Novidades

Em 1964, a imprensa disse sim ao golpe militar

Fonte: blog de Mário Magalhães

Há mais de 50 anos, o Brasil viveu uma virada política com a instauração do regime militar, que durou de 1 de abril de 1964 até 15 de março de 1985, sob comando de sucessivos governos militares. O blog de Mário Magalhães relembrou as primeiras páginas de jornais e capas de revistas publicadas nas horas quentes do princípio de abril de 1964:

“Mais do que informação, constituíam propaganda, notadamente a favor da deposição do presidente constitucional João Goulart.

Até onde alcança o conhecimento do blogueiro, as imagens configuram a mais extensa amostra (ficarei feliz se não for) do comportamento do jornalismo brasileiro meio século atrás. Trata-se de documento histórico, seja qual for a opinião sobre os acontecimentos.

Dos periódicos aqui reunidos, oriundos de cinco Estados, a maioria são jornais diários, alguns dos quais já não circulam, e dois são revistas hoje extintas.

Apenas três se pronunciaram em defesa da Constituição: ”Última Hora”, ”A Noite” e ”Diário Carioca”. Nos idos de 1964, os dois últimos não tinham muitos leitores.

Os outros, em diferentes tons, desfraldaram a bandeira golpista.

As fontes da garimpagem foram: Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional; Google News Newspaper Archive; sites e versões impressas de jornais; não menos importantes, blogs e sites, aos quais sou imensamente grato.

É muito provável que, quanto mais capas se somarem, maior seja a proporção das publicações que saudaram o movimento que pariu a ditadura de 21 anos.

Para não ser original e repetir uma expressão consagrada: em 1964, a imprensa disse sim ao golpe”.

O Globo (Rio), 2 de abril de  1964:”Empossado Mazzilli na Presidência”.
Título do editorial: ”Ressurge a democracia!”

O Dia, 3 de abril de 1964: ”Fabulosa demonstração de repulsa ao comunismo”.

Jango chegou ao Rio Grande do Sul no dia 2. De lá, iria para o Uruguai. ”O Dia”: ‘‘Jango asilado no Paraguai!”.



Jornal do Brasil (Rio), 1º de abril de 1964: ”S. Paulo adere a Minas e anuncia marcha ao Rio contra Goulart”.

”’Gorilas’ [pró-Jango] invadem o JB.”

Folha de S. Paulo, 2 de abril de 1964: ”Congresso declara Presidência vaga: Mazzilli assume”.

”Papel picado comemorou a ‘renúncia’ de João Goulart.”

A Noite (Rio), 1º de abril de 1964: ”Povo e governo superam a sublevação”.

Contrário ao golpe, jornal aposta no triunfo de Jango.

Diário de Piracicaba (SP), 2 de abril de 1964: ”Cessadas as operações militares: A calma volta a reinar no país”.

No dia seguinte: ”Relação de deputados que poderão ser enquadrados: Comunistas ou ligações com o comunismo”.

Diário de Pernambuco, 2 de abril de 1964: ”Jango sai de Brasília rumo a Porto Alegre ou exterior: posse de Mazilli”.

Governador constitucional Miguel Arraes, vestido de branco no Fusca, é preso e cassado.

Última Hora, 2 de abril de 1964: ”Jango no Rio Grande e Mazzilli empossado”.

Jogando a toalha: ”Jango dispensa o sacrifício dos gaúchos”.

O Estado de S. Paulo, 2 de abril de 1964: ”Vitorioso o movimento democrático”.

É a contracapa, porque a primeira página, era o padrão, só tinha notícias do exterior.

O Cruzeiro, 10 de abril de 1964: ”Edição histórica da Revolução”.

Revista celebra um herói da ”Revolução”, o governador de Minas, Magalhães Pinto, um dos artífices do golpe.

Fatos & Fotos, abril de 1964 (data não identificada): ”A grande rebelião”.

Uma revista em júbilo.

Diário da Noite (São Paulo), 2 de abril de 1964: ”Ranieri Mazzilli é o presidente”.

O jornal dos Diários Associados trata a nova ordem como ”legalidade”

Diário Carioca, 1º de abril de 1964: ”Guarnições do I Exército marcham para sufocar rebelião em Minas Gerais”.

O jornal defendeu a Constituição.

Correio da Manhã (Rio), 1º de abril de 1964: ”(?) Estados já em rebelião contra JG”.

Editorial clama pela deposição de João Goulart: ”Fora!”.

Diário de Notícias (Rio), 2 de abril de 1964: ”Marinha caça Goulart”.

”Ibrahim Sued informa: É o fim do comunismo no Brasil.”