Atualidades, Curiosidades, Family, Sabedoria

A música faz milagres todos os dias

E quando isso acontece num programa de calouros muito popular na TV, é instantaneamente divulgado no mundo todo pelas redes sociais. A surpresa da vez é uma garotinha de 9 anos de idade que canta a ária “O Mio Babbino Caro”(Meu Querido Papai) com uma voz surpreendente, deixando a todos de boca aberta – literalmente – no estúdio da TV que exibia “Holland’s Got Talent”, uma espécie de “ìdolos” ou aquele “Voice Brasil” ou algo assim da TV Globo.

“O Mio Babbino Caro” é de uma ópera de Giacomo Puccini, compositor italiano cujas árias, como “O Mio Babbino Caro”, ou “Nessun Dorma”, de Turandot, tornaram-se parte da cultura popular. Suas óperas estão entre as mais interpretadas hoje em dia, como “Madame Butterfly”, “Tosca” e a própria “Turandot”.

Ficheiro:GiacomoPuccini.jpg

Giacomo Puccini

A ária que a menina canta no programa de TV foi feita especialmente para a voz feminina e foi imortalizada ao ser interpretada por Maria Callas e depois, por Montserrat Caballé, considerada hoje uma das grandes sopranos mundiais – e que ficou famosa ao gravar o álbum Barcelona com Freedie Mercury do Queen. E essa ária aparece no filme “Mr. Bean sai de Férias”, quando ele e o menino que procura o pai estão sem dinheiro e fazem uma encenação numa praça.

Uma das mais populares sopranos atuais é Sarah Brightman, que também interpretou “O Mio Babbino Caro” num show ao vivo há alguns anos.

Ela é mundialmente famosa e já vendeu mais de 30 milhões de cópias de seus álbuns e DVDs. Canta em várias línguas e já se apresentou ao lado dos maiores nomes da música, como Andrea Bocelli, Plácido Domingo e Josep Carreras. Ou seja, é supertalentosa, tem uma longa carreira e é muito experiente.

Então, depois de ter ouvido a grande estrela cantar a ária, compare com o que a menininha fez, com apenas 9 anos e supernervosa por estar na frente de tanta gente:

E então, a música não faz milagres, ao fazer desabrochar um anjo cantante como esse?

 

 

 

 

Atualidades, Curiosidades, Novidades, Sabedoria

Os lugares abandonados mais bonitos do mundo

A exploração urbana, ou urbex, é a exploração de estruturas construídas pelo homem que estejam abandonadas ou em ruínas. Esse é um hobby que pode ser perigoso, porque embora sua natureza seja basicamente documental, os seus praticantes muitas vezes precisam invadir propriedades alheias e isso, além do risco de causar acidentes, ainda tem o risco de levar à prisão.

Os praticantes da modalidade, geralmente fotógrafos (há pintores, também) organizam expedições a paisagens urbanas em busca de um tema diferente: o abandono. São fontes ricas de cor e de composições em locais cobertos de pó, de ferrugem e degradação.

No passado, havia pintores especializados em natureza morta, e hoje podemos dizer que os “fotógrafos de civilizações mortas” procuram sua inspiração não só nas cidades, mas também em instalações industriais abandonadas, em navios encalhados ou submersos, túneis desativados, catacumbas e estruturas subterrâneas debaixo de grandes cidades.

As fotos que esses exploradores conseguem são surpreendentes.

Ospedale Bartolini, Itália.

chatillon-car-graveyard-abandoned-cars-cemetery-belgium-7

Cemitério de automóveis, Bélgica.

Mansão abandonada, França.

Vilarejo deserto perto de Antuérpia, Bélgica.

aed6a6218b350cdf79077d0e39d53b14

Universidade abandonada, Liége, França.

123434194_6875faafb4_o

Vale dos Moinhos, Sorrento, Itália.

panam-nagar_md-abdullah-mahmud-100

Cidade-fantasma de Panam Nagar, em Bangladesh.

Casas abandonadas, Flórida.

A “Disneylândia” abandonada da China. Situada a 50 minutos de carro de Beijing, o dinheiro da construção acabou em 1998 e as ruínas ficaram por lá…

Túnel alagado da ferrovia desativada de Queensbury, na Inglaterra.

Edifícios antigos na Baixa Manhattan, Nova York, onde no passado viviam artistas e boêmios.

Atualidades, Curiosidades, Esportes, Family, Novidades

Descubra os maiores em 150 anos de futebol

Untitled-1

Na noite fria de 26 de outubro de 1863, uma segunda-feira, um grupo de britânicos reunidos em um bar da capital inglesa decidiu, entre goles de cerveja e uísque, chegar a um consenso para oficializar a prática de um esporte. A ideia era que a novidade fosse uma mistura de movimentos de corpo e dribles com o objetivo de conseguir que a bola ultrapassasse a linha que separava duas balizas. Haveria limites para o uso das mãos, numa forma de se distanciar dos que queriam algo mais próximo do que é hoje o Rugby.

