Restos humanos eram remédio na Europa

Enquanto os europeus teciam coloridos relatos das temíveis tribos antropófagas do Novo Mundo, estavam consumindo restos mortais humanos em casa. Sob a desculpa de ser por razões medicinais… É mole?

Tudo vem do princípio do “igual cura igual”, que é bem mais antigo que a homeopatia que o prega. Hipócrates já tratava doentes mentais com alucinógenos. Se igual cura igual, o melhor remédio viria dos mortos – a morte, afinal, é a pior “doença”.

Assim, por séculos, corpos humanos foram administrados como remédios. Valia tudo: ninguém menos que Paracelso (1493-1541) recomendou sangue humano. Durante execuções, o povo se juntava em torno do condenado para tentar beber seu sangue. “O carrasco era visto como um grande curandeiro em países germânicos”, afirma Richard Sugg, da Universidade de Durham (Reino Unido), em Mummies, Cannibals and Vampires (sem tradução em nosso idioma). “A questão nunca foi: ‘Você deve comer carne humana’, mas ‘Que tipo de carne humana você pode comer?’”

O mais “poderoso” dos remédios de defunto, recomendado também por Paracelso, era a chamada mummia, cujo nome não dá margem para dúvidas. Múmias egípcias eram compradas de comerciantes árabes, moídas e transformadas em poções e pílulas. A mummia foi a droga porta de entrada para o canibalismo europeu. Depois dela, além do sangue dos condenados, também vieram coisas como gordura humana (servia para passar na pele) e caveira em pó (bom para dor de cabeça)…

E tudo começou por um erro de tradução medieval. “Mumiya” em árabe quer dizer betume ou asfalto, um produto natural vindo do solo e usado então para tratar uma enorme lista de aflições. A mesma palavra era usada para as múmias egípcias porque elas eram embalsamadas com betume. Confundindo ingrediente e produto final, os europeus passaram a comprar múmias e consumi-las.

Egípcios preparando uma múmia.

O rei Francisco I da França (1494-1547) sempre carregava uma bolsinha de mummia para consumir como se fosse rapé, ao menor sinal de problemas. Ninguém menos que o criador da química moderna, Robert Boyle (1627-1691), ainda dizia maravilhas sobre o tétrico medicamento.

Obviamente, não havia como o Egito dar conta da demanda europeia por múmias. Vez por outra, governantes tentavam encerrar o comércio, porque canibalismo é proibido pela sharia (que já então os europeus deviam achar excessivamente rígida). A Bíblia, por incrível que pareça, não proíbe explicitamente o canibalismo, apesar de tratá-lo como um escândalo e maldição ocasionalmente imposta por Deus.

Charlatões então saíam em busca de corpos recentes, principalmente de condenados, e os dissecavam em fornos, criando uma falsificação do produto inútil. A mummia continuaria nas prateleiras até, incrivelmente, o começo do século 20, quando a indústria farmacêutica começou a ser, finalmente, fiscalizada.

O canibalismo europeu seria eternizado na arte. Um pigmento renascentista chamado “marrom múmia” ainda adorna grandes clássicos em museus pelo mundo. Como este aqui:

Eugene Delacroix, autor de A Liberdade Liderando o Povo (1830), era um fã do pigmento de múmia.

 

 

Fontes:

The Gruesome History of Eating Corpses as Medicine, Maria Dolan, Smithsonian Magazine
Mummies, Cannibals and Vampires, Richard Sugg, Routledge

Aventuras na História

“Branca de Neve” completa 80 anos: algumas histórias

O lançamento do longa de animação “Branca de Neve e os Sete Anões” completa 80 anos em 2017. A produção da Disney teve sua estreia no Carthay Circle Theatre, em Hollywood, em 21 de dezembro de 1937, seguido do seu lançamento em todo os Estados Unidos em janeiro. Como todo clássico, há muitas histórias sobre sua produção pioneira. Veja algumas delas…

Para financiar a produção de “Branca de Neve e os Sete Anões”, Walt Disney pegou vários empréstimos e hipotecou, inclusive, sua própria casa. Até sua mulher, Lillian, achava que a animação seria um completo fracasso. Além disso, seu irmão Roy Disney tentou convencê-lo a desistir do filme.

Dunga tinha sido originalmente criado para ser um tagarela, mas os produtores e o próprio Walt não conseguiram encontrar uma voz que ficasse adequada para o anão careca. Em vez de falar, Dunga, às vezes, choraminga, sendo ingênuo e frequentemente alvo de brincadeiras dos demais. Ele também é o único do sete anões que não tem barba.

“Loucura de Disney”: assim era chamada na época a produção de “Branca de Neve e os Sete Anões”. O orçamento inicial da animação era de US$ 250 mil, muito maior do que qualquer outra produção da Disney até então. No final, o gasto atingiu mais de US$ 1,4 milhão, uma quantia enorme hoje em dia, imagine para 1937! Após o filme ser um sucesso, Walt Disney usou os lucros para construir os estúdios da Disney em Burbank.

A estreia do filme, em 1937, contou com a presença de estrelas de Hollywood, como Cary Grant, Shirley Temple, Judy Garland, George Burns, Charlie Chaplin, Marlene Dietrich e Ginger Rogers. Na época, em entrevista ao jornal “Los Angeles Times”, Chaplin disse, ao se referir ao anão Dunga, que a “Disney havia criado um dos maiores comediantes de todos os tempos”.

“Branca de Neve e os Sete Anões” foi um dos primeiros 25 filmes escolhidos para ser preservado na Biblioteca do Congresso Americano, em 1989, pelo Registro Nacional de Filmes (National Film Registry). Em 2008, o Instituto Americano do Cinema o escolheu como o mais importante filme de animação de todos os tempos.

“Branca de Neve e os Sete Anões” foi o primeiro filme com uma trilha sonora oficial. A animação da Disney, que é baseada no conto de fadas “Branca de Neve”, dos Irmãos Grimm, concorreu ao Oscar de melhor trilha sonora na premiação de 1938. O longa foi também o primeiro filme totalmente animado a ser lançado pela Disney.

Uma versão inicial da história incluía uma cena em que a rainha Má capturava o príncipe e o mantinha preso em seu castelo. Outra cena que ficou fora da versão final era uma em que os anões apareciam tomando ruidosamente a sopa e, em seguida, Branca de Neve os ensinava a comer como cavalheiros.

A atriz e dubladora americana Adriana Caselotti recebeu US$ 970 pela dublagem de Branca de Neve, o que equivaleria hoje a cerca de US$ 20.000,00, ou pouco mais de R$ 60.000,00 à cotação do dia. Apenas para efeitos de comparação, um dublador/locutor profissional no Brasil, com muitos anos de experiência e bastante requisitado para comerciais, pode chegar a um salário de cerca de R$ 10.000,00. Walt Disney firmou um estrito contrato com Caselotti, impedindo que ela “emprestasse” sua voz a outras produções, com exceção de pequenas participações em “O Mágico de Oz” (1939) e “A Felicidade Não Se Compra” (1946). Ela continuou fazendo a voz de Branca de Neve em várias ocasiões, gravando aos 75 anos, inclusive, “I’m Wishing” para o poço de desejos na Disneylândia.

A dançarina, coreógrafa e atriz americana Marge Champion serviu de inspiração para que os animadores da Disney (seu então marido, Art Babbitt, era animador e supervisionou grande parte da filmagem de referência) criassem a heroína de “Branca de Neve e os Sete Anões”. Marge também serviu de referência para a criação da Fada Azul em “Pinóquio” (1940).

As vozes da Rainha Má e da Bruxa Velha foram dubladas pela mesma atriz: a americana Lucille LaVerne. Para que a Bruxa tivesse uma voz completamente diferente, Lucille removeu um implante dentário, para fazer a dublagem. La Verne morreu menos de uma década depois de dublar a Rainha Má e a Bruxa Velha. Ela faleceu aos 72 anos em 4 de março de 1945, na Califórnia.

 

 

 

 

Fonte:

UOL

Esses nomes são de duplas sertanejas de verdade

Tem gente que é mesmo criativa ao escolher o nome com o qual vão buscar o sucesso na carreira artística.

O pessoal dessas duplas sertanejas caprichou… E se o sucesso não veio, pelo menos eles marcaram seu nome na história!

Eu mesmo vou criar uma dupla dessas: Cesto & Sentido. Hua hua!

