Propagandas antigas curiosas, divertidas ou politicamente incorretas

É muito interessante a gente voltar no tempo e observar como os costumes mudam. É natural, a sociedade evolui (em alguns casos, involui, rsrsrs) e também os costumes e as preferências das pessoas.

Acreditar que a vida era melhor em nossa época de juventude não significa, necessariamente, que isso seja verdade. O que muita gente faz é supervalorizar certos momentos da infância, atribuindo-lhes qualidades que, muitas vezes, existem apenas na lembrança.

Muitos lembram da vida mais simples, jogando bola em campos de terra, subindo em árvores para comer fruta, etc. De fato, coisas boas ficam marcadas. Mas e as dificuldades? E o trabalho de tirar água do poço? E o fato de os banheiros serem cabanas externas sem ligação com as casas? E os ferros de passar roupa, aquecidos a carvão? E se você ficasse doente, qual era o hospital mais próximo?

Deixando essa discussão mais aprofundada para outro momento, a publicidade sempre foi um balizador e termômetro da vida em sociedade, um espelho do que se consumia e do que se acreditava. Veja só alguns exemplos…

  • Imagine como era um milagre, em 1937, você poder ligar para sua mãe no Natal? lembrando que isso era para os poucos que tinham telefone em casa!
  • Propaganda da Shell veiculada em 1942, período da II Guerra Mundial, incentivando a economia de combustível.
“Petróleo é munição – economizemos para a defesa” dizia o slogan da companhia.
  • Neguinho já tacava fogo na babilônia naquela época… Com o nome de ˝cigarros índios˝ a cannabis era vendida livremente na São Paulo do início do século 20.
  • Comentei acima sobre a mudança de costumes e preferências… Veja que em 1926 mulher magra estava em baixa, a preferência era por uma mulher com vários quilos de carne sólida!
  • Não é o que você pode estar pensando… A referência é a um pinto, uma moeda portuguesa, nesse anùncio de 1913. Quem sabe os amigos portugueses possam confirmar essa informação!
  • Apenas mera coincidência eu ter selecionado este anúncio maluco… Dória, o elixir, era um sucesso contra o bafo de bode e problemas do estômago nos idos de 1930. Qualquer semelhança do ser chifrudo sendo engolido com a palavra ´Não Temer´ é mera coincidência, reforço.
  • Agora, vamos avançar algumas décadas para as propagandas coloridas. Esta foi muito veiculada nas revistas de 1957. O Sabonete Cinta Azul garantia a qualidade do produto até o fim: “um sonho de sabonete, conserva todas as suas qualidades até ter atingido a espessura de uma folha de papel”.
  • Em 1944, a Loteria Federal promovia o prêmio de 1 milhão de cruzeiros (hoje, a grosso modo, um valor próximo a R$ 4 milhões). Um anúncio chamativo, em cores fortes, com os dizeres: “O seu dia chegará”.
  • Com foco no restabelecimento do apetite nas crianças, o Emulsão de Scott apresentou este anúncio nas revistas em 1954: “Minha filha já tem apetite / Era criança sem vida”. O fortificante era apresentado como responsável por restabelecer a saúde da criança: “Passou a ter boas cores, a comer bem”. Seu concorrente era o Biotônico Fontoura.
  • O anúncio do Leite Ninho, de 1960, mostra um mãe cuidadosa e atenta na alimentação das crianças.
  • Esta saiu muitas vezes na revista O Cruzeiro, também nos anos 1960.

Daria para fazer um panorama de nossa História apenas analisando as propagandas que eram veiculadas em jornais e revistas e, mais tarde, na televisão – sem esquecer o rádio, claro. E, hoje em dia, incluindo sites e redes sociais. Até que é uma ideia…

ATUALIZAÇÃO

Mário Rubial, “dono” da nossa página PAPO DE BOTECO, de crônicas divertidas e saborosas, comentou aqui sobre uma famosa propaganda que era veiculada nos bondes. Como era o modo de transporte mais utilizado, não demorou muito para que os bondes passassem a ostentar publicidade interna e externamente.

No início, os passageiros não gostaram da novidade, mas acabaram se acostumando com os paineis e talvez a publicidade mais famosa de todas, e que faz parte da memória coletiva do brasileiro, seja a do Rhum Creosotado

Os versos são de Ernesto de Souza (farmacêutico, teatrólogo, músico e compositor) e criador desse remédio, com farta propaganda em jornais, revistas e, principalmente, nos bondes.

O anúncio acima é de 1940, com desenho de J. Carlos, o mais famoso cartunista da época.

O tema seria recorrente na publicidade do produto, como na bem-humorada versão acima, nos bondes dos anos 1950, em que o “tipo faceiro” era uma mulher de maiô.

Para quem nunca conheceu os bondes, fiz um breve resumo de sua história na cidade.

O bonde, por muitas décadas, foi o principal meio de transporte dos moradores de São Paulo. Os primeiros registros desse transporte são datados de 1872, quando São Paulo contava com um serviço de bondes puxados por tração animal, chamado de bonde a burro.

A primeira viagem desse modal foi feita entre a Rua do Carmo e a Estação da Luz, que nada mais era do que um entreposto comercial entre o interior do estado, grande produtor de café, com o Porto de Santos, destino final daquelas sacas e dos barões que embarcavam nos navios para conhecer a Europa.

Quase 30 anos depois, após adaptações e negociações, surgem os bondes elétricos na cidade, graças à Light, empresa que teve intensa participação na formação da cidade. A primeira viagem de bonde elétrico foi feita no dia 7 de maio de 1900. Em três décadas, a demanda foi tão grande que, nos anos 30, a cidade chegou a ter 160 quilômetros de trilhos, quase o dobro dos atuais 96 quilômetros de Metrô que São Paulo tem nos dias de hoje.

Em 1947, após a não renovação do contrato com a Light, a operação dos bondes passou para recém-criada Companhia Municipal de Transportes Coletivos (CMTC). De todas as capitais que tiveram esse modal, São Paulo foi a que mais tempo teve os bondes circulando pelas suas ruas: em 27 de março de 1968, um bonde que atendia a linha Praça da Sé-Santo Amaro circulou pela última vez pela cidade.

Fontes:
facebook.saopauloantiga/photos; 
internet
sampahistorica.wordpress.com
novomilenio.inf.br
wikipedia

Grandes lojas que foram marcos em São Paulo

Relembre o passado do comércio paulistano

Grandes lojas que pareciam imunes à crise financeira acabaram fechando suas portas ou por falência ou porque foram incorporadas a empresas maiores, uma prática comum há muito tempo. Assim, varejistas muito conhecidos acabaram sendo esquecidos pelo tempo ou estão nesse processo. Relembre grandes nomes do comércio do passado, de diversas especialidades.

•    Mappin
Quando pensamos em “grandes lojas que não existem mais”, o nome do Mappin é o primeiro que nos vem à mente. Cartão postal da cidade desde 1913, quando foi fundado, a sede da Casa Anglo Brasileira na Praça Ramos foi um dos pontos mais conhecidos da capital por muito tempo. Abriu diversas filiais no decorrer dos anos. Sua loja da Avenida São João se tornou a primeira da metrópole a contar com estacionamento próprio, uma novidade absoluta nos anos 50. Decretou falência em 1999.

•    Mesbla
A segunda loja de departamentos mais lembrada da cidade foi, na verdade, fundada no Rio de Janeiro como subsidiária de uma companhia francesa especializada no comércio de máquinas. Nos anos 80, tinha mais de 180 lojas por todo o Brasil. Dificuldades na década seguinte levaram a Mesbla a perder todo seu valor. Foi comprada pelo Mappin em 1996. Com a falência, três anos depois, as duas marcas mais conhecidas do público em lojas de departamentos acabaram de uma só vez. Em 2010, foi relançada como um e-commerce, mas a iniciativa não deu certo e logo saiu do ar.

•    Arapuã
Uma das lojas mais conhecidas em vendas de eletrodomésticos teve sua origem no interior de São Paulo, em Lins, no ano de 1957. Nos anos 1990, era uma das maiores varejistas do Brasil, rivalizando com as Casas Bahia e o Ponto Frio. Entrou em recuperação judicial nos anos 2000, com uma dívida de mais de 1 bilhão de reais.

•    G. Aronson
Fundada em 1944 em São Paulo para comercializar casacos de pele, a rede chegou a ter 38 lojas no estado vendendo eletrodomésticos. Sua falência foi decretada em 1998.

•    Sears
A gigante americana fazia muito sucesso na cidade nos anos 1980, e sua maior loja era onde se encontra hoje o Shopping Pátio Paulista. A rede chegou ao país em 1949 e tinha onze filiais quando decidiu encerrar suas atividades no Brasil, no início dos anos 1990. Há alguns anos, foi anunciado que a rede voltaria ao Brasil, mas nada de concreto ainda apareceu.

•    Jumbo-Eletro
Nos anos 40, surgia no Brás uma oficina de conserto de rádios que, com o passar dos anos, diversificou suas atividades, vendendo também equipamentos e eletrodomésticos em geral, chamada Eletroradiobraz. Na década de 1970, a rede, já gigantesca, inaugurou seu primeiro supermercado, tendo como símbolo uma baleia, para fazer concorrência ao primeiro hipermercado do país, o Jumbo, do Grupo Pão de Açúcar, cujo símbolo era um elefante. Em 1976, o Jumbo incorporou a Eletroradiobraz, surgindo o Jumbo-Eletro, que passou a ser a maior rede de lojas e supermercados do Brasil. Os supermercados da rede passaram a ser conhecidos como Pão de Açúcar, os hipermercados passaram a ser Jumbo-Eletro e os magazines, simplesmente Eletro. Hoje, o GPA, do grupo francês Casino, é dono das marcas Pão de Açúcar, Compre Bem, Assaí e Extra, entre outras.

•    Ducal
Fundada em 1950, a conhecida loja de roupas masculinas teve seu auge nos anos 1960 e 1970. Com filiais em três estados brasileiros, era especializada em moda para homens, com peças bem cortadas, mas não impecáveis, barateando assim o preço. Sua última loja foi fechada em 1986.

•    Peg Pag Supermercados
O primeiro supermercado da capital foi inaugurado em 1957 e era uma completa novidade. Todo mundo queria ver aquele lugar em que você mesmo pegava as mercadorias e depois levava ao caixa pra pagar. Peg Pag foi um dos nomes mais conhecidos do ramo até 1978, quando foi incorporado pelo Grupo Pão de Açúcar. Hoje, existem alguns supermercados com esse nome espalhados pelo país, mas eles nada têm a ver com o original.

•    Casas Buri
Começou como uma loja de tecidos em 1942 e passou a vender também eletrodomésticos nos anos 1970. Chegou a ter mais de 200 lojas em São Paulo, Paraná e Centro-Oeste do Brasil. Em 1992, a marca foi comprada pelo Ponto Frio, que rebatizou todos os endereços.

•    Lojas Pirani
“Uma loja dos sonhos” era como definiam a Pirani no início dos anos 1970. Localizada no Brás, era conhecida por sua decoração de Natal, a mais caprichada da cidade naqueles tempos. Possuía também uma loja de cinco andares no Edifício Andraus, e foi confirmado que lá se originou o famoso incêndio que destruiu o prédio em 1972, por negligência técnica. Os donos tiveram que ressarcir as famílias das vítimas do incêndio, o que levou a loja à falência.

•    Ultralar
A Ultralar foi uma loja de departamentos fundada em 1956 e fazia parte do grupo Ultragás. Como os fogões a gás ainda eram raros no país, a Ultragás montou uma loja para vendê-los e alavancar o negócio de gás de cozinha. A rede cresceu e se diversificou, abrindo inclusive um hipermercado nos anos 1970, o Ultracenter, na Marginal Pinheiros, mais tarde comprado pelo Carrefour. No ano 2000, foi decretada a falência da Ultralar e a maioria das suas lojas foi comprada pelas Casas Bahia.

•    Hi-Fi Discos
A partir do final dos anos 1980, tradicionais lojas de discos, como Breno Rossi, Bruno Blois, Museu do Disco e Hi-Fi Discos, começaram a ter sua clientela reduzida, primeiro graças às gravadoras, que preferiam mandar seus produtos para grandes magazines e supermercados. Depois, a popularização da música digital, que praticamente aboliu a mídia física da vida dos clientes e decretou o declínio do ramo. Assim, assistimos ao fim de lojas em que os amantes da boa música costumavam passar os dias atrás de novidades e raridades.

A Exposição-Clipper

Aqueles que viveram a partir da segunda metade do século passado se lembrarão das lojas “A Exposição-Clipper”. Com loja central no Largo Santa Cecília em São Paulo e outras unidades na mesma região, disputavam espaço com o Mappin, Garbo, Mesbla, Ducal, Pirani, entre outras. Ela foi a responsável pela criação de uma data muito comemorada no Brasil, o “Dia dos Namorados”. Um publicitário chamado João Dória, pai do atual governador de São Paulo, foi contratado para elaborar a peça publicitária que fez com que o 12 de junho se tornasse marcado todo ano para os namorados brasileiros. A escolha dessa data aconteceu em 1945, com a percepção de que junho era um mês fraco para os negócios, pois o Dia das Mães já havia passado e a próxima comemoração boa para as vendas seria apenas em agosto, com o Dia dos Pais. Além disso, a data escolhida era próxima do dia de Santo Antônio, o famoso santo “casamenteiro”, em 13 de junho. As lojas Clipper eram dedicadas às roupas e acessórios femininos e a Exposição ao público masculino. Fechou as portas nos anos 1970.

Fontes:

Wikipedia

Veja São Paulo

Os Banhos da Sereia

Largo São Bento em 1887. No centro a Rua São Bento

Largo São Bento em 1887. No centro, a Rua São Bento.

É difícil imaginar, mas houve uma época em que as casas de São Paulo não tinham banheiro. Não apenas as casas pobres, mas nenhuma casa tinha banheiro. Existiu até um pequeno móvel, uma espécie de cadeira com o assento vazado para melhor acomodar o traseiro e o penico colocado por baixo. Consta que os serviçais de D. João VI sempre levavam uma cadeira dessas nos passeios do rei1, porém nunca encontrei qualquer referência a tal artefato em São Paulo. Não faço ideia do que faria uma visita a uma casa de família em caso de aperto.

Cadeira - sanitário

Cadeira – sanitário

Quanto aos banhos, bem, estes eram de bacia mesmo. Uma memorialista nos conta que, após os trabalhos costumeiros na “sala de costura”, à noitinha, as pretas costureiras levantavam acampamento e “iam preparar os quartos para a noite, colocar velas nos castiçais e arear as bacias para os banhos”. E essa memorialista pertencia a uma das famílias mais abastadas de São Paulo na segunda metade do século XIX2.

Somente no final do século XIX, com o abastecimento de água um pouco melhor, foram desativados os últimos chafarizes públicos. Ao mesmo tempo criava-se uma limitada rede de esgotos, que eram lançados no Rio Tietê sem nenhum tratamento.

Então, algumas casas passaram a contar com banheiros. Mas somente as casas ricas. As mais simples ainda usavam o velho sistema. Zica Bergami (1913-2011), compositora de “Lampião de Gás”, relatando sua infância, conta que “naquela época, só havia toilettes nos grandes palacetes dos bairros ricos. Os menos favorecidos tinham que se arranjar com tinas ou bacias enormes ou, então banhavam-se à noite, nos tanques dos quintais, depois que todos dormiam3.

No século XIX eram comuns, nos grandes centros europeus, as casas de banhos, porém em São Paulo a primeira notícia que se tem de uma casa de banho é de fevereiro de 1857, quando Carlos Pedro Etchecoin anuncia a abertura de sua casa Banhos de Saúde, na Rua do Carmo,3. Oferecia “banhos de lavagem ou de vapor, segundo o gosto ou a necessidade de cada um4. Mas eram banhos de caráter medicinal, com acompanhamento médico. Não deve ter durado muito tempo, pois outro Etchecoin, agora João Luis Etchecoin e Companhia, proprietários do Hotel Quatro Nações, anunciava em 1863 também “banhos de corpo inteiro no dia 15”5.

