imigrantes japoneses – a maioria dos quais trabalhava na roça.

Aiko Higuchi, na época uma agricultora de 23 anos, vivia em Bastos, no interior de São Paulo. Assim como muitas famílias de imigrantes, a sua tinha vindo para o Brasil em busca de uma vida melhor, quando a menina tinha sete anos.

“Papai deixou o filho mais velho no Japão porque achava que ia ficar 5, 6 anos no Brasil e depois voltaria. A propaganda no Japão era a de que, no Brasil, você ganhava dinheiro fácil.”

A realidade, no entanto, era bem diferente – e a situação da comunidade piorou muito após a entrada do Brasil na guerra.

“Não vinham cartas (do Japão), né? Não pode ouvir rádio. Jornal japonês era proibido. A gente ficava no escuro, não sabia nada do que estava acontecendo”, conta Aiko no sobradinho onde mora hoje no bairro de Santana, em São Paulo. “Não pode falar japonês na rua. Se fala japonês, entra na cadeia”.


Aiko estudou em escola só para imigrantes em Bastos, no interior de SP

Sentada no sofá da sala, ela relembra de detalhes do passado como se tivessem acontecido na semana passada.

Imigrantes não podiam dirigir e não podiam viajar. Escolas foram fechadas e empresas japoneses tiveram o capital confiscado.

Essas condições levaram ao surgimento de grupos que davam apoio para a comunidade. Um deles, no entanto, acabou seguindo um caminho sombrio: o Shindo Reinmei, fundado por Junji Kikawa, um ex-oficial do exército japonês.

Durante a guerra, Kikawa tentou ajudar os esforços de guerra japoneses pressionando os fazendeiros imigrantes para que parassem de produzir seda, que era usada para fazer paraquedas para os Aliados.

Sua organização teve um papel central nos eventos trágicos dentro da comunidade após 15 de agosto de 1945, quando o imperador Hiroito anunciou a rendição do Japão.

A Segunda Guerra havia acabado, com a derrota do Japão. Mas o Shindo Renmei começou a espalhar rumores na comunidade japonesa de que isso era uma grande mentira, inventada pelos Aliados para minar o ânimo dos japoneses.

“Mandavam mensagens falando que Japão tinha ganhado guerra e ia mandar navio para levar japonês de volta”, conta Aiko. “Eles eram, como diz? Fanáticos, né? Maioria eram pessoas com pouca educação em cidades com muitos japoneses: Bastos, Pompeia, Tupã.”

“Aí que Shindo Renmei começou a fazer isso: dizia que quem falasse que Japão perdeu guerra não era japonês. Era traidor.”

Compromisso com a verdade

O Shindo Remei tinha como alvo os membros mais proeminentes da comunidade, que eram mais integrados com os brasileiros e tinham mais acesso à informação.

O pai de Aiko, Ikuta Mizobe, era o gerente de uma cooperativa de agricultores em Bastos, onde a maioria da população era de imigrantes japoneses.

“Papai tinha que falar com os cooperados, era gerente de cooperativa. Tem que falar verdade, né?”, relembra Aiko. “As pessoas vinham perguntar sobre guerra, e ele falava o que sabia: que Japão tenha perdido.”


Ikuta Mizobe era gerente de uma cooperativa de agricultores e foi morto por falar a verdade

“Meu pai recebeu carta com duas palavras: pessoa e coração, cortado com uma faca. Minha mãe queimou a carta. Desde aquele dia eu não consegui mais dormir, toda noite ia pra cama pensando”, diz ela.

Em 1946, Aiko estava casada, vivendo na cidade de Pompeia, com o marido e seu filho recém-nascido, Katsuo Higuchi. Em 7 de março, uma caminhonete chegou a sua casa com uma mensagem. “Meu sogro escreveu bilhete falando que papai tinha machucado pé e mandaram me buscar.”

“Mas quando cheguei à casa da minha mãe, o caixão estava em cima da mesa”, diz dona Aiko, com a voz embargada.

Sangue e lágrimas

“Na noite anterior meu pai tinha saído para dar uma olhada nas orquídeas e fechar o portão, que meu irmão mais novo sempre deixava aberto”, conta Aiko.

“Então ele foi ao banheiro, atrás da casa. Dois homens estavam escondidos. Quando ele estava fechando a porta, eles atiraram. Minha mãe ouviu os tiros e saiu, e viu dois homens fugindo no cavalo.”

“Meu pai nunca fez nada de mal para ninguém, porque Deus não ajuda? Mas a gente sofreu por causa disso, viu? Mamãe falou depois: nunca imaginou que tinha tanto sangue no corpo”, diz Aiko, misturando japonês e português. “Ela limpou meio balde de sangue.”

O pai de Aiko foi a primeira vítima do terrorismo do Shindo Remei. Eles usavam armas e, às vezes, katanas – as espadas tradicionais japonesas.


Membros do Shindo Reimei espalhavam que o Japão não havia perdido a guerra

Anos depois, cerca de 380 imigrantes foram investigados por participarem do Shindo Remei. Muitos foram condenados a penas entre 1 e 30 anos na prisão. Quatorze jovens foram condenados por homicídio. Mas, no fim dos anos 1950, muitos já estavam livres.

Alguns deles chegaram a ser entrevistados para um documentário. Tokuichi Hitaka, que matou um ex-coronel do exército japonês na cidade de São Paulo, explicou porque confessaram quando foram presos.

“Depois do assassinato, eu joguei a arma fora. Na delegacia, o delegado não acreditava que a gente estava confessando. Do ponto de vista dos brasileiros, nós éramos um bando de idiotas. Mas nós acreditávamos que estávamos fazendo nosso dever pela pátria. Nós assumimos o que fizemos, como verdadeiros japoneses”, disse ele, no filme. “Não teria tido nenhum propósito, o que fizemos, se tivéssemos negado.”

Os dois homens que mataram o pai de Aiko também foram presos e condenados.

Ligação

Em 1957, Aiko mudou pra São Paulo, onde vive até hoje.

