100 anos do massacre da família imperial russa

A Copa na Rússia terminou.

Foram momentos de muita emoção do esporte mais popular no mundo, assistidos por, estima-se, mais de um bilhão de pessoas em todo o mundo.

A Rússia foi palco de muitas surpresas, por exemplo, os maiores craques do futebol tiveram suas equipes eliminadas antes da grande final.

Várias cidades do maior país do mundo em extensão receberam jogos, e uma delas foi Iekaterinburgo, palco da execução da família real russa, evento cujo centenário será lembrado com grande procissão em 17 de julho, dois dias após o fim do Mundial.

Foi em 17 de julho de 1918 que o último czar, Nicolau II foi brutalmente morto a tiros e golpes de baioneta com a mulher, o herdeiro do trono, quatro filhas, o médico, três criados e dois cães. Vladimir Lênin (1870-1924) tentava formar um governo em plena guerra civil. Ele mantinha a família real, cujo líder fora forçado a abdicar em fevereiro de 1917, detida a 1.400 km de Moscou. A aproximação do monarquista Exército Branco selou o destino do último imperador da dinastia Románov, surgida em 1613.

Os Romanovs. Da esquerda para a direita: Maria, Tatiana e Olga. Sentados: Alexandra, Nicolau II, Anastasia e Alexei, o herdeiro do trono.

Segundo relatos da época, assim se deu a execução dos Romanovs, ordenada por Lênin:

*******

Ao redor da meia-noite, Yakov Yurovsky, o implacável braço direito de Lênin, ordenou ao médico dos Romanovs, Dr. Eugene Botkin, que acordasse a família e pedisse que eles colocassem suas roupas, sob o pretexto de que seriam transferidos para um local seguro, devido ao iminente caos em Iekaterinburgo. Os Romanovs foram então levados para uma sala.

Os prisioneiros foram avisados para esperar ali, enquanto o caminhão que os transportaria fosse trazido. Poucos minutos depois, um esquadrão de execução da polícia secreta chegou e Yurovsky leu em voz alta a ordem dada a ele pelo Comitê Executivo:

“Nikolai Alexandrovich, em vista do fato de que seus parentes estão continuando seu ataque a Rússia Soviete, o Comitê Executivo Ural decidiu executar você”.

Nicolau, encarando sua família, virou e disse: “O quê? O quê?” Yurovsky rapidamente repetiu a ordem e as armas foram levantadas. A Imperatriz e a Grã-duquesa Olga tentaram fazer o sinal da cruz, mas foram surpreendidas pelo tiroteio. Yurovsky levantou sua arma no torso de Nicolau e atirou; Nicolau caiu morto. e Yurovsky então atirou em Alexei. Os outros executores começaram a atirar caoticamente até que todas as vítimas tivessem caído. Muitos tiros foram disparados e depois as portas foram abertas para dispersar a fumaça.

Algumas das vítimas não morreram imediatamente, então Pyotr Ermakov esfaqueou-as com baionetas, porque os tiros poderiam ser ouvidos do lado de fora. As últimas a morrer foram Tatiana, Anastásia, e Maria, que carregavam mais de 1.3 quilos de diamantes costurados nas roupas, os quais tinham dado a elas um certo grau de proteção do tiroteio. Entretanto, elas também foram espetadas com baionetas. Olga tinha um ferimento de bala na cabeça. Maria e Anastásia teriam se agachado contra uma parede, cobrindo suas cabeças em terror, até serem atingidas e derrubadas. Tatiana morreu de uma única bala na parte de trás de sua cabeça. Alexei recebeu duas balas na cabeça, atrás da orelha após os executores perceberem que ele não tinha sido morto pelo primeiro tiro. Anna Demidova, empregada de Alexandra, sobreviveu ao ataque inicial, mas foi rapidamente esfaqueada pelas costas até a morte, contra a parede, enquanto tentava se defender com um pequeno travesseiro que tinha carregado, preenchido com joias e pedras preciosas.

*******

O pano de fundo de toda essa tragédia foi a Revolução Bolchevique… A 1ª Guerra Mundial estava no fim, e, para a Rússia Imperial e seu inepto czar, as grandes baixas e derrotas humilhantes sofridas na guerra significavam dificuldades econômicas e desordem social em casa. E em março de 1917, o povo de São Petersburgo, a então capital imperial, se levantou em revolta armada.

