Atualidades, Curiosidades, Family, Novidades

Quanto custa uma bolsa de marca?

Cansei de ver pessoas nas vitrines com olhar melancólico de quem quer mas não pode ter: “É tão caro!”

Outro dia, passando numa loja do bairro oriental de São Paulo, vi várias bolsas “alternativas” que copiavam as bolsas de marca. Você escolhia qual comprar e escolhia também o logotipo com a marca preferida: Gucci, Prada, Chanel… E muita gente comprava, pagando menos de 5% do preço da bolsa verdadeira, segundo a lojista.

Eram lojinhas e lojinhas, uma atrás da outra, oferecendo essa “barganha”. Aí, me perguntei: mas por que as bolsas de marca são tão caras? E quanto custa uma bolsa de marca, afinal?

Uma bolsa de marca custa MUITO caro

E tudo é muito caro no Brasil… Mas já voltamos a isso.

As bolsas de marcas são caras porque o processo de produção é artesanal, com materiais de alta qualidade e mão-de-obra especializada. Sem contar o tempo de produção, onde tudo é feito sem pressa. Uma bolsa Hermès, por exemplo, pode levar de 3 dias a duas semanas para ser feita. É uma produção que não se importa com a velocidade do mercado, e aí entra a questão da exclusividade. Há casos de bolsas de modelos especiais cuja lista de espera chega a 3 anos!

Dá uma olhada neste vídeo e vai entender um pouco como uma dessas bolsas exclusivas são feitas:

Outro fator que entra nessa análise é…

Qual o mercado das bolsas de luxo?

Exatamente esse. O mercado de luxo. Marcas como Dior, Channel, Louis Vuitton, Versace… vendem itens de luxo e estão posicionadas aí. Sejam bolsas, hotéis ou perfumes, se você quiser luxo, tem que pagar caro por isso.

E nessa questão mercadológica, existe um fator que explica muita coisa, ao menos para mim. O anseio em possuir uma bolsa (ou perfume) dessas responde a uma necessidade psicológica do ser humano. O encantamento, o desejo material, a exclusividade, o se destacar. Ser VIP é ser rico.

Tudo bem, já falamos que essas bolsas dos vips custam caro, falamos do motivo das pessoas ansiarem possuir um item desses, mas, afinal…

Quanto custa uma bolsa de marca?

Depois de passear pelo bairro oriental e ver quanto custa uma bolsa de marca “alternativa”, fui pesquisar o preço das verdadeiras bolsas chiques… e caí de costas (bem, isso foi um exagero, não caí porque estava sentado). Espie só:

FENDI

Fendi teve início em 1918 em Roma como uma loja especializada em pele e couro. Apesar de crescer como uma das marcas de luxo mais renomadas do mundo, o negócio manteve seu aspecto familiar, com o foco em detalhes finos, artesanato italiano e apoio aos artesãos locais.

Esta “Runaway Tote” custa hoje mais de R$ 13.600,00.

PRADA

Uma das marcas de luxo mais desejadas do mundo, a Prada cresceu de um fabricante de produtos de couro em 1913 até se tornar uma das maiores maisons de luxo da atualidade. Com Miuccia Prada, neta de um dos fundadores, à frente do negócio de família, a grife se expandiu a partir de uma verdadeira revolução, desde a inovação nos materiais usados nos produtos até lançar sua própria coleção prêt-à-porter na década de 90. A partir de então o renome da Prada só cresce posicionada como um símbolo de status premium.

A “Cahier” de couro está na faixa de R$ 17.000,00.

BALENCIAGA

Com Demna Gvasalia à frente da direção criativa da Balenciaga, a maison parisiense permanece entre as mais influentes marcas do mundo, unindo a tradição inovadora da grife com sua visão vanguardista.

Essa tote de couro é mais baratinha, está na faixa de R$ 15.000,00.

Falando em baratinha, temos ainda…

STELLA MCCARTNEY

Conhecida por seu compromisso ecológico, as bolsas da Stella McCartney apresentam materiais sustentáveis em designs descomplicados que adicionam leveza e elegância ao seu look, como não poderia diferente, sendo filha de Paul McCartney.