“Minha mãe guardou muita mágoa no coração a vida inteira, nunca falou muito sobre isso”, conta Katsuo Higuchi, de 72 anos, filho mais velho de Aiko e o único que chegou a ser carregado pelo avô antes de seu assassinato.


A família Mizobe cultivava alimentos em Bastos, no interior de SP

A paz só veio em 2008, quando, aos 88 anos, ela recebeu um telefonema de uma mulher que queria conversar sobre o assassinato de seu pai.

“Era filha do criminoso, que chamava Yamamoto. Ela queria encontrar. Quando ela veio, num domingo, disse que o irmão dela não quis vir porque ficou com medo, achava que eu ia matar ele”, conta Aiko, rindo. “Eu não tinha coragem de matar galinha! Jamais faria isso. Ela veio pedir desculpas, pelo que o pai dela tinha feito. Eu disse para ela: você tem não culpa. Eu não tenho raiva de você. Mas tenho muita raiva do seu pai.”

“Eu só tinha um pai. E minha mãe ficou sozinha, sofrendo.”

O reencontro foi bom para as duas mulheres. Depois de 62 anos, Aiko finalmente conseguiu falar abertamente sobre o que aconteceu e ficar em paz com o seu passado.


O Shindo Renmei e  o contexto histórico


O navio Kasato Maru atracado no Porto de Santos, 1908

Os primeiros imigrantes japoneses chegaram ao Brasil em 1908. A grande maioria deles pretendia fazer fortuna para depois retornar ao Japão.

Os recém-chegados depararam-se com uma terra completamente diferente de sua pátria: língua, costumes, religião, alimentação, clima, enfim, tudo era diferente daquilo que eles estavam acostumados.

Nesse contexto, o imigrante japonês era visto com desconfiança, já que possuía hábitos completamente diferentes dos brasileiros e de outros imigrantes estrangeiros. Os japoneses organizavam-se em comunidades fechadas, poucos aprendiam a língua portuguesa e evitavam contatos com os brasileiros e outras comunidades. Isso contribuiu ainda mais para aumentar a desconfiança contra eles.

Apesar de tudo, o Brasil possuía, já na década de 1930, a maior comunidade de imigrantes japoneses do mundo.


Família de imigrantes japoneses em Bastos, São Paulo, 1930

A ditadura do Estado Novo, implantado por Getúlio Vargas, procurou ressaltar o nacionalismo brasileiro através da repressão à cultura dos imigrantes que formavam comunidades fechadas, como os japoneses e alemães. O decreto nº 383, de 18 de abril de 1938, determinou várias proibições aos estrangeiros: não poderiam participar de atividades políticas, formar qualquer tipo de associação, falar idiomas estrangeiros em público ou usá-los para alfabetização de crianças. A transmissão de programas de rádio em idiomas estrangeiros foi proibida. As publicações impressas (jornais, revistas, livros) em idiomas estrangeiros foram proibidas, a não ser que fossem bilíngues, japonês-português, por exemplo. Como a publicação em japonês ficou muito cara, jornais e revistas deixaram de circular.

Em 1939, uma pesquisa da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, de São Paulo, mostrava que 87,7% dos nipo-brasileiros assinavam jornais em idioma japonês, um índice altíssimo de leitura no Brasil da época. O decreto praticamente acabou com a disseminação de informações na comunidade japonesa, pois boa parte de seus integrantes sequer compreendia o português.

Com o rompimento das relações diplomáticas com o Japão, em 1942, a chegada de novos imigrantes foi proibida, as cartas não mais vinham, os nipo-brasileiros passaram a não poder viajar pelo território nacional ou residir em certos locais (como no litoral) sem salvo-conduto expedido por autoridade policial, e os aparelhos de rádio foram apreendidos, para que não se ouvissem transmissões em ondas curtas do Japão. Durante todo o período da Segunda Guerra Mundial, a falta de informações sobre o Japão passou a ser total.

O grupo extremista

O Shindo Renmei não foi o primeiro nem o único grupo de caráter nacionalista criado por imigrantes japoneses. Haviam outras organizações, mas nenhuma praticou atos terroristas. A maior parte era destinada ao auxílio mútuo da comunidade nipo-brasileira.

Por exemplo, alguns católicos japoneses (Keizo Ishihara, Margarida Watanabe e Massaru Takahashi) criaram, com a aprovação da Igreja Católica e das autoridades do governo, uma caixa beneficente, chamada simplificadamente de “Pia”, com o objetivo de prestar ajuda aos membros pobres da colônia.

Um ex-coronel do exército japonês, Junji Kikawa, participou das atividades da “Pia”. Em 1942, após um violento confronto envolvendo brasileiros e japoneses na cidade de Marília, Junji Kikawa fundou a Shindo Renmei (a “Liga do Caminho dos Súditos”). Em 1944, desligou-se da entidade beneficente “Pia”, pois a diretoria desta opunha-se à propaganda que ele fazia.

Junji Kikawa

  Junji Kikawa imprimia e distribuía panfletos que aconselhavam os agricultores nipo-brasileiros a abandonar ou destruir a produção de seda (usada na fabricação de paraquedas) e hortelã (o mentol derivado era utilizado para tornar a nitroglicerina mais potente). Ocorreram alguns atos de destruição de criação de bicho-da-seda e de plantações de hortelã de agricultores, porém as autoridades policiais não investigaram os fatos devidamente e o assunto foi logo esquecido.

A Shindo Renmei tinha sede na capital e chegou a possuir 64 filiais nos estados de São Paulo e Paraná. Mantinha-se com doações de seus filiados.

A bomba atômica em Nagasaki

Com o fim da Segunda Guerra, muitos integrantes da Shindo Renmei recusaram-se a acreditar nas notícias oficiais sobre a derrota do Japão. Seus objetivos então passaram a ser punir os derrotistas, divulgar a “verdade” (que o Japão venceu ou vencia a guerra) e defender a honra do imperador.

