Motos voadoras e robôs são as novas armas da polícia de Dubai

Combater o crime está perto de se tornar um trabalho muito mais futurista para a polícia de Dubai, nos Emirados Árabes. Os policiais em breve farão suas patrulhas montados em hoverbikes, uma espécie de cruzamento entre uma moto e um drone. O anúncio foi realizado durante um evento de tecnologia que é realizado anualmente no Dubai World Trade Center.

Quem assistiu ao filme “O Retorno do Jedi”, da saga Star Wars, vai se lembrar das motos voadoras zunindo em alta velocidade pela floresta. Pois bem, elas se tornaram realidade…

As speeder-bikes de Star Wars.

Até o nome das motos voadoras de Dubai é legal. O Hoversurf Scorpion-3 foi apresentado ao mundo por uma startup russa. Ele é movido por energia elétrica, com autonomia de voo de 25 minutos. Está em fase de testes pela polícia de Dubai para definir as melhores situações em que ela pode ser empregada, como no acesso às áreas em que veículos terrestres não chegam ou para atender emergências em vias com trânsito.

De acordo com o CEO da Hoversurf, Alexander Atamanov, a moto-drone pode chegar a até 28,5 metros de altitude. Por questão de segurança, porém, os policiais voarão a apenas cinco metros acima do solo. (só acho que eles vão ter que cobrir as hélices com alguma proteção, uma espécie de para-lamas…)

As motos devem, em breve, dividir o espaço aéreo de Dubai com outro drone para passageiros. Trata-se do Ehang 184, uma espécie de Hover-Taxi que atua como um veículo voador autônomo, e que chega até a 300 metros de altitude e velocidade de até 100 km/h, com autonomia de voo de meia hora. Também em fase de testes, ele levantou voo pela primeira vez em julho do ano passado. A expectativa é que até 2030, 25% do transporte da cidade será por meio desses táxis voadores, que serão controlados por uma central (como no metrô), já que cada veículo é operado remotamente, pois são automáticos.

As novidades tecnológicas da maior cidade dos Emirados Árabes não param por aí. Além de sobrevoar a cidade, os policiais de Dubai em breve vão contar com ajudantes robôs.

Espalhados pela cidade, os robocops da vida real são equipados com um sensor de reconhecimento facial para identificar criminosos a até 20 metros de distância, além de uma tela sensível ao toque no peito e microfone, possibilitando a qualquer um o contato rápido com a polícia ou pagar multas de trânsito, por exemplo. O projeto também visa o ano de 2030, quando devem formar até um quarto da força policial da cidade.

Parece coisa de ficção-científica, mas, em Dubai, essas coisas são possíveis. Por exemplo, eles têm os melhores e mais velozes carros de polícia do mundo…

 

 

 

 

Fontes:

Galileu

Hooversurf

Corra – se puder – que a polícia vem aí

A população de Dubai não pode reclamar que a polícia local demora para atender as ocorrências. A frota da polícia, até então composta por carros de origem alemã e japonesa, conta com alguns carrões de luxo, como os recém-adquiridos Lamborghini Aventator, com valores aproximados de 420 mil euros. O objetivo é “reforçar a imagem de luxo e prosperidade do país”, diz fonte oficial.

Pintados de branco e verde, estes carros de patrulha costumam circular em zonas mais turísticas, como os arredores do edifício mais alto do Mundo, a Burj Khalifa, em velocidade baixa para que possam ser devidamente apreciados por quem passa. Há cerca de três meses, mais um carrinho foi adicionado à frota: o carro de rua mais rápido do mundo,  Bugatti Veyron, com mais de 1.000 cv de potência, acelera de 0 a 100 km/h em apenas 2,7 segundos.

Bugatti_Veyron_Dubai

O chefe da polícia de Dubai,  Dhahi Khalfan Tamim, conta com uma bela frota. Além dos alemães BMW série 5 e Toyota Prado, abaixo, que são os veículos de patrulhamento padrão…

… ele ainda tem mais alguns velozes e furiosos à disposição:

Alguns Dodge Charger, que são “pau-pra-toda-obra” e equivalem aos nossos Fiat Uno (quando estive lá, vi um desses em ação!). Como as auto-estradas são fantásticas, o excesso de velocidade local é assustador, então esses carros mais básicos é que perseguem os apressadinhos.

Outro carro “básico” da frota é o Chevrolet Camaro:

dubai-police-chevrolet-camaro

Para patrulhar as regiões mais nobres, a polícia tem outras maravilhas, mostrando que Dubai é um lugar das 1001 noites inclusive nessa frota dos sonhos de qualquer polícia do mundo. Algumas delas:

A Mercedes SLS AMG e seu interior de couro vermelho.

This Mercedes-Benz SLS AMG runs for about $200,000, has room for two, and can go from 0 to 60 mph in under four seconds.Red leather makes for a nicer interior that what most cops get to enjoy.

A Ferrari FF, que é dirigida apenas por policiais femininas (não me pergunte o motivo…) e que custa US$ 550.000,00.

The $550,000 Ferrari FF has two doors, seating for four, and a V12 engine that can send the car up to 208 mph. It will be used only by female officers.

O Bentley Continental GT…

Mas a cereja do bolo é esse carro de US$ 1.790.000,00, o Aston-Martin One-77, do qual só foram fabricadas cerca de 70 unidades…

By far the most impressive member of the fleet is the Aston Martin One-77. Not only the best car the luxury brand has ever made, it is one of only 77 produced. Estimated price tag: $1.79 million.

A cidade de Dubai tem hoje 10 delegacias de polícia e a corporação policial tem 15.000 membros, que patrulham uma área de 4.100 quilômetros quadrados e servem a uma população de 2 milhões de pessoas, uma relação de 1 policial para cada 133 habitantes.

Como comparação, o Estado de São Paulo tem um policial para cada 507 habitantes (fonte: Exame.com, Censo 2010), ou – se considerarmos apenas a Guarda Municipal da capital – temos 1 guarda para cada 1692 habitantes (fonte: GCM de SP).

O armamento-padrão dos policiais de Dubai, tanto masculinos quanto femininos, é uma pistola semi-automática, enquanto que a SWAT tem um arsenal variado, incluindo submetralhadoras, pistolas Glock e fuzis de alta potência. A polícia ainda tem, além dos carros e jipes, motos, barcos e helicópteros.

A Polícia de Dubai é considerada a mais avançada dos estados árabes e mantém um alto padrão de educação para seu pessoal. Foi a primeira a usar a coleta eletrônica de digitais e a primeira a usar o teste de DNA para o combate ao crime. Foi também a primeira no mundo árabe a usar o GPS para localizar veículos roubados e acaba de criar um Departamento de Proteção aos Direitos Humanos. É ainda a primeira no Oriente Médio a organizar um programa de Polícia Comunitária.

 

Pior retrato falado da história faz polícia do Texas virar piada

O retrato falado de um assaltante que ameaçou duas mulheres com uma faca na cidade de Paris, no Estado do Texas (EUA), fez com que a polícia do condado de Lamar virasse alvo de piadas em todo o país.

As mulheres, que foram assaltadas em um ponto de ônibus, descreveram o assaltante como um homem de 25 a 30 anos de idade, cabelo preto curto e rosto redondo, com uma tatuagem do lado esquerdo do pescoço.

O retrato falado produzido, no entanto, mais lembrava um desenho feito por uma criança. Depois, diante das críticas, a polícia de Lamar se prontificou a dizer que o retrato não era uma “representação fiel do suspeito, apenas uma semelhança”.

Preciso dizer que o suspeito ainda não foi encontrado?

 

 

Fonte:

eparisextra.com

Os criminosos mais estúpidos do mundo

Qual é o limite para a estupidez humana?

A pergunta talvez possa ser respondida por dois britânicos condenados à prisão recentemente. Benjamin Robinson e Daniel Hutchinson foram presos após tirarem selfies roubando milhares de libras de máquinas caça-níqueis.

O caso aconteceu na cidade de Skegness, no leste da Inglaterra.

Esses dois idiotas não são os únicos, porém. Se você se der ao trabalho de verificar em jornais e sites do mundo todo, vai descobrir que há muitos outros tão… Er… Digamos, descuidados.

