Dos camelos às Ferraris em 50 anos

Todo mundo sabe que Dubai é a capital dos excessos do Oriente Médio. Um dos emirados árabes rico em petróleo e onde hoje reina o dinheiro e a opulência. Os arranha-céus incrivelmente altos só têm comparação com os gigantescos shopping centers e com as contas bancárias de seus moradores mais abonados, e que são contabilizadas em quaquilhões de dólares.

Esse parque de diversões dos muito ricos, porém, nem sempre foi assim. As fotos abaixo, tiradas durante a década de 1960, mostram que Dubai passou por incríveis transformações nessas quase seis décadas:

Dhows in Dubai Creek: The creek was once the centre of the city's pearl trade the formed the basis of Dubai's economy before the oil boom. The creek divides the city into two sections; Deira and Bur Dubai

A boating crew taking part in a traditional dhow race

Na foto mais acima, o canal que foi um dia cenário dos pescadores de pérolas hoje é palco de competições de regatas.

O antigo entreposto de pérolas de 1830 prosperou até 1930, quando a recessão mundial e o declínio do comércio de pérolas trouxe a depressão e os problemas sociais a Dubai. Mas tudo mudou com a descoberta de grandes reservas de petróleo, em 1966. O emirado enriqueceu e continuou dependente da exportação de petróleo até 1980, quando suas reservas indicaram uma diminuição substancial e a cidade começou  então a repensar seu futuro como sendo um destino turístico. A partir de 1999, quando o hotel Burj Al Arab (aquele que parece uma vela de navio) foi inaugurado, a reputação de “Disneylândia dos Ricos” foi definitivamente consolidada. E nas vias cobertas de areia, os camelos deram lugar às Ferraris…

An open market in downtown Dubai... a far cry from the glitzy malls that now make the city a hub for global luxury shoppers

Os antigos mercados a céu aberto agora são luxuosos centros de compra.

Duty free shopping in Dubai's airport mall

Mode of transportation: It was not that long ago that Dubai was as familiar with camels and dhows as it is now with Ferraris and indoor ski slopes

Não faz muito tempo, o meio de transporte mais comum era o camelo. Hoje, a maior revenda Ferrari do mundo fica em Dubai.

In Dubai: Worlds largest Ferrari store opening ceremony ferrari store dubai 2

Mas Dubai não para…

Essa moderna pirâmide vai cobrir quase 3 quilômetros quadrados e será autossustentável, usando energia solar, eólica e com emissão zero de carbono. Os carros não serão permitidos em seu interior e o transporte será todo por esteiras horizontais e elevadores. A pirâmide poderá abrigar cerca de um milhão de pessoas, que vão morar e trabalhar lá dentro. No espaço que sobrar, cerca de 90% do total, haverá muito verde para a agricultura e para o lazer. O projeto é construí-la no deserto, para onde Dubai já vem se expandindo.

Não confunda a Suméria com a Ciméria

Momento Discovery Channel:

Muita gente (especialmente entre os curtidores de quadrinhos) confunde Ciméria com Suméria.

Ciméria é a terra de origem fictícia dos bárbaros na Terra Antediluviana e pátria de Conan, o Bárbaro, principal personagem do escritor Robert E. Howard.

O personagem nasceu em 1932, e fez sua primeira aparição na revista pulp Weird Tales no conto chamado “The Phoenix on the Sword” (em português, A Fênix na Espada). Howard escreveu mais dezenove histórias e um romance protagonizados pelo personagem (três dos contos só publicados após sua morte), sendo que outros escritores também criaram histórias de Conan ou reescreveram contos, a partir de sinopses e fragmentos originais após 1936, ano em que Howard se suicidou.

No começo da década de 1970 a Marvel Comics começou a publicar histórias em quadrinhos de Conan com estrondoso sucesso, e esse é o meio ao qual sua imagem ficou mais vinculada. Os quadrinhos de Conan foram editados pela Marvel até 2004, quando a editora desistiu dos direitos do personagem, que foram adquiridos pela Dark Horse Comics, que começou então a publicar a premiada revista Conan.  Outro meio pelo qual o personagem ficou conhecido do grande público foi o cinema, nos filmes estrelados por Arnold Shwarzennegger e mais recentemente por Jason Momoa.

  

Conan nos quadrinhos e no cinema.

Agora, a Suméria é outra história.

A Suméria é a civilização mais antiga de que se tem registro, e estima-se que eles viveram há cerca de 3.500 anos antes de Cristo. Alguns historiadores colocam essa data mais para trás, 6.000 anos! Os sumérios foram os pais da escrita, chamada escrita cuneiforme, da astronomia, teriam inventado a roda e muito mais. Eles habitavam o sul da Mesopotâmia, entre o rio Tigre e Eufrates, lugar extremamente fértil que a Bíblia chamou de Terra Prometida.
mapa Suméria
Os sumérios – ao contrário dos bárbaros de Conan – foram um povo muito além de seu tempo. Possuíam tecnologia e informações que a civilização ocidental só foi redescobrir muitos séculos mais tarde. Para se ter uma ideia, os sumérios faziam cálculos das distâncias entre os planetas de nosso Sistema Solar, inclusive quantos planetas existem, sabiam que o Sol é uma estrela e a órbita de cada um!
Abaixo, segue uma listinha dos conhecimentos desse povo e que as civilizações posteriores acabaram adotando, depois de decifrar a escrita sumeriana em tábuas de argila onde o conhecimento tinha sido armazenado:
  • Técnicas de medicina, arquitetura, engenharia e hidráulica, baseados em conhecimentos de matemática, química, física e astronomia.
  • Profundos conhecimentos de astronomia
  •  Técnicas de irrigação e drenagem de solo, construção de canais, diques e reservatórios;
  • Sistema de escrita cuneiforme, assim chamado porque escreviam em plaquetas de argila com um estilete em forma de cunha;
  • Criaram as primeiras bibliotecas. Na cidade de Nipur, a 150 km ao sul de Bagdá, foi encontrada uma biblioteca sumeriana inteira, contendo cerca de 60.000 tabletes de barro com inscrições cuneiformes sobre a origem da humanidade.
  • Criaram as fabulosas construções chamadas de zigurates, pirâmides com várias camadas de edifícios interligados por rampas espirais desde a base até o topo.

Imagem de computador de um zigurate.
O que intriga a todos os estudiosos e pesquisadores é como uma civilização tão antiga possuía tais conhecimentos? Eles sabiam que a Terra é redonda, conheciam a existência de Plutão, e muitas peças criadas pelos sumérios foram encontradas espalhadas pelo mundo. Como essas peças foram levadas até lá?
E não foram apenas peças de arte que se espalharam. Vejam abaixo as imagens de construções de outros povos, que foram erigidas muito depois deles, e notem as semelhanças:
7-12
Zigurate na cidade de Ur, 3.500 a.C.
Ficheiro:Chichen-Itza El Castillo.jpg
Maias, 1.500 a. C.
El Brujo
Pirâmides aos norte do Peru, com 30 metros de altura e 1.500 metros de extensão, da cultura Mochica, entre 0-600 d.C.
O que esses povos tinham em comum, mesmo habitando tão distantes uns dos outros? O conhecimento! Os maias e os sumérios deixaram uma escrita misteriosa – os mochicas não tinham escrita. Todos tinham conhecimentos surpreendentes (no Peru existem aquedutos desde aquela época que foram usados pelos Incas e que funcionam até hoje, trazendo água dos Andes para as regiões mais áridas!). Outra coisa em comum é o desaparecimentos dessas civilizações. Os maias, que tinham cidades com 70 mil habitantes, ficaram reduzidos a poucas centenas de remanescentes empobrecidos. Os sumérios, depois de conquistados pelos acádios, sumiram do mapa. (como um povo tão avançado como os sumérios foram conquistados por um povo nômade, os acadianos?). E os mochicas também sumiram, algumas teorias rezam que uma prolongada seca dizimou as plantações e a população se espalhou em busca de outros lugares para morar, desaparecendo lentamente.
Será que algum dia as perguntas serão respondidas? Ou o mistério permanecerá para sempre?