É o máximo, custa apenas R$ 8.570,00.

Quer saber quais as bolsas mais caras do mundo?

Eu mostrei algumas bolsas de marca que estão na faixa de preço acima de 8.000,00 reais. Mas isso é “peanuts” quando comparamos aos preços das bolsas realmente caras, megaultra exclusivas, que não sei quem possui mas que acho que vou depois pesquisar e mostrar num outro post.

São bolsas que estão na faixa de preço começando por 150 mil dólares e vão até uma bolsa que custa mais de 3 milhões de dólares! Claro que é uma bolsa fabricada nos Emirados Árabes e é adornada por 4.517 diamantes!

É essa aqui…

O que eu acho

Se você, minha querida ouvinte, tem poder de compra pra uma dessas bolsas – seja uma Stella ou a dos diamantes – seja feliz. Desfrute, já que pode. Geralmente, essas bolsas Gucci ou Channel duram muito e valem o custo-benefício.

E pense no trabalho do designer, do artesão, dom pessoal de marketing que cria campanhas publicitárias tão incríveis, de tanta gente que se empenha para produzir um item de tamanha qualidade, cuidando do seu item com carinho e não apenas como símbolo de status.

Dito isto…

Para encerrar, volto ao que comentei lá em cima…

Tudo é muito caro do Brasil

Ninguém discorda. Falando com pessoas entendidas e lendo, posso dizer que tudo começa porque nosso dinheiro é caro. Nossas taxas de juros são das mais altas do mundo e isso influi no custo de todas as mercadorias.

(pense na taxa de juros do cartão de crédito ou do cheque especial…)

Os banqueiros e o governo são parceiros nessa extorsão. E você não tem escolha. Não gostou do Itaú? Vá ao Bradesco e veja se é diferente. Ou ao BB.

Outro dia vi, de curiosidade, o preço num móvel na Ikea (que ia abrir uma loja no Brasil e desistiu por causa da burocracia e dos altos impostos) e outro, parecido, na Tok Stok. São móveis de baixo custo (em tese), bonitinhos mas ordinários, só que os preços… baixo custo é na Ikea, mesmo.

E as roupas e eletrônicos? Mesmo com o dólar nas alturas, vale muito mais fazer o enxoval do bebê ou comprar roupas se você viajar (para os EUA ou o bom e velho Paraguai…). Quem pode, vira contrabandista amador, porque a diferença dos preços é abissal. Sem contar o imposto de importação, que é tão absurdo que é para impedir a importação, para proteger a indústria nacional!

São vários os motivos que explicam isso. Somos um país que faz tudo para “proteger a indústria nacional”, como eu disse acima. Daí não temos concorrência e protegemos indústrias vagabundas de amigos do governo. Os produtos são vagabundos, quando comparados aos “de fora”, e aí temos a burocracia e os juros e impostos que esfolam o industrial e o consumidor.

Nossa economia é fechada

O fato de nossa economia ser tão fechada faz com que não só nossos preços sejam altos, mas que a qualidade seja baixa e a variedade inexistente. E isso afeta principalmente os mais pobres. Ricos não colocam dinheiro na poupança e nem estouram o cartão de crédito. Ricos não gastam sua renda comprando uma geladeira nova porque a velha queimou. Ou outro colchão porque o de casa rasgou de tão usado. Ricos são os donos das empresas protegidas pelo governo da concorrência. Ricos são os empresários que pegam empréstimos subsidiados no BNDES e pagam a perder de vista… quando pagam. São amigos dos governantes corruptos.

E, muitas vezes, são eles mesmos, os governantes e políticos, os donos das empresas.

São eles e seus amigos os que lucram com esse cenário.

E amedrontam os pobres – e o que restou da classe média – afirmando que o livre comércio causaria desemprego e pobreza.

Tudo é tão caro porque temos o que há de pior no capitalismo (a desigualdade de renda) com o pior do socialismo (ausência de concorrência, burocracia e ineficiência). e uma corrupção endêmica.

