O Centro Velho de São Paulo (3)

Vejamos agora aspectos do centro velho, em fotos das primeiras décadas do século passado:

O Centro Velho de São Paulo (2)

Este é o local onde São Paulo nasceu, o Pátio do Colégio:

Não há quem passe pelo Pátio e não repare nesta imponente construção: trata-se do prédio onde está instalado o Tribunal de Alçada. Está entre os mais belos edifícios de todo o centro histórico da capital paulista. Sua construção é dos anos 1930.

Outros edifícios históricos:

Três dos mais conhecidos “arranha-céus” do centro de São Paulo: O edifício-sede do Banco do Brasil em São Paulo (à esquerda), erguido nos anos 50; O edifício “Altino Arantes” mais conhecido como “Banespa” ao centro, inaugurado em 1947, como sede do Banco do Estado de São Paulo; e à direita, o edifício Martinelli, que durante décadas se manteve como o mais alto da cidade, com seus 28 andares. Foi erguido em 1928 e restaurado nos anos 1970:

 

O Centro Velho de São Paulo (1)

O chamado “centro velho” da capital paulista nada mais é que o núcleo da primitiva povoação de “São Paulo do Campo”, fundada pelos padres jesuítas em 25 de janeiro de 1554. Essa denominação veio em oposição ao que se começou a chamar de “centro novo” ou “cidade nova”, a partir da última década do século XIX, quando, com a inauguração do viaduto do Chá, em 6 de novembro de 1892, a colina além do Anhangabaú começou a ser loteada. No coração da parte antiga, durante cerca de 200 anos, a povoação pouco ultrapassou o que se chamou de “triângulo”, formado pelas ruas Direita, São Bento e Rosário (atual XV de Novembro). Essa forma geométrica vem desde os primórdios, quando três ordens religiosas aqui implantaram suas igrejas e conventos, formando (talvez propositalmente), um triângulo mais externo, com uma igreja em cada ângulo, simbolizando a Santíssima Trindade a proteger a incipiente povoação. Nessa região, com seus vários largos, terreiros, ruas e vielas estreitas, desenvolveu-se toda a vida social de São Paulo. Nas primeiras décadas do século passado, ali estavam as principais igrejas, os escritórios das grandes empresas, os maiores bancos, as melhores lojas, os mais altos edifícios e os principais cinemas e teatros.


Vejam agora as três igrejas citadas: como eram no século XIX, e como estão na atualidade.

Nas próximas fotos, vamos conhecer essa região da cidade, começando pela Praça da Sé, que durante muito tempo foi conhecida como “Largo da Sé”, aberto na primeira década do séc. XVII, com a inauguração da igreja-matriz da vila de São Paulo em 1612.

O antigo Largo da Sé, visto aqui em 1890. Ao fundo, a antiga igreja de São Pedro, no lugar onde atualmente está o edifício Rolim, pegado ao da Caixa Econômica. A construção vista em primeiro plano, à direita, é um canto da catedral.