A comunidade nipo-brasileira da época ficou dividida a partir das ameaças realizadas por membros mais fanáticos da Shindo Renmei em:

  • Kachigumi: – os vitoristas, aqueles que acreditavam que a guerra continuava ou que a vitória tinha sido do Japão. Nem todos foram simpatizantes das ações da Shindo Renmei. Era um grupo constituído pelas pessoas mais pobres da comunidade e que ainda desejavam o retorno ao seu país. Eram os mais numerosos.
  • Makegumi: – os derrotistas, pejorativamente chamados de “corações sujos“, eram os que acreditavam na derrota japonesa. Formavam o grupo mais próspero da colônia, eram mais bem informados e melhor adaptados ao Brasil.

Alguns pilantras (conhecidos como lero-lero) forjaram jornais e revistas japonesas com notícias sobre a grande vitória e começaram a vender terras nos “territórios conquistados”. Outros venderam yens, a moeda japonesa praticamente sem valor na época, a preços altos para os que queriam voltar ao Japão. Os boatos espalhados pelos estelionatários aprofundaram ainda mais a confusão de notícias na colônia e causaram enormes prejuízos aos kachigumi, levando alguns ao suicídio.

As fake news de então

Os integrantes da Shindo Renmei acreditavam firmemente que as notícias sobre a derrota e rendição do Japão eram falsas. Assim, criaram uma rede de comunicação para divulgar a “verdade”: que o Japão vencera a guerra. Além de jornais e revistas em japonês, estações de rádio clandestinas foram colocadas no ar.

Um documento falso, com assinatura de Hiroíto e data posterior à rendição oficial, dizia: “Forças de terra e mar prosseguem na guerra”. A Rádio Bastos, uma das dezenas de emissoras piratas da organização, colocava no ar um noticiário surreal, com boletins sobre a rendição de 7,5 milhões de soldados americanos, a nomeação de um novo presidente dos EUA pelo imperador japonês e a conquista da cidade de São Francisco, na Califórnia.

Foi nesse momento que a Shindo elaborou listas com os nomes dos makegumi que deveriam morrer por trair o imperador.

Segundo o DEOPS (a Polícia Política do Estado), as ações punitivas eram coordenadas de uma tinturaria na cidade de São Paulo e eram de lá que saíam os assassinos. E várias pensões no centro da cidade e no bairro oriental abrigavam os criminosos após as ações. 

Esses assassinos, chamados de tokkotai, eram sempre jovens. Primeiro, entregavam ou enviavam cartas exigindo o seppuku (suicídio ritual) dos makegumi que deveriam morrer, pois assim eles poderiam “recuperar a honra perdida”. Deveriam suicidar-se cortando o próprio ventre, sobre o qual depois seria colocada uma bandeira do Japão. As cartas começavam dizendo:

Você tem o coração sujo, então deve ter a garganta lavada. (isto é, deverá ter a garganta cortada por uma espada katana).

Os que se recusavam a cometer suicídio eram executados com armas de fogo e, às vezes, com espadas. Os crimes ocorreram muitas vezes na presença de familiares dos assassinados. Nenhum dos makegumi que recebeu a carta aceitou suicidar-se.

Repressão e término

As histórias de assassinatos, especialmente aqueles com espada katana, espalharam o terror da Shindo Renmei dentro da comunidade nipo-brasileira. Apesar de não ter sido afetada diretamente, o resto da população brasileira reforçou seus preconceitos de que todos japoneses eram fanáticos nacionalistas.

Uma parte da população brasileira reagiu e espancou alguns nipo-brasileiros inocentes ou pertencentes à Shindo Renmei. Confrontos ocorreram em cidades do interior paulista onde havia grande quantidade de imigrantes japoneses, como na região de Tupã, São Paulo.

O exército e o DEOPS realizaram operações de investigação nos estados de São Paulo e do Paraná, e 376 nipo-brasileiros foram identificados. Finalmente, as lideranças da Shindo Renmei e boa parte dos tokkotais foram presos.


A saga kachigumi

Uma breve história dos “vitoristas” japoneses

AGOSTO DE 1942

A Shindo Renmei é fundada em Marília, interior de São Paulo, pelo coronel aposentado Junji Kikawa.

AGOSTO de 1945

O Japão se rende aos Aliados na 2ª Guerra Mundial. A organização clandestina diz que é mentira.

JULHO DE 1946

Ataques deixam 10 mortos em 8 dias. Imigrantes japoneses passam a ser hostilizados.

AGOSTO DE 1946

Reação popular a uma série de atentados na cidade de Tupã transforma a cidade num campo de batalha.

MARÇO DE 1946

Terroristas da Shindo matam o primeiro japonês a reconhecer a derrota: Ikuta Mizobe, em Bastos.

DEZEMBRO DE 1946

Mais de 380 integrantes da Shindo Renmei são condenados. Dez anos mais tarde, todos receberiam anistia.


Fontes:

Leticia Mori e Thomas Pappon – BBC Brasil em São Paulo e em Londres

Superinteressante

Wikipedia

Corações Sujos, de Fernando Moraes, Cia. das Letras

Anúncios

A história esquecida do 1º barão negro do Brasil Império, senhor de mil escravos

Um próspero fazendeiro e banqueiro do Brasil nos tempos do Império, dono de imensas fazendas de café, centenas de escravos, empresas, palácios, estradas de ferro, usina hidrelétrica e, para completar a cereja do bolo, de um título de barão concedido pela própria Princesa Isabel. A biografia do empresário mineiro Francisco Paulo de Almeida, o Barão de Guaraciaba, não seria muito diferente de outros nobres da época não fosse um detalhe importante: ele era negro em um país de escravos.

Almeida fazia parte de um pequeno grupo de mestiços de origem africana que conseguiram ascender financeira e socialmente

No ano em que a Lei Áurea completa 130 anos, vale a pena conhecer a trajetória do primeiro e mais bem-sucedido barão negro do Império, um personagem praticamente desconhecido na História do Brasil. Empreendedor de mão cheia e com grande visão de negócios em um país ainda essencialmente agrário, ele tem uma trajetória que lembra a de outro barão empreendedor do Império, este bem mais famoso: o Barão de Mauá.

Com um patrimônio acumulado de 700 mil contos de réis, que garantia ao dono status de bilionário na época em que viveu, Almeida nasceu em Lagoa Dourada, na época um arraial próximo a São João del Rei, no interior de Minas Gerais, em 1826.

A origem da sua família é pouco conhecida. Filho de um modesto comerciante local chamado Antônio José de Almeida, na certidão de batismo consta como nome da mãe apenas “Palolina”, que teria sido uma escrava. “Infelizmente não sabemos o destino de Palolina e a quem ela pertencia, mas, sim, ela era escrava”, afirma o historiador Carlos Alberto Dias Ferreira, autor do livro Barão de Guaraciaba – Um Negro no Brasil Império.

Na época do Brasil Império, 1 saca de café era comprada por 12 mil-réis e um escravo comum era cotado a 350 mil-réis. Os escravos que eram hábeis em carpintaria, fundição maquinista etc., valiam 715 mil-réis.

Ainda na adolescência, Almeida começou a vida como ourives, fabricando botões e abotoadoras em sua terra natal, na região aurífera de Minas. Nos intervalos, tocava violino em enterros, onde recebia algumas moedas como pagamento e os tocos das velas que sobravam do funeral, que utilizava para estudar à noite. Por volta dos 15 anos, tornou-se tropeiro entre Minas e a Corte, no Rio de Janeiro.

Nessas idas e vindas, ganhou dinheiro comprando e vendendo gado, conheceu muitos fazendeiros e negociantes nos caminhos das tropas e começou a comprar terras na região de Valença, no interior fluminense, para plantar café. Após casar-se com dona Brasília Eugênia de Almeida, com quem teve 16 filhos, tornou-se sócio do seu sogro, que também era fazendeiro e negociante no Rio de Janeiro.

Certidão de batismo de um dos 16 filhos do barão: Com a morte do sogro, ele assumiu os negócios e sua fortuna disparou

Após a morte do sogro, assumiu todos os negócios e sua fortuna disparou: comprou sete fazendas de café espalhadas pelo Vale do Paraíba fluminense e interior de Minas. Apenas na fazenda Veneza, em Valença, possuía mais de 400 mil pés de café e cerca de 200 escravos. Levando-se em consideração que ele tinha outras áreas produtoras de café, o barão pode ter tido até mil escravos, segundo o historiador.

“Não se trata de uma contradição ele ter sido negro e dono de escravos, pois tinha consciência do período em que vivia e precisava de mão de obra para tocar suas fazendas. E a mão de obra disponível era a escrava”, explica Ferreira.

Imagem mostra uma das fazendas do barão, que teve cerca de mil escravos no conjunto de suas propriedades, o que o historiador não vê como contradição: “Essa era a mão de obra disponível”

Em sociedade com outros empreendedores com quem mantinha contato, Guaraciaba tornou-se banqueiro e fundou dois bancos: o Mercantil de Minas Gerais e o Banco de Crédito Real de Minas Gerais. A diversificação empresarial não parou por aí. Em um período em que as ferrovias começavam a rasgar o território nacional, participou da construção da Estrada de Ferro Santa Isabel do Rio Preto (depois incorporada pela Rede Mineira de Viação), cujos trilhos passavam por suas propriedades, em Valença.

A ferrovia, que ligava Valença a Barra do Piraí e se tornou importante para escoar o café do Vale do Paraíba, foi inaugurada por D. Pedro 2º em 1883. Teriam começado aí as boas relações entre Guaraciaba e a família real, que culminariam na concessão do título de barão pela princesa Isabel, regente na ausência do pai, em 1887.

O título foi concedido por “merecimento e dignidade”, em especial pela dedicação de Guaraciaba à Santa Casa de Valença, onde foi provedor. Mas entrar para a nobreza tinha um custo fixo e tabelado pela Corte: 750 mil réis.

Sempre atento às oportunidades de negócios que chegavam com o progresso, Almeida foi sócio-fundador da primeira usina hidrelétrica do país, inaugurada em 1889, em Juiz de Fora (MG). A Companhia Mineira de Eletricidade, que construiu a usina, também foi responsável pela iluminação pública elétrica em Juiz de Fora. O barão, claro, foi um dos participantes e financiadores da modernidade que aumentou o conforto da população.

Antiga mansão do Barão de Guaraciaba, chamada de Palácio Amarelo, hoje é sede da Câmara Municipal de Petrópolis, no Rio de Janeiro

Dono de um estilo de vida condizente com a nobreza imperial, o Barão de Guaraciaba possuía uma confortável residência na Tijuca, no Rio de Janeiro, e outra em Petrópolis, destino de veraneio preferido dos ricos e da nobreza. Na cidade serrana construiu uma mansão que posteriormente foi chamada de Palácio Amarelo e que hoje abriga a Câmara Municipal. Também fazia diversas viagens para a Europa, principalmente para Paris, onde enviou seus filhos para estudar.

“Guaraciaba distinguiu-se por ter sido financeiramente o mais bem-sucedido negro do Brasil pré-republicano. Ele se tornou o primeiro barão negro do Império, notabilizando-se pela beneficência em favor das Santas Casas”, afirma a historiadora e escritora Mary Del Priore. Segundo ela, Almeida fazia parte de um pequeno grupo de mestiços de origem africana que conseguiram ascender financeira e socialmente.

Após a proclamação da República, Guaraciaba começou a se desfazer dos seus bens, mas viveu uma vida bastante confortável até sua morte

O preconceito da cor, porém, permanecia arraigado na sociedade brasileira, independentemente da posição financeira, diz Priore. Alguns desses empreendedores, a exemplo do Barão de Guaraciaba, conquistaram ou compraram seus títulos de nobreza junto ao Império, sendo por isso chamados na época de “barões de chocolate”, em alusão ao tom da pele.

“O sangue negro corria nas melhores famílias. Não faltavam casamentos de ‘barões de chocolate’ com brancas”, completa a historiadora.

Após a proclamação da República, Guaraciaba começou a se desfazer dos seus bens, mas viveu uma vida bastante confortável até morrer, na casa de uma das filhas, no Rio de Janeiro, em 1901, aos 75 anos. Seus herdeiros, inclusive alguns ex-escravos agraciados pelo dono e que permaneceram com o patrão após a alforria, receberam dinheiro e propriedades, e se espalharam pelos Estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais.

“Ele foi um grande empreendedor que acabou banqueiro, homem de negócios, fazendeiro e senhor de escravidão. É preciso empenho e coragem dos historiadores para estudar esses símbolos bem-sucedidos de mestiçagem”, diz Mary Del Priore, que resgata um pouco da história do Barão de Guaraciaba em seu livro Histórias da Gente Brasileira.

 

 

Fonte:

BBC Brasil

Nomes exóticos de cidades… que existem mesmo.

É surpreendentemente criativa a mente humana… Na hora de batizar os filhos, por exemplo, essa criatividade extrapola. Tem gente que recebeu nomes bizarros como Ácido Acético Etílico Da Silva. Ou Agrícola Beterraba Areia Leão. E ainda Amável Pinto e Antônio Treze de Junho de Mil Novecentos e Dezessete…

E os nomes de cidades, então?

Essa cidade fica em Mato Grosso.

Tomar no Geru fica em Sergipe.

A simpática Cuparaque fica em Minas e tem quase 5.000 habitantes.

Capitão Poço, no Pará, é um município com grande produção de laranjas.

Recursolãndia – isso mesmo… – fica no Tocantis e tinha cerca de 3.500 habitantes em 2004.

É uma cidade no interior do Rio Grande do Norte

Essa cidade do Tocantins não recebeu esse nome por causa da grande quantidade de barro no município, como se pode pensar à primeira vista. Foi uma homenagem a seu fundador, Elvécio Cabral Barros. Talvez tenham se inspirado na Disneylândia…

Os nomes exóticos não param aí. Temos ainda Pintópolis (MG), a 600 km de Belo Horizonte, fundada por Germano Pinto, que era dono de terras e abriu espaço para a construção de casas e comércios. Assim surgiu Pintópolis. Lá no Maranhão temos dois povoados, Pau de Estopa e Afoga Bode, e pouco se sabe sobre a origem dos nomes.

Ao redor do mundo, a coisa se repete e a imaginação fértil é abundante.  Na Áustria existe um vilarejo chamado Fucking, nome que é uma homenagem ao comandante militar Focko Ukena. Em Borgonha, o povoado francês Anus é alvo constante de piadinhas. Tem também Bösta, na Suécia; Bunda, na Austrália e até Batman, na Turquia.
A mais impressionante, porém, é a pequena cidade de Llanfairpwllgwyngyllgogerychwyrndrobwllllantysiliogogogochno País de Gales, chamada também de Llanfair. A tradução?
 Igreja de Santa Maria no fundo do aveleiro branco perto de um redemoinho rápido e da Igreja de São Tisílio da gruta vermelha…                                                                                                                                         

Cargos Disputados nas Eleições 2018

Amigos, este ano teremos eleições novamente. E como será uma das mais importantes eleições dos últimos anos, resolvi publicar este post para esclarecer quais os cargos estão em disputa e assim, quem sabe, a gente consiga votar nas pessoas certas para ocupá-los.

São os seguintes cargos em jogo:

  • Presidente da República;
  • Governadores;
  • Senadores;
  • Deputados Federais;
  • Deputados Estaduais/Distrital

As únicas funções que não serão renovadas nas eleições 2018 são:

  • Prefeitos;
  • Vice – Prefeitos;
  • Vereadores.

Os cargos listados mais acima só deverão ser renovados em 2020!

Sabe quais as obrigações de cada um desses cargos? Leia a seguir.

Presidente da República

O cargo de Presidente da República é atribuído ao candidato que ganhar as eleições por maioria absoluta, o que equivale a mais de 50% dos votos válidos.  Ele exerce as funções de Chefe de Estado e Chefe de Governo, e é a autoridade máxima do Brasil. Sua residência oficial fica situada em Brasília, no Distrito Federal. Seu mandato começa em 1° de janeiro de 2019 e  termina no dia 31 de dezembro de 2022.

O salário é de R$ 30.934,70.  Além do salário, existe uma série de outros benefícios para aqueles que ocupam o cargo. Um desses benefícios é o direito de ocupar duas moradias oficiais em Brasília: o Palácio da Alvorada e a Granja do Torto. O Palácio da Alvorada é a residência oficial do presidente, construída em 1958, antes mesmo da inauguração de Brasília. Já a Granja do Torto é uma propriedade de 37 hectares (equivalentes a 370 mil metros quadrados) com características de casa de campo e situada nos arredores do Plano Piloto.

Outros benefícios são o direito a assessores especiais e inúmeros cargos de confiança, plano de saúde cobrindo todas as despesas, incluindo as de familiares diretos, cartões de crédito corporativos cujo limite varia de acordo com o orçamento e o direito a viajar em aviões da FAB, tanto em missões oficiais quanto em viagens de âmbito particular. Há ainda um importante benefício concedido ao Presidente, que não possui valor monetário: o Foro Privilegiado, que consiste em um mecanismo para garantir que certas autoridades públicas sejam julgadas por tribunais superiores, diferentemente de um cidadão comum, que é julgado pela justiça comum… (uma das vantagens que tinham que acabar).

Agora, o salário dele é alto demais? Para termos uma noção, podemos comparar o salário de um presidente brasileiro com outros presidentes no mundo ou até mesmo com outras autoridades públicas no Brasil.

Nos Estados Unidos, por exemplo, o salário do presidente é de US$ 400 mil ao ano, equivalentes a cerca de R$ 1,28 milhão ao ano ou R$ 106 mil ao mês. A quantia é mais de três vezes superior ao salário do presidente brasileiro. Uma importante diferença entre os líderes das duas nações é que nos Estados Unidos os ex-presidentes têm direito a uma pensão vitalícia de US$ 191 mil anuais. O mesmo não acontece no Brasil, que não oferece pensão a seus ex-presidentes.

Em relação às autoridades públicas brasileiras, a remuneração de um Ministro do Governo é de R$ 30,9 mil mensais, a mesma que a do Presidente, e ainda contam com um auxílio moradia de R$ 6,6 mil reais, diferente dos presidentes, que residem nas moradias oficiais de Brasília.