Sei que este não é uma dupla, mas entra como bônus…

E agora, outro bônus: nomes de duplas que a gente gostaria de ver (além da minha, claro, Cesto & Sentido):

 

 

 

Brasil, meu Brasil brasileiro

Simplificando, os brasileiros se dividem em 3 espécies:

  1. O “bovino”, aquele que – não apenas por sua culpa ou escolha – é mantido na ignorância e não sabe de nada, só em lutar pela sobrevivência. Esse é o brasileiro que assiste a novela das 11 na Globo (a que trata da ditadura militar) e não entende nada do que rola porque não sabia que tivemos uma ditadura. É o que assiste a novela das 6 na mesma Globo (a que fala do D. Pedro I) e pergunta onde está o Pedro Álvares Cabral na trama. (OBS – isso foi identificado pela própria emissora, em suas discussões de grupo com espectadores).
  2. A “zelite”, aquele empresário ou político corrupto que vive numa realidade paralela e cuja única conexão com o mundo real é feita na hora de coletar seu dinheiro.
  3. O “otário da classe mérdia”, o brasileiro que rala a vida toda para poder pagar sua casa ou seu carro financiado, que paga seus impostos, que comete uma corrupçãozinha aqui e ali (dando um café pro guarda que o multou, por ex.) e se vê escorchado diariamente pela “zelite”.

(dentro dessas espécies, temos diversas variedades: jogadores de futebol que vieram da classe dos bovinos e hoje fazem parte da zelite; traficantes de drogas que circulam por todas as classes; estudantes da classe mérdia que vão às manifestações pra matar aula na faculdade; juízes do STF que fazem parte da zelite mas estão associados ao crime organizado e por aí vai…)

O brasileiro da espécie 3 tem um inimigo poderoso, o Estado. Prefeituras, governos estaduais, governo federal exploram o “otário da classe mérdia” desde que o Brasil é o Brasil. E esse Estado  vem num processo de corrosão há anos, alimentado pela corrupção e incompetência, e nos levou à atual “estagflação”, estagnação com inflação.

Gerando mais miséria, desemprego e violência.

Aí, o “otário da classe mérdia”, que vota em todas as eleições na esperança de escolher o menos pior, vê a “zelite” que ele colocou no poder debochar da cara dele diariamente, cuspindo seu cinismo, mentindo e fazendo negociatas para continuar mamando nas tetas da Grande Mãe Terra Brasilis.

E hoje, esse brasileiro tem ódio e vergonha. É o que se vê e ouve no busão, no metrô, nos táxis, nas rodinhas, nos trens… É gente desejando o pior àquele membro da “zelite”, é aquela teoria da boa índole indo pro ralo.

O “otário da classe mérdia” está cansado de tanta orgia, de tanta podridão, de tanta violência. Ele mal consegue viver seu presente, e enxerga seu futuro ameaçado. E, frustrado, escolhe alguém que diz não fazer parte da “zelite”, para que esse justiceiro coloque o país nos trilhos e nos livre da escória que há tanto tempo nos domina.

Moral da história:

O brasileiro “otário da classe mérdia”, que colocou o justiceiro lá, continua ralando o resto de sua vida pra pagar a prestação da casa própria e do Fiat Uno 1996.

O brasileiro “bovino” vai continuar alheio a tudo, assistindo o programa do Faustão aos domingos.

E aquele justiceiro, eleito para salvar a Pátria, descobriu-se depois que fazia parte da “zelite”, e se disfarçou de “caçador de corruptos” como um plano da própria “zelite” para continuar no poder.

 

 

 

 

 

 

 

Os “poopootov” são armas bioquímicas…

Os “poopootov” – nome que faz referência aos coquetéis molotov, incendiários– foram utilizados em um protesto em Los Teques, subúrbio de Caracas, após o qual se popularizaram nas redes sociais e se espalharam pelas ruas.

Frascos com fezes são preparados por manifestantes contrários ao governo na Venezuela

A Inspetora Geral dos Tribunais da Venezuela, Marielys Valdéz, afirmou que as chamadas “poopootov” – bombas de fezes lançadas na polícia durante os protestos contra o presidente Nicolás Maduro– devem ser consideradas “armas bioquímicas”.

“É uma arma biológica (…). O uso de armas bioquímicas é um crime completamente tipificado que prevê penas severas”, declarou Valdéz em entrevista ao canal estatal VTV.

“O uso de armas ‘químicas’, neste caso fezes humanas e de animais, gera consequências (…), pode afetar a água e poluir terrivelmente. Pessoas especialmente vulneráveis, como crianças e idosos, podem contrair hepatite ou infecções com bactérias”, disse Valdéz.

Frascos com excrementos têm sido atirados contra policiais e membros da Guarda Nacional durante a atual onda de protestos contra Maduro, que já deixou 39 mortos e centenas de feridos desde o começo de abril.

Durante a última manifestação realizada em Caracas, jovens entrevistados pela agência de notícias AFP explicaram que decidiram usar as bombas de fezes diante do “aumento da repressão” por parte das forças do governo.