Voar era muito chique antigamente!

Faz algum tempo, comentei em um post como era viajar de avião na primeira classe nos anos 1960, época considerada a “idade do ouro da aviação” (aqui). A rotina e as acomodações de então em nada lembram o que acontece hoje em dia.

Por exemplo, no caso da Varig, a maior e mais famosa companhia aérea brasileira, o passageiro tinha tratamento VIP. Afinal, voar era muito chique… E muito caro!

Mesmo que fosse verão, os passageiros usavam os melhores ternos e as mulheres, os melhores vestidos, com luvas e chapéu. A bordo, assim que chegavam, eram servidos uísque escocês ou champanhe para todos os passageiros – mesmo os da classe econômica (que, pelos padrões atuais em termos de preço, equivale à classe executiva).  As aeromoças (assim eram chamadas as comissárias de bordo), vestindo uniformes desenhados por famosos estilistas, acendiam as piteiras dos passageiros.

Todo mundo (que podia...) viajava pela Varig. Na foto, o então presidente Juscelino Kubistcheck indo para Brasília.

Todo mundo (que podia…) viajava pela Varig. Na foto, o então presidente Juscelino Kubitschek indo para Brasília.

Os assentos, largos, tinham pelo menos um metro de distância do assento da frente. E na hora de comer, a primeira classe tinha caviar e cascatas de camarões. Na econômica, duas opções de prato quente, além da entrada, queijos, sobremesa, café, licores e vinhos. Todos os passageiros recebiam toalhas quentes para a higiene, a refeição era servida com toalha de mesa e guardanapos de linho, talheres de prata e copos de cristal…

Sim, tudo era muito diferente! Não existiam sites de vendas de passagens aéreas, as pessoas procuravam os agentes de viagens, uma profissão super nova então, ou iam até a loja da empresa e compravam sua passagem. E existia uma passagem impressa em papel – nada dos e-tickets de hoje – , parecida com um talão de cheques, com folhas que iam sendo destacadas à medida que o passageiro ia passando pelos poucos procedimentos de embarque.

Praticamente nenhum aeroporto tinha os fingers atuais, e o embarque e desembarque era feito na pista, mesmo, com chuva ou com sol…

E as inúmeras escalas de reabastecimento, então? No Brasil, a maioria dos voos internacionais saía do Rio, e se você reclama das escalas e da duração dos voos atuais, saiba que uma viagem hoje, Rio-Beirute, com uma escala em Roma, leva 16 horas. A mesma rota, voando num DC-8 da época, fazia escala no Recife, depois cruzava o Atlântico e fazia escala na Libéria (África), seguia para a escala em Roma, e finalmente, Beirute. Uma viagem de 23 horas!

Como já mencionado, as poltronas eram largas, nada desse aperto de hoje. Pensando bem, só assim para suportar uma viagem de 23 horas… Para que se tenha uma ideia, o Boeing 707 – com seus 46 metros de comprimento – levava uma média de 150 pessoas. Hoje, os Boeing 737-800 (como da Gol) – com 39 metros de comprimento – levam até 183 pessoas!

Algumas aeronaves tinham até um bar e sala de estar, coisa que a Emirates resgatou em seus Airbus A380. Nessa “sala de estar”, as pessoas podiam fumar de tudo, cachimbo, charuto, cigarros…

É que não havia o tipo de entretenimento que temos atualmente, como filmes e música. Isso só começou a aparecer nos voos no final da década de 1970. O máximo de entretenimento que os passageiros de então podiam ter eram jornais e revistas, naqueles aviões que não tinham as salas de estar. Nesses, você poderia ainda jogar um carteado…

O grande problema era que, como você podia fumar a bordo, e a bebida era servida à vontade, havia muitos acidentes e brigas. Por exemplo, um avião da Varig, que estava iniciando o pouso, caiu próximo a Paris porque um passageiro jogou o charuto aceso na lixeira do banheiro, e a fumaça impediu que os pilotos conseguissem enxergar qualquer coisa. Quanto às bebidas, acontecia de alguns passageiros passarem dos limites – tropeçar, cair, assediar as aeromoças, cantar alto e vomitar nos corredores.

Como a estrutura aeroportuária era muito deficiente, as empresas investiam no serviço de bordo como forma de compensação. A Varig, por exemplo, chegou a ter cozinhas próprias em Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, Nova York e Lisboa.

Lagosta e caviar servidos na primeira classe da Varig.

Lagosta e caviar servidos na primeira classe da Varig.

Olha que chique o menu da Varig!

Olha que chique o menu da Varig!

Mesmo na Ponte Aérea SP-Rio, os voos contavam com canapés de entrada, refeição quente e diversas opções de bebida, como uísque, vinho e cerveja. O carrinho, que hoje inexiste em alguns voos, passava pelo menos duas vezes pelos corredores para os clientes se servirem.

Os comissários e comissárias eram treinados pelas próprias empresas e o processo de seleção era rigoroso. Peso proporcional à altura (“bem” proporcional, no caso das mulheres, mostra anúncio de recrutamento da Varig dos anos 60) e dentição perfeita eram alguns dos requisitos. Era preciso, ainda, participar de cursos que ensinavam a história das empresas e habilidades como a realização de partos a bordo.

Hoje, os tempos são de cumulus nimbus. Sai caviar, entra barrinha de cereal… E não vai demorar muito, as empresas venderão passagens para viajarmos de pé, a pão e água. Sem chibatadas, por favor!

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes: 

Fast Company

Vounajanela.com

Aeromoças não podiam casar ou ter filhos e deviam deixar as pernas de fora

A profissão de aeromoça (ou comissária de bordo) até hoje é uma das que despertam maior curiosidade entre as pessoas. No começo, por exemplo, as profissionais eram proibidas de casar e ter filhos. Também só podiam usar saias, deixando as pernas de fora. Ao longo de mais de cem anos de existência, se contarmos desde os registros dos primeiros homens que faziam o trabalho, muita coisa mudou. Veja algumas curiosidades:

1. Copiloto também fazia o papel de comissário de bordo
No início dos voos comerciais, os copilotos também tinham como obrigação servir comida e bebida para os passageiros durante o voo. Com a melhoria do transporte aéreo, as companhias começaram a reavaliar as responsabilidades.

2. A primeira aeromoça da história era, na verdade, um ”aeromoço”

O primeiro comissário de bordo do mundo foi um homem. O alemão Heinrich Kubis, ao fundo de pé na foto, foi contratado em 1912 para servir alimentos, bebidas e cigarros aos passageiros em um dirigível que começava a transportar pessoas, no início do século passado. Kubis era uma espécie de mordomo do voos e tinha um assistente e um cozinheiro sob o seu comando. Foi só em 1930 que as primeiras mulheres começaram a ocupar o posto.

Em 2011, a companhia aérea tailandesa PC Air foi a primeira no mundo a admitir comissários de bordo transexuais em voos.

A aeromoça transexual Chayathisa Nakmai serve passageiro durante voo da PC Air.

A aeromoça transexual Chayathisa Nakmai serve passageiro durante voo da PC Air.

3. Aeromoças precisavam ter diploma de enfermeira

Ellen Church, na foto acima,

foi a primeira mulher a ocupar um posto de comissária de bordo, em maio de 1930. A americana, na verdade, queria ser piloto, mas a companhia negou o pedido.

No entanto, Church sugeriu que a empresa contratasse enfermeiras para acompanhar os passageiros durante os voos, o que poderia tranquilizá-los. A empresa contratou oito enfermeiras por um período de experiência de três meses.

Durante a 2ª Guerra Mundial, muitas enfermeiras deixaram o posto de aeromoça para servir o Exército. Com a decisão, as companhias aéreas passaram a não exigir o diploma para as novas candidatas.

4. Corpo de “Barbie” era requisito básico em 1930
Anúncios da época mostravam que as companhias buscavam mulheres com idade entre 20 e 26 anos e peso e altura proporcionais. Para se ter uma ideia, em 1930, a altura máxima era de 1,62m e o peso tinha que ser inferior a 52 quilos. Por volta de 1970, a média era 1,70m e 60 quilos. Com o passar dos anos, as exigências foram ficando cada vez menores.

