Logotipos mal elaborados

Farmácia Kudawara… Que tipo de farmácia é essa?

Eles realmente amam as crianças!

Instituto de Estudos Orientais… Esse é f…

A loja se chama Megaflicks, mas como as letras ficaram muito juntas… De repente, sei lá, isso ajuda nas vendas.

Kids Exchange. Mas como escreveram tudo junto, aí já viu.

Belo médico de computador.

Feche um olho…

Eu não ia atualizar este post, mas surgiram duas adições que NÃO POSSO deixar de compartilhar…

Office of Government Commerce, do Reino Unido… Antigamente, eles usavam este logotipo:

Daí, como acontece em todos os departamentos de governo de todos os países, os burocratas que assumiram decidiram “reposicionar as marcas corporativas, no intuito de mostrar à população as novas posturas de governança” e contrataram a peso de milhões (de libras!) um renomado escritório de design londrino. Depois de meses de estudo, eles vieram com isto:

Não sei bem como foi, se alguém imprimiu o logo e o papel caiu no chão em certa posição, ou se alguém estava com torcicolo, o fato é que se você girar a imagem acima a 90 graus sentido horário, você verá isto:

Resultado: depois de centenas de milhares de libras gastas, o novo logo está sendo “reestudado” e a OGC voltou a usar o logo antigo…

1973. Catholic Church’s Archdiocesan Youth Commission lança seu novo logo:

Tudo bem, eram tempos mais simples, mas, caramba… Já naquela época havia uma alteração na visão da sociedade sobre o sacerdócio: de benevolentes cuidadores e orientadores de crianças para molestadores infantis. Quer dizer, apesar de ser um logo bonito, traz uma imagem polissêmica imprudente demais.

ADENDO – a polissemia é a característica de uma palavra (ou imagem) ter um novo sentido além de seu sentido original, guardando uma relação entre elas. Esse recurso da linguagem é muito usado na linguagem publicitária.

Zé Carioca e Júlio de Andrade Filho… Que samba vai dar?

Renato Canini, um dos mais importantes artistas Disney no Brasil, decisivo na trajetória do Zé Carioca, sempre trabalhou ao lado de excelentes roteiristas. Um bom exemplo é a parceria de muitos anos que o desenhista manteve com Júlio De Andrade Filho. Pois bem, o ALMANAQUE DO ZÉ CARIOCA 22, que chega às bancas em 20 de outubro, trará somente HQs da dupla Canini e Júlio De Andrade, celebrando a genialidade destes dois mestres Disney.

A imagem e o texto acima estão sendo divulgados nas redes sociais, avisando dessa edição especial a ser lançada no dia 20 de outubro, e que contém histórias que eu escrevi com o Zé Carioca e que foram desenhadas pelo melhor desenhista de todos, Renato Canini, já falecido.

Comecei a escrever roteiros de histórias em quadrinhos Disney para a Editora Abril no começo de 1972, como roteirista free-lancer. Dois anos depois, fui contratado como redator-trainée e passei por inúmeras funções dentro da empresa, até chegar a ser diretor editorial. Mas minha grande paixão sempre foram os quadrinhos, especialmente os de Walt Disney. E essa paixão está sendo homenageada agora com essa edição especial.

Meu personagem favorito para trabalhar sempre foi o Peninha, como postei aqui. Mas escrevi roteiros com praticamente todos os mais importantes, como Tio Patinhas, Donald, Pateta, Madame Min, Zorro e diversos outros. Depois do Peninha, porém, aquele com quem eu mais me divertia era mesmo o Zé Carioca, para quem criei mais de 60 histórias.

Você pode escrever os roteiros de duas formas: como script – igual ao que se usa no cinema ou na TV – descrevendo as cenas e com as falas de cada personagem:

TaleSpin-script-sample2

 

Ou, se não tiver paciência para escrever tudo isso, fazendo um rough (pronuncia-se rafe)- um rascunho – colocando os balões e desenhando as cenas para o desenhista – muito semelhante ao story-board do cinema:

IM000126.JPG

Eu sempre preferi fazer os roughs e, curiosamente, a primeira história Disney que escrevi não foi com nenhum dos personagens preferidos, mas com o Mickey e seu arquirrival Mancha Negra. Ela foi escrita entre 1972 e 1973, mas só foi publicada em 1977, porque era uma aventura com muitas páginas e os editores tiveram que esperar aparecer um espaço nas revistas para publicá-la. A espera valeu a pena, porque foi a história de capa da edição da revista Mickey, em março daquele ano.

Mickey 293

mickey-abril-n-293-ano-1977-asas-de-icaro-raridade-18017-MLB20147804355_082014-F

1 001

 

Foi “As Asas de Ícaro” que iniciou a minha carreira nos quadrinhos – e na Editora Abril – mesmo tendo sido publicada muitos anos depois de sua criação.

Como o tema do post é a edição especial do Zé Carioca, a primeira história que tive publicada na Editora Abril foi justamente… do Zé Carioca, e desenhada pelo Renato Canini. Ela saiu na revista Zé Carioca, no. 1.053, de 1972:

ZC Aspirações da Vida, 1a HQ publicada

 

Foi uma longa jornada, mas muito divertida, que compartilhei com talentosos artistas e jornalistas. Meu agradecimento a todos!