Atualidades, Curiosidades

Cenas de filmes antes e depois dos efeitos especiais

Grandes sucessos de bilheteria atualmente dependem cada vez mais dos técnicos e especialistas em efeitos especiais. Claro que boas histórias e bons atores nunca serão dispensáveis, mas filmes arrasa-quarteirões como “Planeta dos Macacos” ou “Avatar” provavelmente não teriam sido tão convincentes em seus universos fantásticos sem esses truques. Que, quanto mais perfeitos forem, menos a gente vai perceber – e aí reside a magia eterna do cinema.

Veja nas cenas abaixo o quanto os efeitos especiais são fundamentais em muitos filmes.

Caçadores de Obras-Primas

Cenas-de-grandes-Filmes-antes-e-depois-dos-Efeitos-Especiais (19)

Homem de Ferro

Cenas-de-grandes-Filmes-antes-e-depois-dos-Efeitos-Especiais (22)

As Aventuras de Pi

Cenas-de-grandes-Filmes-antes-e-depois-dos-Efeitos-Especiais (25)

Planeta dos Macacos: a Origem

Cenas-de-grandes-Filmes-antes-e-depois-dos-Efeitos-Especiais (29)

Os Vingadores

Cenas-de-grandes-Filmes-antes-e-depois-dos-Efeitos-Especiais (31)

Malévola

antes_e_depois_tudo_interessante_37

Alice no País das Maravilhas

Alice-no-pais-das-maravilhas

Gravidade

gravidade

gravidade2

Matrix

Piratas do Caribe: O Baú da Morte

The Walking Dead

300

Batman, o Cavaleiro das Trevas

Atualidades, Curiosidades, Novidades

Atores que QUASE conseguiram papéis icônicos no cinema

Todo mundo que gosta de cinema sabe que certos papéis acabam marcando um ator para sempre, por mais que ele atue em outros filmes com igual, ou maior sucesso. Parece que aquele determinado papel foi feito para ele, e mais ninguém.

Normalmente, os estúdios testam três ou mais atores para os papéis mais importantes de suas produções, e nem sempre aquele que foi o preferido, ou cujo teste foi o melhor, acaba sendo o escolhido. Por exemplo, Jon Voight ( o pai da Angelina Jolie) não foi a primeira escolha para “Perdidos na Noite”, filme pelo qual ele ganhou um “Globo de Ouro” pela atuação. O ator que tinha sido escolhido em vez dele não foi liberado pelo estúdio no qual estrelava um seriado de TV. Foi o mesmo caso de Tom Selleck, a primeira escolha de Spielberg para o papel de Indiana Jones  – ele também não foi liberado pelo estúdio, no qual era o astro da série de TV “Magnum”.

Descobri que há outros casos assim emblemáticos. Veja só:

 Kelly McGillis, que tinha ficado famosa em “Top Gun”, tinha sido a escolha inicial para o papel que acabou lançando Sharon Stone para o estrelato. Sinceramente, não consigo imaginar outra atriz fazendo esse papel…

Robin Williams foi cotado para o papel que acabou consagrando o fantástico Jack Nicholson em “O Iluminado”… Williams disse que não se sentiria bem no papel. Já o vi em papéis dramáticos e tenho dúvidas da afirmação dele. Mas Nicholson dá um show.

Michelle Pffeifer recusou o papel que acabou nas mãos de Jodie Foster em “O Silêncio dos Inocentes”, porque considerou o roteiro do filme violento demais. Acho que o Hannibal Lecter teria apreciado Michelle, servida com ervilhas e acompanhada de um Chianti.

Ewan McGregor recusou o papel de Neo em “Matrix” para fazer Obi-Wan Kenobi em “Star Wars: A Ameaça Fantasma”. Gosto muito de Star Wars (dos episódios originais), mas acho que Ewan não fez uma boa escolha, porque Neo marcou para sempre seu intérprete, Keanu Reeves – e teria acontecido o mesmo com ele.

John Travolta recusou de cara o papel de Forrest Gump e nem quis fazer os testes de câmera. Deve ter achado o personagem muito bobo, sei lá. O fato é que essa recusa abriu caminho para Tom Hanks entregar um de seus melhores desempenhos no cinema, com frases inesquecíveis, como: “Mamãe sempre dizia que a vida é como uma caixa de bombons, você nunca sabe o que vai encontrar”.

Quase que Tony Stark teve a cara do Tom Cruise… Por sorte, o astro pediu algumas mudanças no roteiro e os produtores não aceitaram, então ele recusou o papel. Ufa, ainda bem…