As 5 melhores polícias do mundo

A Interpol foi notícia no Brasil há poucos meses porque está procurando 178 cidadãos brasileiros acusados de diversos crimes, como lavagem de dinheiro, sequestro, tráfico de drogas e outros.

  • A Interpol é considerada pelos especialistas uma das 5 melhores polícias do mundo.

cq5dam.web.1280.1280

Organização Internacional de Polícia Criminal, mundialmente conhecida pela sua sigla Interpol (International Criminal Police Organization), é a maior organização policial do mundo, com a participação de 188 países membros. Na verdade, é uma organização que ajuda na cooperação das operações policiais dos países membros e foi criada na Áustria em 1923, pelo chefe de polícia de Viena. Quando o país foi anexado pela Alemanha, durante a Segunda Guerra Mundial, a Interpol foi comandada por oficiais da SS até o final da guerra. Hoje, sua sede é em Lyon, na França, e a Interpol não se envolve em crimes ocorridos em países que não sejam membros e nem em crimes políticos, religiosos ou raciais. Sua maior ênfase atualmente está no combate ao tráfico de drogas e contrabando.

  • Entre as 5 melhores está também a Polícia Montada do Canadá.

Os Mounties, como também são conhecidos, é a única corporação policial no mundo que mantém o policiamento federal, estadual e municipal numa só organização. Criada em 1920, ela ajuda também as polícias provinciais, como em Quebec e Ontario, e suas atribuições são o combate ao crime de fraudes, falsificações, tráfico de drogas, homicídios, policiamento de fronteiras, crime organizado, terrorismo e segurança interna, patrulhando também os portos e aeroportos.  Fornece também proteção ao Primeiro Ministro, ao Governador Geral e suas famílias e residências. Cuidam também da proteção ambiental e dos parques nacionais. O salário inicial de um polícia montada equivale hoje a R$ 6.500,00…

  • A Scotland Yard é a mais antiga força policial avaliada entre as 5 melhores do mundo.
 Criada em 1829, a Scotland Yard deve seu nome, ou melhor dizendo, sua alcunha (já que o nome oficial é Polícia Metropolitana de Londres, ou simplesmente Metro) à sua primeira localização, a Great Scotland Yard, uma rua situada em Whitehall. Talvez seja a polícia mais conhecida do mundo, por conta de ter aparecido em inúmeros filmes e livros, como as histórias de Sherlock Holmes. Dos mais de 32.000 policiais de Londres e da Grande Londres, apenas 3.000 portam armas. O princípio institucional que justifica o desarmamento da polícia britânica é o que situa a atuação policial como eminentemente mediadora, e não como mera força de repressão do Estado. E 82% dos policiais consultados preferem não portar armas, no máximo o taser (arma que dá choque elétrico).
  • Outra organização policial muito bem avaliada é a LAPD (Departamento de Polícia de Los Angeles).
 Grande parte das polícias do mundo vão treinar com os oficiais da LAPD, especialmente com a SWAT.  A cidade de Los Angeles, com 4 milhões de habitantes, conta com um contingente de mais de 10.000 policiais e mais de 3.000 voluntários. Los Angeles era famosa pela violência durante a conquista do Oeste e, em 1883, a população organizou uma força policial para ajudar os poucos policiais já existentes, os Rangers. Anos depois, os Rangers foram substituídos por uma força de voluntários e o primeiro corpo efetivo pago pelo município foi criado em 1869: 6 homens chefiados por um delegado (marshall).  Somente em 1933 a polícia foi organizada nos moldes em que atua até hoje, com os blues (os policiais de uniforme azul) e os detetives.
  • A quinta força policial considerada entre as melhores do mundo é a Polícia de Vitória, na Austrália.
 Criada em 1853, conta hoje com 14.000 integrantes, para uma população de 5 milhões de habitantes. Além de policiamento preventivo, uniformizado, eles atuam também na investigação criminal, nos moldes da LAPD. Suas unidades são um esquadrão de homicídios, outro anti-drogas, um departamento contra o crime organizado, de pessoas desaparecidas, contra roubos de veículos, uma divisão contra crimes sexuais, outra de proteção à criança e adolescência e um CSI da vida, com peritos criminais. Além disso, há os esquadrões de patrulhamento aéreo, de explosivos, patrulha rodoviária, uma unidade de cavalaria, outra de busca e salvamento, SWAT e polícia marítima.
O armamento padrão utilizado por todas as unidades é a pistola semi-automática .40 Smith & Wesson.
10211110

NOTA

A pistola .40 foi criada nos anos 70 a pedido do FBI. Isso aconteceu depois de uma perseguição em que dois agentes foram mortos por fugitivos. Como um dos criminosos levou 12 tiros antes de parar de atirar, a polícia percebeu que precisava de uma arma com maior poder de parada – e desenvolveu a .40. O governo de São Paulo informou, em 2011, que trocaria todos os velhos “trezoitão” usados pela PM por semi-automáticas .40 fabricadas no Brasil pela Taurus. 

 

Construções fantásticas

Vi essas fotos e fiquei pensando: de fato, não há limites para a arquitetura e a engenharia (não bastaria o arquiteto bolar essas maluquices, alguém teria que torná-las realidade, certo?). Em alguns casos, como o do edifício do “Acredite se puder” (Believe it or Not), eu até entendo, eles chamaram a atenção até mesmo para seu edifício. Mas em outros casos, realmente fiquei pensando o que levaria alguém a  habitar num conjunto de apartamentos que parece mais uma construção feita com Lego?

Mas há projetos fantásticos, como os de Madri ou de Barcelona. Outros, apenas bizarros. Sem falar que morar na casa dos Ewoks deve ser beeem divertido…

A casa do “Acredite se Puder”

Ontario, Canadá

Tóquio, Japão

Torres KIO, Madri.

Edifício Mirador, Madri.

Colorado, EUA.

La Pedrera, Barcelona.

43-theeggbuilding-thumb

Londres, Inglaterra.

Hotel Atlantis, Dubai.

Montreal, Canadá.

Sede da empresa que fabrica essas cestas. Ohio, EUA.

Biblioteca pública de Kansas City, EUA. A população votou nas “lombadas” dos livros que deveriam compor a fachada.

Guimarães, Portugal.

09-cubichouses-thumb

Rotterdam, Holanda.

12-dancingbuilding-thumb

Praga, República Checa.

E, para encerrar…

A “casa torcida” em Sopot, Polônia. Foi construída em 2003 com projeto baseado nas telas e ilustrações de Jan Marcin Szancer e Per Dahlberg. Parece saída de um desenho animado e o  interessante é a forma como os construtores conseguiram criar esta ideia genial, mas a casa é um fato e todos admiram sua criatividade!

A casa por dentro:

Fontes:

thechive.com

villageofjoy.com

Começa a busca por mundos habitados

POR SALVADOR NOGUEIRA

Uma descoberta épica acaba de ser feita pela missão K2, a segunda fase de operações do satélite Kepler, da NASA. Seria apenas mais um planeta potencialmente similar à Terra, como tantos que já foram anunciados nos últimos anos, não fosse por um detalhe: ele é o primeiro a ser encontrado que permitirá a busca efetiva por sinais de vida em sua atmosfera.

Concepção artística de planeta ao redor de estrela anã vermelha, como o recém-descoberto (Crédito: PHL/UPR)

Concepção artística de planeta ao redor de estrela anã vermelha, como o recém-descoberto (Crédito: PHL/UPR)

Ele tem um diâmetro cerca de 50% maior que o da Terra e completa uma volta em torno de sua estrela-mãe a cada 44,6 dias terrestres. Os dados da missão K2 revelaram a presença de outros dois planetas, um com cerca de 2,1 vezes o diâmetro terrestre, completando uma volta em torno da estrela a cada 10 dias, e o outro com 1,7 vez o diâmetro da Terra e período orbital de 24,6 dias.

Hoje em dia, é muito difícil observar diretamente a luz que emana de um planeta fora do Sistema Solar. Algumas câmeras especiais já conseguem fotografar planetas gigantes em órbitas longas em torno de seus sóis, mas isso ainda não é possível para planetas pequenos e rochosos em órbitas suficientemente próximas a ponto de permitir que a água se mantenha em estado líquido na superfície — condição aparentemente essencial para o surgimento e a manutenção da vida.

Então, o único meio de estudar a atmosfera desses mundos é nos casos em que eles “transitam” à frente de suas estrelas, com relação ao nosso campo de visão. Assim, parte da luz da estrela atravessa de raspão a atmosfera do planeta e segue até nós, carregando consigo uma “assinatura” da composição do ar.

Pois bem. O satélite Kepler detecta planetas justamente medindo as sutis reduções de brilho das estrelas conforme eles passam à frente delas. Por um lado, isso limita brutalmente a quantidade de planetas que podemos detectar, pois exige que o sistema esteja alinhado de tal forma que esses mini-eclipses sejam visíveis daqui. (Estima-se que apenas 5% dos sistemas planetários estejam num alinhamento favorável.) Por outro lado, os planetas que descobrimos já são alvos naturais para estudos de espectroscopia, a análise da tal “assinatura” na luz que passou de raspão pela atmosfera.

O satélite Kepler detecta planetas observando trânsitos deles à frente de suas estrelas-mães. (Crédito: Nasa)

O satélite Kepler detecta planetas observando trânsitos deles à frente de suas estrelas-mães. (Crédito: Nasa)

As pesquisas sobre a atmosfera desses mundos devem se ampliar a partir de 2018, quando a NASA lançar ao espaço o Telescópio Espacial James Webb. Ele será capaz de detectar dados espectrais correspondentes a uma atmosfera similar à terrestre. Por exemplo, se um desses mundos tiver uma atmosfera como a nossa, onde predomina o nitrogênio, nós saberemos. Se ela contiver grandes quantidades de dióxido de carbono, como é o caso de Vênus, também.

Isso sem falar na medida mais natural a ser tomada desse sistema planetário — a observação dos efeitos gravitacionais que os planetas exercem sobre a estrela-mãe. Com as tecnologias atuais, já seríamos capazes de detectar o bamboleio gravitacional realizado pela estrela conforme ela é atraída para lá e para cá pelos planetas girando em torno dela. E, com isso, saberíamos suas massas. Juntando essa nova informação aos diâmetros, já medidos pelo Kepler, conheceríamos a densidade. E, a partir dela, poderíamos inferir se estão mais para planetas como a Terra ou mundos gasosos, muito menos densos.

Os astrônomos já têm o caminho todo mapeado. A ideia é que o K2, assim como seu sucessor, o satélite TESS, que deve ser lançado em 2017, descubra mais alvos promissores. Quando o James Webb for ao espaço, em 2018, terá uma lista considerável de planetas para estudar — potencialmente centenas deles. Todos interessantes, mas obviamente nem todos tão bons para a vida quanto a Terra. Contudo, se, de toda essa amostra de mundos, apenas um tiver uma atmosfera rica em oxigênio sem que esse gás possa ter sido produzido em quantidade apreciável por processos não-biológicos (como é o caso do nosso planeta), já teremos a certeza de que não estamos sós no Universo.

 

Fonte:
Uol

					

Os sonhos: você sabia que todo mundo sonha?

Sim, todo mundo sonha, homens, mulheres, até os bebês sonham. Inclusive aqueles que alegam nunca sonhar – exceto em casos de extrema desordem psicológica. Os pesquisadores descobriram até que as pessoas normalmente têm vários sonhos durante a noite, que podem durar entre 5 e 20 minutos. Isso significa que uma pessoa passa uma média de 6 anos sonhando durante toda a vida!

Outros fatos interessantes sobre os sonhos:

A gente esquece 95% dos sonhos assim que acordamos! De acordo com uma teoria dos pesquisadores, as mudanças no cérebro que ocorrem durante o sono não suportam o processamento de informações e a capacidade de armazenamento necessária para a formação da memória. Por isso, esquecemos de nossos sonhos. Ao escanear pessoas dormindo, os estudiosos perceberam que o lobo frontal, a área do cérebro que é chave na formação da memória, fica inativa durante o período de sono mais profundo, que é o estágio durante o qual os sonhos acontecem.

Nem todos os sonhos são coloridos! A gente pode sonhar em preto e branco, embora 80% dos sonhos sejam em cores. E as cores em tons pasteis, bem suaves, são as predominantes.

Durante mais de 40 anos, o pesquisador Calvin S. Hall reuniu mais de 50.000 relatos de sonhos de estudantes universitários. Esses relatos davam conta de que muitas emoções são vividas durante nossos sonhos, como alegria, felicidade ou medo. O interessante é que a mais comum das emoções é a ansiedade, e as emoções negativas são geralmente muito mais comuns nos sonhos do que as positivas.

Nossa mente não inventa rostos. A gente vê rostos de pessoas que vimos ao longo da vida, mesmo que não lembremos delas. Por isso, nosso cérebro tem uma infinidade de rostos para utilizar durante os sonhos!

Outro ponto interessante é que sonhar pode ajudar a resolver problemas. Pelo menos foi isso que apontou um estudo recente. De acordo o estudo, é o aspecto visual, e muitas vezes ilógico, dos sonhos, que os tornam adequados para o tipo de pensamento que é necessário para resolver certos problemas. “Seja qual for o estado em que estamos de sono, nós ainda estamos trabalhando nos mesmos problemas”, afirmou um pesquisador, acrescentando que os nossos sonhos podem ter sido aperfeiçoados pelo tempo para várias tarefas, inclusive para ajudar a “reiniciar” o cérebro e resolver problemas.

Finalmente, os sonhos são simbólicos. Mesmo que sonhemos sobre um assunto em particular, nem sempre o significado disso é explícito. Será que quem sonha em ganhar na loteria ou em sofrer um acidente, deve se preparar para que essas coisas realmente aconteçam? Difícil, embora muita gente acredite em sonhos premonitórios. Mas, até hoje, não há evidências científicas que corroborem essa hipótese. O que há, sim, são formas de interpretar os sonhos.

 

 

 

Fontes:
psychology.about.com
noticias.r7.com
vocesabia.net