Os hotéis mais bizarros do mundo

As férias de final de ano estão chegando, então o Treco Certo, num serviço de utilidade pública, oferece algumas dicas preciosas de hospedagem. Escolha seu destino e… Boa viagem!

A cidade norte-americana de Cottonwood, no Arizona, conta com um hotel em formato de cachorro. O “Dog Bark Park Inn” é um prédio que se assemelha com um cão da raça Beagle.

Em Harlingen, Holanda, que tal alojar-se num guindaste no porto? O “Dockside Crane Hotel” oferece muito luxo para duas pessoas e foi construído dentro do antigo guindaste do porto. No quarto com muitas janelas, tudo pode ser comandado por controle remoto e se os hóspedes estiverem cansados da vista, podem dirigir o guindaste, que gira 360 graus!

É para viajar ou dormir? O Jumbo Hostel está estacionado à entrada do aeroporto de Arlanda, em Estocolmo, na Suécia, e tem 85 camas divididas por 25 quartos. A suíte nupcial ocupa a cabine e é o único quarto com banheiro privativo.

O Tianzini Hotel fica localizado na província de Hebei, na China, e possui o recorde mundial do Guinness para a “maior imagem construída”. O hotel é uma representação de dez andares dos deuses chineses: Fu (Felicidade), Lu (Fortuna) e Shou (Longevidade).

A praia de Weymouth, em Dorset, Reino Unido, possui um hotel inusitado feito de areia! A instalação foi criada por uma empresa local e é considerada pelo livro Guinness como o primeiro hotel de areia habitável. A pernoite custa 10 libras, mas não tem banheiro nem telhados e fica aberta para o público até ser destruído pela chuva. Isso que é hotel bizarro…

Pensa que acabou? Não!

Decorado com a frente de um antigo Mercedes-Benz e simulando a entrada em um lava rápido, o quarto é do V8 Hotel, localizado em Stuttgart, Alemanha. Esse é um hotel temático no qual você pode escolher em qual marca… Aliás, em qual carro você quer ficar.

O hotel, a recepção e alguns dos quartos:

article-2606882-1d29742700000578-171_964x732


Temos ainda o hotel de gelo em Jukkasjärvi, na Suécia, e que funciona entre dezembro e abril, quando o calor faz o hotel literalmente… Derreter. O hotel é feito inteiramente de neve e blocos de gelo do rio Torne; até os copos do bar são feitos de gelo.

A entrada do hotel.

O bar, mais acima, e a recepção do hotel.

A suíte…

Recomenda-se, por motivos óbvios, que os hóspedes com muito calor humano moderem seu… Hã… Fogo interior.

Anúncios

Como os astronautas vão ao banheiro?

Certamente você já se fez a seguinte pergunta: como é que os astronautas vão ao banheiro quando estão no espaço? E escovam os dentes? Ou tomam banho?

A astronauta italiana Samantha Cristoforetti explicou em uma série de vídeos divulgados pela Agência Espacial Europeia como ela e seus colegas da Estação Espacial Internacional mantêm a higiene pessoal como se estivessem na Terra. Ou quase isso…

Nesta foto postada no Twitter, a astronauta italiana Samantha Cristoforetti bebe café em um copo projetado para uso em gravidade zero na Estação Espacial Internacional

Nesta foto postada no Twitter, a astronauta italiana Samantha Cristoforetti bebe café em um copo projetado para uso em gravidade zero na Estação Espacial Internacional

Ao contrário do que se pode pensar, muitos instrumentos que são utilizados para o asseio – escova de dente, de banho e desodorante – não diferem muito daqueles que usamos.

As toalhas, porém, são um assunto à parte: possuem um material absorvente e são substituídas uma vez por semana. A cada dois dias, os astronautas podem, no entanto, se dar ao luxo de usar outra toalha, usada úmida para esfregar o corpo.