Já um Ministro do STF recebe R$ 33,7 mil ao mês…

Governadores

Governador é o cargo político que representa o poder executivo na esfera dos Estados e do Distrito Federal. É função do governador: a direção da administração estadual e a representação do Estado em suas relações jurídicas, políticas e administrativas, defendendo seus interesses junto à Presidência e buscando investimentos.

O salário varia de estado para estado, e o do governador de São Paulo é de R$ 22.300,00.

Senadores

Um Senador possui um dos principais cargos e é encarregado de representar o estado que o elegeu e tem a responsabilidade de colaborar diretamente para o desenvolvimento de sua região.

Cada estado é representado por 3 (três) senadores no Congresso Nacional. Possuem a missão de defender e garantir suas necessidades, zelar pelos direitos constitucionais do povo, fiscalizar ações e gastos do poder executivo, autorizar operações externas que possam gerar lucro ao Estado, propor leis que beneficiem a população. Em alguns casos extremos, um Senador poderá até mesmo, julgar o Presidente da República.

Já o salário dele …  Cada senador recebe um salário bruto de R$ 33.763, fora uma montanha de mordomias. Somente os salários dos senadores geram R$ 3.072.433,00 de despesa aos cofres públicos todo mês. (são 81 senadores em exercício e mais 10 afastados ou de licença)

Esse valor salarial coloca os senadores brasileiros entre os parlamentares mais bem pagos do planeta!

Fora salários, eles ainda têm auxílio moradia, passagens aéreas, seguro-saúde, verba para contratar funcionários (cerca de R$ 80 mil por mês!), enfim, é dinheiro que não acaba mais… Veja (se você clicar sobre o quadro, ele vai abrir em outra janela e você poderá ampliá-lo para ver melhor):

Deputado Federal e Estadual

O Deputado Federal representa o poder legislativo e faz parte da Câmara dos Deputados. Tem como principais funções as de legislar e fiscalizar os gastos públicos na esfera nacional.

Já o deputado estadual é o representante do povo nas Assembleias Legislativas. Sua função principal é legislar, ou seja, fazer as leis dos estados. De acordo com o que está definido na Constituição Federal.

Eles também ganham uma fortuna. Atualmente, cada deputado federal recebe um salário bruto de R$ 33.763,00. Somados, o salário e os benefícios de cada deputado chegam a aproximadamente R$ 168,6 mil por mês. Juntos, os 513 deputados custam em média R$ 86 milhões ao mês, e a um custo anual de R$ 1 bilhão…

Veja só quanto custa um deputado…

O deputado estadual recebe o equivalente a 75% do salário dos deputados federais. Atualmente, esse valor equivale a R$ 25,3 mil. Mas eles também têm muitas outras regalias… Veja no quadro>

 

As eleições de 2018 irão acontecer nas seguintes datas:

  • 1º turno: 7 de outubro de 2018;
  • 2º turno: 28 de outubro de 2018.

Agora que você tem um pouco mais de informação, quem sabe a gente consiga escolher representantes melhores e não reeleger os picaretas. Olho vivo!

O Brasil já teve um time de futebol nazista

Em uma fazenda no interior de São Paulo, a 160 km a oeste da capital, um time de futebol posa para uma foto comemorativa. Mas o que torna a imagem extraordinária é o símbolo na bandeira do time – uma suástica.

A foto, provavelmente, foi tirada após a ascensão nazista na Alemanha, na década de 1930. “Nada explicava a presença dessa suástica aqui”, conta José Ricardo Rosa Maciel, ex-dono da remota fazenda Cruzeiro do Sul, perto de Campina do Monte Alegre, que encontrou a foto, por acaso, um dia.

Mas essa foi, na verdade, sua segunda e intrigante descoberta. A primeira tinha ocorrido no chiqueiro. “Um dia, os porcos quebraram uma parede e fugiram para o campo”, ele disse. “Notei que os tijolos tinham caído. Achei que estava tendo alucinações”.

Na parte debaixo de cada tijolo estava gravada uma suástica.

Ter prédios antigos com tijolos com a suástica é até normal, muita coisa era importada da Alemanha na década de 30, até tijolos. Não devemos esquecer que o governo brasileiro daquela época (ditadura de Getúlio Vargas) era simpatizante do fascismo e só entrou na guerra contra a Alemanha por pressão americana e, Getúlio que não era nenhum bobo, em 1942 percebeu qual seria o lado vencedor… Mas antes disso, o Brasil tinha fortes vínculos com a Alemanha Nazista. Os dois países eram parceiros comerciais e o Brasil tinha o maior partido fascista fora da Europa, com mais de 40 mil integrantes.

Levou anos para que Maciel, com o auxílio do historiador Sidney Aguillar Filho, conhecesse a terrível história que conectava sua fazenda aos fascistas brasileiros.

Ação Integralista

O historiador descobriu que a fazenda tinha pertencido aos Rocha Miranda, uma família de ricos industriais do Rio de Janeiro. Três deles – o pai, Renato, e dois filhos, Otávio e Osvaldo – eram membros da Ação Integralista Brasileira (AIB), organização de extrema direita simpatizante do Nazismo. A família às vezes organizava eventos na fazenda, recebendo milhares de membros do partido. Mas também existia no lugar um campo brutal de trabalhos forçados para crianças negras abandonadas.

“Descobri a história de 50 meninos com idades em torno de 10 anos que tinham sido tirados de um orfanato no Rio”, conta o historiador. “Foram três levas. O primeiro grupo, em 1933, tinha dez (crianças)”.

Osvaldo Rocha Miranda solicitou a guarda legal dos órfãos, segundo documentos encontrados por Aguillar Filho. O pedido foi atendido.

“Ele enviou seu motorista, que nos colocou em um canto”, conta Aloysio da Silva, um dos primeiros meninos levados para trabalhar na fazenda, hoje com 90 anos de idade. “Osvaldo apontava com uma bengala – ‘Coloca aquele no canto de lá, esse no de cá’. De 20 meninos, ele pegou dez”.

Aloysio da Silva era conhecido apenas pelo número. Ele era o 23.

