Voo mais longo do mundo: mais luxo e mais espaço

(Bloomberg) — Os voos de longa distância que dão meia-volta no planeta estão voltando, mesmo com os preços do petróleo próximos do valor mais alto em quatro anos. Cerca de seis meses depois que a Qantas Airways iniciou um  serviço direto de Perth (Austrália) a Londres (Inglaterra), a Singapore Airlines voltará a oferecer seu trecho de 16.750 quilômetros para Nova York (EUA) a partir de 11 de outubro e recuperará o título de voo comercial mais longo de todos.

Os avanços tecnológicos e a chegada de aviões que consomem menos e carregam mais combustível estão ajudando a viabilizar novamente a rota de Singapura, com uma duração de 18 horas e 45 minutos, cinco anos depois de o barril de petróleo a US$ 100 ter contribuído para que o voo fosse eliminado.

No mês passado, a Singapore Airlines recebeu a primeira das sete aeronaves A350-900 Ultra Long Range que usará nessa rota e nos 
voos diretos para Los Angeles a partir de novembro. A Qantas pediu à Boeing e à Airbus que projetem aviões com maior autonomia de voo ainda –de Sidney (Austrália) a Londres ou a Nova York.

Para aqueles que tremem só de pensar em ficar fechados quase 19 horas em um tubo de 67 metros a 10 mil metros de altitude, isto é o que se pode esperar do voo do Aeroporto Changi ao Newark Liberty International.

Mais espaço

Esqueça a “lata de sardinha”. O avião da Airbus que fará essa rota transporta no máximo 161 passageiros, em comparação com 253 nos aviões A350-900 atuais da companhia aérea. Isso significa mais espaço, com 67 assentos totalmente  reclináveis em uma distribuição 1-2-1 na classe executiva, e 94 lugares na classe econômica premium, a maior parte com uma disposição 2-4-2 na parte de trás.

Embora os assentos da classe econômica premium ofereçam uma reclinação  de 20 centímetros, o espaçamento –a distância entre o seu assento e o da frente– é a medida padrão de 96 centímetros, 10 centímetros a menos que em alguns voos de longa distância da Japan Airlines.

Refeições ideais

A Singapore Airlines diz que, nas rotas superlongas, servirá refeições que tentarão compensar o efeito de ficar preso em um assento durante um dia.

O “Cardápio de Bem-Estar” da empresa aérea inclui, por exemplo, ceviche de camarão, frango orgânico e pappardelle com abobrinha. Uma parceria com a Canyon Ranch proporciona “recomendações e estratégias científicas para melhorar o sono, opções de refeições equilibradas e exercícios para melhorar a circulação”.

Internet

Para o passageiro viciado em internet preocupado em ficar incomunicável quase um dia inteiro, o voo oferece Wi-Fi pago. Uma passagem de classe executiva recebe 30 megabytes de dados grátis. Um adicional de 20MB, o suficiente para passar uma hora no Facebook, custa US$ 6, e pacotes maiores oferecem até 200MB por US$ 28.

A Singapore Air diz que a velocidade dos dados pode ser de 4 a 8 Mbps, dependendo dos usuários ativos, da cobertura por satélite e das condições meteorológicas.

Fonte:

Angus Whitley e Kyunghee Park, com a colaboração de Adrian Leung

Quanto custa uma bolsa de marca?

Cansei de ver pessoas nas vitrines com olhar melancólico de quem quer mas não pode ter: “É tão caro!”

Outro dia, passando numa loja do bairro oriental de São Paulo, vi várias bolsas “alternativas” que copiavam as bolsas de marca. Você escolhia qual comprar e escolhia também o logotipo com a marca preferida: Gucci, Prada, Chanel… E muita gente comprava, pagando menos de 5% do preço da bolsa verdadeira, segundo a lojista.

Eram lojinhas e lojinhas, uma atrás da outra, oferecendo essa “barganha”. Aí, me perguntei: mas por que as bolsas de marca são tão caras? E quanto custa uma bolsa de marca, afinal?

Uma bolsa de marca custa MUITO caro

E tudo é muito caro no Brasil… Mas já voltamos a isso.

As bolsas de marcas são caras porque o processo de produção é artesanal, com materiais de alta qualidade e mão-de-obra especializada. Sem contar o tempo de produção, onde tudo é feito sem pressa. Uma bolsa Hermès, por exemplo, pode levar de 3 dias a duas semanas para ser feita. É uma produção que não se importa com a velocidade do mercado, e aí entra a questão da exclusividade. Há casos de bolsas de modelos especiais cuja lista de espera chega a 3 anos!

Dá uma olhada neste vídeo e vai entender um pouco como uma dessas bolsas exclusivas são feitas:

Outro fator que entra nessa análise é…

Qual o mercado das bolsas de luxo?

Exatamente esse. O mercado de luxo. Marcas como Dior, Channel, Louis Vuitton, Versace… vendem itens de luxo e estão posicionadas aí. Sejam bolsas, hotéis ou perfumes, se você quiser luxo, tem que pagar caro por isso.

E nessa questão mercadológica, existe um fator que explica muita coisa, ao menos para mim. O anseio em possuir uma bolsa (ou perfume) dessas responde a uma necessidade psicológica do ser humano. O encantamento, o desejo material, a exclusividade, o se destacar. Ser VIP é ser rico.

Tudo bem, já falamos que essas bolsas dos vips custam caro, falamos do motivo das pessoas ansiarem possuir um item desses, mas, afinal…

Quanto custa uma bolsa de marca?

Depois de passear pelo bairro oriental e ver quanto custa uma bolsa de marca “alternativa”, fui pesquisar o preço das verdadeiras bolsas chiques… e caí de costas (bem, isso foi um exagero, não caí porque estava sentado). Espie só:

FENDI

Fendi teve início em 1918 em Roma como uma loja especializada em pele e couro. Apesar de crescer como uma das marcas de luxo mais renomadas do mundo, o negócio manteve seu aspecto familiar, com o foco em detalhes finos, artesanato italiano e apoio aos artesãos locais.

Esta “Runaway Tote” custa hoje mais de R$ 13.600,00.

PRADA

Uma das marcas de luxo mais desejadas do mundo, a Prada cresceu de um fabricante de produtos de couro em 1913 até se tornar uma das maiores maisons de luxo da atualidade. Com Miuccia Prada, neta de um dos fundadores, à frente do negócio de família, a grife se expandiu a partir de uma verdadeira revolução, desde a inovação nos materiais usados nos produtos até lançar sua própria coleção prêt-à-porter na década de 90. A partir de então o renome da Prada só cresce posicionada como um símbolo de status premium.

A “Cahier” de couro está na faixa de R$ 17.000,00.

BALENCIAGA

Com Demna Gvasalia à frente da direção criativa da Balenciaga, a maison parisiense permanece entre as mais influentes marcas do mundo, unindo a tradição inovadora da grife com sua visão vanguardista.

Essa tote de couro é mais baratinha, está na faixa de R$ 15.000,00.

Falando em baratinha, temos ainda…

STELLA MCCARTNEY

Conhecida por seu compromisso ecológico, as bolsas da Stella McCartney apresentam materiais sustentáveis em designs descomplicados que adicionam leveza e elegância ao seu look, como não poderia diferente, sendo filha de Paul McCartney.

É o máximo, custa apenas R$ 8.570,00.

Quer saber quais as bolsas mais caras do mundo?

Eu mostrei algumas bolsas de marca que estão na faixa de preço acima de 8.000,00 reais. Mas isso é “peanuts” quando comparamos aos preços das bolsas realmente caras, megaultra exclusivas, que não sei quem possui mas que acho que vou depois pesquisar e mostrar num outro post.

São bolsas que estão na faixa de preço começando por 150 mil dólares e vão até uma bolsa que custa mais de 3 milhões de dólares! Claro que é uma bolsa fabricada nos Emirados Árabes e é adornada por 4.517 diamantes!

É essa aqui…

O que eu acho

Se você, minha querida ouvinte, tem poder de compra pra uma dessas bolsas – seja uma Stella ou a dos diamantes – seja feliz. Desfrute, já que pode. Geralmente, essas bolsas Gucci ou Channel duram muito e valem o custo-benefício.

E pense no trabalho do designer, do artesão, dom pessoal de marketing que cria campanhas publicitárias tão incríveis, de tanta gente que se empenha para produzir um item de tamanha qualidade, cuidando do seu item com carinho e não apenas como símbolo de status.

Dito isto…

Para encerrar, volto ao que comentei lá em cima…

Tudo é muito caro do Brasil

Ninguém discorda. Falando com pessoas entendidas e lendo, posso dizer que tudo começa porque nosso dinheiro é caro. Nossas taxas de juros são das mais altas do mundo e isso influi no custo de todas as mercadorias.

(pense na taxa de juros do cartão de crédito ou do cheque especial…)

Os banqueiros e o governo são parceiros nessa extorsão. E você não tem escolha. Não gostou do Itaú? Vá ao Bradesco e veja se é diferente. Ou ao BB.

Outro dia vi, de curiosidade, o preço num móvel na Ikea (que ia abrir uma loja no Brasil e desistiu por causa da burocracia e dos altos impostos) e outro, parecido, na Tok Stok. São móveis de baixo custo (em tese), bonitinhos mas ordinários, só que os preços… baixo custo é na Ikea, mesmo.

E as roupas e eletrônicos? Mesmo com o dólar nas alturas, vale muito mais fazer o enxoval do bebê ou comprar roupas se você viajar (para os EUA ou o bom e velho Paraguai…). Quem pode, vira contrabandista amador, porque a diferença dos preços é abissal. Sem contar o imposto de importação, que é tão absurdo que é para impedir a importação, para proteger a indústria nacional!

São vários os motivos que explicam isso. Somos um país que faz tudo para “proteger a indústria nacional”, como eu disse acima. Daí não temos concorrência e protegemos indústrias vagabundas de amigos do governo. Os produtos são vagabundos, quando comparados aos “de fora”, e aí temos a burocracia e os juros e impostos que esfolam o industrial e o consumidor.

Nossa economia é fechada

O fato de nossa economia ser tão fechada faz com que não só nossos preços sejam altos, mas que a qualidade seja baixa e a variedade inexistente. E isso afeta principalmente os mais pobres. Ricos não colocam dinheiro na poupança e nem estouram o cartão de crédito. Ricos não gastam sua renda comprando uma geladeira nova porque a velha queimou. Ou outro colchão porque o de casa rasgou de tão usado. Ricos são os donos das empresas protegidas pelo governo da concorrência. Ricos são os empresários que pegam empréstimos subsidiados no BNDES e pagam a perder de vista… quando pagam. São amigos dos governantes corruptos.

E, muitas vezes, são eles mesmos, os governantes e políticos, os donos das empresas.

São eles e seus amigos os que lucram com esse cenário.

E amedrontam os pobres – e o que restou da classe média – afirmando que o livre comércio causaria desemprego e pobreza.

Tudo é tão caro porque temos o que há de pior no capitalismo (a desigualdade de renda) com o pior do socialismo (ausência de concorrência, burocracia e ineficiência). e uma corrupção endêmica.

Se as coisas não fossem assim, se tivéssemos o livre comércio, haveria tantas vantagens… Graças ao livre comércio, os consumidores iriam gastar menos dinheiro em bens e em vários serviços.  E poderiam agora gastar mais dinheiro em outros bens e serviços, levando a um aumento da demanda e, logo, dos lucros nos setores que fornecem estes bens e serviços.  Consequentemente, haveria mais investimentos.  E essa maior taxa de investimento naturalmente levaria à criação de mais empregos nesses setores, contrabalançando qualquer eventual aumento no desemprego – que é o argumento principal de quem defende o protecionismo.

