Sabe onde o Facebook guarda as nossas selfies?

Eu sempre me perguntei onde o pessoal dessas redes sociais armazena aquilo que a gente posta: vídeos, fotos, conversas… O pessoal do Twitter, do Facebook, do Whatsapp. Fiquei imaginando o tamanho do banco de dados deles, como isso deve ser gigantesco,  guardando todas essas centenas de milhares de informações.

Bem, dos outros não sei, mas do Facebook eu descobri. Ele tem três data centers espalhados pelos Estados Unidos e um na Europa, que acaba de ser inaugurado.

Mas, antes de mostrar esses CPDs (Centro de Processamento de Dados, que é data center em português), vamos definir o que é isso: um data center é o local onde são concentrados os equipamentos de processamento e armazenamento de dados de uma empresa ou organização. Lá estão os milhares de servidores e bancos de armazenamento de dados, processando grande quantidade de informação.

Esses prédios estão longe de ser edifícios normais: alguns data centers usam mais de cem vezes a energia de um prédio de escritórios. Eles precisam ser ultra seguros e ultra estáveis contra hackers, contra desastres naturais e contra todo tipo de problema ambiental. Afinal, eles guardam os dados do mundo inteiro!

O Facebook tem mais de 130 bilhões de usuários, então imagine a quantidade de informação que esse povo produz – e a quantidade de energia que é necessária para manter esses data centers funcionando. Pois bem, o Facebook se gaba de ter conseguido economizar USD$ 1.2 bilhões nos últimos três anos, otimizando seus data centers, hardwares e softwares.

Enfim, vamos ver os locais onde nossos vídeos e selfies estão guardados.

Este é o principal data center do Facebook, em Prineville, Oregon (EUA). Tem mais de mil quilômetros de cabos, que se fossem esticados um na frente do outro, seriam equivalentes à distância entre São Paulo e Porto Alegre.

Esse data center é uma obra de engenharia pensada para otimizar a forma como algo assim deve ser. O projeto foi o primeiro a sair da iniciativa Open Compute Project, criada pelo próprio Facebook para repensar esse tipo de prédio — e que é disponibilizada gratuitamente para todos. Dessa forma, mais empresas podem seguir os passos do OCP e criar data centers mais práticos.

Por conta disso, ele é 38% mais eficiente que os equivalentes em economia de energia, e gastando 24% a menos em custos operacionais.

Outro enorme data center foi inaugurado em Altoona, Iowa (EUA) e tem o dobro do tamanho da Disneylândia.

Este primeiro prédio que se vê na foto já está em operação e, assim que a prefeitura local liberar, será construído um segundo ao lado dele, do mesmo tamanho e estrutura. Que ficará pronto em um ano, com 460 operários trabalhando diariamente.

O terceiro data center foi construído em Forest City, Carolina do Norte (EUA) ao custo de USD$ 200 milhões. Graças aos projetos baseados na eficiência gerados pela iniciativa OCP, foi possível economizar – em custos de infraestrutura – o equivalente à geração de energia para 40.000 casas durante um ano.

Para demonstrar uma das formas como acontece essa economia de energia, Facebook explicou que eles reusam o calor emitido pelos servidores para aquecer os escritórios durante os meses de inverno – que, naquela região, é bastante intenso.

Já nos meses de calor, um sistema de resfriamento evaporativo é usado para evaporar a água para resfriar o ar que entra –  ao contrário de sistemas de refrigeração tradicionais. Ele minimiza o consumo de água usando o ar exterior. Esse data center não usa aparelhos de ar-condicionado para resfriar seus servidores, baseando-se 100% no ar resfriado que vem de fora.

Agora, o mais impressionante data center que achei é também o primeiro fora dos Estados Unidos. Uma grande sacada!

O Facebook é o segundo site mais acessado da internet, perdendo apenas para o onipresente Google. Como eu escrevi acima, precisa de milhares de servidores, que esquentam. Como resfriar tantos servidores assim? Construindo um gigantesco data center eficiente num refrigerador natural, ou seja, próximo ao círculo ártico!

Está instalado em Lulea, na Suécia. Quer dizer, basta abrir a janela e o vento gelado resfria as máquinas.

Também foi construído de acordo com um projeto gerado pelo OCP. As instalações e paredes foram feitas em outros locais e chegaram ao local do data center só para serem instaladas. Já os servidores chegaram em caixas compactas, desmontados, mas com simples passos de montagem. Assim nasceu o Rapid Deployment Data Center (RDDC), nome desse processo para criar e montar um data center de maneira bem rápida, como se fosse LEGO!

