A Covid-19 será endêmica

Mas como isso pode afetar nossas vidas?

Estamos assistindo inúmeros países considerando que o coronavírus está aí pra ficar, que teremos que conviver com ele e pronto. Em outras palavras, rebaixando a pandemia para endemia.

Mesmo aqui, no Brasil, há muitas capitais e Estados indo por esse mesmo caminho, retirando a obrigatoriedade do uso de máscaras, seja em locais públicos, seja em locais fechados, como no Rio.

Entendendo bem, reclassificar o covid não significa que o vírus desapareceu, como num passe de mágica. Significa que ele vai continuar aí, que o tormento não acabou, mas que ele vai fazer uma quantidade menor de vítimas.

Quando uma doença é classificada como endemia, quer dizer que ela estará controlada, dentro de padrões considerados toleráveis, por causa da alta imunidade da população, obtida através da vacinação e de infecções prévias.

Por exemplo, tuberculose e malária são duas doenças endêmicas. Por ano, são estimados 240 milhões de casos de malária, sendo 640 mil mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Isso aponta que mesmo doenças endêmicas podem ser mortais e, em alguns casos, novas cepas e mutações podem fazer com que uma endemia volte a ser uma pandemia.

A malária, na região da Amazônia, provoca anualmente quase 140.000 casos. E entre esses casos, sempre há os mais graves e que levam a óbito – como em todas as endemias. Os médicos estimam que será assim com o coronavírus.

Ele veio para ficar.

Os médicos continuarão em vigilância constante, avaliando as novas variantes – como foi o caso do ômicron – para evitar que a futura endemia volte a ser uma pandemia.

As vacinas continuarão a ser pesquisadas para, quem sabe, chegarmos um dia a ter um imunizante seguro e que dure pelo menos um ano, como o da vacina da H1N1.

E nosso dia será fatalmente alterado, porque espera-se que os governos estabeleçam novas regras de convivência. Por exemplo, a pessoa contaminada com o covid-19 passa a trabalhar em casa, se for possível, ou fica afastada.

Como acontece com todas as doenças novas, ainda há muitas incertezas, embora possamos cravar algumas afirmações.

Assim como acontece com a gripe, ela pode ser fatal para quem é mais velho ou sofre de problemas crônicos de saúde – mesmo com a vacinação contra a influenza. Parece claro que esse público vai precisar de reforços constantes contra o covid, como é feito com a gripe.

Ou, dependendo de como os estudos progredirem, pode ser que todos tenhamos que fazer visitas periódicas aos postos de vacinação. Porque o vírus fará parte de nosso ecossistema.

O fato é que nossa convivência com o coronavírus nunca será amistosa – como não é com o mosquito que transmite a malária na Amazônia.

Viveremos sempre alertas.

Publicado por Julio

Uma pena eu não ter nascido herdeiro ou milionário. Pois tenho um grande potencial pra isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: