PRODUTOS COM NOMES MAIS BIZARROS

A marca é o principal elo entre o negócio e o cliente, pois é através dela que ele identifica o negócio e o diferencia dos demais. Com o passar do tempo, a marca passa a ser o referencial  daquele produto ou serviço.

Mesmo sabendo disso,  algumas empresas fazem referência a guerras, sexo e outras ideias… Digamos… Inusitadas ao escolher o nome de seu produto. Ou se perdem na tradução para outros idiomas.

Quer ver alguns exemplos?

Ungh!… Vá embora!

“Be gone”, em inglês, significa “vá embora”. Um nome bastante sugestivo para o… para a… Bem, você entendeu, concorda?

Tão gay…

Basta separar o nome da água Sogay para ter “tão gay” em inglês.

Tocando o Terror

Produtos de limpeza costumam lembrar flores, natureza, bons odores… A linha Terror optou por outro caminho. Para mostrar que é o terror da sujeira, talvez?

Uma vomitadinha, apenas

A tradução de “Only” é “apenas”. A de “Puke”, “vômito”. Certamente não é um nome agradável para um salgadinho… Esse é chinês, muito vendido em Xangai, e seus fabricantes o batizaram, em chinês, de “Salgadinhos de Feijão Crocante”. Mas, na sua versão em inglês, “Only Pukeet” ficou prejudicado, uma vez que fica difícil de ler as duas últimas letras de “Pukeet” por causa das cores da embalagem. De todo modo, mesmo que isso fosse resolvido, os ocidentais não devem encontrá-lo tão cedo nos supermercados daqui, já que o sabor de torresmo vencido com um toque de canela não é muito atrativo para os consumidores deste lado do mundo…

Mas que m…

O Shitto também tem uma marca que dificilmente estimularia o apetite do consumidor daqui, embora esse molho de pimenta extraforte seja muito popular em Gana.

Uma explosão!

Os suplementos Semtex incomodaram muitas entidades no Reino Unido. Semtex também é o nome de uma granada muito letal que contém C4, um explosivo plástico que gruda em qualquer superfície.

Ahhh! Que bela mij…

coolpis-reproducao

“Pis”, em inglês, é urinar. “Cool” significa “legal”. Uma marca pouco sutil para uma bebida,  eh eh eh… Mas a marca Coolpis é de uma enorme corporação sul-coreana,  e a Coolpis tem uma série de sabores – incluindo uma bebida de kimchi, condimento típico da culinária coreana.Trata-se de uma preparação com base na acelga em que se colocam os vegetais em salmoura durante várias horas e, a seguir, os envolvem com uma pasta feita com farinha de arroz, açúcar e vários temperos. Essa preparação pode ser consumida de imediato, mas normalmente ficam fermentando para servir de condimento a outros pratos… Aí, já não sei o que é pior, se a marca Coolpis ou a bebida de kimchi…

As bolas do camelo. Oi?

Poderia ser o chiclete “Corcovas de Camelo”, mas eles preferiram “Bolas” mesmo, nesse chicle de bola do grupo espanhol Fini. O que acho mais divertido é que, em algum lugar da Espanha, eles devem ter feito um longo “brainstorming” para criar isso…

Argh!

Existe, e é uma marca japonesa de biscoitos. Não é a melhor opção para um produto alimentício…

Leite de morcega

A Batavo criou o iogurte da Batwoman, só pode ter sido essa a ideia… Mas depois de receber milhares de reclamações, a empresa mudou o nome do produto, e este saiu de circulação…

Tem gosto da Vovó

Uma geleia caseira com um nome bem estranho, essa “Tastes Like Grandma” (gostinho da vovó?), fabricado por um casal em Stuarts Draft, região do estado norte-americano de Virgínia…

João Andante

A cachaça mineira “João Andante” foi alvo de um processo da Diageo, que é dona da marca Johnnie Walker, com a acusação de plágio. Recentemente, a marca de Minas Gerais perdeu o processo e passou a se chamar “O Andante”…

Miojo pra Piranha?

Ainda não provei…

Creme de Sêmen???

Claro que não! Esse creme condimentado de alho, tomate, pimenta, cumin etc,  vendido nos supermercados da Turquia, é o caso típico do significado da palavra se perder em outro idioma. Por alguma razão, misturaram a palavra turca “çemen”, que é desse condimento, com outras palavras em inglês e resultou nesse “cemen dip”, cuja tradução pode ser outra coisa para as mentes mais poluídas…

Se você gosta de crianças, vai adorar!

Quer carne de criança picadinha? Pois é… De novo, os chineses se perderam na tradução. A tradução literal de  儿童营养肉松  é carne de porco desfiada e nutritiva para as crianças. 儿童 significa crianças. 肉松 significa carne de porco desfiada. É uma comida para bebês ou crianças pequenas… Mas você pode provar, também. Já imaginou pedir na lanchonete: “Ei! Ponha um pouco de carne de criança picadinha no meu sanduba!”

 

Ah, este nosso mundo louco…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quem será o novo James Bond?

James Bond eletrizou os espectadores pela primeira vez na Inglaterra, em 1962, no filme “O Satânico Dr. No”. A partir daí, o sucesso a cada aventura fez com que o espião acumulasse mais 23 longas-metragens. James Bond, também conhecido pelo código 007, é um agente secreto fictício do serviço de espionagem britânico MI-6, criado pelo escritor Ian Fleming em 1953.

James Bond, na concepção de Ian Fleming, e que serviu de base para publicação de suas tiras de quadrinhos no jornal britânico Daily Express, no final da década de 1950.

No Brasil, ele também teve seu gibi publicado, em meados da década de 1960, pela Rio Gráfica e Editora, hoje Editora Globo.

Ian Fleming era oriundo da aristocracia inglesa. Filho do major Valentine Fleming, morto na Primeira Guerra Mundial, cursou a Academia Militar Real de Sanhurst. Começou sua carreira na Segunda Guerra Mundial quando trabalhou como correspondente do jornal The Times. Fleming ganhou experiência em atividades de espionagem na Rússia e, posteriormente, entrou para o Serviço Secreto da Marinha Inglesa, onde foi comandante. A vivência no ambiente de trabalho fez com que criasse a personagem James Bond, agente secreto charmoso e sedutor, que vivia aventuras perigosas. Ian Fleming morreu vítima de ataque cardíaco aos 56 anos, não chegando a ver um dos filmes de maior sucesso da série: “007 Contra Goldfinger”.

O personagem foi apresentado ao público em livros de bolso na década de 1950, com a novela Casino Royale, tornando-se um sucesso de venda e popularidade entre os britânicos e, logo a seguir, entre os países de língua inglesa. Diz-se que John Kennedy era um leitor assíduo dessas aventuras. Na década seguinte, os livros viraram uma grande franquia no cinema, a mais duradora e bem sucedida financeiramente, que já rendeu mais de 12 bilhões de dólares.

O ornitólogo James Bond.

Ian Fleming tirou o nome ‘James Bond’ do autor do livro predileto de sua esposa sobre ornitologia, Birds of the West Indies, e escreveu doze livros e dois contos sobre seu personagem, antes de morrer, em 1964.

Os atores que fizeram 007

Sean Connery

Sean Connery foi o primeiro ator a dar vida a James Bond em 1962, no filme “James Bond Contra o Satânico Dr. No”. Diz a lenda que Connery conseguiu o papel após ter conversado com o produtor Albert Broccoli com um pé em cima de sua mesa e sair da reunião batendo a porta, insatisfeito com as condições impostas pelo produtor. Impressionado, Broccoli acompanhou o futuro astro pela janela e o viu andando na rua como um felino,  o andar imaginado para James Bond.

George Lazenby

O australiano George Lazenby era vendedor de carros e, possivelmente, é o Bond menos conhecido por ter feito apenas um filme do espião. Mesmo assim, para os estudiosos da obra de Ian Fleming, nesse filme, “A Serviço Secreto de Sua Majestade”, ele foi o mais fiel às características do personagem dos livros.

Roger Moore

Quem acompanhou as produções lançadas entre 1973 e 1989 tem Roger Moore como símbolo do agente britânico. Sua primeira aparição como James Bond foi em “Viva e Deixe Morrer” (1973), com música-tema de Paul McCartney. Roger Moore foi o ator que ficou mais tempo como 007, estrelando sete filmes e se aposentando do papel aos 58 anos de idade, em 1985, com o filme “James Bond na Mira dos Assassinos”.

Timothy Dalton

Timothy Dalton assumiu o personagem em “Marcado para Morrer” (1987). Ele substituiu Pierce Brosnan, que fora sondado mas estava ocupado com outras produções. Dalton participou de dois filmes como 007 e assinou contrato para realizar três filmes como protagonista; mas, nesse meio tempo, uma batalha judicial pelos direitos de James Bond fez com que as produções do terceiro filme demorassem muito e ele desistisse do projeto.

Pierce Brosnan

Pierce Brosnan assumiu a vaga em “007 James Bond Contra Goldeneye”. Para os fãs mais novos, o ator é o James Bond mais lembrado, apesar de ter feito apenas quatro filmes. Durante seu contrato, Brosnan foi proibido de usar smoking em outras produções para não lembrar o espião, mas ele sempre deu um jeitinho de contornar a situação usando trajes similares.

Daniel Craig

Daniel Craig é o último ator a dar vida ao personagem e foi muito criticado por isso, no primeiro filme. Seu cabelo loiro e altura de 1,75 m (considerado baixo para o herói) foram motivos para os fãs e a imprensa criticarem essa escolha. Ele estreou em “Casino Royale” e foi elogiado pela atuação vigorosa. A partir de então, estrelou mais 3 filmes, todos com muito sucesso de público e crítica.

Mas Craig teria anunciado que “Spectre” foi seu último filme no papel do espião, e os produtores já teriam começado a procurar seu substituto.

Segundo o que se comenta, este foi o último filme de Daniel Craig como 007

Segundo o que se comenta, este foi o último filme de Daniel Craig como 007

Há muita especulação sobre quem será o próximo Bond. Fala-se até em um mulher, algo como Jane Bond!

Sim, ela mesma! A Agente Scully de "Arquivo X", Gillian Anderson, é a favorita dos fãs para ser Bond, Jane Bond...

Sim, ela mesma! A Agente Scully de “Arquivo X”, Gillian Anderson, é a favorita dos fãs para ser Bond, Jane Bond…

Quanto aos homens mais cotados para o papel, a lista é grande… Dentre os mais votados nas bolsas de apostas, temos Tom Hardy, Idris Elba e Damian Lewis (sim, se já tivemos um 007 loiro, por que não um ruivo?)

untitled-1

Mas o nome mais forte, até agora, é o de Tom Hiddlestone… Ele estaria “loki” para interpretar o papel (eu sei, essa foi infame…).

Construções bizarras… E os motivos pelos quais foram feitas

Prédios icônicos, como o Edifício Itália em São Paulo, ou o Empire States em Nova York, são reverenciados pelo seu significado histórico ou cultural. Mas há outras construções importantes espalhadas pelo mundo e que sobreviveram ao tempo, ou às guerras, e continuam de pé para contar suas histórias.

O menor arranha-céu do mundo

Menor-arranha-céu-do-mundo

Esse predinho fica em Wichita Falls, no Texas e tem quatro andares, cada um deles com 11 m2. Só as escadarias ocupam 25% do seu espaço interior, tornando a estrutura toda meio que inabitável. Quem foi o maluco que investiu nisso? E por que ele é chamado de “arranha-céu”?

Dizem que o prédio foi construído durante o “boom” do petróleo em 1919, quando um campo de petróleo foi descoberto em uma cidade próxima. Milhares de moradores da região se entusiasmaram com a ideia de ficarem milionários e venderam suas terras para as petroleiras. Um promotor local, chamado J.D. McMahon, prometeu um prédio que ficaria próximo a um hotel concorrido, e depois de apresentar o projeto, vendeu imediatamente US$ 200 mil em ações aos investidores.

Só que havia um detalhe que McMahon não mencionou aos investidores (esses, aparentemente muito empolgados para notar): a escala do seu projeto estava em polegadas, em vez de pés (a unidade de medida mais comum por lá). Quando o prédio foi concluído, os investidores ficaram chocados ao descobrirem que ele era muito menor do que imaginavam. A essa altura, McMahon já estava longe. Os investidores tapeados o encontraram e ele foi processado. Só que o processo não foi adiante, já que McMahon tinha construído o prédio seguindo exatamente o que estava no projeto.  Como tinham investido uma fortuna e precisavam de escritórios, as petroleiras acabaram usando as salinhas até que o ‘boom” se esgotou. E o prédio acabou sendo abandonado durante a Grande Depressão, em 1929.

A menor casa da Grã-Bretanha

Menor-casa-da-Grã-Bretanha

“A menor casa da Grã-Bretanha” está localizada em Conwy Quay, no País de Gales. A casa tem apenas 1,8 metros de largura e 3,1 metros de comprimento. Ela foi erguida no século XVI e teve vários moradores desde então. Um pescador de 1,90 de altura, chamado Robert Jones, foi o último ocupante da casa. Ele se mudou em 1900. Hoje, a casinha é uma atração turística e as pessoas pagam para vê-la por dentro.

Se você se pergunta o motivo de alguém construir uma casa tão pequena, a explicação até que é simples. Na era medieval, era prática comum construir casas enfileiradas contra a muralha da cidade. Duas fileiras foram construídas começando nas pontas opostas da rua,  uma em direção da outra. As duas fileiras geralmente não se encontravam, então o vão entre elas era usado para construir casas de baixíssimo custo. Foi o caso da minúscula residência.

Apesar de pequena, ela é considerada prática. Dentro da casa, há espaço suficiente para uma cama de casal, um depósito de carvão e uma lareira… Não me perguntem onde fica o banheiro, não tenho ideia…

Falando em residências pequenas, olha só esta:

A torre de cápsulas

Cápsulas

Esse prédio é famoso no mundo inteiro.

Logo após a II Guerra Mundial e até os anos 1970, o Japão viveu um rápido desenvolvimento econômico e cultural. Nesse período, um movimento arquitetônico chamado “Metabolismo” emergiu com a promessa de redefinir as áreas urbanas do país. O nome do movimento, adotado da biologia, baseava-se no conceito de ambiente urbano que poderia crescer, se reproduzir e responder ao ambiente – exatamente como um organismo vivo.

A mais conhecida aplicação do Metabolismo é a Nakagin Capsule Tower, em Tóquio. Construída em 1972, a torre consiste em 140 cápsulas de concreto grudadas em duas torres. Cada cápsula é um apartamento individual. Um lado do apartamento tem uma parede de aparelhos, incluindo uma geladeira, um fogão e balcões de cozinha. Do outro lado está uma grande janela com com uma cama embaixo. O prédio foi pensado para acolher especialmente as pessoas solteiras.

cap3big

Apesar do conceito, o resultado não foi nada prático. A prometida flexibilidade da estrutura ficou só na teoria. Substituir ou acrescentar novas cápsulas era considerado muito caro. Sem falar que a experiência de viver em uma delas era ruim. O espaço apertado não era confortável, e a enorme janela deixava o interior da cápsula totalmente exposto a quem olhava de fora. Por tudo isso, o prédio não foi mais renovado e hoje está em ruínas, com seus proprietários pensando o que fazer com ele…

As pontes vivas

Pontes-vivas

A cidade de Cherrapunji, na Índia, está em um dos lugares mais úmidos do planeta. A região é repleta de rios e córregos que se enchem rapidamente com as chuvas, que praticamente não param o ano todo. Por muitos anos, isso representou um desafio às necessidades locais de locomoção e tornava quase que impossível construir pontes do modo tradicional, já que o concreto e o cimento não secavam o suficiente, e o solo era molhado demais para assentar as estruturas. Então, os moradores encontraram uma solução: fazer com que as pontes crescessem em vez de construí-las…

Eles repararam que  a Ficus elastica, uma árvore nativa da Índia e dos países vizinhos, criava diversas raízes secundárias que se estendiam acima do tronco. Como as raízes podiam facilmente ficar longas o suficiente para atravessar rios, concluíram que essa seria a saída, criar “pontes vivas”.

Só que, para criar uma ponte viva, alguns sistemas de orientação  tiveram que ser instalados para as raízes, o que exigiu uma leve modificação no tronco da planta. A ponte era então deixada crescendo por vários anos antes de se tornar forte o bastante para ser utilizada pelas pessoas. A mais impressionante delas é a que foi batizada de Umshiang, uma ponte sobre a outra(na foto acima). Nas fotos abaixo, uma visão de como é a travessia.

407999

root-bridges (1)[2]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:
Este artigo é uma parte reproduzida do Listverse.

Chan Chan

Durante minha recente viagem à costa norte do Peru, tive a oportunidade de visitar a capital do reino da civilização Chimú, Chan Chan.

Senhor Chimú sendo carregado para as cerimônias. E eu, ali perto, supervisionando as atividades.

