Atualidades, Curiosidades, Family, Humor

A “TURMINHA BRAVA” contra o “DETETIVE BARDAHL”

Em 1939, uma pequena empresa americana iniciou a fabricação de um produto conhecido até os dias atuais: o aditivo Bardahl (para combater o atrito entre as peças do motor do carro).
Para divulgá-lo no Brasil (o produto começou a ser importado no início dos anos 50) a empresa criou a “Turminha Brava” (um bando de “malfeitores” que costumava atacar os “desprotegidos” motores dos veículos brasileiros). Esses terríveis meliantes atendiam pelos sugestivos nomes de “CHICO VÁLVULA PRESA”“ZÉ DOS ANÉIS PRESOS”“ANTONIO SUJO” e “CARVÃOZINHO”.
Em inglês, essa gangue se chamava Grimer Gang e seus membros se chamavam Black Carbon, Dirty Sludge, Gummy Rings e Sticky Valves, e quem os combatia era o Detetive Bardahl. A campanha foi criada no início dos anos 1950 por uma agência americana.
E aqui temos os originais: The Grimer Gang x Detective Bardahl
Segundo consta, o detetive Bardahl foi criado com base no personagem Joe Friday [interpretado por Jack Webb], detetive da série Dragnet (termo que indica batida policial) e que era muito popular nos Estados Unidos.
Os comerciais em desenho animado não apenas aumentaram as vendas do Bardahl, como também fizeram os personagens da Grimer Gang caírem no gosto popular. O comercial abaixo, que passou nas TVs americanas em 1959, foi um dos mais conhecidos:

O conceito da campanha era bem simples e objetivo: o Detetive Bardahl protegia o motor do carro contra os terríveis ataques da  Grimer Gang. Era o bem sempre vencendo o mal, como acontecia nos filmes e nas histórias em quadrinhos.

Quando a Bardahl resolveu trazer seus personagens – e essa campanha – para divulgar seus produtos no Brasil, em 1956, começou a veicular apenas em anúncios nos principais jornais do Brasil, como Estadão, Folha, Última Hora ou Diário da Noite.

Alguns dos anúncios que foram veiculados nos jornais de São Paulo foram estes:

Os comerciais de TV só passaram a ser divulgados no Brasil a partir de 1957. Eram os mesmos que passavam nos Estados Unidos, com uma dublagem brasileira. O comercial abaixo é de 1959 e passava muito na TV Tupi, na época uma emissora de muita audiência.

Os comerciais, que tinham inicialmente a assinatura “Com Bardahl tudo anda bem”, e posteriormente “Tudo anda bem com Bardahl”, enfocavam ora a Turminha toda, ora apenas algum de seus componentes, como no filme abaixo, dedicado ao Chico Válvula Presa:

Não demorou muito para surgirem os brindes, que eram ofertados nos postos de gasolina para serem colocados nos retrovisores. A série era disputadíssima pelas crianças, e hoje, quem tem todos os bonecos plásticos em bom estado não os vende por menos de R$ 3.000,00:

A partir de 1963, a Turminha Brava passou a contar com uma aliada: a Clarimunda, criada especialmente para o mercado brasileiro. Clarimunda tinha um corpo curvilíneo, numa tentativa de representação da mulher brasileira. Da mesma forma como acontecera com a Turminha Brava, Clarimunda foi introduzida inicialmente através dos jornais. Este anúncio saiu no jornal Última Hora, em 1963.

Logo a Clarimunda participou dos filmes com o resto dos vilões, em comerciais feitos aqui mesmo no Brasil, como este:

A personagem caiu no gosto popular, assim como os demais. Prova disso é que, nos anos 1960, havia um determinado tipo de mulher que recebeu o apelido de Clarimunda, feia de cara, mas boa de bunda!

Em 1968, a Bardahl começou a patrocinar um jovem piloto que despontava como promessa do automobilismo. Antes de ele ir para a Europa, esse piloto – campeão de Fórmula 3 – gravou um comercial de TV com… a Clarimunda e o resto da gangue!

Recentemente, essa turma toda foi recriada com um novo design e um novo figurino, e a Clarimunda passou a ser chamada de Drag Car, mais sensual.

Mas o que ficou mesmo na lembrança foi a turminha em preto e branco, e seu charme inigualável! Porque… tudo andava bem com Bardahl!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes:

 

Bardahl

anosdourados.blog.br

baudomaga.com.br

Anúncios
Curiosidades, Family

Voar era muito chique antigamente!

Faz algum tempo, comentei em um post como era viajar de avião na primeira classe nos anos 1960, época considerada a “idade do ouro da aviação” (aqui). A rotina e as acomodações de então em nada lembram o que acontece hoje em dia.

Por exemplo, no caso da Varig, a maior e mais famosa companhia aérea brasileira, o passageiro tinha tratamento VIP. Afinal, voar era muito chique… E muito caro!

Mesmo que fosse verão, os passageiros usavam os melhores ternos e as mulheres, os melhores vestidos, com luvas e chapéu. A bordo, assim que chegavam, eram servidos uísque escocês ou champanhe para todos os passageiros – mesmo os da classe econômica (que, pelos padrões atuais em termos de preço, equivale à classe executiva).  As aeromoças (assim eram chamadas as comissárias de bordo), vestindo uniformes desenhados por famosos estilistas, acendiam as piteiras dos passageiros.

Todo mundo (que podia...) viajava pela Varig. Na foto, o então presidente Juscelino Kubistcheck indo para Brasília.
Todo mundo (que podia…) viajava pela Varig. Na foto, o então presidente Juscelino Kubitschek indo para Brasília.

Os assentos, largos, tinham pelo menos um metro de distância do assento da frente. E na hora de comer, a primeira classe tinha caviar e cascatas de camarões. Na econômica, duas opções de prato quente, além da entrada, queijos, sobremesa, café, licores e vinhos. Todos os passageiros recebiam toalhas quentes para a higiene, a refeição era servida com toalha de mesa e guardanapos de linho, talheres de prata e copos de cristal…

Sim, tudo era muito diferente! Não existiam sites de vendas de passagens aéreas, as pessoas procuravam os agentes de viagens, uma profissão super nova então, ou iam até a loja da empresa e compravam sua passagem. E existia uma passagem impressa em papel – nada dos e-tickets de hoje – , parecida com um talão de cheques, com folhas que iam sendo destacadas à medida que o passageiro ia passando pelos poucos procedimentos de embarque.

Praticamente nenhum aeroporto tinha os fingers atuais, e o embarque e desembarque era feito na pista, mesmo, com chuva ou com sol…

E as inúmeras escalas de reabastecimento, então? No Brasil, a maioria dos voos internacionais saía do Rio, e se você reclama das escalas e da duração dos voos atuais, saiba que uma viagem hoje, Rio-Beirute, com uma escala em Roma, leva 16 horas. A mesma rota, voando num DC-8 da época, fazia escala no Recife, depois cruzava o Atlântico e fazia escala na Libéria (África), seguia para a escala em Roma, e finalmente, Beirute. Uma viagem de 23 horas!

Como já mencionado, as poltronas eram largas, nada desse aperto de hoje. Pensando bem, só assim para suportar uma viagem de 23 horas… Para que se tenha uma ideia, o Boeing 707 – com seus 46 metros de comprimento – levava uma média de 150 pessoas. Hoje, os Boeing 737-800 (como da Gol) – com 39 metros de comprimento – levam até 183 pessoas!

Algumas aeronaves tinham até um bar e sala de estar, coisa que a Emirates resgatou em seus Airbus A380. Nessa “sala de estar”, as pessoas podiam fumar de tudo, cachimbo, charuto, cigarros…

É que não havia o tipo de entretenimento que temos atualmente, como filmes e música. Isso só começou a aparecer nos voos no final da década de 1970. O máximo de entretenimento que os passageiros de então podiam ter eram jornais e revistas, naqueles aviões que não tinham as salas de estar. Nesses, você poderia ainda jogar um carteado…

O grande problema era que, como você podia fumar a bordo, e a bebida era servida à vontade, havia muitos acidentes e brigas. Por exemplo, um avião da Varig, que estava iniciando o pouso, caiu próximo a Paris porque um passageiro jogou o charuto aceso na lixeira do banheiro, e a fumaça impediu que os pilotos conseguissem enxergar qualquer coisa. Quanto às bebidas, acontecia de alguns passageiros passarem dos limites – tropeçar, cair, assediar as aeromoças, cantar alto e vomitar nos corredores.

Como a estrutura aeroportuária era muito deficiente, as empresas investiam no serviço de bordo como forma de compensação. A Varig, por exemplo, chegou a ter cozinhas próprias em Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, Nova York e Lisboa.

Lagosta e caviar servidos na primeira classe da Varig.
Lagosta e caviar servidos na primeira classe da Varig.
Olha que chique o menu da Varig!
Olha que chique o menu da Varig!

Mesmo na Ponte Aérea SP-Rio, os voos contavam com canapés de entrada, refeição quente e diversas opções de bebida, como uísque, vinho e cerveja. O carrinho, que hoje inexiste em alguns voos, passava pelo menos duas vezes pelos corredores para os clientes se servirem.

Os comissários e comissárias eram treinados pelas próprias empresas e o processo de seleção era rigoroso. Peso proporcional à altura (“bem” proporcional, no caso das mulheres, mostra anúncio de recrutamento da Varig dos anos 60) e dentição perfeita eram alguns dos requisitos. Era preciso, ainda, participar de cursos que ensinavam a história das empresas e habilidades como a realização de partos a bordo.

Hoje, os tempos são de cumulus nimbus. Sai caviar, entra barrinha de cereal… E não vai demorar muito, as empresas venderão passagens para viajarmos de pé, a pão e água. Sem chibatadas, por favor!

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes: 

Fast Company

Vounajanela.com

Curiosidades, Family, Novidades

Viajar de avião na primeira classe… Nos anos 60!

Você consegue imaginar como era viajar de avião na década de 60?