“Ele prometeu o mundo – que iríamos jogar futebol, andar a cavalo. Mas não tinha nada disso. Todos os dez tinham de arrancar ervas daninhas com um ancinho e limpar a fazenda. Fui enganado”. As crianças eram espancadas regularmente com uma palmatória. Não eram chamadas pelo nome, mas por números.

Cães de guarda mantinham as crianças na linha. “Um se chamava Veneno, o macho. A fêmea se chamava Confiança”, conta Silva, que ainda mora na região. “Evito falar sobre esse assunto”.

Até as vacas da fazenda recebiam a suástica

Argemiro dos Santos é outro dos sobreviventes. Quando menino, foi encontrado nas ruas e levado para um orfanato. Um dia, Rocha Miranda veio buscá-lo. “Eles não gostavam de negros”, conta Santos, hoje com 89 anos.

“Havia castigos, deixavam a gente sem comida ou nos batiam com a palmatória. Doía muito. Duas batidas, às vezes. O máximo eram cinco, porque uma pessoa não aguentava. Eles tinham fotografias de Hitler e você era obrigado a fazer uma saudação. Eu não entendia nada daquilo”.

Alguns dos descendentes da família Rocha Miranda dizem que seus antepassados deixaram de apoiar o Nazismo antes da Segunda Guerra Mundial. Maurice Rocha Miranda, sobrinho-bisneto de Otávio e Osvaldo, também nega que as crianças eram mantidas na fazenda como “escravos”. Em entrevista à Folha de São Paulo, ele disse que os órfãos na fazenda “tinham de ser controlados, mas nunca foram punidos ou escravizados”.

O historiador Sidney Aguillar Filho, no entanto, acredita nas histórias dos sobreviventes. E apesar da passagem do tempo, tanto Silva quanto Santos – que nunca mais se encontraram desde o tempo em que viveram na fazenda – fazem relatos muito parecidos e perturbadores de suas experiências.

Para os órfãos, os únicos momentos de alegria eram os jogos de futebol contra times de trabalhadores das fazendas locais, como aquele em que foi tirada a foto onde se vê a bandeira com a suástica. (O futebol tinha papel fundamental na ideologia integralista.)

“A gente se reunia para bater bola e a coisa foi crescendo”, diz Santos. “Tínhamos campeonatos, éramos bons de bola.”  Mas depois de vários anos, ele não aguentava mais. “Tinha um portão (na fazenda) e um dia eu o deixei aberto”, ele conta. “Naquela noite, eu fugi. Ninguém viu”.

Santos voltou ao Rio onde, aos 14 anos de idade, passou a dormir na rua e trabalhar como vendedor de jornais. Em 1942, quando o Brasil declarou guerra contra a Alemanha, Santos se alistou na Marinha como taifeiro, servindo mesas e lavando louça. Depois de trabalhar para nazistas, Santos passou a lutar contra eles.

Argemiro dos Santos ainda guarda a medalha de ouro que ganhou

“Estava apenas prestando um serviço para o Brasil”, explica. “Não sentia ódio por Hitler, não sabia quem ele era”.

Santos saiu em patrulha pela Europa e depois passou um período, ainda durante a guerra, trabalhando em navios que caçavam submarinos na costa brasileira. Hoje, Santos é conhecido, na comunidade onde vive, pelo apelido de Marujo. E se orgulha de um certificado e uma medalha que recebeu em reconhecimento por seus serviços durante a guerra.

Mas ele também é famoso por suas proezas futebolísticas, jogando como meio de campo em vários grandes times brasileiros na década de 1940.

“Naquela época, não existiam jogadores profissionais, éramos todos amadores”, diz. “Joguei para o Fluminense, Botafogo, Vasco da Gama… Os jogadores eram todos vendedores de jornais e  engraxates”. Hoje, ele vive uma vida tranquila com a esposa, Guilhermina, e estão casados há 61 anos. “Eu gosto de tocar meu trompete, de sentar na varanda e tomar uma cerveja gelada. Tenho muitos amigos e eles sempre aparecem para bater papo”, conta.

As lembranças do tempo difícil que passou na fazenda, no entanto, são difíceis de apagar.

“Quem diz que sempre teve uma vida boa desde que nasceu está mentindo”, diz ele. “Na vida de todo mundo acontecem coisas ruins”.

************************

Integralismo Brasileiro

 

 

 

Fonte:

Há pouco mais de 60 anos, surgia o primeiro carro de fabricação nacional

Há 62 anos, dentro de um galpão em Santa Bárbara d’Oeste, no interior paulista, começavam a sair de uma pequena linha de montagem os primeiros exemplares do veículo que inauguraria a produção nacional de automóveis. Quase uma motocicleta coberta (boa parte de sua mecânica tinha origem, mesmo, nas primas de duas rodas), a Romi-Isetta era a versão brasileira do carrinho criado pela fabricante de motos italiana Iso em 1953 e que também era fabricado pela alemã BMW desde 1955. Hoje, a chamaríamos de modelo urbano e racional: era ultracompacta, trazia soluções de engenharia e design revolucionários para época e consumia apenas um litro de gasolina para cada 25 km rodados – com velocidade máxima de 85 km/h.

A unidade “número zero” aparece na foto acima com Olimpia e Emilio Romi a bordo e funcionários da Indústrias Romi, de Santa Bárbara d’Oeste, SP, que realizam últimos ajustes antes do histórico passeio inaugural.

Este vídeo histórico a seguir, produzido pela Fundação Romi, mostra a linha de montagem em Santa Bárbara e os primeiros testes de resistência e estabilidade com o modelo, meses antes de ser lançado. Após o fim da produção do carrinho, em 1961, a empresa – que já era consagrada e exportava equipamentos para diversos países – continuou fabricando ferramentas industriais, o que faz até hoje.

O lançamento oficial da Romi-Isetta no Brasil aconteceria no dia 5 de setembro de 1956, em plena euforia industrial fomentada pelo governo de Juscelino Kubistchek, o “presidente bossa-nova”. E foi marcado por várias ações de marketing até então inéditas por aqui, como caravanas nas capitais e campanhas de publicidade com atores conhecidos.

