Astronauta mostra o que acontece ao torcer toalha molhada no espaço

O que acontece quando se torce uma toalha molhada no espaço? Duas estudantes de uma escola do Canadá fizeram essa pergunta e tiveram resposta diretamente da Estação Espacial Internacional (ISS).

scene composition: litho, frame 22Quem conduziu o experimento foi Chris Hadfield, astronauta também canadense que se tornou comandante da ISS em março de 2013. Desde dezembro de 2012, quando chegou à ISS, Hadfield realizou diversos experimentos em gravidade zero.

Para responder à questão de Kendra Lemke e Meredith Faulkner, que cursavam a décima série escolar do Canadá (que corresponde ao Ensino Médio no Brasil), Hadfield jogou a água diretamente de uma “garrafinha” em uma toalha de mão. Devido à gravidade zero, explica ele no vídeo, não seria possível mergulhar a toalha em um recipiente, porque a água não ficaria lá dentro.

Quando a toalha foi torcida, a água começou a se acumular na superfície, formando uma espécie de membrana de aparência gelatinosa. Sem a gravidade para atrair a água para baixo e fazê-la cair da toalha, a água foi cobrindo as mãos de Hadfield. A toalha, mesmo depois de solta, continuou torcida.

“Devido à tensão superficial da água, ela percorre a superfície da toalha e chega à minha mão, como se eu tivesse gel nas mãos, e então fica lá”, explica o astronauta. A tesão superficial da água, causada pela atração entre as moléculas, é o que explica, por exemplo, por que alguns insetos conseguem andar sobre a água, como se houvesse em sua superfície uma fina membrana elástica.

O astronauta voltou à Terra no final daquele ano e se aposentou, iniciando então uma carreira de palestrante.

A Viagem dos Elefantes

Existe algo no Universo que é muito maior do que a compreensão dos homens…

Lawrence Anthony, uma lenda na África do Sul, autor de 3 livros, entre eles o best-seller O Encantador de Elefantes,  valentemente resgatou inúmeros animais selvagens e reabilitou elefantes por todo o planeta após serem vitimados por atrocidades humanas, e entre seus feitos está o corajoso resgate dos animais do Zoológico de Bagdá durante a invasão dos Estados Unidos em 2003.

No dia 2 de março de 2012, Lawrence Anthony faleceu. Deixou saudades e é sempre lembrado por sua esposa, dois filhos, dois netos e… Numerosos elefantes.

Isso mesmo!

Dois dias após seu falecimento, os elefantes selvagens apareceram em sua casa, na enorme reserva de Thula-Thula, guiados por duas grandes matriarcas.

Outras manadas  selvagens também apareceram em bandos para dizer adeus a seu amado amigo-homem. Um total de 31 elefantes havia caminhado pacientemente por mais de 20 quilômetros para chegar à residência sul-africana de Anthony.

Ao testemunhar esse espetáculo, os outros humanos obviamente ficaram abismados não apenas por causa da suprema inteligência e timing perfeito com que esses elefantes pressentiram o falecimento de seu amigo, mas também por conta da maneira organizada com que eles foram prestar suas últimas homenagens. Caminhando lentamente, e durante dias, marchando pelo caminho numa fila solene desde seu habitat até a casa de seu antigo protetor.

Os humanos, intrigados, se perguntavam: como os elefantes da reserva, pastando a quilômetros de distância da casa de Anthony, e em locais diferentes da reserva, poderiam saber da morte dele?

“Um homem bom morreu de repente” disse a Rabina Leila Gal Berner, “e vindo de muito, muito longe duas manadas de elefantes, sentindo que eles haviam perdido um amado amigo, vieram numa solene procissão fúnebre para visitar a família enlutada na residência do falecido.”

“Se alguma vez houve uma ocasião em que pudemos realmente sentir a maravilhosa intercomunicação de todos os seres, foi quando refletimos sobre os elefantes de Thula Thula. O coração de um homem para de bater e os corações de centenas de elefantes se entristecem.  O coração tão generoso e dedicado  desse homem ofereceu a cura a esses elefantes, e agora eles vêm prestar sua carinhosa homenagem a seu amigo.”

A esposa de Lawrence Anthony, Françoise, estava particularmente comovida, sabendo que os elefantes não tinham vindo à sua casa antes desta data por bem mais de três anos!  Como disse a rabina, os elefantes obviamente queriam apresentar suas homenagens ao amigo que havia salvado suas vidas, e tamanho era o seu respeito que ficaram por dois dias e duas noites sem comer ou beber absolutamente nada, como numa vigília.

E assim, na manhã do terceiro dia, eles partiram para a sua longa viagem de volta.