Se as coisas não fossem assim, se tivéssemos o livre comércio, haveria tantas vantagens… Graças ao livre comércio, os consumidores iriam gastar menos dinheiro em bens e em vários serviços.  E poderiam agora gastar mais dinheiro em outros bens e serviços, levando a um aumento da demanda e, logo, dos lucros nos setores que fornecem estes bens e serviços.  Consequentemente, haveria mais investimentos.  E essa maior taxa de investimento naturalmente levaria à criação de mais empregos nesses setores, contrabalançando qualquer eventual aumento no desemprego – que é o argumento principal de quem defende o protecionismo.

 

Olha, acho que meu próximo artigo será sobre isso. Aguardem!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes:

Wikipedia

correiodeuberlandia.com.br

e outras que não me lembro mais…

 

 

 

Atualidades, Curiosidades, Novidades

Veja profissões que estão em alta e em baixa em oito setores do mercado

Todos sabem que o Brasil enfrenta uma crise – mais uma! – mas, apesar de algumas profissões se encontrarem em baixa, há outras que estão em alta. Justamente pelo fato de o país ser tão imenso e, portanto, há setores onde a crise afeta mais do que em outros. De um modo geral, os profissionais que geram ganhos de eficiência para as operações das empresas ou podem evitar perdas financeiras são os mais requisitados agora.

A FSP ouviu dez empresas especializadas em encontrar profissionais para grandes companhias, e os consultores responderam quais os profissionais que estão sendo mais buscados e quais enfrentam um momento de vacas magras nos setores de marketing e promoções, mercado financeiro e seguros, tecnologia, comércio, educação, engenharia e infraestrutura, saúde e jurídico.

MARKETING

EM ALTA

Analista de bancos de dados

O QUE FAZ Com as informações do comportamento dos clientes capturadas por sistemas de informação, define qual deve ser a estratégia da empresa.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Empresas têm sido criteriosas para definir sua atuação comercial e buscam tomar decisões com grande precisão.

Desenvolvedor de tecnologia mobile

O QUE FAZ Apresenta ideias para novos aplicativos e as passa para os programadores.

POR QUE ESTÁ EM ALTA É relevante tanto para start-ups que criam seus aplicativos quanto para grandes empresas que correm atrás de inovação.

Especialista em mídias específicas

O QUE FAZ Atua com os aplicativos próprios de cada empresa.

POR QUE ESTÁ EM ALTA São buscados pelas marcas que querem manter sua estratégia de tecnologia mobile ativa.

EM BAIXA

Analista de mídia social

O QUE FAZ Dissemina informações nas redes sociais, como o Facebook ou o LinkedIn, usando o linguajar típico de cada uma delas.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Há uma oferta muito grande desse tipo de profissional no mercado, maior do que a demanda.

Agente de turismo

O QUE FAZ Comercializa pacotes de viagens para clientes físicos e corporações.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA O serviço enfrenta concorrência de sites de comparação de preços de viagens, que tornaram a busca mais fácil.

MERCADO FINANCEIRO

EM ALTA

Especialista em compliance

O QUE FAZ Garante que a companhia respeite a legislação, evitando multas; também pode averiguar se há corrupção na empresa.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Com investigações da Polícia Federal, prisões e escândalos internacionais, o serviço passou a ser mais procurado.

Gerente de riscos

O QUE FAZ É parte da equipe de planejamento estratégico de bancos, financeiras e grandes empresas; analisa eventuais riscos aos negócios.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Com economia encolhida, empresas ficam mais atentas a ameaças.

Atuário

O QUE FAZ Em seguradoras, calcula reservas e provisões em caso de sinistro e precifica o produto; também atua em fundos de pensão, bancos e planos de saúde.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Mercado cresceu nos últimos anos, com novas empresas e produtos.

EM BAIXA

Gerente de agência bancária

O QUE FAZ Atende clientes em agências físicas com foco comercial, ou gerencia as lojas para que sejam rentáveis.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Clientes de bancos passaram a usar mais os serviços oferecidos pela internet.

Analista de investimentos

O QUE FAZ Escolhe opções de investimento e presta conta aos investidores; busca capital para empresas que precisam.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Caiu a quantidade de investimentos na economia como um todo.

TECNOLOGIA

EM ALTA

Gestor de big data

O QUE FAZ Cria os softwares para capturar grandes quantidades de dados sobre o comportamento dos consumidores de bens finais.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Ajuda na definição de estratégia corporativa.

Arquiteto de TI

O QUE FAZ Planeja e constrói os sistemas de informação das empresas.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Trabalha em todos os setores da economia, as corporações não podem prescindir dele.

Cientista de dados

O QUE FAZ Avalia a qualidade dos bancos de dados das empresas.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Encontra posições em corporações de diferentes segmentos da economia.

EM BAIXA

Analista de suporte e help desk

O QUE FAZ Auxilia os funcionários que têm problemas para usar o sistema informatizado da empresa.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA A tendência é de crescente automatização desse tipo de atendimento.

Gerente técnico

O QUE FAZ Lidera as equipes de analistas de help-desk.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Assim como os serviços dos analistas, o do gerente está se tornando menos corriqueiro por novas automações.

Desenvolvedor de páginas de web

O QUE FAZ Cria sites.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Assim como os serviços dos analistas, o do gerente está se tornando menos corriqueiro por novas automações.

COMÉRCIO

EM ALTA

Vendedor externo

O QUE FAZ Visita empresas para coletar pedidos e negociar preços, volumes e prazos de entrega.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Demanda atende expansão de redes para Nordeste e Centro-Oeste.

Executivo de logística

O QUE FAZ Acompanha toda a cadeia de suprimentos, desde o pedido até a entrega; além de comércio, atua em transportadoras.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Por centralizar todo o processo, enxugando custos de pessoal.

Planejador de demanda

O QUE FAZ É capaz de avaliar qual será a procura por certo bem de consumo.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Evita excesso e sobras em estoque que poderiam se traduzir em perdas.

EM BAIXA

Corretor de imóveis

O QUE FAZ Faz a intermediação entre compradores e vendedores.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA O mercado está saturado desses profissionais.

Executivo de varejo

O QUE FAZ Planejamento e gestão financeira, comercial ou de compras.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Há uma tendência de concentração de funções entre poucos profissionais.

Auxiliar de suprimentos

O QUE FAZ Da área de compras, prospecta novos fornecedores.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Com desempenho ruim do varejo, empresas estão cortando auxiliares.

EDUCAÇÃO

EM ALTA

Professor de economia e contabilidade

O QUE FAZ Dá aulas de graduação, pós, mestrado e doutorado nas cadeiras de ciências econômicas e contábeis.

POR QUE ESTÁ EM ALTA A crise econômica tem feito mais pessoas se interessarem em entender os assuntos. E, com a popularização das carreiras, mais professores estão sendo requisitados pelas instituições.

Diretor de educação a distância

O QUE FAZ Estrutura os cursos, chama gente para desenvolver o conteúdo, forma a equipe de educadores e da tecnologia, traça o escopo.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Essas modalidades estão mais populares graças a preço competitivo e falta de tempo das pessoas.

EM BAIXA

Diretor acadêmico

O QUE FAZ Estrutura cursos de faculdades e instituições de ensino superior.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Mudanças no sistema oficial de financiamento de ensino comprometeram a criação de novos cursos.

INFRAESTRUTURA

EM ALTA

Gerente industrial

O QUE FAZ Comanda os trabalhadores da linha de fábrica e determina qual deve ser o tamanho da equipe.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Atuação está ligada a manutenção de custos em baixa em época de menor demanda.

Engenheiro de planejamento

O QUE FAZ Atua em todos os campos da engenharia antes da execução dos projetos, dimensionando a equipe.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Ajuda a fazer obras com menos dinheiro e em menores prazos.

Gerente de novos produtos

O QUE FAZ Desenvolve design, funcionalidades e características de novos bens.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Produtos precisam custar cada vez menos para serem lucrativos.

EM BAIXA

Engenheiro de óleo e gás

O QUE FAZ Trabalha na exploração e prospecção de óleo e gás em plataformas e refinarias.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Setor é muito dependente da Petrobrás e, além disso, preço internacional do barril está em baixa.

Profissional de manutenção fabril

O QUE FAZ Atua em linha de fábrica, é especializado em uma determinada máquina.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Com a desaceleração da indústria, principalmente automobilística, algumas linhas foram descontinuadas, e ele não costuma ter flexibilidade para atuar em outros setores.

SAÚDE

EM ALTA

Geriatra

O QUE FAZ Cuida de pacientes idosos.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Envelhecimento da população e aumento da expectativa de vida tornam essa especialidade mais procurada.

Dermatologista

O QUE FAZ Especialista no diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças da pele, pelos, mucosas, cabelos e unhas.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Mercado de estética é imune à crise; clínicas particulares buscam esse profissional.

EM BAIXA

Fisioterapeuta

O QUE FAZ Diagnostica e trata problemas causados por má-formação, acidentes ou vícios de postura.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Diminuiu a contratação desse tipo de profissional em hospitais.

DIREITO

EM ALTA

Recuperação judicial e de crédito

O QUE FAZ Profissional atua em falências ou litígios entre empresas que fizeram negócios.

POR QUE ESTÁ EM ALTA A demanda por esses profissionais sempre cresce durante crises.

Setor trabalhista

O QUE FAZ Defende pessoas que foram demitidas e empresas processadas por funcionários.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Demissões aquecem a busca por esse especialista; também são contratados para prevenir problemas.

Setor tributarista

O QUE FAZ Estuda a estrutura legal para ajudar empresas a encontrar maneiras menos onerosas de estar em dia com as suas obrigações.

POR QUE ESTÁ EM ALTA Sua atuação implica redução de custos.

EM BAIXA

Fusões e aquisições

O QUE FAZ Advogado levanta passivos de empresas que podem ser compradas, estuda a viabilidade de fusões sob a ótica do direito econômico.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Há excesso de profissionais na área.

Setor ambiental

O QUE FAZ Especialista ajuda empresas a se adequarem à legislação.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Setores como a mineração e grandes obras enfrentam gargalos.

Direito societário

O QUE FAZ O advogado aqui auxilia novas empresas ao redigir contratos, ou as antigas que enfrentam conflitos societários.

POR QUE ESTÁ EM BAIXA Diminuiu ritmo de fundação de empresas.

 

Atualidades, Curiosidades

O mercado na linha férrea na Tailândia

Esse mundo é mesmo muito louco…

Na Tailândia, em Samut Songkhram – a coisa de 40 quilômetros de Bangcok -, existe um mercado ao ar livre que vende de tudo: frutas tropicais e legumes em grandes pilhas coloridas, uma grande variedade de especiarias secas, pastas e ervas, frutos do mar recém-pescados e outros alimentos locais.

maeklong-railway-market-0única diferença em relação aos outros mercados – e às feiras-livres no Brasil – é que ele fica bem em cima dos trilhos de uma ferrovia.

maeklong-train-market

E não é uma força de expressão, o mercado fica de fato em cima dos trilhos! Quando o pessoal que ali trabalha ouve o apito da locomotiva, eles recolhem os produtos, levantam os toldos e deixam passar o trem, que cruza a feira diariamente por três vezes, duas de manhã e uma de tarde! O trem passa quase tocando as mercadorias, e todo mundo se espreme debaixo das barracas.

maeklong-railway-market-5

maeklong-railway-market-2

maeklong-railway-market-12

Depois que o trem passa, os vendedores recolocam tudo como estava antes, descem os toldos das barracas e os clientes voltam, como se nada tivesse acontecido. O mais curioso é que não são os feirantes que invadiram o espaço da ferrovia, já que a feira existe no mesmo lugar desde antes que a via férrea fosse criada, em 1905!

maeklong-railway-market-16

Maeklong é o nome desse mercado, que fica de fato num grande edifício cheio de ban­cas mais ou menos orga­ni­za­das, mas que acabou crescendo para fora, e a ferrovia acabou passando no meio dessa extensão do mercado. E se transformou numa atração turística, porque mesmo aos olhos dos orientais, não é todo dia que se vê um trem passando no meio de uma feira!