A rotina dos aeroportos e as aeronaves de hoje em nada lembram a “era de ouro” da aviação comercial. Havia mais espaço entre as poltronas, mais comissários de bordo, mesmo o serviço era incomparavelmente melhor do que atualmente. Imagine que a classe executiva que se oferece atualmente era a classe econômica de então!

Olha o tamanho do compartimento para a bagagem de mão!

Claro que tudo isso tinha um custo. Viajar de avião naquela época era um evento para poucos. Os preços das passagens eram extremamente altos.  Só para dar uma ideia, um bilhete aéreo para uma capital que ficasse a uns 2.900 km de São Paulo, como Natal (RN), que hoje custa em torno de US$ 200,00, custava há 50 anos o equivalente a US$ 1.200,00.

Mas, conforme escrevi mais acima, se os preços eram salgados, o serviço de bordo e o conforto das aeronaves eram à altura. As empresas ofereciam uma série de mimos e pequenos luxos que praticamente não existem mais hoje em dia. Mesmo que você viaje de primeira classe.

Nas viagens de longa distância, as empresas ofereciam refeições completas e bebidas livremente, como vinho, conhaque, licores, champanhe e uísque. O jantar era servido em pratos de porcelana e o vinho, em taça de cristal. Os aviões de grande porte chegavam a contar com 15 comissários de bordo!

O serviço de bordo da nossa antiga Varig chegou a ser premiado como o melhor do mundo pela revista americana “Air Transport World”.

Escolhi algumas fotos para demonstrar como era a “dolce vita” nos céus:

Depois do jantar, o mais popular passatempo era ler – livros, revistas, ou se atualizar com as notícias dos jornais. Só lembrando, ler era um hábito disseminado, pois não havia internet, nem Facebook e nem Twitter.

Falando em jantar, a coisa era realmente muito diferente de hoje em dia quando se tratava das refeições. Mesmo na classe econômica, espie só:

Na primeira classe, antes do jantar, eram servidos drinques no bar.

Acompanhados por canapés…

E o jantar – que jantar! –   era finalmente servido por garçons devidamente uniformizados e na sua mesa coberta por toalhas de linho.

Após a refeição, os passageiros poderiam se reunir de novo no bar, onde conversariam com o capitão, um veterano dos ares com mil histórias para contar.

Se a conversa estivesse chata, os passageiros poderiam, por exemplo, jogar cartas com os baralhos oferecidos pela companhia aérea, que traziam fotos de aviões ou do destino para onde estavam viajando.

Mas não pense que o pessoal da classe econômica era esquecido: a eles, os comissários de bordo ofereciam tabuleiros de xadrez ou de damas, para passarem o tempo. Ainda não havia a tecnologia para passar filmes a bordo.

Você pode ter notado, na foto lá em cima no bar, uma moça com o cigarro na mão. Fumar, hábito banido nos aviões há muitos anos, era então permitido e os passageiros costumavam se reunir na sala de estar para fumar e conversar durante o voo.

Havia ainda, nos voos de longa duração, o serviço de chá da tarde. Os docinhos e bolos que a comissária trazia no carrinho era uma tentação irresistível.

Era tudo maravilhoso, não é?

Bem, quase tudo… A segurança era precária, especialmente por conta da tecnologia ainda incipiente. Não se conseguia pousar sob neblina, as colisões no ar eram frequentes… Era comum, ainda, que paredes de vidro separassem a classe econômica da executiva. Então, durante uma turbulência, por exemplo, essas paredes se estilhaçavam e você pode imaginar o que isso significava.

E como fumar era permitido, o que fazia com que cigarros, charutos e cachimbos fossem consumidos livremente, os pequenos focos de incêndio eram frequentes, especialmente quando o passageiro caía no sono com o cigarro aceso.

As bebidas, também servidas livremente, provocavam outros problemas. Muita gente passava dos limites, e em quase todo voo você via passageiros tropeçando pelos corredores, assediando as comissárias de bordo, cantando alto e vomitando no banheiro.

Quer dizer, nem sempre se viajava num céu de brigadeiro…

 

 

 

 

Fontes:

UOL

Catraca Livre

Major Airline News

Curiosidades, Humor, Novidades

Piadinhas dos Beatles

_ Diga-me, como vocês chegaram à América?
John: Virando à esquerda na Groelândia.

………………………………………………………………

_ O que vocês têm a dizer aos jovens americanos?
John: Comprem nossos discos!

……………………………………………………………….

The Beatles se apresentando para a Rainha.
John: Aqueles que estiverem nos assentos baratos, batam palmas. Os demais, basta sacudirem as jóias.

…………………………………………………………………

Como se chama esse corte de cabelo de vocês?
George: Arthur.

…………………………………………………………………

Há uma campanha ”Destruir os Beatles” em Detroit. O que vocês vão fazer quanto a isso?
Paul: Vamos começar uma campanha para destruir Detroit.

…………………………………………………………………

Qual a razão do sucesso de vocês?

John: Se soubéssemos,botaríamos 4 cabeludos no palco e seríamos seus empresários.

………………………………………………………………..