A monumental cidade de adobe de Chan Chan foi a capital de uma cultura que se expandiu e dominou a costa norte do Peru por aproximadamente 600 anos, de 850 a 1470, quando foi anexada  pelos incas. Os chimús chegaram a controlar um território de 1 mil quilômetros de extensão, que ia de Tumbes, perto da fronteira com o Equador, a Lima. Hoje o sítio arqueológico aberto à visitação – em parte – está situado a 5 km da cidade de Trujillo.

staticmap

Os chimús estabeleceram um Estado forte e controlador, com numeroso exército e grande população. Estima-se que Chan Chan, principal centro político e cerimonial, tenha abrigado até 100 mil pessoas em seu apogeu.

Toda construída em adobe, a cidade ocupou uma área de 20 quilômetros quadrados, dos quais ainda restam 14 quilômetros quadrados, e foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco em 1986. Hoje a visita se restringe ao setor conhecido como Palácio Nik An (anteriormente chamado Tschudi), um dos nove espaços similares dedicados à aristocracia chimú arqueologicamente identificados.

chch3d

Totalmente amuralhado, o Palácio abriga praças cerimoniais, armazéns para estocagem de alimentos, recintos privados, uma plataforma funerária e outros espaços, além de alas inteiras com paredes e muros esculpidos com peixes, aves, esquilos e ondas do mar, entre outras figuras.

100_3079

Created with Nokia Smart Cam

Em Chan Chan, há também um museu aberto à visitação, com ricas informações sobre a cultura chimú desde os seus primórdios.

100_3054

100_3045

100_3042

100_3046

Em todos os sítios arqueológicos peruanos, o governo exige que seja criado pelo menos um exemplar do “perro peruano”, ou Perro Sin Pelo, que está ameaçado de extinção. Raça oriunda do Peru, não se sabe ao certo sua origem. O que se sabe é que existem vasos pré-incaicos que já traziam sua figura, isso em 1400 a.C. Fisicamente, apesar de ser uma raça pelada, apresenta vestígios de pelo nas extremidades de seu corpo, que pode chegar a medir 65 cm na altura da cernelha. Entre as particularidades desta raça está o fato de possuir três tamanhos distintos, cada um com sua padronagem: pequeno, médio e grande. Ah, o cãozinho da foto não está morto… Está dormindo calmamente, alheio ao que ocorria à sua volta, sob o sol escaldante de Chan Chan (não sei como ele suportava!).

 

 

 

Hitler queria lançar bomba atômica em Nova York

Há muita especulação e polêmica sobre o fato dos alemães terem ou não pesquisado a bomba atômica durante a Segunda Guerra. Dados, estudos e planos descobertos após o final da guerra, porém, indicam que eles estavam bem adiantados e teriam chegado a ela bem antes dos americanos.

Segundo revelações do historiador Rainer Karlsch,  cientistas testaram “bombas nucleares” em 1944 e 1945 na ilha de Ruegen, no mar Báltico, e na região central da Alemanha, sob supervisão da SS, mas as armas não estavam prontas para uso ao final da guerra. Essa seria a “arma milagrosa” que Hitler anunciava a seus comandantes em 1944/ 1945, e que ajudaria a vencer a guerra. Entretanto, segundo alguns, os recursos econômicos da Alemanha já estavam tão esgotados, particularmente nas últimas etapas da guerra, que “não havia chance” de que o país realizasse suas ambições nucleares.

Seja como for, os planos alemães de dominar o átomo para fins bélicos literalmente naufragaram em fevereiro de 1944 junto com o batelão Hydro, no lago Tinnsjo, na Noruega, quando este transportava enorme carga de “água pesada” (óxido de deutério usado em reatores nucleares) para a Alemanha. Trabalho de 11 Comandos Noruegueses, treinados pelos britânicos, depois de cinco operações mal sucedidas e desbaratadas pelo Serviço Secreto alemão.

Mas a coisa não parava aí, segundo os pesquisadores. O mapa abaixo, de outubro de 1943, mostra o alcance de uma bomba atômica alemã se lançada sobre a cidade de Nova York, nos EUA.

O plano Amerika-Bomber foi completado em 27 de abril de 1942 e submetido ao Reichsmarschall Hermann Göring, em 12 de maio de 1942.

Esse plano, de 33 páginas, foi descoberto em Potsdam pelo historiador alemão Olaf Groehler. Dez cópias do plano foram produzidas, com seis indo para diferentes escritórios da Luftwaffe e quatro mantidas em reserva. O plano menciona o uso de base nos Açores como aeródromo de trânsito para alcançar os EUA.

Caso fosse utilizado, os aviões He 277, Junkers Ju 290, e o Messerschmitt Me 264 poderiam atingir alvos nos EUA com cargas de bombas de 3, 5 e 6,5 toneladas respectivamente.

heinkelhe277b5ye7

O bombardeiro estratégico He 277.

De acordo com o historiador James P. Duffy, Hitler viu nos Açores a possibilidade de efetuar ataques aéreos aos EUA com bombas convencionais de início, forçando os americanos a construir uma defesa antiaérea local. A ideia era fazer com que os americanos reforçassem sua defesa em detrimento da defesa da Grã-Bretanha, permitindo à Luftwaffe atacar os ingleses com menos resistência. Os estudos da época indicavam ser possível atacar os EUA com as bombas convencionais, mas os danos seriam poucos e o resultado seria um apoio ainda maior da população. Quem acabou por dar fim ao projeto foi o Almirante Donitz.

O que se teoriza é que, caso Hitler dispusesse da bomba atômica por volta de 1944/1945, ele a teria lançado em primeiro lugar em Londres e, depois, em Nova York, mais como forma de inspirar o terror psicológico no inimigo e forçar a um cessar-fogo. Iriam usar a mesma estratégia depois adotada pelos EUA contra o Japão, em 1945: os EUA só possuíam as três bombas que detonaram, mas conseguiram dobrar a resistência nipônica assim mesmo.

O fato é que, com as reservas do país quase esgotadas e depois do incidente na Noruega descrito acima, Hitler e Göring acabaram por focar sua atenção em outras armas, como as bombas voadoras V1 e V2, que foram lançadas em grande quantidade sobre a Grã-Bretanha entre o final de  1944 e o começo de 1945.

Para nossa sorte, nada disso evitou a derrota do Terceiro Reich…

Fontes:
aereo.jor.br
guerramundial1939-1945.blogspot.com.br

A morte dos shopping centers

O fotógrafo Seph Lawless (pseudônimo) publicou recentemente um livro com imagens de shoppings centers abandonados nos Estados Unidos. A obra Black Friday mostra a decadência de um modelo de negócio que cresce no Brasil, mas já acende um alerta preocupante por aqui. Segundo pesquisa do Ibope, os 36 empreendimentos inaugurados no ano passado abriram em média com metade das lojas fechadas por falta de locatários.

De acordo com a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), atualmente cerca de 500 centros comerciais deste tipo operam no Brasil, e o número crescerá para 530 até o fim do ano – a maioria desses novos empreendimentos estão localizados fora das grandes capitais. E pode ser esse um dos problemas. Conforme a pesquisa,  muitos centros comerciais foram abertos em mercados que não tinham demanda suficiente.

Entre os shoppings inaugurados entre setembro e dezembro de 2014, a taxa média de ocupação em 21 deles foi de apenas 38%. Segundo Fabio Caldas, coordenador de pesquisa na área de shoppings do Ibope Inteligência, o ritmo de crescimento do varejo não acompanhou o avanço dos shoppings.

Nos Estados Unidos, cerca de 15% no shoppings vão falir ou serão transformados em outros espaços comerciais nos próximos dez anos, principalmente aqueles que não têm uma grande loja de departamentos como chamativo para consumidores, segundo pesquisa da Green Street Advisors. O processo de “morte” destes ícones foi retratado por Lawless como uma representação da falência do estilo de vida americano.

Em entrevista recente, durante a divulgação de seu livro, o fotógrafo conta a motivação de suas fotos:

“Acredito que a sociedade americana fracassou. Meu país não é mais socialmente ou economicamente viável, e a maioria dos americanos é facilmente guiada como ovelhas por um governo federal tirânico. Meu país está enfraquecido e minhas fotografias expõem essa fraqueza. O governo não é muito fã do meu trabalho. Eles prefeririam que os americanos e o mundo pensassem que a América ainda é forte e vibrante. Minha arte oferece uma descrição mais precisa do país. Uma revelação mais honesta da América.”

E explica ainda porque usa um pseudônimo:

“Uso um nome fictício por medo do meu governo. Em novembro passado, o Centro Nacional de Antiterrorismo divulgou um documento interno alertando que meu trabalho está expondo vulnerabilidades de segurança e que pode ajudar terroristas. Ameaçadoramente intitulado ‘Exploração urbana oferece visão sobre vulnerabilidades da infraestrutura’, o documento diz que fotos, vídeos e diagramas postados por Seph Lawless e outros  poderiam ser usados por terroristas para ‘identificar remotamente alvos em potencial'”.

Deixando de lado a eventual paranoia de Lawless, o que não se pode negar é que esse início de crise tem inspirado reflexões sobre o modelo de negócio até de quem depende dele — como, por exemplo, a cadeia de lojas Gap, dos Estados Unidos. “Nós já estamos assumindo a decadência dos shoppings. É um modelo de negócio que funcionou durante um determinado espaço de tempo”, disse Glenn Murphy, o CEO da Gap, em recente entrevista, referindo-se aos aspectos negativos dos shoppings — estacionamentos lotados, preços e custos elevados, ambiente fechado e concentração de pessoas em áreas reduzidas.

Murphy alerta para uma tendência irreversível: o aumento significativo das compras online. No último trimestre de 2014, o volume de compras online nos Estados Unidos atingiu 6% do total gasto em varejo, praticamente dobrando em relação ao mesmo período de 2006. O gargalo para um crescimento ainda maior e em mais velocidade é a logística. Se os serviços de armazenagem e de entrega se tornarem mais eficientes, estima-se que o total do volume de compras online mais que dobre nos próximos três anos.

Mas o impacto das compras online é apenas a superfície da questão.

A verdade é que, desde a crise financeira de 2008, o varejo nos Estados Unidos tem perdido força progressivamente, ao mesmo tempo em que começam a surgir movimentos, reflexões e pensadores que combatem o consumismo excessivo que tem caracterizado a última década. “O modelo consumista atingiu seu limite e se tornou uma atividade preocupada apenas com resultados imediatos, produzindo uma estupidez sistemática que impede uma visão em longo prazo”, diz o filósofo francês Bernard Stiegler, autor do livro Uma Nova Crítica à Política Econômica.

Esse discurso tem sido sustentado por grupos dedicados à questão do aquecimento global, referindo-se aos recursos naturais finitos e à necessidade de transformação da sociedade de consumo. Ou como diz Amitai Etzioni, professor de política internacional da Universidade George Washington, em Washington, DC, Estados Unidos:

“O consumo excessivo nos leva a comprar casas maiores, carros mais caros, roupas mais transadas e tecnologias mais fascinantes que prometem felicidade, mas nunca entregam. Apenas provocam o desejo de mais, sempre mais. E aos poucos, esse consumo começa a roubar sua vida e a consumir nossos recursos limitados”.

 

 

Fontes:

economia.terra.com.br

virgula.uol.com.br

Wikipedia

A verdade por trás de fotos famosas e cartazes icônicos

Roberto Martínez, do jornal mexicano “El Universal”,  numa reportagem publicada em 2011, explica fatos curiosos que deram origem a algumas das fotos e pôsteres mais famosos do mundo. Por trás de uma foto, ou de um pôster, sempre há uma história que merece ser contada. Alguns deles se tornaram ícones da cultura mundial e, nessa reportagem, o jornalista conta essas histórias. Algumas delas eu resumi neste post, e também acrescentei outras informações. (O link da matéria original segue no final).

Almoço nas alturas

Essa talvez seja uma das fotos mais famosas de todos os tempos. Sempre chama a atenção, porque a maioria das pessoas pensa que é uma montagem. Por mais incrível que possa parecer, não é! Ela foi feita no 69º andar do antigo Edifício RCA em Nova York – hoje Edifício GE – em 1932 e os trabalhadores do prédio em construção tinham feito uma pausa para almoçar… O fotógrafo doidão que foi até lá no alto para fazer essa foto chamava-se Charles Ebbets.

I Want You

Lorde Kitchener era o Ministro da Guerra da Grã-Bretanha na I Guerra Mundial, e esse cartaz apareceu pela primeira vez em 5 de setembro de 1914, na porta do “London Opinion”. Durante esse mês, o país teve o maior número de voluntários de toda a guerra. A Comissão Parlamentar de Recrutamento obteve mais tarde permissão para utilizar o desenho em formato de pôster. Em 1916, Lord Kitchener morreu quando o navio de guerra que o levava para negociações na Rússia foi afundado por uma mina alemã. O dado curioso é que o cartaz se converteu em inspiração para o legendário Tio Sam.