Os servidores em Lulea. A luz azul ajuda a resfriar as máquinas!

A foto mostra um rack com servidores, nas instalações de Lulea. No alto, os comutadores de rede, depois estão os servidores, que enchem a maior parte do rack e, na parte inferior, está o local de armazenamento. Olha quantos servidores!

A área escolhida, com pouco mais de dois hectares, tem temperatura abaixo de zero na maior parte do ano. Além disso,  o país tem uma das melhores distribuições de energia do mundo. Isso é bem importante para quem precisa garantir que suas fotos não se percam por aí, afinal eles recebem 400 bilhões de fotos e seis bilhões de curtidas por dia!

Mas, caso essa distribuição de energia falhe, o prédio ainda conta com 14 geradores de reserva.

Mas, para que ninguém pense que esses data centers sejam apenas um monte de servidores empilhados, há áreas sociais bem legais, como o escritório dos funcionários em Lulea, repetindo o mesmo modelo que existe em todos os prédios do Facebook.

Ah, e para aqueles mais catastróficos, que podem estar se perguntando: “E se um maluco fundamentalista que prega a volta a uma vida sem computadores explodir tudo?”, a resposta é: não se preocupe, o Facebook ainda aluga muita infraestrutura em outros locais.

Isso significa, meu caro amigo, que aquela sua selfie ridícula postada por sua ex-namorada como vingança ainda estará lá…

 

 

 

 

Fontes:

Facebook

manualdousuario.net

datacenterknowledge.com

tecnoblog.net

Anúncios

Os tuítes que arruinaram a vida de seus autores

Não importava quantas vezes ela se justificasse: ao se converter em “trending topic” número um do Twitter, não havia nada que Justine Sacco pudesse fazer.

Em dezembro de 2013, a relações públicas de 30 anos esperava no aeroporto de Heathrow (Londres) por um voo à Cidade do Cabo, na África do Sul. Pouco antes de embarcar, compartilhou um tuíte com seus 170 seguidores: “Estou indo para a África. Espero não pegar HIV. Brincadeira. Sou branca”.

Nunca imaginou as consequências da mensagem infeliz, que mais tarde ela explicaria ser uma brincadeira ironizando a “bolha” em que vivem os americanos com relação à realidade de países em desenvolvimento.

Considerado ofensivo e preconceituoso por muitos, o tuíte de Sacco foi compartilhado milhares de vezes durante as horas em que ela estava dentro do avião – e usuários das redes sociais a xingavam e pediam que ela fosse demitida da empresa onde trabalhava, algo que acabou acontecendo. E Sacco só soube de tudo isso quando seu voo pousou.

Até o milionário Donald Trump tuitou pedindo a demissão dela; outro usuário comentou: “É impressionante ver como alguém se autodestrói sem sequer saber”.

A IAC, empresa onde Sacco trabalhava, anunciou a demissão dela publicamente, também via Twitter: “Esse é um assunto muito sério para nós. Já não temos mais relação com a funcionária em questão”.

A história de Sacco é uma das contadas pelo escritor galês Jon Ronson no seu livro So You’ve Been Publicly Shamed (Então você foi envergonhado publicamente, em tradução livre), com depoimentos de pessoas que tiveram suas reputações destruídas na internet.

“Quando conheci Sacco, ela estava confusa, irritada. Depois do que aconteceu, ela não dormia; acordava no meio da noite sem saber quem era, sentia que sua vida não tinha propósito”, diz Ronson em entrevista à BBC. “Até então, ela tinha uma carreira bem-sucedida, que a fazia feliz. Mas tiraram essa satisfação dela. E as pessoas ficaram felizes com isso.”

Misoginia

Ronson comenta que Sacco foi alvo de todo tipo de comentários, “mas muitíssimos deles eram misóginos. (Insultos) acontecem com frequência quando se trata de uma mulher”.

Adria Richards viveu algo parecido. Em março de 2013, ela estava na plateia de uma palestra de programadores na Califórnia quando escutou um comentário sussurrado na fila de trás.

adria-richards

O comentário era uma piada de teor sexual que fazia um jogo de palavras com termos comumente usados no mundo da informática. Indignada com a piada, Richards tirou uma foto de seu autor, Hank, e a compartilhou a seus mais de 9 mil seguidores no Twitter, criticando o comentário que ele tinha feito.