A água é armazenada em um pequeno recipiente e, em seguida, aplicada ao corpo. Pela falta de gravidade, no entanto, a água não cai no chão, mas permanece sobre a pele em forma de bolhas.

E, adicionando um pouco de sabão líquido, que não faz muita espuma e não requer enxágue, o astronauta pode “tomar banho” e desfrutar de uma sensação de limpeza igual à que tinha em terra firme.

Astronauta Jack R. Lousma tomando banho dentro da estação Skylab.

Escovar os dentes

Escovar os dentes é uma tarefa um pouco mais difícil: o processo é semelhante ao realizado na Terra até chegar a hora de cuspir a água misturada com pasta de dente. Como não há uma pia onde cuspir, “alguns astronautas simplesmente engolem: é rápido e simples. Mas eu, pessoalmente, não gosto, então eu cuspo tudo em uma toalha”, diz Cristoforetti.

“Não é muito elegante, mas você faz o que tem de fazer.”

“Número um, número dois”

Pode ser um pouco constrangedor, e até mesmo nauseante, imaginar o que aconteceria se astronautas usassem um vaso sanitário comum no espaço. Ao puxar a descarga, água, urina e fezes poderiam flutuar pelo interior da nave e contaminar todo o ambiente com bactérias. Sem contar o mau cheiro…

Outro fator é a limitação de espaço e peso que a construção do banheiro precisa respeitar para não atrapalhar o desempenho da missão espacial. Por isso, o único toalete a bordo é compartilhado tanto por homens quanto por mulheres. Além disso, ele não possui porta, mas sim uma cortina que deve ser fechada para manter a privacidade do usuário.

Waste Collector System, ou, como nós o chamamos, o bom e velho vaso sanitário… Só que este é o espacial!

Um detalhe curioso é o fato de que o vaso sanitário que vai ao espaço possui travas e cintos de segurança. Esses acessórios são usados para possibilitar que o astronauta permaneça em contato com o assento e não flutue durante um momento, digamos, inoportuno.

E não se preocupe! Como o ambiente interno dos ônibus espaciais e da Estação Internacional Espacial costuma ser bem barulhento, graças ao funcionamento do ar condicionado e de outros sistemas, é praticamente impossível que algum colega viajante espacial ouça os ruídos feitos durante o exercício da atividade “número 2”.

Uma “descarga” diferente

Como não é possível usar água para se livrar dos dejetos, o toalete dos astronautas conta com a ajuda do ar e do vácuo para manter tudo limpo. Ao urinar, por exemplo, o tripulante deve “tirar a água do joelho” dentro de um tubo, que suga o líquido expelido com a ajuda do vácuo.

Muitas vezes, a urina é eliminada no espaço. Porém, normalmente eles não desperdiçam o material coletado: depois de um tratamento especial, o xixi dos astronautas se transforma em água potável.

Para fazer o “número dois”, o processo já é um pouco mais complicado. O sistema de coleta de dejetos usa correntes de ar em vez de água. É esse “ventinho” que ajuda a retirar as fezes do vaso sanitário, já que a gravidade não pode fazer o serviço.

Os dejetos sólidos são armazenados em compartimentos especiais, depois de terem a água drenada. O ar usado no banheiro passa por um filtro, que elimina  as bactérias e o odor forte, e depois volta a circular normalmente no ambiente interno da estação espacial.

De acordo com a NASA, os dejetos sólidos são removidos da nave quando uma nova tripulação substitui a anterior e o recipiente é trazido à Terra. Mas, em uma palestra, o astronauta canadense Chris Hadfield revelou que, quando esse compartimento está cheio demais – pode dar “piriri” no pessoal de vez em quando, será que não? – , os dejetos são jogados no espaço dentro de uma cápsula, que se queima ao entrar na atmosfera terrestre.

Em outras palavras, o “número 2” dos astronautas às vezes é transformado em estrela cadente. Já imaginou como deve ser?

Fonte:

BBC