Esse cartaz foi produzido por James Montgomery Flagg  e foi usado principalmente na Primeira e na Segunda Guerra Mundial. A ideia era mostrar que o país queria e precisava dos jovens no exército norte-americano e que esse chamado era uma honra para quem o atendesse. Para criar a aparência do Tio Sam, Flagg se baseou em seu próprio rosto. Outro dado curioso é o significado de U. S. no cartaz. O ilustrador pretendia que significasse United States (Estados Unidos), mas o significado de “Uncle Sam” (Tio Sam) veio de uma brincadeira dos soldados e pegou: havia um fornecedor do exército chamado Samuel Wilson e vinha a sigla U.S. gravada nas caixas de alimentos desse fornecedor. Os soldados associaram o US das caixas ao apelido que davam ao fornecedor – “Lá vem mais uma caixa de latas de conserva do Uncle Sam!”.  Não demorou para que essa brincadeira se estendesse ao cartaz e que Uncle Sam passasse a representar o próprio governo americano.
Albert Einstein

A famosa foto do cientista de língua para fora foi feita em 14 de março de 1951 pelo fotógrafo da UPI Arthur Sasse. Depois de um evento em Princeton em honra a Einstein, em comemoração ao seu aniversário de 72 anos, Sasse e outros fotógrafos tentaram convencer o cientista a sorrir para a câmera. Cansado por causa do evento, dizem que ele se recusou, reclamando que já haviam tirado fotos demais. Como as palavras não “acalmaram” os fotógrafos, a reação do cientista foi ainda mais forte. Ele pôs a língua para fora, como se estivesse dando uma banana aos precursores dos atuais paparazzos. A informação curiosa é que Einstein gostou tanto da foto que recortou a imagem de modo que mostrasse apenas seu rosto. Logo fez várias cópias e enviou a imagem em cartões postais aos seus amigos.

Keep Calm

Uma das imagens mais populares atualmente nas redes sociais é aquela do “Keep Calm”, aquela da coroa sobre fundo vermelho.

Ela é tão popular que sofreu inúmeras paródias e interpretações, que certamente você já deve ter visto. Como os exemplos abaixo:

  

Mas sempre tive curiosidade de saber a origem desse cartaz. Fui pesquisar e descobri que, na primavera de 1939, época em que a Inglaterra se juntou às tropas aliadas para enfrentar o exército alemão durante a Segunda Guerra Mundial, o governo inglês decidiu imprimir pôsteres para acalmar a população imersa em territórios tomados pelo conflito. A ideia era imprimir três cartazes que seguissem o mesmo padrão de design: duas cores, uma frase impressa em fonte elegante e um desenho da coroa do rei George VI, à frente do país na época. Três versões foram criadas, seguindo um planejamento que previa sua distribuição rapidamente.

Na primeira, as letras elegantes, a coroa e a frase eram: “Sua coragem, sua alegria e sua determinação vão nos trazer a vitória”.

Na segunda versão, o mesmo layout e a mensagem: “A liberdade está em perigo. Defenda-a com toda a sua força”.

Os dois primeiros pôsteres foram distribuídos em setembro do mesmo ano e rapidamente invadiram paredes e janelas de lojas e vagões de trem. A terceira versão, a de fundo vermelho reproduzida mais acima e que foi difundida nas redes sociais, não foi distribuída, apesar de impressa. Essa versão seria utilizada apenas em uma situação de crise (por exemplo, caso o país fosse invadido) e quer dizer “Mantenha-se calmo e siga em frente” (Keep calm and carry on). Como ocorreu a Invasão da Normandia, o pôster perdeu seu sentido original e acabou ficando esquecido.

Só em 2006 a dona de um sebo na Inglaterra encontrou uma cópia dele em meio a livros antigos e decidiu colocá-lo num quadro, pendurando-a na parede. Fez tanto sucesso que a dona da livraria fez diversas cópias do pôster e começou a vendê-lo. E foi assim que a frase ganhou o mundo.

O apelo dela se deve ao conselho que reproduz e que nunca envelhece:  mantenha-se calmo e siga em frente.

 
 
 
Fontes:
Revista Bula
Super Abril
Imperial War Museum
Wikipedia