Após a violência dos dias seguintes matar mais de 1.300 pessoas, o czar Nicolau II abdicou em favor de seu irmão, o Grão-Duque Michael Alexandrovich, protegendo o filho. Quando o duque não aceitou o trono, os rebeldes estabeleceram o Governo Provisório. Ele veio com a promessa de reformar o governo russo, e um voto popular foi planejado para determinar se a nação deveria permanecer uma monarquia ou se mudaria para a república. Essa revolta não conduziu à democracia, mas foi o primeiro de uma série de eventos que levaram ao estabelecimento da ditadura de Vladimir Lênin.

Pintura simbolizando a força do exército vermelho, comunista, sobrepujando o exército branco, não-comunista, durante a guerra civil.

Depois da abdicação de Nicolau II, a família imperial foi colocada sob guarda em diversos locais, e sempre sob sigilo, porque a população, dividida pela guerra civil, os culpava por todos os seus infortúnios: pobreza, desemprego, inflação etc.

A abdicação de Nicolau II, sentado à direita. Menos de um ano depois, ele foi executado.

Quando deixaram o palácio imperial, seguiram em dois trens que exibiam a bandeira japonesa, como parte de uma suposta missão da Cruz Vermelha do Japão, para evitar possíveis ataques da população.

O Czar, prisioneiro dos bolcheviques em Iekaterinburgo dias antes de ele e sua família serem assassinados, em julho de 1918. O governo bolchevique sustentou que o assassinato havia sido cometido por um soviete local, enquanto a população faminta permanecia. apática.

O governo declarou oficialmente que a família imperial fora executada sob ordens do governo soviético dos Urais, que afirmou que as execuções foram necessárias, pois os regimentos da Checoslováquia – não-comunistas – estavam se aproximando da cidade, numa conspiração “contra-revolucionária para libertar o antigo monarca”. Nenhum sinal de uma possível conspiração foi encontrado, embora os checos tenham tomado a cidade oito dias depois da execução da família imperial.

Na Rússia pós-soviética, a investigação sobre a execução do último czar e sua família chegou à conclusão de que a ordem foi dada pelas autoridades locais dos Urais. Não há qualquer documento evidenciando que Vladimir Lênin ou outro dos líderes bolcheviques estavam interessados na execução do czar. Alguns historiadores argumentam que Moscou queria organizar um julgamento para o último imperador.

Ao mesmo tempo, alguns dos envolvidos no crime disseram que, na véspera do assassinato, receberam um telegrama codificado de Moscou, ordenando a morte do czar, mas não de toda a sua família. As crianças deveriam ser poupadas. Matar todos os Romanov teria sido uma iniciativa do governo soviético local, cujos membros eram muito mais radicais do que os do Kremlin.

A princípio, as autoridades apenas reportaram a morte de Nicolau II. Por algum tempo, a informação oficial era a de que a família tinha sido evacuada de Iekaterinburgo e enviada para longe do caos da guerra civil russa. Só no início da década de 1920 que os detalhes da execução foram expostos, quando os envolvidos confessaram.

É difícil de acreditar, mas o povo russo não ficou muito abalado com a notícia da morte do czar. Nicolau II não era popular. De acordo com alguns historiadores, depois da queda da monarquia, as autoridades receberam muitas cartas da população, pedindo a morte do imperador. A única reação significativa veio do líder da Igreja Ortodoxa, o Patriarca Tikhon, que condenou abertamente o assassinato.

A pessoa responsável pela execução, Yakov Yurovsky (foto acima), afirmou ser o autor do tiro que matou o czar. Em 1920 ele pessoalmente entregou as joias que pertenciam à família imperial a Moscou. Conseguiu alguns cargos importantes no novo Estado Bolchevique, morrendo em 1938 – não devido ao grande expurgo de Stalin – mas por causa de uma úlcera no estômago…

A casa onde a família do czar foi executada foi demolida em 1977, quando o governo regional era liderado pelo futuro presidente, Boris Yeltsin. Mais tarde, uma Igreja foi construída no local, que hoje é um ponto de peregrinação.