5. Aeromoça baixinha ou acima do peso ainda não tem vez

De acordo com Carlos Prado, coordenador da Escola Master de Aviação, que forma comissários de bordo em São Paulo, atualmente não existe uma altura mínima para ser aeromoça. No entanto, mulheres e homens com menos de 1,55m podem ter suas chances reduzidas na profissão. “Por causa da baixa estatura, a comissária pode ter dificuldade de alcançar os compartimentos superiores de bagagem e alguns equipamentos de emergência”, explica Prado. Além da altura, os comissários devem ter um peso proporcional ao seu tamanho.

6. Casamento era proibido

Por conta das longas jornadas de trabalho e das constantes viagens, as companhias aéreas muitas vezes proibiam a contratação de mulheres casadas e com filhos. Divorciadas ou viúvas tinham vez, desde que não tivessem filhos. Ao longo das décadas de 70 e 80, as companhias ficaram mais flexíveis. No entanto, em fevereiro do ano passado, a Qatar Airlines foi acusada pela Federação Internacional dos Aeroviários de exigir que as aeromoças contratadas não se casassem pelos próximos cinco anos, sob pena de demissão. Engravidar também seria proibido, segundo a denúncia. A companhia negou as acusações.

7. Em 1950, a profissão era muito concorrida

Na década de 50, ser aeromoça fazia parte do imaginário de muitas meninas. A profissão só perdia para a vontade de ser modelo. Em 1951, a American Airlines recebeu mais de 20 mil inscrições para as pouco mais de 300 vagas disponíveis para o cargo. (o seriado de TV “Pan Am” mostrava isso muito bem)

8. Até hoje, calças não são permitidas em algumas companhias

Embora algumas vezes as companhias optem por uniformes temáticos, na maioria das vezes o tailleur (formado por uma saia e um casaco) é a vestimenta obrigatória das aeromoças. Usar calça é proibido em algumas companhias. Para se ter uma ideia, só agora as comissárias da British Airlines conseguiram o direito de usar calça em alguns voos.

Esquisito? Pois saiba que em junho do ano passado, o ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, determinou que as aeromoças da companhia aérea Air Koryo usem uniformes mais “ousados”. O dirigente pediu que as mulheres da tripulação mostrassem mais as pernas, usassem roupas coladas e salto alto. O motivo? Segundo o jornal britânico “The Sun”, o ditador disse que queria “uma tripulação atualizada aos tempos modernos”…

Os novos uniformes...

Os novos uniformes…

 

Fonte:

todosabordo.blogosfera.uol.com.br

Simca Chambord

O Simca foi um dos mais icônicos carros já lançados no Brasil e o nosso primeiro carro de luxo. Ele foi eleito como o carro mais bonito da época. Seu motor V8 batizado pela Simca de ”Aquilon”, tinha 2.3 litros e 88 cv. Problemas de superaquecimento, embreagem fraca e falta de torque sempre acompanharam o carro. O controle de qualidade era muito ruim e só seria melhorado com a compra pela Chrysler em 1967.

Lançamento da linha Simca, em 1960, na foto abaixo.

Em 1961 é lançado o Simca Presidence, modelo de luxo com estepe na traseira, calotas raiadas e acabamento superior.

 Também é lançado em 1961, o Simca Alvorada, um modelo mais simples. Em meados de 1962 é lançada a versão esportiva, Rallye, com motor um pouco maior e 100 cv.

Abaixo, alguns dos anúncios publicados em revistas da época.

Em 1963 chega a Simca Jangada, uma Station Wagon de luxo baseada na Simca Marly 1958. E veio ainda o Tufão, com teto mais alto e linhas mais retas, com um motor V-8 mais potente.

Um fato que nada tinha a ver com o mundo automobilístico acabou marcando ainda mais o Simca Chambord no Brasil: esse carro foi, ao lado do patrulheiro da Polícia Rodoviária Inspetor Carlos e seu cão Lobo, “protagonista” da famosa série brasileira de televisão “O VIGILANTE RODOVIÁRIO” (exibido pela TV TUPI no início dos anos 60).

Para finalizar, o carro nacional foi um dos poucos a ter um rock em sua homenagem, pelo grupo “Camisa de Vênus”: