Interpretação de Texto – como você está nessa?

Tenho notado, e a cada dia que passa com mais frequência, a grande dificuldade das pessoas em interpretar textos. E não são apenas os jovens, não – aqueles que, segundo o entendimento comum, não conseguem ler nada mais extenso que um tuíte. Isso ocorre em todas as idades… Por isso, para ajudar com essa dificuldade, trago este post com algumas dicas.

1. Leia mais (eu sei que é clichê, então vou te dar alternativas bacanas)

Algumas pessoas mais espertas do que eu diziam o seguinte sobre leitura:

  • Quem não lê mal ouve, mal fala, mal vê. (Monteiro Lobato)
  • O homem que não lê bons livros não tem nenhuma vantagem sobre o homem que não sabe ler. (Mark Twain)
  • Ler é beber e comer. O espírito que não lê emagrece como o corpo que não come. (Victor Hugo)

Se você quiser interpretar melhor, você deve ter O QUE INTERPRETAR. Sabe, não adianta ficar querendo tapar o sol com a peneira e pedir para divindades que tudo dê certo. Querer todo mundo quer. Você tem que ter seu algo a mais. Leia.

“Pô, LER MAIS? Odeio ler!”

Não, você não odeia LER. Talvez odeie ler os livros chatos que os professores da escola indicavam quando você era criança. Machado de Assis? Blergh! Olavo Bilac? Parnasiano aguado! Manuel Bandeira? Não, não, não, por favor!

Para fugir disso e melhorar sua interpretação de textos, leia o que você achar delicioso. Vou te mostrar algumas boas opções para fugir do lugar-comum.

Histórias em quadrinhos

Tem muita gente que aprendeu a ler com Turma da Mônica ou com os gibis da Disney. E soube interpretar desde cedo que o Cebolinha falava “elado” porque ele era uma criança ainda aprendendo a falar com mais dificuldades do que as outras crianças.

Sites de fofocas

Exemplo: Papel Pop: os sites de fofocas colocam duplo sentido em um milhão de textos, e isso é fantástico para você. Toda vez que você não entender alguma coisa, pergunte-se: o que será que o autor do texto quis dizer com isso? Você começa entendendo frases simples nesse tipo de site e acaba conseguindo interpretar textos em geral.  Isso é muito legal, né não?

Livros infantojuvenis com personagens maaaais ou menos infantis

Não é por acaso que Stranger Things é uma das séries originais da Netflix mais adoradas. Ela tem um ingrediente fascinante para qualquer pessoa de qualquer idade no mundo inteiro: crianças pré-adolescentes ou adolescentes enfrentando coisas mais fortes do que elas. E esse roteiro não é novo: existe em Harry Potter, Percy Jackson, Jogos Vorazes, Guerra dos Tronos (sim, lá estão o Jon, a Dany, a Arya, a Sansa, o Jofrey, o Bran…) porque todo mundo adora uma creepy child (criança esquisita), e os livros relacionados a elas são do tipo que você começa pela manhã e só termina quando chega à última página.

Letras de músicas

Você está a fim de decorar uma nova música? Pegue a letra dela, não tente decorar somente pela cantoria da pessoa. Além de treinar sua interpretação, você treinará sua memória (é mais fácil decorar uma letra entendendo o sentido dela).

2. Veja se o sentido faz sentido

Eu já ouvi um incontável número de pessoas cantando músicas que não condiziam com a letra original, trocando totalmente o sentido da coisa. Isso acontece por dois motivos simples:

  1. o som da música não permite que as pessoas entendam direito o que se fala; e
  2. ninguém interpreta o que está cantando.

Quer alguns exemplos?

O texto original fala:

Na madrugada a vitrola rolando um blues
Tocando B. B. King sem parar

Não faz sentido, em um contexto comum, rolar um blues na madrugada e trocar de biquíni sem parar ao mesmo tempo!

Outra:

O texto original fala:

Eu perguntava “Do you wanna dance?” (Você quer dançar?)

Faz sentido você estar em uma festinha, conhecer alguém e perguntar as coisas em holandês? Só na Holanda, né?