A casa sendo demolida

A igreja construída no mesmo lugar

 

 

 

 

 

Fontes:

Wikipedia

rainhastragicas.com

observador.pt

vejaonline.com.br

folha.uol.com.br

 

 

Anúncios

Homens conviveram com unicórnios, revela estudo

Homens modernos conviveram com unicórnios. Não os belos equinos da literatura fantástica, mas uma criatura bem menos elegante, apelidada de unicórnio siberiano.

Os cientistas acreditavam que este animal fora extinto há 350 mil anos e que, portanto, não teria habitado o planeta junto com o Homo Sapiens, surgido há cerca de 200 mil anos. Mas a descoberta de um fóssil de 29 mil anos de Elasmotherium sibiricum na região de Pavlodar, no Casaquistão, prova o contrário. A revelação foi descrita num estudo publicado pelo “American Journal of Applied Science”.

A espécie era mais parecida com um rinoceronte do que com um cavalo. Um animal fantástico, e que provavelmente foi o precursor das nossas lendas sobre unicórnios: um gigante de 5 toneladas, 3 vezes maior que um rinoceronte, com grossa pelagem e um único chifre enorme, que podia chegar a 2 metros de comprimento! Ele viveu, principalmente, na região da Sibéria, na Ásia, ao norte do local onde foi encontrado.

Tamanho comparativo do animal com o homem

Tamanho comparativo do animal com o homem

Embora incrível, esse animal não é exatamente uma novidade, afinal já era conhecido pelos paleontólogos há um bom tempo. A grande novidade dessa vez é que os paleontólogos descobriram que esse animal não está extinto há tanto tempo quanto se pensava anteriormente. O Elasmotherium sibiricum, depois desses novos estudos e datações, pode ter vivido na mesma época dos humanos modernos, quando já estávamos em nossa fase de desenvolvimento da linguagem.

Imagina, você dando uma volta para caçar algum pato selvagem para o jantar, e dá de cara com um bichão desses?

 

Fontes:

 

O Globo

curtoecurioso.com.br

Fotos absurdas em sites de namoro… Adivinhe de onde?

A Rússia tem a fama de ser o lugar mais estranho do planeta. Há uma lenda que diz que eles vivem num universo paralelo, onde todo mundo é movido por brigas, acidentes e vodca… Se é verdade ou não, não tenho como confirmar, mas a forma como eles tentam conseguir pretendentes online de fato não ajuda sua reputação.

As fotos abaixo, colhidas em sites de namoro, comprovam o que eu disse: há gente posando ao lado de um peixe e até uma garota tirando foto de calcinha na frente da vovó… Confira se eles não são malucos.

guns-and-vacuum-cleaners dating-photos-from-russia russian-dating-photo-goat russian-dating-picturesprofessional-fly-swatter russian-dating-photos-sausage russian-dating-site-photos-mermaid russian-dating-site-photos-laundry

 

 

 

 

 

A arte do chocolate na Rússia

 Para um chocólatra como eu – e uma de minhas maiores batalhas é resistir ao impulso de visitar a loja da Kopenhagen em frente de casa e detonar o estoque deles – chocolate é uma arte (comer chocolate, quero dizer, rsrsrs).

Brincadeiras à parte, o chocolate é um deleite. Para quem não sabe, ele é um alimento feito com base na amêndoa fermentada e torrada do cacau. Sua origem remonta às civilizações pré-colombianas da América Central. A partir dos descobrimentos, esse alimento foi levado para a Europa, onde popularizou-se, especialmente a partir dos séculos XVII e XVIII. Porém, em função das necessidades climáticas para o cultivo do cacau, não foi possível seu plantio na Europa e por isso as colônias americanas continuaram a fornecer a matéria-prima.

Atualmente os maiores produtores de cacau estão na África.

Mas o chocolate consumido naquela época não era nada parecido com o que conhecemos hoje.

