Feliz Natal!

HO-HO-HO!

Para ouvir o que o Papai Noel está tocando, basta clicar na seta abaixo (e, se não estiver ouvindo, aumente o volume clicando nas barras ao lado da seta)!

10 fatos perturbadores que descobrimos recentemente

Este post é uma retrospectiva que resume alguns dos fatos mais perturbadores dos anos recentes. Aquelas descobertas que fizemos sem querer e que – por que não? – mudaram as nossas vidas e a maneira como enxergamos o mundo. Prepare-se para sentir de novo a emoção desses momentos que ficaram gravados eternamente em nossas memórias!

10. Descobrimos que Nicolas Cage foi o Imperador Maximiliano de Habsburgo

Seria ele um Doppelgänger ?

9. Descobrimos que a esteira pode ser vingativa.

8. Descobrimos a pior maneira de ser acordado…

7. Descobrimos que os russos postam provavelmente as melhores fotos em sites de encontros.

6. Descobrimos que os nerds também vandalizam.

5. Descobrimos um novo uso para seu moletom…

4. … e para a caixinha de fita cassete. 

Você ainda tem uma, não tem?

3. Descobrimos que Ozzy Osbourne é um mutante!

Análises genéticas apontam que seus genes foram forçados a evoluir para garantir a sobrevivência do roqueiro, depois de tantas coisas que ele ingeriu.

2. Descobrimos que a noiva, de tanto treinar, um dia acerta.

1. Descobrimos que há empregos piores do que os nossos.

BRASIL – JUNHO DE 2013

Em junho de 2013, o Brasil começou a mudar.

Manifestações-pelo-Brasil-03-620x392

Os governos estão “cedendo” e reduzindo a tarifa dos transportes, ou cancelando o aumento dado. Só os mais ingênuos podem pensar que isso vai ficar de graça. Claro que não. Em SP, o governador e o prefeito já disseram que vão cortar investimentos – como se fizessem muitos… e por isso mesmo é evidente que virá aumento de impostos.

Não agora, que os políticos podem ser tudo o que a gente pensa que são, mas não loucos. Eles vão esperar que o circo volte a anestesiar os nossos sentidos (como circo, entenda-se futebol, Copa, Neymar na Espanha, a bicha-má da novela, etc etc) e aprovar os aumentos na calada da noite, escondidos, no escuro, como ratos que são. E quando acordarmos no dia seguinte, a gasolina estará mais cara nos postos, o carnê do IPTU virá com aumento, e por aí afora.

Porque os políticos são assim. Não são administradores, são políticos. Esse tipo de ser pensa apenas em si mesmo, em como conseguir mais benefícios para si e para seus comparsas, pensa apenas em ganhar as eleições. Em São Paulo, o prefeito tomou uma bronca do Lula porque estava resistente em ceder aos manifestantes. Mas o Lula chamou o político à razão (porque ele estava tendo um ataque de administrador público) e o lembrou que sua atitude poderia prejudicar o partido nas eleições de 2014…

A outra constatação é que o MPL só tinha um discurso, uma pauta – aliás, bem clara desde o início -, que era a redução das tarifas. Quando perguntaram à menina Mariana (desculpa, não peguei o sobrenome), uma das líderes, qual seria a próxima reivindicação, ela veio com um discurso vago de “acabar com latifúndios”. Mas não a critico, não, ao contrário. Eles já fizeram a parte deles, e foi muito.

Apesar do cala-boca dado pelos “governantes”, cedendo e cancelando o aumento nas passagens, e que vai esvaziar o movimento e minguar as manifestações, acho que eles conseguiram uma coisa muito maior do que essa vitória de Pirro.

Para raiva dos reaças, esse movimento fez a gente se lembrar de nossa voz, de nossa força. Fez os políticos e a imprensa saber que, apesar das fortes doses de anestesia que recebemos todos os dias, ainda temos olhos para enxergar, voz para gritar e pernas para ir às ruas e manifestar nosso descontentamento “contra tudo o que está aí”.

Sim, pode soar um slogan antigo e juvenil, mas é isso mesmo: parte do povo saiu para reclamar do aumento das passagens sem o correspondente aumento de qualidade no serviço, mas outra parte saiu para reclamar da corrupção, da roubalheira, da aprovação da “cura gay”, do desvio de dinheiro, dos estádios da Copa e das Olimpíadas… A lista é longa…

Quais os próximos passos?

Primeiro, agradecer e cumprimentar a moçada do MPL que nos fez lembrar que temos força, e nunca mais nos esquecermos disso.

Depois, e conscientes desse nosso poder resgatado, não nos deixarmos iludir de novo pelos políticos safados e pelos partidos que reúnem esses bandidos (seria talvez melhor chamar de gangues e não partidos políticos?). Temos eleições de novo em breve, vamos prestar mais atenção em quem elegemos.

Vamos abolir pra sempre Felicianos e Tiriricas… Mas não a democracia, por favor. Nada de derrubar quem foi eleito. Evite isso elegendo a melhor pessoa. Enfatizo sempre, “políticos safados”, porque nem todos são safados… Como disse Churchill, “A democracia é a pior forma de governo imaginável, à exceção de todas as outras que foram experimentadas.” Nossos pais e avós resgataram a democracia para o Brasil de novo, vamos mantê-la.

Vamos assistir ao futebol e torcer para o time de preferência, curtir a novela, cantar junto com Michel Teló. Mas não vamos mais permitir que isso seja a coisa mais importante da vida e nos deixar anestesiar de novo.

Vamos ler a revista e o jornal que preferirmos, o programa e o jornal da TV que escolhermos, mas vamos nos informar com outras fontes, ler mais, aprender mais, estudar mais. A mídia é enganosa e manipuladora desde Gutemberg, por isso, não vamos dar todo o crédito a ela.

A ignorância é a melhor arma que os políticos safados podem usar contra nós.

Esses jovens abriram uma enorme avenida.

Como disse o Sakamoto, “… Há uma grande quantidade de pessoas que nunca teve contato com discussões sobre a sua cidade, muitos menos sobre direitos fundamentais, e que está caindo de paraquedas nos atos. Que sejam cada vez mais bem-vindos. Concordo com quem diz que este é um excelente momento para formação política desse pessoal, a fim de que entendam o que está em jogo e transformem insatisfação, descontentamento e incômodo em ação com reflexão, espírito crítico e participação ativa e duradoura nos desígnios do país.”

É isso que cabe a nós agora.

O pessoal do MPL fez a parte dele. Vamos continuar exigindo, protestando, saindo às ruas, reclamando nas urnas, cobrando, ensinando a quem não sabe.

Vamos mostrar aos políticos, a todos eles, duas coisas: que eles não mais nos controlam, e que quanto mais demorarem para nos dar respostas, mais estarão alimentando a insatisfação, e isso ninguém pode saber onde vai parar.

A bola está conosco.