Inglês americano e britânico: tem diferença?

Assim como acontece com o Português falado no Brasil em relação ao de Portugal, o Inglês também tem diferenças quando se está na Inglaterra ou nos Estados Unidos. As diferenças entre inglês britânico e americano não se resumem ao sotaque ou pronúncia, porém.

A principal diferença  acaba sendo a predominância maior do praticado nos Estados Unidos. Claro, há maior presença cultural americana em todo o mundo: filmes, seriados, música, games, quadrinhos…

Exatamente o que acontecia até o final do século XIX, quando a Inglaterra era a superpotência mundial e espalhava sua cultura pelo planeta.

As diferenças entre o inglês britânico e o americano se devem, muitas vezes, ao contexto e à história de determinado termo para seu uso, como o caso do metrô: subway para os americanos, underground e tube para os britânicos. 

A lista de termos diferentes entre o inglês falado nos dois países é enorme

Português Inglês Americano Inglês Britânico
acostamento (de estrada) shoulder hard shoulder
advogado lawyer solicitor, barrister
agenda appointment book diary
aluga-se for rent to let
apartamento apartment flat
armário closet wardrobe
aspas quotation marks speech marks
auto-estrada freeway motorway
avião airplane aeroplane
balas candy sweets
banheiro lavatory/bathroom toilet
batatas fritas  french fries chips
batatas fritas (em fatias finas) potato chips crisps
beringela eggplant aubergine
biscoito, doce cookie biscuit
bombeiros fire department fire brigade
borracha de apagar eraser rubber
calçada sidewalk pavement, footpath
calças pants trousers
caminhão truck lorry
caminhão de lixo garbage truck dustbin lorry
carona ride lift
carteira de habilitação driver’s license driving-licence
carteiro mailman postman
centro (de uma cidade) downtown city centre, town centre
CEP zipcode postcode
cinema movie theater cinema
código de acesso DDD area code dialing code
conta corrente checking account current account
corpo docente faculty academic staff
currículo resume curriculum vitae
curso de graduação undergraduate school degree
diretor (de escola) principal head teacher, headmaster
elevador elevator lift
estacionamento parking lot car park
fila line queue
futebol soccer football
gasolina gas (gasoline) petrol
lanterna flashlight torch
lixo garbage litter
mamãe mom, mommy mum, mummy
matemática math maths
metrô subway underground, tube
pneu tire tyre
recepção front desk reception
refrigerante pop, soda soft drink, pop, fizzy drink
telefone celular cell phone mobile phone
tênis tennis shoes, running shoes, sneakers trainers
térreo first floor ground floor (US: 1st, 2nd, 3rd, …, UK: ground, 1st, 2nd, …)

Mas as diferenças não se resumem a termos. Há diferenças de ortografia, também. Quer ver?

Inglês AmericanoInglês Britânico
center, theater, liter, fibercentre, theatre, litre, fibre
realize, analyze, apologizerealise, analyse, apologise
color, honor, labor, odorcolour, honour, labour, odour
catalog, dialogcatalogue, dialogue
jewelry, traveler, woolenjewellry, traveller, woollen
skillful, fulfillskilful, fulfil
checkcheque (bank note)
curbkerb
programprogramme
specialtyspeciality
storystorey (of a building)
tiretyre (of a car)
pajamaspyjamas
defense, offense, licensedefence, offence, licence
burned, dreamedburnt (or burned), dreamt (or dreamed)
smelled, spelledsmelt (or smelled), spelt (or spelled)
spoiledspoilt (or spoiled)
inquiryenquiry (or inquiry)
skepticalsceptical
inflectioninflexion

Viu só? Pensou que essa confusão fosse apenas entre brasileiros e portugueses?

Você já cantou errado algumas músicas?

“Trocando de biquíni sem parar”? Não, é “tocando B.B. King sem parar”.

Você já cantou assim também, não é? Eh eh eh…

Li uma matéria uma vez que falava sobre esse assunto, a gente usar de “embromation” quando não entende a letra de uma música. Fiz muito isso.

Tem aquela do Djavan, lembra? A que tem a frase “amar é um deserto em seus temores”, que a gente repete “amarelo deserto”, sem perceber que estava se afogando no Oceano! 

No começo, eu achava meio sem sentido a Whisky a Go-Go do Roupa Nova… Na hora do refrão, mandava ver “Eu perguntava e o holandês?”. Só muito depois entendi que era “Eu perguntava ‘do you wanna dance?’”. Quanto mico eu paguei…

Tanto quanto eu cantando “I get high” (fico doidão) em I Wanna Hold Your Hand dos Beatles, em vez de “I can’t hide” (não consigo esconder). E olha que sou beatlemaníaco desde sempre! Eu achava que a letra falava de maconha, vê se pode? Às vezes derrapo e solto um “I get high” sem querer.

E tem muito mais. Eu e vários amigos do colégio ouvíamos o Jimi Hendrix pedindo licença para beijar um rapaz em Purple Haze. No trecho em que ele canta “Excuse me while I kiss the sky” (com licença, enquanto beijo o céu), a gente entendia “Excuse me while I kiss this guy” (com licença, enquanto eu beijo esse cara).

E a música-tema do filme Ghostbusters (“Os Caça-Fantasmas”), de Ray Parker Jr? Lembra do refrão? Sempre achei que ele chamava “Those bastards!” (aqueles bastardos), ah ah ah!

Tem algumas que nunca cantei errado, mas ouvi muita gente fazendo isso. Exemplos? A do Belchior, que ficou famosa com a Elis Regina, Como Nossos Pais, no trecho “Pois você que ama o passado e que não vê”.  Já ouvi pessoas berrando “E você que é mal passado e que não vê”…

Ou a do Roberto Carlos, Um Milhão de Amigos,  quando ele diz que quer um coro de passarinhos, muita gente dizia “eu quero o couro dos passarinhos”.

E o Tim Maia não podia faltar.

tim_maia_9

Estava fazendo curso de inglês na União Cultural Brasil-Estados Unidos, terminando o colegial, e ouvi aquele som diferente, um blues cantado em português por um cara com um vozeirão tremendo. Não deu outra, a rodinha feita no intervalo das aulas, o amigo dedilhando a melodia de Azul da Cor do Mar no violão, e eu mandei: “Maaas… quem sofre sempre tem que procurar… pelo menos VIAJAR razão para viveeer…”. Levei séculos para entender que ele dizia “… pelo menos VIR ACHAR razão para viver”.

E, para finalizar, ia me esquecendo da melhor de todas, um clássico, e que acho que todo brasileiro que a escutou uma vez canta assim:

QUANTA LAMERA, ARRIBA, QUANTA LAMERA! QUANTA LAMEEEEEEERA, ARRIBA QUANTA LAMEEEEEERA!!!

Se você nunca ouviu, veja se eu não tenho razão:

 

 

 

Legendagem: A rotina do profissional das legendas

Existe um tema conectado ao lazer das pessoas que talvez seja o campeão de reclamações: a má qualidade das legendas dos filmes e séries exibidos na TV (ou no cinema).

Com o advento da “nova classe média” há alguns anos – resumindo, o crescimento do poder aquisitivo das classes sociais menos favorecidas impulsionou o consumo de bens e serviços durante algum tempo (bolha que hoje já furou, pelo excessivo endividamento dessas famílias) – houve um aumento da demanda por esse tipo de lazer. Novos canais pagos e novos serviços, como Netflix, passaram a oferecer uma grande variedade de programas e filmes, o que provocou uma corrida a profissionais de legendas. Como essa necessidade era premente, e não havia tantos profissionais habilitados, a saída foi recorrer àqueles que ainda estavam “verdes”. Daí essa quantidade de erros, apesar de haver pessoas que revisam o trabalho…

Mas a vida do legendador não é assim tão fácil como se pensa: “Que legal, assistir os filmes antes de todo mundo!”. Se os canais correm para lançar as séries no Brasil cada vez mais perto da data de estreia no exterior, o trabalho das empresas que legendam episódios também precisou ser acelerado. O tempo de preparação das legendas de um capítulo caiu pela metade: em média, de uma quinzena para uma semana.

O trabalho desse tradutor requer – além da óbvia fluência nos idiomas – uma boa bagagem cultural, porque é comum ele ser obrigado a adaptar uma piada ou situação. E a chave para a legenda é a síntese. Porque, além de uma legenda de qualidade, ele precisa colocar a menor quantidade possível de informação na legenda, mas sem perder o contexto. O espectador lê o texto e vê a imagem. Se tiver muita informação, ele só vai ler. Se tiver pouca informação, pode não compreender a cena quando levantar os olhos.

Sem contar que os softwares de legendagem permitem apenas cerca de 30 caracteres dispostos em duas linhas (o motivo é que o limite de leitura do brasileiro é entre 18 a 20 caracteres por segundo. Acima disso, nem todos conseguirão ler, e aqueles que puderem fazê-lo não terão tempo para ver o vídeo, causando com certeza um grande desconforto).

O primeiro passo do tradutor é assistir ao filme e marcar – no script fornecido pelo estúdio – as possíveis divisões das legendas, baseando-se nas pausas das falas dos personagens e tendo em mente a limitação dos caracteres. O tradutor deve levar em conta a ambientação: é um filme de época? É um filme regional? É um filme no qual se usa gírias demais? A tradução precisa ser baseada na linguagem original da obra, que pode não ser nada simples – desde complexos diálogos Shakespeareanos até gírias australianas “intraduzíveis” ao Português.

Além disso tudo, ele precisa conhecer gírias, estar atualizado com expressões idiomáticas, evitar falsos cognatos (silicon não é silício, actually não é atualmente, coroner não é coronel, e por aí vai) e conhecer o universo da cultura pop: seriados, filmes, quadrinhos, música, etc. etc.

Enfim, há inúmeros detalhes e tantas variáveis que talvez seja legal ler o depoimento de uma profissional, que ilustra bem a aventura diária do tradutor/ legendador:

“A manhã começa e lá estou eu, com o computador ligado, depois de checar os e-mails diários. O arquivo digital de vídeo está aberto dum lado e o Word, do outro. Os dicionários eletrônicos e o Google também estão a postos, aguardando a consulta mais ou menos frenética, conforme o nível de dificuldade e/ou informalidade do enredo de hoje.

O filme começa a rodar, e graças à era digital, tudo é controlado pelo teclado. Há muito tempo o videocassete ficou para trás… Ainda bem! O respectivo roteiro chegou na última hora. Ufa! Não vai ser preciso voltar inúmeras vezes cada cena a fim de conferir o que está sendo dito (depois de tanto tempo de experiência, aprendi a identificar se o roteiro é ou não de confiança…).

legendagemNo começo, devido aos créditos do filme na parte inferior da tela, as legendas devem ficar na parte superior da mesma. O cliente exige o uso de um sinalzinho para indicar isso. É preciso atenção. Passam-se alguns minutos de filme e a legendagem vai bem, segue tranqüila. Os diálogos são espaçados, simples, por enquanto. (Ainda bem que não é um Woody Allen!) Oba, vai ser fácil e rápido… Doce ilusão… logo, logo, vão aparecendo os desafios:

Pull 52 good bennis, and take home a car.

“Bennis”? De onde foram tirar isso? A explicação dos dicionários não cabe… Google nele. Descobri: é de Benjamin Franklin, que está na nota de US$100. Problema resolvido, bola pra frente.

Will Macy’s tell Gimble’s?

E agora? Não quero usar os nomes das lojas, prefiro “mastigar” a informação para o telespectador neste caso, visto que o público é variadíssimo: “O concorrente será avisado?” Maravilha, a frase tem 28 caracteres, perfeita para os dois segundos que ficará na tela.

“I’ll try to find ice, since we are in Iceland”.

Ah, começo a quebrar a cabeça pra tentar uma adaptação, mas não posso mudar o nome do país. Não tem jeito:

“Tentarei achar gelo, já que estamos na Islândia.”

Fazer o quê? Nem tudo é perfeito.

I’m the rapper.
Oh, for real. And here’s the 611 on that.

– That’s phone repair. You mean 411.
– Right.

Mais uma. Volto para a internet e descubro que 611 é o número discado nos Estados Unidos para solicitar serviços de reparos telefônicos, e 411 é o número para obter informações. Depois de desvendar o mistério, parto para a adaptação… Os trocadilhos continuam, desafiando os padrões gramaticais e de estilo do cliente, que não são poucos.

They’re chewing my ears off wanting to know when
you’re going to launch a murder enquiry.

Ih, a tradução dessa fala tem de caber em uma linha e meia… e não posso usar gírias…

You are a nation of peeny-weeny,
piffling, piccolini, piddly-diddly pouft!

Pelo amor de Deus, alguém me socorre. Essa legenda deve ficar quatro segundos na tela, o que vou escrever aqui??? Ainda por cima, tem de fazer sentido para um público amplo, não posso usar termos regionais, que só serão compreendidos aqui em Sampa.

– I’ll watch your back.
– It’s me front I’m worried about.

Três segundos para fazer esse trocadilho? (Nota de rodapé não pode, nem gíria, lembre-se.) 

his was like the Keystone Kops
versus The Gang That Couldn’t Shoot Straight.

Não entendi nada, mas como o roteiro é legal (eu bem que avisei…), veio tudo explicadinho:

Keystone Kops: an incompetent group of policemen featured in silent films from 1912 to 1917.

The Gang That Couldn’t Shoot Straight: a film from 1971 about an incompetent gang of hoodlums.

Ajudou muito!!! Traduzir ao pé da letra não dá, claro. Mais meia hora pensando numa adaptação que dê exatamente esse sentido. Não, não posso usar “É o roto falando do rasgado”, pois tenho duas linhas com 32 caracteres para encher, já que a fala dura quatro segundos. Quem disse que legendagem era fácil?


We want you to find this…

because the finding of this
finds you incapacitorially finding…

and/or locating in your discovering a way
to save your dolly belle, ol’ what’s-her-face.

Savvy?

Hoje é dia… e eu que achei que seria rápido e fácil…

Thank you!

Essa não! O personagem é hermafrodita, não tem gênero explicitamente definido no filme. Não posso eu, mera tradutora, estragar o contexto. Vai ficar: “Eu agradeço”. É, nem um simples “obrigado/a” sai ileso após um dia de legendagem. ;-) “

Flávia Fusaro é intérprete e tradutora credenciada pela ATA, e trabalha na área desde 1996. É responsável pela versão da HBO das seguintes séries:RomaAmor Imenso, e também pela legendagem dos títulos: Piratas do Caribe 2Os InfiltradosHappy FeetA Casa do LagoO Código da Vinci,Superman, o Retorno, entre outros. E-mail: ffusaro@hotmail.com.

 

 

Fontes:
teclasap.com.br
artedatraducao.blogspot.com.br
tradutorlegendagem.blogspot.com.br