Ambos acabaram sendo demitidos. Mas, no Twitter, quem levou a pior foi Richards.

“Ela foi submetida a uma terrível campanha de assédio pela internet. Começaram a bombardeá-la com ameaças de estupro e morte; houve até quem publicasse o endereço dela ao lado de uma foto de uma mulher decapitada com a boca coberta por uma fita adesiva”, conta Ronson.

Foto infeliz

No caso de Lindsey Stone, 32, foi uma foto que provocou a destruição de sua reputação online. Ela estava com uma colega de trabalho no Cemitério Nacional de Arlington, na Virgínia (EUA), e decidiu tirar uma foto no Túmulo do Soldado Desconhecido, justo ao lado de uma placa que pedia “silêncio e respeito”.

As duas acharam que seria engraçado aparecer na foto fingindo gritar e mostrando o dedo do meio. Era uma brincadeira das duas: costumavam tirar fotos ao lado de placas, desobedecendo as instruções destas; por exemplo, fumando ao lado de um aviso de proibido fumar.

A ira das redes sociais emergiu um mês depois, quando alguém se deparou com a foto na internet. Críticos acabaram criando uma página – que ganhou popularidade – no Facebook chamada “Demitam Lindsey Stone”.

No dia seguinte, havia câmeras de TV na frente da sua casa. Ela também foi demitida. No ano seguinte ao incidente, ela mal saiu de casa, afetada pela depressão e pela insônia. Disse a Ronson que não queria ver ninguém, nem ser vista.

Tudo por causa de uma foto no Twitter.

“São pessoas que foram totalmente destruídas por pessoas boas como nós”, conta Ronson à rádio BBC. “Nas mídias sociais, gostamos de nos ver como defensores dos mais indefesos, travando lutas honrosas, mas a verdade é que temos um poder imenso e não percebemos isso. Fazemos com os outros o que temos medo de fazerem conosco.”

Grandes desastres no Photoshop

Há 25 anos, os irmãos John e Thomas Koll lançaram o Photoshop, o programa de edição mais conhecido no mundo – a popularidade é tanta que a manipulação digital de imagens acabou criando um novo verbo: “photoshopar”.

O programa de computador ganhou fama por permitir todos os tipos de alterações em fotos. Com pouco conhecimento, é possível manipular as ferramentas mais básicas. O Photoshop faz parte da rotina de revistas e mesmo de filmes, como o premiado Avatar. No entanto, muitos casos ficaram ainda mais famosos por cair nas mãos dos designers errados.

E aí, a coisa fica realmente complicada…

Por exemplo, a modelo abaixo na prancha de surfe é outra vítima de um tubarão, ou vítima de um designer desastrado?

Há o caso do filho duplicado de Brad Pitt e Angelina Jolie:

Demi Moore, coitada, ficou sem um pedaço do quadril.

Pior é o caso da Claire Danes, que perdeu uma perna!

Mas os erros não se limitam às celebridades internacionais. Os nossos famosos também sofrem. Como a Bruna Marquezine, por exemplo.

É, depois do Photoshop, o mundo definitivamente ficou mais bizarro.

3 21 71-698x1024 124 135 enhanced-1613-1422899735-26 enhanced-8204-1422899300-15 enhanced-19000-1422899863-40 enhanced-27324-1422899167-27 enhanced-29623-1422967107-1 enhanced-31095-1422898736-8

 

 

 

 

 

 

Um telefonema hoje é uma prova de amor…

A tabulação da segunda edição da pesquisa “Jovem Digital Brasileiro”, do Ibope, apresentou o perfil de consumo na rede do jovem brasileiro. A maioria desses jovens é usuária das redes sociais, e os que assistem e baixam filmes pela internet chegam a 93%.

As redes sociais mais navegadas por esse público são o Facebook com 91%, o Youtube com 48%, o Instagram com 15% e o Twitter com 13%. Todos esses são acessados simultaneamente, provocando uma grande convergência midiática. Os vídeos online se tornaram uma nova maneira de escrita na web.

Quer dizer,  a internet determina o comportamento, o estilo de vida e os padrões de consumo desse público.

Atualmente, 17% dos que vivem em regiões metropolitanas do país têm ao menos um tablet e, dos que possuem celular, 47% usam smartphone. Quatro aplicativos estão em 80% dos celulares: Facebook, email, WhatsApp e Youtube. Fora das mídias sociais, as categorias de aplicativos mais consumidas pelo jovem internauta brasileiro são jogos, previsão do tempo, internet banking e notícias.