 

Olha, acho que meu próximo artigo será sobre isso. Aguardem!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes:

Wikipedia

correiodeuberlandia.com.br

e outras que não me lembro mais…

 

 

 

Fotos fantásticas de como eram as viagens de avião no passado

Em tempos de caos nos aeroportos, com voos atrasados e gente dormindo no chão – sem falar no overbooking – sabemos que o sufoco ainda não terminou: iremos enfrentar horas intermináveis em aviões com espaços apertados, comida ruim e banheiros minúsculos! Não são todos os que podem pagar (e muito caro!) para viajar com mais conforto. A grande maioria dos mortais voa de classe “econômica”, que eu chamo de “classe animals”, porque, mais um pouco e as companhias aéreas vão nos colocar junto com a bagagem…

A grande diferença é que, atualmente, os aviões são mais seguros do que no passado e que viajar de avião deixou de ser coisa para poucos. Mas… como eram as acomodações nos aviões antigamente?

Nas fotos a seguir, você vai ver como era o interior dos aviões, as refeições a bordo (esqueça os amendoins!), as poltronas enormes se compararmos com as de hoje… Era outra coisa, mesmo!

Olha o tamanho do compartimento para bagagem de mão!

Primeira classe de um Boeing 747 nos anos 1970.

Legal essa configuração, lembra a “salinha dos fundos”, disputadíssima nos antigos Electras que faziam a ponte-aérea Rio-São Paulo.

707 da PAN AM… Olha a refeição que era servida a bordo!!!!!

Era comum que muitos aviões tivessem bares com piano.

Lounge da primeira classe nos anos 70, em um Boeing 747.

Nos modernos aviões da Emirates, a primeira classe tem “aposentos” luxuosos que podem ter sido inspirados nestes…

Outra configuração que lembra a “salinha” dos Electras.

Esse beliche era muito interessante.

Observe o espaço desse banheiro!

Lounge de um 747 da America Airlines. Bons tempos!

Você notou que não havia cintos de segurança nas poltronas?

Como já foi dito, apesar da falta de conforto, as aeronaves de hoje são infinitamente mais seguras que qualquer uma dessas mostradas aqui. Mesmo assim, bem que as companhias aéreas de hoje poderiam pelo menos colocar poltronas mais espaçadas, não?

Mas acho que isso não vai acontecer. Li em algum lugar que uma companhia aérea, me parece que da Ásia, está estudando colocar passageiros de pé (como nos busões daqui do Brasil) em voos domésticos de curta duração…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:

tudointeressante.com.br

Hotéis ao redor do mundo de tirar o fôlego

Está pensando em sair de férias no final do ano?

Então, seus problemas acabaram. Esqueça a crise, o Joesley Safadão,  o Temer querendo comer morcela e se confundindo (é a idade, coitado…) e concentre-se em escolher um desses hotéis pra passar uma temporada.

São dicas que selecionei especialmente para quem sabe que dinheiro não traz felicidade, mas ajuda a afogar as mágoas com champanhe em Paris…

Kakslauttanen Igloo West Village

Na Finlândia. As diárias são a partir de USD$ 500.00 o casal e você fica nesses iglus transparentes da foto. Lá se pode pescar, esquiar, fazer trilha, equitação… Mas não demore, só há vagas a partir de fevereiro do ano que vem.

Ladera Resort, Montserrat

Uma amiga esteve nessa ilha do Caribe e adorou. O Ladera é um hotel muito simpático e o único que teve permissão para se instalar nesse local de frente para o mar, que é preservado pela UNESCO. A diária é a partir de USD$ 500.00 o casal e ainda há apartamentos para o Natal, se você quiser.

Rayavadee Krabi, Tailândia

Esse já sai um pouco mais caro, a diária do casal começa a partir de USD$ 900.00, mas também, você se hospeda num hotel com a praia na frente e a floresta tropical nos fundos! As avaliações dos hóspedes não poderiam ser melhores: “quartos grandes”, “atendentes simpáticos e educados”, “comida excelente”, “limpíssimo”… Olha, só há lugares para fevereiro do ano que vem!

Panchoran Retreat, Bali

Este é mais um retiro, para aqueles que desejam manter um contato mais próximo com a natureza e longe das baladas.  Os quartos são projetados para se harmonizar com o entorno e eles usam materiais locais sempre que possível.  As diárias para casal partem de USD$ 300.00.

Giraffe Manor, Quênia

Vamos sair da Ásia e dar um pulo no Quênia, na África. Já pensou em acordar em um hotel, no meio das férias, descer as escadas em direção à sala de café da manhã e deparar-se com girafas? Isso acontece no Giraffe Manor,  que fica em uma floresta nativa de 56 hectares a 20 km do centro da capital queniana, Nairóbi.

As “pescoçudas” ficam do lado de fora do prédio, construído nos anos 1930, e vão dar um “alô” aos hóspedes da porta de entrada, nos quartos e durante as refeições. Não há mais reservas para o final do ano, e para janeiro restam poucos quartos. As diárias de casal começam a partir de USD$ 1000.00

Astarte Suits Hotel, Grécia

gcom_melhores_hoteis_26

Vamos subir pelo continente africano e dar uma paradinha na Grécia.  Fica em Santorini, com paisagens de fazer cair o queixo e cozinha recomendada até pelos maiores chefs.  Só tem vagas em fevereiro do ano que vem, com diárias de casal a partir de USD$ 600.00.

Hotel Le Sirenuse, Costa Amalfitana, Itália

gcom_melhores_hoteis_18

E já que estamos em um local ensolarado, podemos ir à Itália.  Aqui você pode degustar ostras com uma taça de champanhe gelada, pode alugar um carrinho e ir a Sorrento, que fica apenas a 16 km, ou curtir a paisagem dos quartos espaçosos com varanda. Só há vagas a partir de março, baixa estação, a partir de USD$ 600.00 a diária de casal.

 

Gostou das sugestões?

 

Apartamento mais caro do mundo vai custar quase R$ 790 milhões em Mônaco

O desemprego na Espanha afeta mais de seis milhões de pessoas. A inflação no Brasil volta a arreganhar os dentes.  E olha o que acontece…

O apartamento com metro quadrado mais caro do mundo, no edifício Odéon Tower, está sendo construído no principado de Mônaco, e deve ficar pronto em julho de 2014. Mas os interessados devem preparar o bolso: estima-se que será preciso desembolsar até 256 milhões de libras (cerca de R$ 788 milhões) para morar no prédio.

No total, serão vendidos 70 apartamentos de luxo, com um a seis quartos disponíveis. O edifício terá 170 metros de altura –o segundo maior prédio da costa do Mediterrâneo. Além dos apartamentos “comuns”, estarão à venda duas coberturas duplex de 1.200 metros quadrados e, no topo do edifício, uma galeria completa de 3.300 metros quadros, cinco andares, com tobogã e piscina exclusivos.

Todos os apartamentos terão terraços com vista panorâmica e janelas do teto ao chão. Limpeza doméstica e serviços de valet serão acionados pelos moradores por meio de controles touchscreen instalados nos apartamentos. Entre os serviços do condomínio estão saunas, várias piscinas, spas exclusivos, porteiros 24 horas, limusines com motorista particular e cinema.

O principado de Mônaco, ainda com o Príncipe Rainier, aboliu a construção de prédios altos, preferindo autorizar aterros e construir mansões e prédios baixos. Isso em 1980. Mas quando o filho, Príncipe Albert II, subiu ao trono, em 2008, voltou a autorizar essas torres, alegando que os aterros eram prejudiciais à vida marinha. Esse Odeon é o primeiro a ser construído desde então, tendo sofrido muitas críticas desde o início, especialmente por parte dos moradores da cidade francesa vizinha de Beausoleil, reclamando da sombra do prédio, do prejuízo que causou à vista que tinham do mar e da desvalorização de suas casas. Mas, mesmo com todas as reclamações, o projeto não parou.

Aí fiquei pensando: será que vale a pena investir quase 1 bilhão de reais em um único apartamento? Mesmo com essa vista, essa mordomia toda, se eu comprasse a cobertura, que fica no 50º andar, teria 69 famílias morando debaixo de mim. Para o meu gosto, e por um pouco mais do que esse valor, eu compraria a Villa Leopolda, na Cote D’Azur, entre Mônaco e Nice.  Foi construída pelo Rei Leopoldo II da Bélgica em 1902 como um presente para sua amante, Blanche Zélia Joséphine Delacroix. O terreno tem 80 mil metros quadrados, cercado por jardins e bosques onde estão plantadas mais de mil oliveiras e árvores frutíferas. O interior da casa jamais foi fotografado e exposto publicamente, mas tem 29000 m² incluindo 11 quartos e 14 banheiros.

O metrô mais luxuoso do mundo

por tecmundo.com.br

Passeie pelo metrô de Dubai, o mais luxuoso do mundo

Dubai é, sem sombra de dúvidas, uma das cidades que mais cresceram nos últimos anos, graças à enorme quantidade de pessoas habitando a área. Mais do que isso, suas construções incríveis (para não dizer excêntricas) atraíram um enorme número de turistas, o que aumentou ainda mais as riquezas do local. Mas a cidade não estava preparada para um número tão grande de pessoas.

Para contornar esse problema, Dubai ganhou uma linha de metrô. Mas não pense que elas podem ser comparadas aos que encontramos no Brasil ou em qualquer outro lugar do mundo: esse metrô é um reflexo de toda a riqueza da cidade, com tudo que alguém poderia desejar em um sistema de transporte público. Confira logo abaixo algumas das características provam que o metrô de Dubai é o mais luxuoso do mundo.

O primeiro destaque das linhas de metrô de Dubai fica evidente assim que se entra no trem: muito espaço, assentos acolchoados e com encostos altos, apoios para braço individuais e até mesmo mesinhas para acomodar bolsas e afins (mas nem pense usá-la para comer, é proibido se alimentar no veículo ou na estação). E, como não poderia faltar em qualquer construção da cidade, um sistema de ar-condicionado em todos os vagões.

Vagão especial

Diferente dos metrôs encontrados na maior parte do mundo, as linhas de Dubai contam com um vagão especial, além dos comuns, que é dividido em duas cabines diferentes:

  • Women & Children Cabin: área exclusiva para mulheres e crianças, além de portadores de necessidades especiais;
  • Gold Class Cabin: área para quem busca por maior luxo, com bancos de couro, carpete e um design especial.

Se você está se perguntando qual o preço para ter acesso ao vagão especial, vale avisar que a entrada do vagão VIP é três vezes mais cara que a comum. Mesmo assim, você provavelmente não vai ligar de fazer tal investimento, pois o preço dessa entrada é de apenas 6 dirhams (aproximadamente 3 reais), muito menos do que pagamos hoje para usar os sistemas de transporte em boa parte do Brasil.

Qualidade também nas estações

As estações das linhas de metrô de Dubai são um show à parte, cada uma delas com uma arquitetura própria, mas todas impressionantes. Elas também assustam pelo tamanho: os locais são enormes, lembrando mais um shopping ou um aeroporto. É nessa linha também que está a maior de todas as estações subterrâneas já projetadas, a Union Square, com 67.000 m².