E quando soa o apito, à boa maneira tailandesa – isto é, sem estresse e quase sempre com um sorriso nos lábios -, os comerciantes recolhem as mercadorias e ficam assistindo o trem passar, e é impressionante de se ver (segundo os relatos de quem já esteve por lá) que quase nada é esmagado debaixo da composição. Depois que o trem vai embora, a vida continua em Maeklong.

É um espec­tá­culo digno de se ver, como no vídeo abaixo, mas dizem que esse espetáculo pode ter os dias con­ta­dos. Prevê-se para breve a aber­tura de um grande super­mer­cado que, de certa forma, pode acabar com o futuro dessa feira tra­di­ci­o­nal. É melhor apressar-se, por­tanto, se qui­ser ver a banda pas­sar… Digo, o trem passar em Maeklong.

 

 

 

Fonte:

http://www.amusingplanet.com/

Atualidades, Family, Novidades, Sabedoria

Dez profissões em baixa (parte 2 de 2)

(continuação do post anterior, que fala das profissões em baixa, segundo os headhunters)

Psicologia

Crianças brincando na Associação Lugar de Vida – Centro de Educação Terapêutica do Instituto de Psicologia (IP) da USP

Recém- formados em psicologia têm dificuldade em abrir clínicas e conseguir pacientes, que geralmente preferem os profissionais mais experientes. E, com a mudança no mercado de Recursos Humanos, que passou a absorver profissionais de outras formações para compor quadros organizacionais, as oportunidades diminuíram para quem não busca uma formação complementar em negócios.

Venda porta a porta

Executivo carregando mala

A área de vendas está aquecida, mas aquele tipo de vendedor que vai de porta em porta vendendo produtos é uma figura em extinção, de acordo com Thiago Sebben, diretor da Hays. “Hoje a gente fala em comércio eletrônico, então representante comercial que vai de porta e porta vai acabar”, diz. A dica é se adaptar às mudanças do mercado procurando qualificações complementares que permitam a ampliação da atuação na área comercial para não correr o risco de tornar-se obsoleto.

Pedagogia

professora em sala com as crianças

A necessidade de professores da educação de base existe e sempre vai existir, mas a carreira é pouco atrativa se levados em conta condições de trabalho e salários oferecidos. Por isso, diz Cuellar, têm mais chances os pedagogos que expandem a sua atuação, não ficando restritos a salas de aula. “Se o pedagogo se fechar em uma caixa fica mais complicado, ele pode pesquisar e inventar novos métodos de ensino, é uma possibilidade”, diz Cuellar.

Serviço Social

assistente social

As oportunidades de trabalho para assistentes sociais também são mais raras, de acordo com a consultoria Michael Page. “Não tem vaga para trabalhar de assistente social dentro de uma empresa”, lembra Cuellar. Setor público e terceiro setor geralmente absorvem estes profissionais, mas não 100%, já que a oferta de formandos é maior do que a demanda. “Mas, se o profissional estiver atento à demanda pode migrar para outras áreas, como recursos humanos, por exemplo, e buscar formação complementar”, diz Cuellar.

História

CAPH – Centro de Apoio à Pesquisa em História. Entrada e armazenagem de novas dissertações e teses

“Se o profissional quiser ser apenas historiador terá, como no caso dos geógrafos, o ramo acadêmico e de pesquisa”, diz Cuellar, para justificar a restrição do mercado de trabalho. Mas ele indica que há outras possibilidades para quem for flexível. “O historiador pode ser roteirista de seriados históricos, por exemplo”, lembra. “É questão de abrir a cabeça e procurar uma qualificação complementar”, diz Sthaell.

Nos próximos posts, vou falar de cargos e especializações onde o salário pode passar de R$ 30 mil por mês. Quem sabe você não se qualifica? E, depois, os posts seguintes vão comentar as profissões que podem ficar aquecidas nos próximos anos, além das boas oportunidades no setor público. Um serviço de utilidade pública do blog O TrecoCerto!