Desfile de lançamento do Romi-Isetta. São Paulo, 5 de setembro de 1956

John Herbert e Eva Vilma, dois atores muito populares na época, numa propaganda do carrinho.

Para nós, pós-modernos, conectados, fica um pouco difícil ter a dimensão da importância da chegada de uma engenhoca quase oval, barulhenta e com uma única porta na dianteira às ruas. Hoje, talvez ela fosse confundida com um pokemon ou coisa do gênero. Naquela época, era um pedaço do futuro sobre (pequenas) rodas.

Sem contar com as mesmas isenções e estímulos fiscais que os demais fabricantes de automóveis que se instalavam no Brasil naquela época – as normas excluíam veículos para apenas dois passageiros, considerados “esportivos” (ou supérfluos…) dessas facilidades –, a Romi ainda sofreu um grande baque com a inesperada morte de seu fundador, Américo Emílio Romi, em 1959. Sem ele, planos para diversificar a produção, incluindo a versão 600, com quatro lugares e que iria enquadrar o carro nas isenções fiscais, foram deixados de lado. A produção total do modelinho, entre 1956 e 1961 é estimada em 3.150 unidades. Hoje, uma delas em bom estado é bem valorizada por colecionadores.

Neste segundo vídeo, uma propaganda alemã para a versão BMW da Isetta, na qual são ressaltadas suas qualidades urbanas e praticidade. Reparem que, além do modelo de porta única, igual ao produzido no Brasil, lá também era oferecido (entre 1957 e 1959) uma opção maior, com mais uma porta lateral e banco traseiro. Com motor de 600cc, essa “Isettona” chegou a ser montada também no Uruguai.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:

 HENRIQUE KOIFMAN, para O Globo

 

Quem é a mulher que aparece nas cédulas de real?

Todo mundo já percebeu que, nas cédulas do real, existem estampas de vários animais. Como a arara nas cédulas de R$ 10 e o mico-leão dourado nas de R$ 20. Mas existe uma estampa que aparece em todas as notas, a figura que se parece a de uma escultura de uma mulher, muito séria.

Segundo o Banco Central do Brasil, essa é uma ilustração que representa a República. No nosso país, ela foi interpretada sob a forma de uma escultura, e a imagem original que serviu de inspiração para essa representação foi o quadro “A Liberdade Guiando o Povo”, de  Eugène Delacroix, no qual a Liberdade é apresentada na forma de uma mulher.

A Liberdade Guiando o Povo

Mas essa mulher que aparece no quadro, além de representar a Liberdade e ser a personificação da República Francesa, também é conhecida como Marianne. Foi batizada pelos franceses e o critério para a escolha desse nome foi simples: juntar os nomes mais comuns entre as mulheres pobres do país no século 18, Marie e Anne. A partir de então, Marianne passou a representar os valores de Liberdade, Igualdade e Fraternidade da Revolução Francesa, que, em 1789, derrubou a monarquia absolutista e instaurou a República na França.

Cédula de 100 francos de 1993 com a imagem de Delacroix e a pintura de Marianne

A imagem de Marianne também foi usada nas moedas portuguesas. Por lá, a República apareceu como na França, com os seios aparentes, em uma litografia de Cândido da Silva, representando os revolucionários de 1910.

No quadro famoso de Delacroix, a Liberdade – ou Marianne – aparece usando na cabeça o barrete frígio (uma touca ou carapuça). Uma curiosidade a respeito do barrete frígio: ele tem esse nome porque foi originalmente utilizado pelos habitantes da Frígia, onde hoje fica a Turquia, e adotado pelos republicados franceses que derrubaram a Bastilha. O próprio barrete em si passou a representar a República e aparece em diversas bandeiras e brasões republicanos, como o da Argentina e também no da cidade do Rio de Janeiro.

O brasão da Argentina (à esquerda) e o brasão da cidade do Rio de Janeiro.

Nas nossas moedas, a efígie da República é representada desde, obviamente, a proclamação da República, em 1889. Ora ela está olhando para o lado direito. Ora ela está olhando para o lado esquerdo. Em todas as ocasiões, a República está usando o barrete, mas o motivo de ela estar olhando uma hora para um lado e na outra, para o outro, talvez seja apenas estético.

Nas cédulas brasileiras, a primeira vez que a República apareceu foi em 1889, na nota de 500 réis. Em 1926, ela voltou a aparecer na nota de 20 mil réis. Nas cédulas de cruzeiro, ela foi surgir no reverso da nota de Cr$ 20, porém como uma estátua mitológica segurando a Constituição, e não como efígie. No caso desta cédula, a efígie é do proclamador da República e nosso primeiro presidente, o Marechal Deodoro da Fonseca.

Foi só a partir de 1970, na segunda encarnação do cruzeiro, na cédula de Cr$ 1, que a República surgiu em forma de estátua greco-romana. Mas a representação como conhecemos hoje apareceu pela primeira vez somente em 1989, no cruzado novo, na cédula de NCz$ 200. Depois, esta cédula foi reaproveitada com o mesmo valor, só que com um famigerado carimbo, na terceira encarnação do cruzeiro. Finalmente, em 1994, ela voltou definitivamente, desta vez em todas as cédulas de real, onde permanece até hoje.

Todas as vezes em que a República apareceu nas cédulas brasileiras

Para encerrar, duas curiosidades.

Em 1922, o Brasil voltou a exibir a coroa do Império em suas moedas, 33 anos após a proclamação da República, para celebrar o centenário da Independência. A moeda de 500 réis trouxe, lado a lado, a a coroa e o barrete frígio da República, representando as duas fases que o Brasil viveu após se libertar de Portugal.

Na mesma moeda: a coroa do império e o barrete frígio da República.

Você sabia que o desenho da República na moeda de R$ 1 quase foi diferente? O governo usou a imagem da República igual ao da nota de um cruzeiro. O desenho, no entanto, foi somente um disfarce para esconder o desenho oficial oficial da moeda, que ainda não havia sido lançado.

Ensaio não aprovado para a segunda família da moeda de R$ 1.

 

 

 

 

 

 

 

Fontes:

Wikipedia

caraoucoroa.blogosfera.uol.com.br

Felipe Branco Cruz