As pedras rolantes do Vale da Morte… E não são os Rolling Stones!

Em meio ao misterioso silêncio e calor abrasador do Vale da Morte, na Califórnia, pedras rolantes movem-se sozinhas.

As rochas deslizantes de Racetrack Playa são um dos fenômenos mais intrigantes que ocorrem no Vale da Morte, especialmente no lago seco chamado Racetrack Playa (algo como Planície ou praia dos Rastros). O fenômeno consiste de pedras de dimensões variáveis, algumas bastante grandes, com centenas de quilos, que são encontradas com um rastro atrás de si marcado no solo, sem qualquer sinal associado à intervenção humana ou animal. A causa deste movimento ainda é controversa, embora várias teorias tentem explicá-lo. Ninguém jamais conseguiu filmá-las ou vê-las em movimento.

Registros informais populares e estudos científicos sobre este fenômeno se multiplicaram, mas não se sabe quem primeiro o observou. O primeiro registro escrito conhecido é de McAllister and Agnew,  sugerindo que a causa do movimento das rochas eram os ventos.

DEATH VALLEY NATIONAL PARK, INYO COUNTY, CALIFORNIA, U.S.A. RACETRAK PLAYA VIEW LOOKING NORTH TOWARDS THE GRANDSTAND FROM APPROXIMATE POSITION N 36º 40.0', W 117º 33.5'

DEATH VALLEY NATIONAL PARK, INYO COUNTY, CALIFORNIA.

Muitas das pedras pesam mais de 400 quilos e movem-se através de direções as mais diferentes.

Sempre existe uma teoria nova procurando explicar a causa. Há os que concordam com a ideia original, dizendo que é a força dos ventos! Outros afirmam que são forças magnéticas.

Muitos cientistas foram até o deserto em busca de explicações. Através de suas experiências, concluíram que seriam necessários ventos de mais de 370 quilômetros por hora para mover uma pedra de 400 quilos e ventos como esses nunca foram vistos no planeta!

Mistério…

Anúncios

Cidade chinesa cria lago artificial… Mas acaba ficando com um deserto tipo Saara…

A cidade de Zhengzhou fica na província de Henan (em amarelo), na República Popular da China (em cinza).

A província de Henan é a mais populosa da China, com cerca de 100 milhões de habitantes, e relativamente pobre dentro da República chinesa. Sua capital, Zhengzhou, tem pouco mais de 8 milhões de habitantes e nas suas proximidades fica o famoso templo budista de Shaolin, cujo portão principal vemos abaixo.

Como acontece em todas as grandes metrópoles, Zhengzhou sofre com problemas de escassez de água e de locais de lazer para seus habitantes. Então, as autoridades até que tiveram uma ideia interessante, criar um lago artificial nos limites da cidade, drenando a água do Dragon Lake – alimentado pelo Rio Amarelo que cruza o território – e removendo toneladas de areia que ficavam ao seu redor para criar uma praia artificial.

Só que a Natureza infelizmente não colaborou com o plano. Por algum motivo (talvez porque outras cidades às margens do Rio Amarelo tiveram a mesma ideia e desviaram seu curso, diminuindo o fluxo…), a água do lago secou e toda aquela areia que foi escavada começou a ser espalhada pelo vento.

Sun-Yat Foo, crítico desse plano desde o início, disse que “Isso foi o triunfo de quem planeja sem todas as informações, às pressas. Tudo o que podia dar errado, deu…” E o que seria uma paisagem verde nos arredores da cidade se transformou num desastre ecológico.

O que restou do Dragon Lake está agora cercado por dunas de areia que, em alguns locais, pode chegar a 10 metros de altura, sufocando a vegetação na área. Essa mesma areia é levada ao centro da cidade e outros bairros nos dias quentes e com vento mais forte, cobrindo as ruas e obrigando as pessoas a usar máscaras.

Os moradores das áreas próximas reclamam da areia que continua se espalhando incessantemente, e segundo Sun-Yat, o governo ainda não tomou nenhuma medida para resolver esse problema.

A areia hoje se espalha por uma área equivalente a quatro campos de futebol, e continua crescendo – atraindo inclusive répteis, cujas pegadas já foram vistas por alguns moradores. Outro problema, segundo comerciantes locais, é que ninguém quer fazer negócios na cidade com um deserto às suas portas.

O governo local, enquanto não sabe como se livrar de toda essa areia às portas da cidade, resolveu cobrir as dunas com uma tela de plástico verde para tentar conseguir a aparência de um oásis verde que tanto queriam…

Mesmo que não consigam, a esperança é que, pelo menos, essa tela deve evitar que a areia continue a se espalhar pela cidade, impedindo os moradores até de abrir os olhos em dias de ventania.