Esse alimento divino de hoje é resultado de sucessivos aprimoramentos que foram pesquisados desde Colombo. Na ocasião, o chocolate que os astecas consumiam era uma bebida quente e amarga e apenas os reis e sacerdotes podiam bebê-la. Foram os europeus que passaram a adoçá-la e a misturar especiarias. Foi então com o desenvolvimento dos processos industriais e técnicas culinárias que surgiu o chocolate misturado com leite e suas diversas formas: sólido, em pó, em barras, bombons, e finalmente os achocolatados (Nescau, hummm…).

Hoje, ele pode ser consumido ainda como ingrediente de musses, tortas e bolos (Floresta Negra, hummm…), sorvetes e outros doces.

Pois bem, aposto como todo mundo conhece o melhor chocolate do mundo como sendo o suíço, certo? Aí é que está, hoje a Suíça enfrenta um forte concorrente a esse título, a Rússia!

Existe uma tradição chocolateira na Rússia que é totalmente diferente do resto do mundo, e os chocolates russos evoluíram de uma forma muito própria. Claro, eles têm os waffles, geleias e pastas feitas com chocolate, além das barras…

Russian chocolate bar Alenka

Sem falar dos doces com marshmallow, cobertos de nozes e recheados de frutas secas…

Russian chocolate comme il faut

 Mas o que pega mesmo são as sobremesas, que alcançaram níveis de obras de arte:

Vou parar por aqui porque está sendo uma tortura fazer este post. Agora, me dê licença que vou ali em frente e já volto…

 

 

 

Enquanto isso, na Rússia…

A retrospectiva abaixo comprova que nossos amigos do Leste são mesmo pirados… Confira:

O cara larga a direção e surfa no carro!

O policial é levado num passeio pelo motorista doidão.

O pedestre não conseguia atravessar a rua, então ele dá uns tiros nos carros!

Existe o carro dos Flintstones na Rússia..

Só os russos para fazer uma coisa dessas…

Esse maluco ainda vai preso! (se é que já não foi)

PS – apenas um comentário, com relação à quantidade de carros com câmeras de vídeo no painel.

Na Rússia, as rodovias são geladas, os motoristas são bêbados, a polícia é chegada numa extorsão e as seguradoras enganam você sempre que possível. (Igualzinho a um certo país na América do Sul…). Como resultado disso, os motoristas compram aquelas câmeras de colocar no painel do carro pra gravar seus acidentes e brigas, fornecendo assim provas inegáveis aos tribunais ou companhias de seguro. Lá, ter uma câmera no painel diminui o seguro do seu carro e, no final das contas, pode te poupar muita grana de indenização em caso de acidente ou processo, já que as filmagens são aceitas como prova nos tribunais russos.

“Tem gente que sai de casa com vontade de brigar e qualquer problema no tráfego já é motivo para um carro arranhado, um vidro quebrado, um soco. Temos que nos proteger e esta é uma boa maneira”, explica Dmitry Kurlevo, que diz ter medo de pegar a estrada fora de Moscou ou à noite. “Tudo pode acontecer”.

As câmeras viraram também a menina dos olhos dos ativistas anticorrupção.

“Você pode entrar em seu carro sem as calças, mas nunca sem uma câmera no painel”, conta na sua página na web Aleksei Dozorov, um ativista da “Brigada do Balde Azul”, um grupo de direitos dos motoristas que ganhou fama na Rússia por combater as infrações de trânsito dos altos funcionários russos. “Se você tem tudo gravado, incluindo a conversa com os policiais, você vai economizar um grande dinheiro e terá o retorno do investimento inicial. Na Rússia, estas câmeras são essenciais por causa das extorsões nas estradas”.

Há várias gangues na Rússia que podem ganhar até 30 mil rublos por dia (aproximadamente R$ 2 mil) apenas com golpes em motoristas. No site Avtopodstavka.ru há uma lista detalhada nos esquemas que são montados nas estradas russas.

“Eu comprei uma câmera para minha esposa porque há muitas pessoas estúpidas nas estradas e queria ter a certeza de que ela estava bem. E depois comprei para o meu pai porque ele viaja muito de carro pela Rússia e os policiais às vezes não são honestos”, explica o motorista Oleg Dmitrievitch. “Essas câmeras são muito populares e podem até mesmo salvar a nossa vida”, completa.

Além dos equipamentos tradicionais, os russos também usam suportes para que os smartphones funcionem como câmeras.