A primeira casa de banhos de caráter não só higiênico, mas também com função social, somente apareceu em 1865. Chamava-se “A Sereia Paulista”. Foi inaugurada em 28 de setembro de 1865, para grande alegria do jornalista do Correio Paulistano que há algum tempo vinha se queixando da falta que fazia tal tipo de casa na capital. Seu proprietário era Bento Vianna e ficava na Rua São Bento, 1. O imóvel pertencia ao mosteiro de São Bento.

É a casa que vemos à direita da foto que abre a matéria. Era uma casa grande, ia da Rua São Bento até a antiga Rua São José, atual Líbero Badaró, onde era assobradada6. Tinha um poço para abastecimento de água, reservatórios, aquecimento e vários quartos com uma banheira de mármore em cada um. Um dos quartos era adaptado para “banhos de chuva7. Na sala da frente, “refrescos finos e bebidas de espírito”. Na época era propriedade de Henrique Schroeder.

Anúncio publicado no jornal O Correio Paulistano de 29-10-1865

Anúncio publicado no jornal O Correio Paulistano de 29-10-1865

No dia primeiro de janeiro de 1871, um personagem pitoresco adquiriu a Sereia Paulista8. Trata-se de José Fischer, um húngaro alto, barbudo e ranzinza que havia chegado ao Brasil no ano anterior. Fischer reformou a casa e, ao longo do tempo, transformou a sala onde eram servidas as bebidas em restaurante. Ficou famoso pelos bifes à Leipzig, que ficaram popularizados como bifes à cavalo. Por um bom tempo, tornou-se um bom programa paulistano ir tomar banho na Sereia e depois jantar um bife com vinho húngaro, o que era uma novidade para os brasileiros.

Diz antigo cronista que o húngaro levava ao pé da letra a metáfora de não tolerar que na sua casa ninguém falasse mais alto que ele. Sabendo disso, os estudantes, por gozação, entravam em fila e iam cumprimentando em tom cada vez mais alto e Fischer respondendo ainda mais alto. No final da fila, estavam todos aos berros9.

Ele somente recebia clientes masculinos e sua casa era muito frequentada pelos membros da colônia alemã. Quanto à sereia, ficava somente no nome e numa pintura feita por Nicolau Huascar que servia de emblema da casa10. Um viajante, Karl Von Koseritz, que certamente conhecia casas de banho europeias, visitando São Paulo em 1883, foi levado para uma visita à Sereia Paulista e relatou: “Os meus leitores hão de compreender que fui à sereia com as maiores esperanças e com água na boca, mas a desilusão foi completa. A sereia se nos apresentou sob a forma de um corpulento e amplamente barbado senhor Fischer, um húngaro, que é o proprietário dessa taverna, reconhecidamente a melhor de São Paulo”11.

Fischer importava vinhos da Hungria, principalmente dos tipos Tokay, Ménesi e Ruszti, porém espalhou-se o boato de que o vinho servido na Sereia era produzido com água do rio Tietê. Cansado das boatarias, Fischer mandou publicar nos jornais um anúncio oferecendo um conto de réis a quem provasse que seu vinho não era da Hungria, caso contrário ficaria passando por mentiroso12. Esquentado, não?

Anúncio publicado no jornal A Província de S. Paulo de 21-12-1887

Anúncio publicado no jornal A Província de S. Paulo de 21-12-1887

Em 1886, Fischer talvez já estivesse um pouco cansado do negócio, pois colocou a Sereia Paulista à venda13. Não deve ter conseguido nenhuma boa proposta de negócio, porque somente em 1891 é que passou a casa a uma Companhia Sereia Paulista que, apesar de ter planos de construção de um prédio maior, acabou entrando em liquidação dois anos depois14.

José Fischer retirou-se para Dassau, Alemanha, onde faleceu em 189815.

 

 

Notas
1 – GOMES, Laurentino, 1808, Editora Planeta do Brasil, 2007, pág. 302.
2 – BARROS, Maria Paes de, No Tempo de Dantes, São Paulo, Paz e Terra, 1998, pág. 19.
3 – BERGAMI, Zica, Onde estão os Pirilampos?, João Scortecci Editora, São Paulo, 1989, pág. 18.
4 – Jornal Correio Paulistano de 12-02-1857.
5 – Jornal Correio Paulistano de 08-01-1963.
6 – NOGUEIRA, Almeida, A Academia de São Paulo – Tradições e reminiscências, Nona série, 1912.
7 – Jornal Correio Paulistano de 26-09-1865
8 – Diário de São Paulo de 01-01-1871
9 – Ver nota 6.
10 – Correio Paulistano de 01-10-1865.
11 – BARBUY, Heloísa, A Cidade-Exposição, Comércio e Cosmopolitismo em São Paulo, 1860-1914,Editora da Universidade de São Paulo, 2006.
12 – Jornal A Província de S. Paulo de 21-12-1887.
13 – Jornal Correio Paulistano de 05-05-1886.
14 – Jornal O Estado de S. Paulo de 06-08-1893.
15 – Jornal O Estado de S. Paulo de 19-02-1898.

 

Fonte:

Edison Loureiro, saopaulopassado.wordpress.com

12 incríveis fotos da São Paulo antiga

Sempre visito o site de Douglas Nascimento, jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, que edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).  Na minha última visita, me deparei com uma postagem fantástica que reproduzo aqui e para a qual dou o devido crédito, no final. Ela é especialmente interessante para quem mora na cidade de São Paulo e pode comparar o “ontem” com o “hoje”…

 

São Paulo é uma cidade que, como qualquer outra grande metrópole, sofreu muitas transformações ao longo do século 20. Porém, poucas cidades chocam tanto pelos contrastes entre o passado e o presente como a capital paulista. Para mostrar o quanto essas transformações foram profundas (e nem sempre benéficas), fizemos uma seleção de 12 antigos cartões postais paulistanos do passado, produzidos entre 1921 e 1967,  para mostrar uma São Paulo que praticamente não existe mais.

1 – Cidade sem trânsito

Quem poderia imaginar, nos dias de hoje, uma vista tão tranquila e quase deserta da movimentada Avenida 9 de Julho? No lado esquerdo do postal, o Edifício Brasilar ainda em construção, e no lado direito ainda não existia o famoso Edifício Joelma.

Crédito: Divulgação

2 – Carros mais coloridos

Pode parecer bobagem, mas a ausência de carros das mais diversas cores nas ruas contribui com o visual frio e acinzentado da capital paulista. Neste postal do Largo do Arouche, cor é o que não falta. Ao fundo, bem no horizonte, o Edifício Itália em fase final de construção.

Largo do Arouche

3 – Sai um cartão postal, entra outro

No mesmo lugar, dois ícones da capital paulista. No postal, a antiga e inesquecível Vila Normanda, um verdadeiro pedaço da Europa em São Paulo, ainda de pé, e que seria demolida alguns anos mais tarde, para a construção do Edifício Itália. Qual você prefere ?

Avenida Ipiranga

4 – A dor de um parque que sucumbiu

Responda rápido: quantas vezes você desfrutou do Parque D. Pedro II ? Se você tem menos de 40 anos, é bem possível que nunca tenha aproveitado. Uma área verde que tinha tudo para ser o mais belo parque urbano do Brasil, hoje tem horários que dá até medo de passar. Mas no passado, como mostra o postal a seguir, era um lugar com uma beleza de tirar o fôlego.

Parque Dom Pedro II

5 – Cadê as faixas de trânsito ?

Neste incrível cartão postal da Praça da Bandeira (peraí, cadê a praça  ?), uma amostra de que o trânsito paulistano já dava seus primeiros passos rumo ao caos, com a total ausência de faixa de pedestres, além de pessoas e carros trafegando para todos os lados sem muita orientação.

Praça da Bandeira

6 – A “Broadway” paulistana

A Lei Cidade Limpa, criada na gestão do prefeito Gilberto Kassab, foi bastante benéfica para a cidade. Mas é impossível não gostar da Avenida São João neste raro postal colorido da década de 1960, e também não lembrar da Broadway em Nova Iorque.

Avenida São João

7 – Tardes tranquilas no aeroporto

Os mais novos não tiveram esse prazer, mas quem teve não esquece. Passar a tarde no café do Aeroporto de Congonhas observando o sobe e desce dos aviões devia ser uma grande diversão… para todas as idades.

Aeroporto de Congonhas

8 – Jardins do Museu Paulista

Neste belo postal colorido da década de 1950, o calçadão do Museu Paulista, hoje uma meca para os skatistas, ainda não existia e ali era liberado ao trânsito de veículos. No lado direito, uma publicidade de marca de cigarro nos jardins do museu.

Museu Paulista

9 – Onde estão todos ?

Neste postal da Avenida Brigadeiro Luís Antônio da década de 1920, uma via absolutamente deserta. No lugar do ruído dos ônibus articulados de hoje, apenas dois bondes  e algumas poucas carroças.

Avenida Brigadeiro Luis Antonio

10 – Um centro mais charmoso…

Embora muitos apreciem os modernos prédios paulistanos que foram construídos tanto na Rua Líbero Badaró, como na Praça do Patriarca, é inegável que a região era muito mais charmosa quando ainda existiam os Palacetes Prates e o antigo prédio do Mappin, que foi demolido para dar lugar a um arranha-céu de um banco.

Palacetes Prates

11 – O Palácio 9 de Julho

Na época deste postal, o magnífico Palácio das Indústrias tinha outro nome. Porém, o que mais chama a atenção nesta imagem é a beleza e a elegância da região, que foi arrasada com obras viárias mal planejadas, como o Viaduto Diário Popular. Será que veremos novamente a região tão bela como nesta imagem ?

Palácio das Indústrias

12 -Calçadas mais estreitas…

Por fim, neste postal da década de 1930, um Largo São Francisco não muito diferente dos dias atuais. Se o prédio permanece o mesmo, as calçadas era um tanto quanto diferentes, muito estreitas.

Largo São Francisco

 

Fonte:
http://www.saopauloantiga.com.br

Carros nacionais antigos

O Brasil fabricou algumas carroças, mas também tinha alguns carros até legais. As fotos abaixo vão mostrar aos mais novos como eram alguns desses carros e fazer os mais velhos recordar.

Ford Maverick 6 cilindros

O Maverick 1974 bebia muito e andava pouco, mas o espaço dos passageiros era generoso!

Volkswagen Apollo GLS

Em 1990, a Ford e a VW unidas durante um tempo na Autolatina lançaram o Apollo. Sua pintura era sempre metálica e vinha com diversos itens de série, como vidros elétricos, aquecimento e ajuste lombar nos bancos.

A VW começou a fabricar o Karmann-Ghia em 1962, e foi até 1971. Seu estilo elegante fez sucesso durante muitos anos, o problema era o espaço interno, muito apertado.

A Vemaguet, da DKW-Vemag, foi produzida entre 1958 e 1967. De mecânica simples, agradou pela simpatia e até 1963, as portas abriam ao contrário, da frente para trás, e o carrinho ficou conhecido como “DechaVê” (referindo-se às mulheres que entravam no carro usando saias…)

A bordo dele, ninguém chamava carro brasileiro de carroça. Fabricado de 1959 a 1967, era sofisticado e completíssimo para a época.

O bom e velho Passat foi feito no Brasil entre 1974 e 1988. Sempre foi uma linha importante para a VW, e hoje é sinônimo de elegância, sofisticação e tecnologia.

O Ford Galaxie 1970 (da foto) já vinha de fábrica com ar condicionado e direção hidráulica, itens que são opcionais de muitos carros até hoje. Vinha com pneus de faixa branca, paineis de jacarandá nas portas e no console, muito conforto e era o sonho de consumo da alta sociedade.

Falta falar do Opala, do Kadett, da Kombi e do Fusca, Puma, Chevette, Brasília, Dodge Charger, Rural, Veraneio… Até que o Brasil fabricou um bocado de carros inesquecíveis…