O Atlantis The Palm, em Dubai

Se você quer uma dica legal de férias, e tiver algum (bom) dinheiro, vá para Dubai e se hospede no Atlantis The Palm.

O hotel fica na ponta da Palm Jumeirah, um grande ilha artificial construída no formato de palmeira. É mais um daqueles projetos que só se vê em Dubai.  O “tronco” da ilha-palmeira é composto de grandes edifícios residenciais, enquanto nas “folhas” há apenas condomínios de casas. A ilha que circula a palmeira e ajuda a protegê-la das ondas abriga dezenas de hotéis e complexos de lazer e entretenimento, entre eles o Atlantis. Esta área é ligada ao tronco principal por um túnel submerso, localizado bem próximo ao resort.

PalmJumeirah

Não sei se você vai conseguir localizar, mas se olhar a foto acima com atenção, bem na frente do topo da palmeira, vai ver uma “pontezinha” branca, esse é o monotrilho que também liga Dubai ao Atlantis – aquela construção cor de tijolo que se vê marcada na foto com uma seta branca. (uma curiosidade: um apartamento de 550 m2 no tronco da palmeira, segundo andar, de frente para o mar, 4 dormitórios, 5 vagas na garagem… custa em torno de um milhão e meio de dólares…)

Bem, você chegou ao Atlantis The Palm.

O complexo inclui um hotel com mais de 1500 suítes, 20 restaurantes, um spa com academia, praias particulares, quadras esportivas, lojas,  um parque aquático, um aquário gigantesco, um centro de mergulho com peixes, uma área com golfinhos e muito mais. Há vários tipos de quartos, alguns mais modestos e outros superluxuosos.

article-1270703-09534B0B000005DC-105_634x469

Imagem2

Imagem1

As diárias podem incluir o café da manhã ou não, e também a entrada livre para algumas das atrações, como o parque aquático e o aquário. Espie só como ele é:

006388-02-bedroom-with-aquarium-underwater-viewatlantis-hotel-dubai breakfast entrance-atlantis-the-palm-hotel-dubai

Imagem3

Imagem4

Mas o complexo Atlantis tem muito mais coisas. É de fato impressionante: pista de patinação, restaurantes, centro comercial, uma piscina onde se pode nadar com os golfinhos, uma boate megaanimada…

Imagem7

Imagem9

Imagem11

Imagem13

Imagem14

Imagem15

À noite, como na Disney, tem um espetáculo de luzes e sons, fantástico.

Imagem17

Em resumo, você pode ficar nas dependências do Atlantis e se divertir sem precisar ir até o centro de Dubai. E lá dentro você não precisa andar com dinheiro nem cartão de crédito, apenas o cartão do quarto. Tudo que for consumido em bares e restaurantes é colocado na conta do seu quarto e o acerto é feito na hora de ir embora.

Hospedar-se no Atlantis é ideal para quem quer curtir o resort e aproveitar tudo o que ele oferece, que é muita coisa. Mas se você quer circular por Dubai, o hotel fica meio longe do buxixo. Uma ideia, para quem quer conhecer bem o local, seria se hospedar num final de semana no Atlantis, aproveitar ao máximo o que ele tem, e depois ir para um hotel na cidade, mais perto das outras atrações.

Os 10 lugares imperdíveis de São Paulo

Há poucos dias publiquei um artigo (“São Paulo está entre as 10 cidades mais feias do mundo“) que gerou alguma polêmica, com muitas pessoas dizendo que a cidade não é tão feia assim.  Apesar de ser uma “selva de concreto” violenta e poluída, e que estressa demais seus milhões de habitantes, existem alguns oásis que merecem uma visita, e que muitos moradores da cidade não conhecem.

Como em todas as listas, esta também reflete a minha opinião. Se você, que mora em São Paulo, discordar ou quiser sugerir outros lugares, fique à vontade para comentar.

Feiras da Liberdade e da Benedito Calixto

Dois passeios que podem ser divertidos: a feira no bairro Oriental da Liberdade mostra um pouco da cultura e da gastronomia japonesas e, depois de uma volta na feira, você pode caminhar pelas ruas do bairro e visitar as inúmeras lojas e bazares. A feira da Pça. Benedito Calixto, em Pinheiros, é uma mistura de brechó e antiquário, e você encontra desde brinquedos e móveis até discos raros.

Mercado Municipal de São Paulo

Passear pelo Mercadão é um deleite para quem busca novos sabores. Uma verdadeira Meca de ingredientes para os principais restaurantes da capital paulista, o galpão com mais de 12 mil metros quadrados guarda um pouco de cada parte do mundo em suas barracas. Ao lado de presuntos e queijos finos encontram-se lagostas, sorvetes e sanduíches de mortadela, convivendo harmoniosamente.

MASP

O doador do terreno em que seria construído o MASP, principal museu de arte brasileiro e um dos mais importantes do Hemisfério Sul, fez uma única exigência à prefeitura de São Paulo: Joaquim Eugênio de Lima, idealizador e construtor da avenida Paulista, exigiu que a vista para o centro da cidade fosse preservada, através do vale da avenida Nove de Julho.

Parque do Ibirapuera

O Parque do Ibirapuera é um mundo à parte em São Paulo. Tem a Bienal, o Auditório Ibirapuera com seus shows inesquecíveis, o viveiro Manequinho Lopes com mudas da Mata Atlântica, a Oca com suas superexposições,  mas o ideal é passear por lá durante a semana, quando está menos cheio. Nos finais de semana, fica muito lotado…

Sala São Paulo

Localizada no centro da cidade, no deteriorado bairro da Luz – e bem no meio da terra do crack, a Cracolândia -, vizinha da Pinacoteca do Estado e do Museu de Arte Sacra, a Sala São Paulo é considerada uma das melhores salas de concerto e casas de eventos do país, e foi inaugurada em 1999 com a apresentação da sinfonia A Ressurreição, de Gustav Mahler, pela Osesp.

Teatro Municipal

Inaugurado em 1911 para ser a casa da ópera da cidade, passou em 2011 por uma complexa reforma, que restaurou o palco, centenas de pinturas antigas e mais de 14 mil vitrais, fazendo com que o local fique mais parecido com o Municipal do século passado, mas muito mais moderno.

Rua Avanhandava

Deve ser a ruazinha mais charmosa de São Paulo. Travessa da rua Augusta, é de fato um oásis em meio ao caos, com restaurantes que vão do tradicional Famiglia Mancini ao descolado Madrepérola, bar de jazz e até um brechó. Aos fins de semana, a rua vira programa de casais, família e turmas de amigos.

Zoológico de São Paulo

No ano passado, em meio a elefantes, tucanos, leões e outros 3.200 animais, nasceram no Zoológico um filhote de girafas e  onze emas – animais de difícil reprodução em cativeiro. Os filhotes das emas ainda estão sob os cuidados da equipe de biólogos e veterinários do Setor de Aves da instituição. A ema é considerada a maior e mais pesada entre as aves brasileiras – chega a medir 1,50 metro de altura e a pesar 25 quilos, e ainda não há previsão de quando os animais serão colocados em exposição.

Montagens da Broadway

A cidade tem recebido montagens originais das grandes companhias internacionais, e hospedado espetáculos como “O Fantasma da Ópera”, ” O Rei Leão”, “A Família Addams” ou “Hair”, para citar apenas alguns. Ou montagens nacionais de sucesso, como “Tim Maia, Vale-Tudo o Musical”. Há algumas casas, como o Teatro Renault, por ex., que foram reformadas seguindo padrões de excelência das grandes capitais. Se você puder pagar os altos preços dos ingressos, vale conferir.

Domingão na praia no século passado

Essas fotos foram provavelmente tiradas em Atlantic City, nos Estados Unidos, no começo do século passado.

(quem assistiu algum capítulo da série “Boardwalk Empire”, da HBO, certamente vai reconhecer a imagem abaixo:

Os produtores do seriado reproduziram fielmente a paisagem da época. Atlantic City era um balneário muito procurado, não apenas pelos cassinos, mas também pelas belas praias. Como foi o Guarujá, em São Paulo, que também teve belas praias e cassinos (hoje, é lamentavelmente um caos…)

Tanto aqui como lá, ir à praia era um programão, mas com o devido recato nas roupas de banho:

Se o fiscal da praia pegasse as “sirigaitas” acima, as moças seriam sumariamente retiradas da areia… Imagina mostrar tudo isso de pernas!!!

Olha o fiscal em ação, medindo o comprimento das roupas de banho das moçoilas.

A praia era um local frequentado por damas de respeito e cavalheiros refinados.

Mas tanto há cem anos quanto hoje, as crianças sempre farão uma farra no mar, não tem jeito…

O passeio não seria completo se as banhistas não fizessem as unhas… Com uma plateia de rapazes admirando o desfile de lindos dedinhos…

Todos podiam ficar tranquilos, porque o atlético salva-vidas estava sempre atento.

Assim era o domingão na praia de nossos avós e bisavós. Sem Faustão, sem farofa, sem frango, sem barracas de água de coco e sem vendedor de queijo de coalho.

O tempo passou e, cem anos depois…