Confira:

5x300

Andrew Hennels acabou preso após se gabar de ter roubado um supermercado em sua conta pessoal no Facebook.

Ele usou a rede social para escrever um post que incluía uma selfie, uma foto de uma faca e a frase: “Roubei. Tesco. Fim”.

A polícia o prendeu 15 minutos depois com uma faca e 410 libras (R$ 2.050,00) roubadas de uma filial da rede de supermercados britânica Tesco. Ele foi condenado a quatro anos de prisão em abril do ano passado.

Não, a foto acima não é de um bandido, mas da vítima. Sim, isso mesmo.

Dois turistas galeses foram julgados em 2012 depois de ficarem bêbados e roubarem um pinguim chamado “Dirk” do parque Sea World na Austrália.

Rhys Owen Jones, de 21 anos, e Keri Mules, de 20 anos, invadiram o parque, nadaram junto com os golfinhos e acionaram um extintor de incêndio no tanque dos tubarões, antes de sequestrar o animal.

Quando os dois acordaram – de ressaca e com o pinguim em seu apartamento- decidiram alimentá-lo e colocá-lo debaixo do chuveiro.

Em seguida, Jones e Mules foram libertar Dirk em um canal, mas a polícia viu tudo. Um juiz multou os dois jovens em mil dólares australianos (R$ 2.780) cada um, e sugeriu que eles bebessem “menos vodca”.

O pinguim foi resgatado e devolvido ao Sea World sem ferimentos.

Viu a foto acima? Pois bem, escute só… Um homem acusado de ter cometido um incêndio criminoso e atos de vandalismo enviou uma selfie às autoridades de Ohio, nos Estados Unidos, pois achou que a foto divulgada pela polícia não fazia jus à realidade.

Donald “Chip” Pugh enviou um SMS à polícia com uma nova foto. Esta:

Na mensagem, ele dizia: “Aqui está uma foto melhor porque a que vocês usaram está horrível”. Ele afirmou a uma emissora de rádio local: “Eles (policiais) acabaram comigo. Divulgaram uma foto minha em que eu parecia um James Brown foragido. Não aguentei”.

Christopher Badman usou uma sacola na cabeça como disfarce quando assaltou um hotel durante a convenção anual em homenagem ao Elvis Presley, em Porthcawl, na Inglaterra.

Mas sua identidade foi rapidamente revelada quando ele tirou a sacola da cabeça. Provavelmente para enxergar por onde andava…

Mas não pense que só os gringos são tapados, porque por aqui, no Brasil, temos também bons exemplos.

O sujeito acima foi preso depois de roubar uma TV de uma loja, no Paraná, e voltar à cena do crime logo depois para ir buscar o controle remoto…

No Ceará, outro “esperto”arrombou uma igreja evangélica e roubou a urna com os pedidos dos crentes, achando que estivesse com dinheiro.

Em Uberlândia, Minas Gerais, dois tapados assaltaram uma ONG e levaram doze latas de tinta. Uma delas estava vazando, os ladrões não perceberam e bastou à polícia seguir as pegadas até o esconderijo.

Para encerrar a nossa galeria de bandidos trapalhões, há este vídeo de um ladrãozinho em Perth, na Austrália, que roubou a bolsa de uma senhora num shopping e deu de cara com algo inesperado…

 

 

 

 

 

 

 

Operação Lava Jato e Operação Mãos Limpas

Moro e Di Pietro

A Operação Mãos Limpas ou Mani pulite foi uma investigação judicial de grande envergadura na Itália, deflagrada em 1992, com uma denúncia do dono de uma empresa de materiais de limpeza ao procurador da República Antonio Di Pietro. O pequeno empresário contou-lhe que, ao perguntar sobre qual o procedimento para se tornar fornecedor de um asilo em sua cidade, um funcionário lhe disse que seria melhor oferecer um “agrado” ao gestor da instituição. Após ouvir o relato, Di Pietro decidiu verificar a história. Em uma visita inesperada ao escritório de Mario Chiesa, integrante do Partido Socialista Italiano (PSI) e administrador do asilo Pio Albergo Trivulzio, foram encontrados US$ 6 mil de origem ilícita. Ali iniciava a saga que descobriria uma série de desmandos do governo.

O interesse da população era a última motivação dos investigados ao exercerem suas funções públicas.

Não demorou para que um dossiê mostrasse o envolvimento de Bettino Craxi, um dos cardeais do PSI e o primeiro socialista a ocupar o cargo de primeiro-ministro do país, entre 1983 e 1987. Craxi era o principal operador do esquema, que abastecia o partido com dinheiro ilegal, cobrando propinas de prestadoras de serviços do governo e construtoras interessadas em obras públicas.  Os valores recebidos: entre 1985 e 1992, uma construtora pagou US$ 800 mil ao ano para ser favorecida, e as licitações para a construção do metrô de Milão renderam, ao menos, US$ 10 milhões ao político.

Durante as investigações, vários acusados cometeram suicídio. Ex-presidente da estatal ENI, Gabriele Cagliari se matou em 20 de julho de 1993. Ele estava em prisão preventiva por ser testemunha-chave do caso e tinha admitido o pagamento de US$ 12,6 milhões a políticos. Três dias depois, Raul Gardini atirou contra a própria cabeça dentro de casa. O empresário que comandava a Montedison, uma das maiores indústrias químicas da Itália, mantinha ligações com pessoas influentes para favorecer seus negócios. Auditorias estimavam um rombo de até US$ 450 milhões no orçamento da empresa, que era usada para pagar propina.

Mas a caçada aos corruptos empreendida por juízes levaria um golpe ainda em 1993. Em 7 de setembro desse ano, veio a notícia de que o juiz Diego Curtó, do Tribunal de Milão, tinha embolsado US$ 200 mil para favorecer um banco. Em depoimento, o banqueiro Vicenzo Palladino revelou o envolvimento de Curtó, um dos mais atuantes na Operação Mãos Limpas. Outra baixa atingiria o Judiciário pouco tempo depois. Antonio Di Pietro, na época o representante da Justiça mais famoso no país, anunciaria sua saída da Mãos Limpas em dezembro de 1994. Quando a Fininvest, empresa pertencente a Silvio Berlusconi (que havia sido primeiro-ministro entre 1994 e 1995), foi apontada por corromper fiscais da Receita Federal italiana, o trabalho do juiz começou a sofrer ataques e pressões, que provocaram sua transferência para outro tribunal.

A população protestou nas ruas, mas os processos seguiram sem ele.

Silvio Belusconi

Silvio Belusconi

A operação Mãos Limpas se baseava também na delação premiada. Mas, no Brasil, a figura do colaborador na Itália não se configura da mesma maneira. Essa técnica de investigação surgiu na Itália e serviu principalmente para combater a Máfia e o terrorismo, mas não cancela a pena. A Itália não prevê benefícios para quem colabora no campo da corrupção, mas podem ser concedidas atenuantes genéricas, ou um acordo para reduzir a pena. Já no Brasil, os benefícios variam de perdão judicial, redução da pena em até 2/3 e substituição por penas restritivas de direitos.

Talvez a consequência mais importante da operação na Itália tenha sido a implosão do sistema político vigente. Vários partidos tradicionais foram praticamente extintos,  mas emergiram duas forças poderosas: o partido populista Forza Italia, do milionário Silvio Berlusconi, que entrou na política para salvar a si mesmo e ao seu império em perigo, depois da queda do seu protetor político, o líder do partido socialista Bettino Craxi. Surgiu também a Liga Norte, um grupo conservador, xenófobo e separatista do norte da Itália que queria a independência do país.

O debate politico foi tomado, por um lado, pelo populismo de Berlusconi, magnata da mídia, proprietário de jornais e redes de televisão e do clube de futebol Milan. Foi apontado como sendo o homem mais rico da Itália. Do outro, pela intolerância da extrema-direita da Liga Norte. Aproveitando que a esquerda italiana já estava em crise desde a queda do Muro de Berlim, as coalizões de governo no país se tornaram mais difíceis. Esse sistema durou de 1994 à 2011, quase 20 anos, nos quais Berlusconi, o homem mais poderoso da Itália, entrou em guerra contra o Judiciário e transformou a dialética política numa questão pessoal.

A operação Mãos Limpas durou cerca de quatro anos e se esfarelou por uma série de fatores, dentre os quais a morosidade da Justiça, o tempo de prescrição dos crimes e, principalmente, o apoio popular. Um ex-promotor público da Mãos Limpas, Gherardo Colombo, numa recente entrevista, explicou que, no começo da operação, as pessoas faziam filas para denunciar casos de corrupção.

Quando eles começaram a descobrir que se tratava de um fenômeno ramificado, no qual até o pequeno comerciante pagava uns trocados ao fiscal para não revelar a sua contabilidade em desordem, o apoio popular foi se perdendo. Resultado: até hoje a corrupção na Itália não foi eliminada. Hoje, emergem novos escândalos, não mais de financiamento ilícito dos partidos, e sim dos indivíduos.

Mas foi uma operação que marcou a Itália. Na primeira oportunidade, os italianos apearam do poder políticos de partidos tradicionais, tanto nas eleições para o Parlamento quanto para as prefeituras. O país sentiu a economia no custo das obras — sem os valores destinados a subornos, houve uma redução de cerca de 50% nos preços.

Mas os benefícios imediatos se perderam. Craxi não foi preso e ficou exilado na Tunísia até a sua morte, em 2000, e Silvio Berlusconi voltou a ser premier do país entre 2001 e 2011, mesmo respondendo a mais de 20 processos.

A corrupção ainda afeta os cofres públicos e a iniciativa do Judiciário foi esquecida pela população, perdida em meio a tantas investigações e ações judiciais.

Assim como a Mãos Limpas, a Lava Jato não garante que o país será melhor no futuro: mostra só que o passado era pior do que se pensava.

 

 

 

Fontes:

O Globo

Wikipedia

BBC

Folha de S. Paulo

 

Motorista é flagrada dirigindo com árvore no carro

Os motoristas americanos andam meio doidões. Qual seria o motivo? Estresse? Muito hambúrguer? Donald Trump? O fato é que, nas últimas semanas, há notícias bizarras sobre o que esses motoristas, homens ou mulheres, jovens ou idosos, andam aprontando.

Eu mesmo publiquei recentemente, aqui e aqui, duas notícias sobre maluquices que nossos irmãos do norte realizaram. E agora, temos mais uma, veja só:

Policiais da pequena cidade de Roselle, em lllinois (bem lá nordeste dos Estados Unidos, quase no Canadá) flagraram uma mulher dirigindo um carro com uma árvore presa na parte da frente!

Sim, também pensei a mesma coisa: “Como essa árvore foi parar lá?”

Enfim, os policiais notaram esse, digamos, passageiro inusitado e foram atrás do carro, percebendo então que a motorista estava embriagada. Ela disse que estava dirigindo por algum tempo e “não se lembrava onde havia atingindo a árvore”. Só faltava ela pedir:  “Seu guarda, prende essa árvore porque ela não quer sair do meu caminho !!!”

Na rede social, os policiais destacaram a mensagem: não beba e dirija. Em abril, a mulher será julgada por direção perigosa, e o vídeo abaixo, feito a partir do carro da polícia, mostra o momento do flagrante.

 

Idoso é multado por dirigir carro quase completamente coberto de neve

Outra notícia maluca:

Um homem de 80 anos foi parado pela polícia por dirigir um carro quase completamente coberto de neve, com apenas uma parte do para-brisa do lado do motorista limpo, segundo a polícia de Ontário, no Canadá.

De acordo com os policiais, o vovô recebeu uma multa de US$ 110 (R$ 451) depois que um policial avistou um monte de neve andando pela rua e foi verificar o que era.

 

O porta-voz da polícia, James Stanley, disse que o homem alegou ser muito velho e fraco para retirar toda aquela neve. O policial então limpou a neve do carro e deixou-o partir, apenas com a multa por dirigir com a visão obstruída.

“Ele faria apenas uma curta viagem de carro até a cidade. Entendo sua desculpa de que era muito velho e fraco para tirar toda a neve”, disse Stanley.