E há vááários outros exemplos! Amar a pé, amar a pé… (amar até, amar até); Ôh Macaco cidadão, macaco da civilização… (Ôh pacato cidadão); Leste, oeste solidão… (S.O.S. solidão); São tantas avenidas… (São tantas já vividas); e assim vai!

A dica que fica é: o que você interpretou não fez sentido? Então procure ENTENDER o que você ouviu! Fazendo isso, você conseguirá conectar os fatos muito melhor e até memorizar mais rápido.

Em Interpretação, as palavras não são soltas, então não as trate como se estivessem ali sozinhas. Eu vou repetir.

Em Interpretação, as palavras não são soltas, então não as trate como se estivessem ali sozinhas.

Você ouve “trocando” “de” “biquíni” “sem” “parar”. Só que, se você junta tudo isso, o troço não vai fazer sentido algum! Não trate as palavras como se elas fossem solitárias.

3. Pratique com frases de motivação

Frases de motivação são umas lindas.  Elas são ótimas professoras de interpretação. Veja os exemplos (logo abaixo, há os significados das frases, caso você ainda esteja com a interpretação em baixa):

Perfeição é uma palavra capciosa. Ela denota algo positivo, mas leva a resultados negativos. Não busque a perfeição. Busque os resultados. Seja real.

Essa frase é de George Eliot. O sr. Eliot mal saberia que muitos anos após sua morte, muitas pessoas falariam coisas como:

“Eu tenho filhos.”

“Eu tenho pais.”

“Sou muito magro.”

“Sou muito gordo.”

“Não gosto de português.”

“Nunca me dei bem em matemática.”

Todos os dias pessoas têm algum motivo sem noção para desistir (ou para não entrar em ação). A idade é um dos campeões do desculpismo.

A verdade, entretanto, é só uma: ficar na inércia é que não vai trazer resultados a ninguém.

Colonel Sanders chegou a pensar no suicídio aos 65 anos de idade. Quando começou a escrever sua carta de adeus, decidiu falar tudo o que faria diferente para que sua vida tivesse seguido o rumo que ele sempre quis. Ao invés de se matar, Sanders começou a vender sua própria receita de frango frito de porta em porta. Aos 88 anos, o fundador do Kentucky Fried Chicken (KFC), nos Estados Unidos, tornou-se um bilionário.

Basicamente: coloque a mão na massa!

Existem milhares de outras frases de motivação por aí. Faça uma por dia. E, claro, interprete cada uma delas.

4. Interprete as Coisas em sua Vida – E Reflita sobre O Que os Outros Falam

Existe um livro em inglês chamado Happy for No Reason (Feliz sem Ter Motivo), da autora Marci Shimoff. De acordo com Shimoff, existem as pessoas que não são felizes, existem as pessoas que são felizes por algum motivo (geralmente por estarem com outras pessoas) e existem as pessoas que são felizes sem ter motivo.

No primeiro caso, de acordo com a autora, as pessoas estão em um estágio de depressão profunda; no segundo caso, as pessoas estão felizes, mas, como estão felizes por um MOTIVO, esse motivo pode ser retirado delas; e no terceiro caso as pessoas são felizes apenas por ser (entretanto, poucas conseguem chegar lá).

Um dos casos em que as pessoas buscam a felicidade por um motivo (aquela que pode ser tirada delas) é o da má interpretação. A pessoa se martiriza internamente por uma frase que pegou fora de contexto, ou cria algum tipo de raiva por algo que ouviu falar por terceiros, e a infelicidade a encontra.

Por isso, interpretar o que ocorre em sua vida dentro de um contexto lógico te ajudará em muitos aspectos. Em 90% dos casos, você perceberá que não é pessoal, e isso não será problema seu. Nos outros 10% (se for pessoal), o problema também não é seu.

5. Aprenda Gramática Aplicada ao Texto, e Não Gramática Pura

Querendo ou não, interpretar textos também significa aprender a Língua Portuguesa. Saber qual é o sujeito, qual é o advérbio, qual é o objeto indireto poderá te salvar de várias situações ruins.

O lance é que a gramática pura (por si só) não te ajudará em basicamente nada se você não conseguir aplicá-la. E aprender gramática consiste no seguinte:

Certo? Depois de muito treino, você estará com a preparação em nível avançado na interpretação de textos.

Que vai lhe servir em concursos, em provas de recuperação, em vestibulares e… pra não passar vergonha nas redes sociais e na vida em comum!

 

 

 

 

 

Fonte:

esquemaria.com.br  – Carol Alvarenga

Gírias antigas e o que significam

Gírias são palavras criadas para serem usadas como sinônimos mais populares para palavras já existentes. Cada década teve suas gírias mais marcantes e que hoje perderam o sentido. Afinal, com as redes sociais, praticamente a cada dia surge uma gíria nova…

O que eu acho legal, no uso da gíria, é a transgressão – as pessoas transgridem a norma “culta” pra se comunicarem de forma mais eficiente. E, claro, há o fato do modismo, e se a pessoa não usa, não se insere no meio. “Lacrar”, por exemplo.

A nossa língua, aliás, acho que qualquer língua, é viva e é influenciada pelo ambiente, pelos costumes, por aquilo que vem de fora. A norma padrão demora mais para se modificar, mas isto não quer dizer que ficará sempre igual. Só acho difícil ela assimilar os padrões da internet, com suas abreviações tipo “kd”… Duvido que um juiz vá colocar na sua sentença o “vc”…

Quer saber um pouco sobre as gírias antigas, muito antes das redes sociais? Vou replicar aqui o resumo de uma matéria e pesquisa muito legais da Thaís Stein, bacharel em Publicidade e Propaganda, e que foi publicada no http://www.dicionariopopular.com.

Quando alguma coisa é muito boa!

Bafafá

É o mesmo que confusão ou bagunça.

Barbeiro

É um motorista ruim, que não sabe dirigir direito.

Chá de cadeira

Tomar um chá de cadeira é o mesmo que ter que ficar esperando por muito tempo.

De lascar o cano

É o mesmo que dizer que algo é muito ruim.

Quando uma coisa é muito antiga… como esta gíria.

Boa pinta

É o mesmo que dizer que a pessoa é bonita, de boa aparência.

Broto

É o mesmo que garota bonita.

Bulhufas

Significa o mesmo que nada, coisa nenhuma.

Cafona

Uma coisa cafona é algo fora de moda, brega.

Significa que algo ou alguém é de se admirar. Foi popularizada pelo Roberto Carlos nos anos 1960. “Ele era uma brasa, mora!”

Fogo na roupa

É o mesmo que uma situação ou pessoa complicada.

Lelé da cuca

Uma pessoa lelé da cuca é alguém doido, maluco.

Da mesma forma que você diria “porra”

Chacrinha

É o mesmo que conversa fiada, sem objetivo.

Chato de galocha

Significa uma pessoa muito chata, insuportável. (conheço muitas…)

Entrar pelo cano

Significa se dar mal.

Grilado

É o mesmo que estar desconfiado de alguma coisa.

Patota

Uma patota é uma turma de amigos.

Da mesma forma que você diria “foda, isso aí”

Bode

Ficar de bode é o mesmo que estar de mau humor.

Viajar na maionese

É o mesmo que ficar imaginando coisas absurdas.

Pentelho

Significa o mesmo que pessoa muito chata, irritante. (tenho um sobrinho muito pentelho… e quem não tem?)

Antenado

Uma pessoa antenada é alguém que está por dentro das coisas, que entende.

Quando alguma coisa ou ideia sugerida está completamente errada

Azarar

É o mesmo que flertar.

Baranga

Significa “mulher feia”.

Bolado

É o mesmo que estar chateado ou bravo.

Bem, eu sei que tem muito mais, e se você se lembrar de algumas interessantes e divertidas, pode me mandar pelos comentários. Mas, atenção:

O PAULISTANO

Seu jeito de falar:

  • Chama o semáforo de “farol”.
  • Diz “bolacha” em vez de biscoito.
  • Diz “bexiga” ao invés de balão.
  • Diz “sorvete” tanto para picolé como para sorvete de massa.
  • Acha que não tem sotaque nenhum.
  • Ri do sotaque de todo mundo (carioca, mineiro, gaúcho, etc…)
  • Chama o carrinho de cachorro-quente de food-truck.
  • Paga o triplo e chama de “gourmet”.
  • Vê uma pessoa mal vestida e chama de baiano.

Viciado no clima:

  • Fala sobre a condição do tempo para puxar conversa com alguém.
  • Enfrenta sol, chuva, frio, calor, tudo no mesmo dia e acha legal.
  • Sai todo agasalhado de manhã, e tira quase tudo até o final do dia.

Gosta de praia:

  • Fala que vai “pra praia”, sem especificar qual.
  • Fica bravo quando dizem que sua praia é o shopping, mas não sai de lá…
  • Fica a “temporada” no Guarujá, Maresias ou Ubatuba mesmo que chova muito mais do que faça sol.
  • Fala mal da Praia Grande, mas toda virada de ano fica sem dinheiro e acaba indo para lá.
  • Geralmente começa o verão branco e termina vermelho: isso quando não volta com manchas brancas em partes do corpo devido ao excesso de protetor solar.

Esquisitices:

  • Faz fila para tudo (ônibus, mercado, banheiro, elevador, etc…).
  • Cumprimenta o vizinho de anos com “oi” e “tchau”.
  • Pergunta a todo universitário se é estudante da USP.
  • Acha que tudo em Curitiba é melhor sem nunca ter saído da cidade.
  • Fala para todo mundo que o paulista é um povo fechado.
  • Convida: “Passa lá em casa”, mas nunca dá o endereço.
  • Come pastel e caldo de cana nas feiras livres.
  • Acha que quem não é de São Paulo sempre joga lixo no chão.
  • Reclama de ciclovias, corredores de ônibus e monotrilhos… Parado dentro do carro no congestionamento.
  • Compra GPS e faz o mesmo caminho todo dia.
  • Paulistano está sempre na correria e não tem tempo para dizer Edmundo, Marcos ou Robesvaldo, por isso abrevia os nomes próprios: pode ser Camila, Carolina, Cássio… pode ser Fábio, Fabiola; Li pode ser Lígia, Lívia…
  • Viaja no feriado só para se estressar na volta: adora levar cinco horas para rodar 120 km até a praia, descansar uns dias, aproveitar até o último minuto de sol para assim enfrentar umas sete horas de congestionamento na volta para a capital.

E PRINCIPALMENTE:

  • Ri de si mesmo ao perceber que tudo o que foi dito acima é a mais pura verdade…

Dicionário atualizado

Como se falava há 20 anos e como se diz hoje a mesma coisa:

Antes era: Agora é:
creme rinse condicionador
obrigado valeu
collant body
rouge blush
ancião e coroa véi
bailinho e discoteca balada
nos bastidores making off
programa de entrevistas talk-show
oi, olá, como vai? e aê?
cópia, imitação genérico
mamãe, posso ir? véiaaaa, fui!!!
legal, bacana manero, irado
cansaço estresse
desculpe foi mal
ficou chateada ficou bolada
primário e ginásio ensino fundamental
preste atenção! se liga!
radinho de pilhas ipod
manequim modelo e atriz
saquei tô ligado
gafe mico
ha ha ha uhauhauhauha
fotocópia Xerox
brilho labial gloss
faxineira diarista
vou verificar vou estar verificando
vidro fumê insulfilm
dar no pé, ir embora vazar
tristeza deprê
atlético sarado
peituda siliconada
professor de ginástica personal
Ave Maria!!! Afffff!!
caramba caraca
namoro pegação
derrame AVC
você tem certeza? ah! fala sério!
banha gordura localizada
buteco no fim do expediente happy hour
costureira estilista
senhor tiozinho
bunduda popozuda!
Amorrrrrrr! Benhhêêêêê!
olha o barulho! ó o auê aí ô!