Atualidades, Curiosidades, Family, Novidades

O primeiro zoo de São Paulo

Imagem histórica de elefantes banhando-se no lago da Aclimação, reproduzida do livro “Jardim da Aclimação e o Zoológico”. Livro conta história do criador do Parque da Aclimação, o médico, agricultor e político Carlos Botelho, que idealizou o local em 1892.  Reprodução. 

O Parque da Aclimação tinha camelos, elefantes e até uma onça-pintada

O bairro da Aclimação, na região mais central da cidade de São Paulo, é de classe média e tem hoje uma presença marcante da cultura sul-coreana. A tradição asiática é vista em restaurantes, lojas, igrejas e comércios tipicamente orientais, promovendo uma grande diversidade cultural e criando um ambiente único na cidade – e fica pertinho da Liberdade, o bairro oriental.

A Aclimação surgiu diretamente ligada ao Parque da Aclimação, uma área verde incrustada em meio a altos edifícios e uns poucos sobrados residenciais, sobreviventes de outros tempos.

Tudo começou em 1892, quando um médico piracicabano, chamado Carlos José Botelho, após comprar terras na região, decidiu criar um imenso jardim, chamado de Jardim D’Acclimatation de Paris, inspirado no parque francês de mesmo nome que ele havia conhecido quando estudou na França.

Dr. Carlos Botelho

No local havia espaço para exposição de gado leiteiro holandês, fato que atraiu o interesse de grandes pecuaristas brasileiros. Dizem os moradores mais antigos que os visitantes podiam até tomar leite de vaca tirado na hora e comprar laticínios naquela que foi a primeira leiteria da cidade!

O acesso ao parque se fazia por dois portões de ferro fundido. Ao entrar pelo portão principal, o visitante logo observava uma larga e bem cuidada alameda sombreada por árvores frondosas, que circundavam o lago em toda sua extensão, por uma distância de dois quilômetros.

Estacionamento dos visitantes do Jardim da Aclimação. Ao fundo, do lado direito, um descampado…
Foi nesse descampado, por onde passavam córregos, é que foi criado um lago.

Esse lago  foi formado a partir do represamento de córregos da região, no qual haviam canoas para passeios.

Alameda que circundava o recém-criado lago, onde se podia passear de canoa.
As colunas que sustentavam os portões de ferro da entrada principal ainda existem, mas perderam as esculturas em relevo. A bilheteria que se vê na foto foi derrubada e a área hoje faz parte do terreno ocupado por uma biblioteca pública.

A alameda dividia o jardim em duas partes: na maior ficavam as diversões (como o salão de baile, o ringue de patinação e as barracas de tiro ao alvo), o bosque com o lago e o estábulo; na outra estava instalado o zoológico.

Esse local, aliás, era uma atração à parte.

O primeiro zoo da cidade contava com estrelas do reino animal, como o camelo Gzar e o urso-polar Maurício – cuja jaula era resfriada com barras de gelo que vinham da fábrica da cervejaria Antárctica, que ficava na Água Branca –  e vários outros animais, como hienas, cobras e até uma onça pintada.

Uma das diversões mais populares no parque era dar uma volta no camelo.

Vale um registro: em 1920, uma sucuri com cerca de 5 metros de comprimento escapou do espaço em que ficava exposta e dez homens participaram da operação de captura do réptil.

Registro do momento da captura da sucuri fugitiva.

As pessoas podiam ainda passear de charrete puxada por uma lhama e as crianças adoravam dar voltas ao redor do lago numa carrocinha puxada por um burrico.

Naquela época, havia só dois parques em toda a cidade, o da Luz e o da Aclimação. O da Aclimação ficava longe do centro, por isso era preciso inovar constantemente para atrair público.

Por isso, quando o zoo foi inaugurado, uma maciça campanha de divulgação anunciou a novidade. Maciça para a época, claro… Com anúncios nos jornais e nos bondes.


Anúncio direcionado à comunidade italiana em São Paulo: peixe elétrico e urso polar faziam sucesso no parque

O zoo  também tinha como objetivo a criação e reprodução de animais de várias espécies. E as atrações foram se sucedendo, com a abertura de um aquário anexo ao zoo. O parque ainda abrigava um posto botânico e era sede da Sociedade Hípica Paulista.

Com o afluxo de pessoas para a região, iniciou-se a urbanização do bairro e por volta de 1916 várias ruas começaram a ser abertas, recebendo cada uma o nome de pedras preciosas, como Turmalina, Topázio, Diamante, Ágata, Safira, Esmeralda, Rubi, e outras receberam nomes dos planetas do sistema solar como Júpiter, Urano, Saturno.

Casarão na rua Turmalina. 

Em 1939, o Jardim da Aclimação, cuja área era de 182 mil metros quadrados, foi comprado pelo então prefeito Prestes Maia, pois os filhos de Botelho passavam por dificuldades financeiras e não conseguiam mais manter o parque. 

Na década de 1950, a área ganhou uma biblioteca, uma Concha Acústica, um playground e um campo de futebol. O bairro foi se desenvolvendo ao redor do parque e se tornando eminentemente residencial.

Vista do lago, com a muralha de prédios no horizonte.

A partir de 1970, a expansão imobiliária fez surgir muitos edifícios, marcando a verticalização do bairro, o aumento da população e o consequente crescimento do comércio.

No decorrer da década de 1980, a associação dos moradores do bairro e dos defensores do parque, juntamente com entidades ecológicas, mobilizaram-se e conseguiram o tombamento do Parque da Aclimação, feito pelo Condephaat – Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico e Arquitetônico.

Atualmente, o parque recebe cerca de 7.000 visitantes aos finais de semana.

Curiosidades

  • O Parque da Aclimação tem hoje 112 mil m² de área verde, algo como menos de 70% de sua área original;
  • Foram registradas 85 espécies de fauna, 88 espécies de flora das quais copaíba, pau-brasil e pinheiro-do-paraná estão ameaçadas, e 65 espécies de aves;
  • Três esculturas de Arcângelo Ianelli (1922 – 2009) – pintor, escultor, ilustrador e desenhista brasileiro, natural da cidade de São Paulo – estão distribuídas pelo parque em meio ao verde: “Dança Branca”, O Retorno” e “Forma Corrompida”;
  • O criador do parque, o médico e pesquisador Carlos Botelho, foi secretário da Agricultura de São Paulo e, entre suas grandes realizações, foi o responsável pelo início da imigração japonesa no Brasil. O primeiro navio, com 781 japoneses, chegou a Santos em 1908. Vieram trabalhar na agricultura de café e o contrato de imigração entre os dois países foi firmado entre o Sr. Ryu Mizuno, Diretor Presidente da Cia. de Imigração Kôkoku do Japão, e pelo Dr. Carlos Botelho.
Atualidades, Curiosidades, Family, Novidades

Westworld e os parques temáticos mais incomuns!

Existe uma nova série da HBO que está começando a chamar a atenção de todo mundo. Não apenas pela aposta da emissora em elegê-la como a nova “Game of Thrones”, seja em termos de repercussão quanto de faturamento – e, por isso, só na primeira temporada, teriam investido mais de US$ 100 milhões! Mas também porque o assunto “parque temático” vem despertando a imaginação das pessoas.

Para quem não sabe do que estou falando, farei um breve resumo dessa nova série, chamada Westworld.

O enredo de Westworld fala de um parque temático futurístico para adultos, dedicado à diversão dos ricos. Um espaço que reproduz o Velho Oeste, povoado por androides programados pelo personagem de Anthony Hopkins (sim, ele mesmo, em sua estreia num seriado para a TV!) para acreditarem que são humanos e vivem no mundo real.

Lá, os clientes podem fazer o que quiserem, sem obedecer a regras ou leis. No entanto, quando uma atualização no sistema das máquinas dá errado, os seus comportamentos começam a sugerir uma nova ameaça, à medida que a consciência artificial dá origem à “evolução do pecado”.

O seriado é uma “releitura”, digamos assim, de um antigo sucesso do cinema de mesmo nome. Escrito e dirigido em 1973 por Michael Crichton (de Jurassic Park), mostrava um parque temático que simulava o Velho Oeste e onde os habitantes eram robôs. Nesse Westworld, a graça era duelar contra robôs. Yul Brynner fazia o papel de um desses robôs, o vilão principal, programado para perder sempre… Só que um dia, ele sofre um “tilt” e…

Devemos os parques temáticos como conhecemos a Walt Disney. Foi ele que, um dia, enquanto aguardava as filhas pequenas se divertirem no carrossel de um parque de diversões, se perguntou se um lugar desses não deveria privilegiar todas as idades. Dessa ideia surgiu, em 1955, a “Disneylândia”, considerado o pioneiro em alinhar temas específicos à diversão de todos, de crianças dos “8 ao 80 anos”.

O tempo passou e, como toda grande ideia, parques temáticos proliferaram por todas as partes do mundo. E não apenas para crianças. Assim como no Westworld da ficção, existem parques voltados para o público adulto – ou recomendados aos adultos – espalhados por aí. Ousados, bizarros, parece até que existe um mundo paralelo dos parques temáticos! Confira:

Jeju Loveland: um parque erótico

jeju-loveland4

korea-2007-1206145500-love-land

Na real, ele é um parque de exposição permanente de esculturas eróticas localizado na Coreia do Sul. São 140 esculturas e algumas instalações interativas. Agora você se pergunta: como a ideia desse parque surgiu? As esculturas do parque começaram a ser criadas em 2002 por formandos de uma universidade da ilha de Jeju, inspirados pela fama da ilha. Que ganhou a vocação de centro de cultura sexual depois da guerra da Coreia, quando o local tornou-se destino preferencial para casais em lua-de-mel. Os casamentos de então eram arranjados e os casais sentiam-se constrangidos, pois não se conheciam ou tinham qualquer intimidade anterior. Por causa desse desconforto, alguns hotéis da ilha adotaram profissionais “quebradores de gelo”, facilitadores “pedagógicos” da relação conjugal. E a Loveland ganhou esse nome pois, aos poucos, tornou-se uma referência de educação sexual.

loveland

love-land-2

tumblr_lyl5usypvc1qbcioso1_500

O parque tem estátuas de tudo quanto é tipo. Posições sexuais das mais diversas e membros de todos os tamanhos e formatos. O mais próximo de uma atração que o visitante irá encontrar são as exposições interativas, como a do “ciclo da masturbação”. Não há outros brinquedos, shows ou paradas para curtir, como na Disney, o que torna a visita ao local relativamente rápida – cerca de 40 minutos, de acordo com o site oficial. Pelo menos a entrada é baratinha (em torno de 27 reais). Somente pessoas acima de 18 anos podem entrar no parque; há recreação e um playground para crianças aguardarem do lado de fora.

The World Butterfly Eco Garden

É até complicado falar sobre esse lugar, por ser controverso. Dividido em duas seções, The World Butterfly Eco Garden na China apresenta o maior jardim de borboletas do mundo. A outra seção, conhecida informalmente como o “Reino das Pessoas Pequenas”, é uma área do parque onde acontecem performances cômicas estreladas por… Pessoas com nanismo! Mais de 100 anões podem ser vistos nos cenários de casas em forma de cogumelo.

Essa comunidade, “supervisionada” por um imperador, imperatriz e um parlamento, foi criada em 2009, e todos os moradores se apresentam duas vezes ao dia cantando, dançando, ou mesmo realizando algum esporte ou acrobacia. O criador do parque e seus defensores afirmam que dão emprego – com bom salário – a pessoas que, de outra forma, seriam incapazes de encontrar trabalho. Quem critica acredita que estão tratando o nanismo como uma atração exótica e explorando as condições dos trabalhadores.

eco

The Holy Land Experience

Quando voltar a Orlando, em vez de visitar o Mickey ou o Harry Potter, passe uma tarde bíblica… Que tal? (aliás, não precisa ir tão longe para fazer isso… Em Buenos Aires há um parque temático similar…). Estou falando do The Holy Land Experience, que traz a arquitetura e temas da antiga cidade de Jerusalém no primeiro século. Quem visitou disse que é muito louco você poder tirar fotos de Jesus andando sobre a água ou escalar uma parede que é a arca de Noé…

the_holy_land_experience_map

O parque recria todos os cenários da vida de Jesus conforme relatado na Bíblia. Há a tumba onde ele morreu, o Mar da Galileia com fontes dançantes e, claro, o momento mais aguardado da visita: a reconstituição diária da crucificação de Jesus Cristo, um show ao vivo de uma hora e meia de duração. Pertinho do complexo Walt Disney World Resort, o parque temático fica aberto quase todos os dias do ano e sua entrada custa quase a metade do vizinho.

placeholder_flash_image_rotator_interior

42975

holyland-experience-parque-orlando

BonBon Land

Inaugurado em 1992, o BonBon Land é a versão trash da Disney. A cerca de duas horas de Copenhagen, na Dinamarca, sua temática gira em torno de personagens de desenhos animados. O que ocorre é que eles não são nada fofinhos e educados. Ao contrário, são estranhos e perturbadores, tudo por conta da inspiração em BonBon, empresa de doces na Dinamarca que faz doces com base em personagens estranhos.

Para dar uma ideia, seu doce mais popular é chamado de “Dog Fart”, ou “Peido de Cachorro”, e ele está presente no parque, adaptado em uma das quatro montanhas-russas. Mas a coisa não para por aí… Outras atrações trazem cavalos fazendo cocô, formigas urinando, ratos vomitando e muitos animais estilizados de maneira sexualizada.

É um parque temático completo com mais de trinta brinquedos, incluindo passeios de barco, splashs e elevadores de queda. É um sucesso de público e já foi expandido diversas vezes ao longo de sua história para ter mais novidades. Um dia no BonBon Land custa 75 reais por pessoa – e é gratuito para crianças pequenas.

 

Você vê, neste nosso mundo, há gosto para tudo, não é mesmo?

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes:

 

ligadoem serie.com.br

zupi.com.br

listas20.com

Atualidades, Curiosidades, Family, Humor, Novidades

Disneylândia, seis décadas!

Há seis décadas, a Disneylândia começou a ser construída, para ser aberta ao público no dia 17 de julho de 1955, em Anaheim, na Califórnia, uma cidade que fica a pouco mais de 40 km de Los Angeles. Fundada em 1857 por famílias alemãs, com o passar dos anos foi incorporada à grande Los Angeles e tem hoje mais de 300 mil habitantes.

Vista aérea da Disneylândia em Anaheim, 1963. No centro, à direita, a atração “Piratas do Caribe” ainda em construção. Ela foi aberta apenas em 1967, porque na época desta foto, os engenheiros da Disney estavam ocupados com as atrações que iriam ser mostradas na Feira Mundial de Nova York, de 1964.

Walt Disney veio com a ideia de um parque de diversões para todas as idades depois de visitar vários parquinhos com suas filhas e notar que os adultos ficavam entediados enquanto as crianças de divertiam.  Inicialmente, ele imaginou uma atração para os turistas adjacente ao seu estúdio, em Burbank, mas logo viu que a área era pequena demais para o que imaginara.

Depois de contratar um consultor para que que o ajudasse a determinar o lugar ideal para construir seu sonho, Walt comprou cerca de 65 hectares de laranjais em Anaheim, em 1953.

Nesta foto, Walt Disney está mostrando os planos de sua Disneylândia para as autoridades locais, que de início se mostravam relutantes em fornecer as licenças para a construção do parque.

Vendo dificuldades em conseguir financiamento junto aos bancos para seu projeto de um parque temático, totalmente inovador na época, Disney pensou em novas formas de obter esses fundos, e concebeu um programa de televisão chamado “Disneylândia”, que seria veiculado na ainda novata rede ABC de televisão e divulgaria o parque e suas atrações, aproveitando o acervo de seus desenhos animados e produzindo programas especialmente criados para a TV, como os seriados “Zorro” e “Davy Crocket”, que se tornaram uma verdadeira febre junto às crianças, além do programa “Clube do Mickey”, que continuou popular por muitas décadas. Em contrapartida a esse programa – que logo se tornou líder de audiência – , a rede ajudaria a financiar o parque. Assim, durante seus primeiros cinco anos de operação, a Disneylândia era de propriedade da Disneyland Inc., uma empresa da Walt Disney Productions, Walt Disney, Western Publishing (editora que publicava os quadrinhos do Tio Patinhas, Mickey, Donald e outros personagens) e a ABC.  Além do dinheiro da rede de TV, Disney ainda “alugou” o patrocínio de muitas lojas na Main Street e algumas atrações para outras empresas. Em 1960, a Walt Disney Productions comprou a participação das outras empresas e, em meados dos anos 1990, acabou comprando sua antiga parceira, a rede ABC.

Em frente a um esboço do que seria feito, Walt Disney revela seus planos para a Disneylândia durante a estreia do programa de televisão ‘Disneylândia’, em 27 de outubro de 1954.

Revista lançada por ocasião da estreia do programa de TV na rede ABC.

Walt Disney exibe os esboços do que seriam o castelo da Bela Adormecida, a entrada da Terra da Fronteira e a rua na Terra da Fronteira onde haveriam shows de cowboys, restaurantes e lojas de presentes.

A seguir, fotos de diferentes etapas da construção do “lugar mais feliz do planeta”:

Finalmente, depois de muitos obstáculos, a Disneylândia é inaugurada em Julho de 1955.

A inauguração foi televisionada nacionalmente.

O Disneyland Hotel foi aberto ao lado da Disneylândia em 1955, meses depois da inauguração do parque. De início, os hóspedes tinham que ir de carro para visitar o parque.

Só em 1959 foi inaugurado o monotrilho, na Terra do Amanhã, e dois anos depois, em 1961, ele foi ampliado até o hotel e se tornou o primeiro monotrilho a cruzar uma via pública no mundo.

Nesta foto, vemos três das mais populares atrações da Disneylândia, e todas inauguradas no mesmo dia, 14 de julho de 1959: O Matterhorn (uma montanha-russa indoor); a Submarine Voyage (onde se pode passear num submarino atômico pelos sete mares) e o monotrilho, que leva as pessoas a um passeio por todo o parque.

Outro meio de transporte da Disneylândia, e que pode ser usado para visitar todas as principais atrações, é o Maria-Fumaça. Walt Disney era maluco por esses trens, e tinha um deles em miniatura em sua própria casa, no qual levou Salvador Dali para passear (veja aqui). Os trens da Disneylândia funcionam hoje em dia com biocombustível criado a partir de óleo de cozinha usado nos hotéis do parque.

Atração inspirada pelo desenho animado “Dumbo”.

Legenda original da foto de 1955: “Este foguete na Disneylândia simboliza a Tomorrowland. Nesta atração, adultos e crianças podem ‘fazer um passeio’ de foguete para a lua. A simulação é feita com efeitos realistas”.

A Terra do Amanhã (Tomorrowland) sempre foi uma das “terras” mais populares do parque, depois da “Terra da Fantasia” e da “Terra da Fronteira”. Na foto abaixo, os visitantes descansam à sombra do famoso foguete, que foi um dos marcos da Disneylândia.

Em 1954, Disney teve a ideia de uma atração que continua uma das mais populares até hoje, a “Jungle Cruise’,  um tour guiado de sete minutos por selvas do mundo inteiro e no qual os visitantes curtem a exuberante vegetação tropical e animais exóticos.

Na foto, de 1964, Disney supervisiona a instalação de novos animais audioanimatrônicos na “Jungle Cruise”.

E, para encerrar, um slideshow que tenta resumir como foi essa jornada que já dura sessenta anos!

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:

MSN

Wikipedia