Imprensa-de-Gutemberg

Gutemberg foi o inventor da prensa móvel. Depois de Gutemberg, tudo mudou: milhares de livros foram impressos e a leitura generalizou-se.

Eu acho que a internet desencadeou uma nova revolução, e essa geração de jovens terá uma postura totalmente diferente em relação ao mundo por conta dela. Porque, em primeiro lugar, a internet provocou uma democratização do conhecimento: qualquer pessoa pode  chegar com rapidez à informação e ao conhecimento a partir de uma simples pesquisa num computador, ou no smartphone ou tablet. Depois, pela mudança na nossa forma de comunicar, à distância e na proximidade.

Esses jovens não escrevem mais cartas, como seus avós, e nem consultam mais os jornais, como seus pais. As próprias mensagens hoje se trocam mais pelo “zapzap” (Whatsapp) do que por um contato telefônico ou pessoal. A web traz pesquisas científicas, pornografia e receitas para fabricar uma bomba ao lado do Instagram.

E aquele conceito de comunicação “virtual” me parece que também caiu por terra, porque o jovem se comunica pelas redes com aquele mesmo amigo com quem acabou de estar na escola.  Porque “teclar” é quase tão importante como trocar impressões no intervalo das aulas.

Quando os pais criticam os filhos porque eles passam muito tempo no computador, estão se esquecendo que eles mesmos não largam seus joguinhos ou o Facebook.  Dizem que os filhos não leem, mas há muito que não pegam num romance. E continuará assim: a imprensa escrita será cada vez menos lida e os livros terão tiragens cada vez menores, caso “leitura” continue a ser definida pelo número de exemplares físicos vendidos.

Quando penso numa forma de incentivar esse jovem a ler – esse jovem que foi alfabetizado com o uso dos tablets e não mais da lousa na parede da escola – imagino que não se deva mais continuar a existir apenas palestras feitas por pessoas que gostam de ler, para outras que não têm esse hábito; ou pela propaganda de livros que estão nos “10 Mais ” do não sei aonde. Acho que é preciso usarmos suportes digitais, que devem incluir sons e imagens, que estimulem a fixação da atenção, tornada agora mais volátil pela estimulação permanente. E que esse material seja compartilhável, e compartilhado com pais, amigos e outros jovens, de forma dinâmica e interativa.

O grande problema que vejo aqui é a questão da remuneração. Sim, a remuneração do escritor, quando falo de livros. Ele precisa pagar as contas, como qualquer mortal, porque um escritor tem que comer, se vestir, ter uma casa onde morar etc. Então, quando falo em compartilhar, não pode ser totalmente de graça… E aí é que mora o perigo. Com tanta coisa de graça à solta na internet, como encontrar aquele disposto a pagar pelo seu livro digital, compartilhável etc e tal?Hoje,

Mas esse é apenas um dos aspectos de nossas vidas que mudou com a internet. Posso apontar mais alguns:

O imediatismo é o que diferencia principalmente um antes de um depois em nossa vida pessoal e profissional. Tudo acontece e é compartilhado mais rápido. Ao mesmo tempo, por conta da facilidade de sua circulação, tomamos conhecimento de muitas ideias que, de outra forma, continuariam “inéditas”.

Outro ponto é o da “aldeia global”, que muito se teorizava há, sei lá, três décadas e muitos diziam que era ficção. Pois a “aldeia global” existe… A internet elimina as distâncias! Hoje, converso com minha filha, que vive a 13.000 km de onde moro, pelo Skype!

Esse “encurtamento” das distâncias também permite que nossa opinião se torne pública, chegando a quem jamais nos leria ou ouviria se a web não existisse. Podemos publicar livros, gravar palestras, mostrar nossas receitas, tocar nossa mais nova música… Por isso, cada vez mais, devemos nos tornar conscientes do poder que a internet tem em fazer nascer um novo astro ou destruir a reputação desse mesmo astro em instantes.

Um terceiro ponto que destaco é a interconexão entre grupos de pessoas afins. Pessoas que compartilham de hobbies ou atividades podem se comunicar por meio dos grupos, trocar ideias e informações e o mesmo acontece com as minorias: políticas, raciais, religiosas etc. As ideias podem ser difundidas sem que exista mais a preocupação da distância ou de isolamentos, provocados ou circunstanciais.

O último ponto que destaco, e que certamente afeta aos jovens de uma forma que eles ainda não se deram conta, é a solidão e a introversão. Enquanto que os chats, grupos de discussão, redes sociais e as mensagens instantâneas aproximaram as pessoas em alguns aspectos, tenho certeza de que as tornaram mais solitárias (claro que a “culpa” não é apenas da internet; a violência e o custo de vida nas grandes cidades, além dos problemas de deslocamento, trânsito e etc, contribuem para que as pessoas fiquem mais em casa). Mas é inegável essa contradição: enquanto você se comunica mais pelos meios digitais, comunica-se menos no mundo real.

A pergunta que deixo é: como integrar o mundo físico ao virtual?

Os piores selfies da História, e os mais divertidos

Você sabe o que é um “selfie”? É uma palavra nova que inventaram para designar o bom e velho autorretrato, só que não. Selfie tem que ser tirado com uma câmera digital ou um celular, senão ele não é um selfie digno do nome… Talvez a imagem que tenha de fato difundido o termo “selfie” no mundo todo foi aquela famosa do Obama no funeral de Nelson Mandela e que, dizem as más línguas, causou um certo furor em casa mais tarde…

Pela cara da Michelle na foto acima, há grandes probabilidades de que o tempo tenha esquentado mesmo. Se o pobre Obama tivesse postado seu selfie no day after, talvez fosse assim:

O termo “selfie” ganhou até um verbete no dicionário Oxford, e passou a definir então “uma foto tirada de si mesmo com celulares para publicação em redes sociais”. Com a infinidade de aplicativos que surgiram, como o Instagram, Facetune, CamMe e muitos outros, que até têm disparo automático de fotos e correções de imperfeições na pele, os selfies viraram uma praga. Em sites brasileiros como Ego, nossas subcelebridades alimentam seu ego com fotos como essas:

(desculpem, mas não faço ideia quem é a moça)

Você pode tirar seu selfie em qualquer lugar, mas por alguma razão o banheiro é o local preferido. 11 entre 10 pessoas tiram as fotos em frente ao espelho:

Untitled-2

A praga se disseminou de tal maneira que já existe uma tentativa de criar um “manual de etiqueta’ para os selfies. Uma lista do que você NÃO deve fazer quando sentir vontade de esticar o braço e fazer aquele biquinho para a câmera. Veja algumas dicas para NÃO fazer um selfie:

Um selfie com as cinzas da avó – tudo bem, as pessoas sabem o quanto você gostava da nona, mas não pega bem. Isso vale também para um funeral, não importa o quanto você se produziu para ir ao velório.

2417BCEB00000578-0-Affront_The_smiling_sunbather_posted_Spending_time_with_my_nana_-m-3_1419542919197

Selfie com bichinhos – sim, animais são fofinhos e tudo, mas não precisam de fotos com os donos, não é? Basta uma foto dos próprios. Um selfie autorizado é aquele onde acontece alguma coisa inesperada, aí sim!

Selfie ao acordar – ahã, a gente acredita que você não levou uma hora se produzindo antes de tirar essa foto.

Bico de Pato – sério que ainda está nessa?

Num incêndio, use o celular pra chamar os bombeiros antes – parece uma coisa óbvia, mas o mundo está cheio de gente sem noção: “Olha, aquele prédio está pegando fogo! Que ótima oportunidade para fazer um selfie!”  .

E a dica mais básica de todas: se você não resiste e tem que fazer sua foto, procure pensar o selfie antes de clicar, e usar sua autocrítica – se tiver – para evitar fiascos épicos como estes:

Screen shot 2013-03-20 at 2.48.42 PM

fail-selfies6

cp-pix-422-break-editors-are-hacks-9

Epic Fail Selfies (12)

selfie mums

Maaasss… Sempre tem um “mas”, há selfies criativos e muito divertidos, mesmo que alguns tenham sido tirados sem querer ou usado outros recursos para criá-los. Isso confirma aquilo que eu sempre digo: ainda há esperança!

Tudo bem, as coisas podem ficar estranhas.

E, pra finalizar…

Você sabe o que é uma #hashtag?

Sempre achei curioso/engraçado o uso que as pessoas costumam fazer de hashtags... Pera aí, você não sabe o que é hashtag? Bem, até bem pouco tempo eu também não sabia, e achei um artigo interessante no Wixblog (http://pt.wix.com) que é bem esclarecedor, por isso compartilho com vocês!

Antigamente, o símbolo # (também chamado por nós de “jogo-da-velha”) era usado apenas em algumas situações especiais, como nas artes gráficas. Mas então veio oTwitter e transformou este símbolo mundano em uma sensação online. Hoje, se você está no Twitter, Instagram, Pinterest, Google+, YouTube ou Facebook, você simplesmente não tem como evitar a presença das #hashtags.

Para o iniciante nas redes sociais, as hashtags podem ser algo confuso e inútil à primeira vista. Mas se você entender o seu propósito e aprender a usá-las, as hashtags são uma ferramenta poderosa para ajudá-lo a envolver o seu público-alvo e aumentar o reconhecimento da sua marca.

O Que É Uma # Hashtag?

O hashtag é uma palavra-chave precedida pelo símbolo #, que as pessoas incluem em suas mensagens. Essencialmente, ela faz com que o conteúdo do seu post seja acessível a todas as pessoas com interesses semelhantes, mesmo que eles não sejam seus seguidores ou fãs. Por exemplo, digamos que você seja um fã da Apple e que você esteja pensando em comprar um iPhone 5. Ao pesquisar por “#iPhone5″ em qualquer rede social, o resultado irá mostrar os posts e fotos de todos os usuários que usaram “#iPhone5″ em suas mensagens. As hashtags aparecem como links clicáveis quando usadas em mensagens, bastando clicar sobre elas para ver todos os resultados relevantes.

hashtags

Como As Hashtags Ajudam A Promover Meu Negócio?

Assumindo que o seu perfil nas redes sociais seja público, usar hashtags faz com que as suas mensagens sejam visíveis para qualquer um que compartilhe de seu interesse. Isso faz com que os seus posts não fiquem mais limitados a apenas seus seguidores – o seu conteúdo será acessível a todos os interessados. Escolher a hashtag certa irá ampliar enormemente o alcance das suas mensagens para milhares de potenciais seguidores, fãs ou clientes.

hashtags

Criando Uma Hashtag Eficaz

Para criar uma hashtag, tudo o que você precisa fazer é juntar um # e uma palavra-chave relevante. Você pode inserir hashtags em qualquer lugar em suas mensagens: frente, meio ou fim. Algumas pessoas gostam de colocar as suas hashtags no meio dos posts, enquanto outros preferem inseri-las no final – o resultado é o mesmo, desde que suas hashtags sejam relevante.

As hashtags são poderosas quando usadas sabiamente. Nada afasta mais as pessoas do que um post confuso com e com hashtags em excesso ou muito longas, como #VejaSóOQueEuTomeiDeCaféDaManhã. Como regra geral, no Twitter não se usa mais do que uma ou duas, mas no Instagram dá pra usar 4 ou 5 hashtags sem problemas.

As Hashtags São Todas Iguais?

No formato sim, mas elas variam de acordo com o conteúdo e o seu uso. Costuma-se dividir as hashtags em 3 tipos básicos:

  • Hashtags de Conteúdo: Se você é totalmente novo no mundo das hashtags, em primeiro lugar considere usar hashtags que se relacionem diretamente com a sua marca, produto ou serviço. Hashtags de conteúdo irão expor a sua marca para muitos clientes em potencial, que antes não eram familiarizados com a sua marca. Se você possui uma confecção, usar hashtags como #camisetas ou #moda irá expor o seu negócio para pessoas que ainda não o conhecem.
  • Trending Hashtags: Outra ótima maneira de aumentar a visibilidade da sua marca é usar as hashtags existentes e que estão na moda (isso é, que estão “trending”). Mas antes de usar uma dessas hashtags, tenha certeza de que a sua mensagem realmente tem a ver com a conversa existente. Se não, seu post será ignorado e poderá até ser considerado spam. Se o seu post for informativo, engraçado ou viral, ele será compartilhado por outros usuários e isso irá ampliar o alcance da sua marca.
  • Hashtags Originais: Às vezes, o problema com o uso de hashtags genéricas ou populares é que seus posts podem se perder no meio de centenas de mensagens que estão usando as mesmas hashtags. Por isso, é uma boa ideia criar suas próprias hashtags, específicas para o seu negócio ou sua marca. Elas poderão ser usadas em campanhas específicas (para uma promoção especial) ou então como forma de fortalecer as suas campanhas de marketing regulares (usadas em todos os seus canais sociais, sempre que for relevante).