Simples assim.

Basicamente, foi isso que 11 representantes de clubes ingleses discutiram no Freemason’s Tavern, um pub na Great Queen Street, entre os números 61 e 65. Foi ali que aqueles primeiros cartolas do futebol fundaram, naquele dia, a FA (The Football Association), primeira federação de futebol do mundo. A imprensa da época não deu muita bola –o jornal “The Times” publicou em suas páginas só um pequeno texto registrando o encontro.

De lá para cá o futebol, que completa 150 anos, conquistou o planeta, revelou craques, grandes times, seleções, belas partidas e gols inesquecíveis! Mas alguma coisa mudou desde então:

A história do futebol foi marcada por grandes times. Normalmente liderados por um craque, o time cresce, cada atleta atinge o seu melhor e nasce uma equipe que faz história. Foi assim com esses times citados abaixo:

Santos – anos 60

Liderado pelo maior jogador da história, Pelé, o time foi bicampeão sul-americano e mundial.

Real Madrid – anos 50/60

Contando com Di Stéfano e Puskas, conquistou seis títulos europeus.

Ajax – anos 70

Na época de Cruyff, o Ajax holandês revolucionou a modalidade ao criar o Futebol Total e foi base da Holanda vice-campeã em 74, a seleção chamada de “Laranja Mecânica”.

Flamengo anos 70/80

Com Zico em grande fase, o Flamengo conquistou sete Cariocas, quatro Brasileiros, a Libertadores e o Mundial de 1981.

Milan – anos 80/90

Futebol ofensivo e campeão europeu com Van Basten e o técnico Arrigo Sacchi.

Barcelona – anos 2000

A partir de 2009, o Barça de Messi conquistou 16 títulos em 22 disputados.

Mas a grande alegria do futebol são os gols, e existem alguns jogadores que se destacam justamente pela fome de gols. Veja abaixo os maiores artilheiros da história e a quantidade de gols que cada um marcou:

Pelé – 1282 gols. Na seleção, marcou 95 gols em 115 jogos.

Ronaldo – coartilheiro das Copas do Mundo, com 15 gols nos mundiais de 1998, 2002 e 2006. Klose, da Alemanha, fez seus gols nas Copas de 2002, 2006 e 2010, e na de 2014 chegou aos 15 gols.

Gerd Müller – 14 gols em Copas.

Just Fontaine – 13 gols apenas na Copa de 1958!

Messi – aos 27 anos de idade, já soma 396 tentos. Fez o número recorde de 91 gols em 2012.

Tem muito mais histórias sobre o futebol, por exemplo, quando as mulheres entraram no esporte; o que ocorreu na trégua de Natal da Primeira Guerra Mundial (essa trégua foi detalhada aqui) ou a grande tragédia de 1964. Mas vamos deixar essas histórias para um outro dia, num outro post…

 

Atualidades, Curiosidades, Family, Humor

Canhotos, essa gente da esquerda!

Quantas pessoas que acompanham este blog são canhotas? Estima-se que entre 10 e 12% das pessoas sejam canhotas no mundo. Muita gente, não?

Quais são os motivos que tornam alguém um canhoto? A ciência ainda não tem certeza, mas pesquisas apontam que o motivo seja uma combinação complexa entre uma predisposição genética e o ambiente em que a criança se desenvolve. Isso porque, apesar de não haver o ‘gene da mão esquerda’, normalmente canhotos têm mais membros da família que sejam canhotos também (há uma comprovação dessa afirmação mais abaixo). Agora, que é difícil a vida de um canhoto é, porque o mundo é basicamente construído por destros.

E há algumas curiosidades de fato chamativas com relação aos canhotos. Por exemplo:

  • De acordo com alguns estudos, canhotos possuem uma melhor noção espacial e são melhores com números e matemática. Enquanto isso, destros possuem uma melhor habilidade verbal.
  • Em um experimento recente divulgado na conferência da British Psychology Society, canhotos que assistiram “O silêncio dos inocentes” mostraram mais sinais de medo do que os destros. A explicação científica é que isso acontece porque o lado direito do cérebro é o dominante em canhotos – e é ele o responsável pela sensação do medo.
  • Uma prova de que a habilidade com a mão esquerda é transmitida entre famílias são os canhotos da família real britânica: a Rainha Elizabeth, o Príncipe Charles e o Príncipe William são canhotos.
  • Mamíferos também podem ser destros ou canhotos, de acordo com Stanley Coren, psicólogo da Universidade de British Columbia. É possível notar que eles favorecem o uso de uma pata dianteira em detrimento da outra.
  • Apenas 50% dos canhotos usa o mouse do computador com a mão esquerda. Da mesma forma, 68% usam a mão direita para cortar algo com tesouras e 74% cortam alimentos com a faca na mão direita. São reflexos de uma sociedade majoritariamente destra.
  • Os romanos utilizavam a palavra “sinister” para “esquerda” e “afortunado”. A palavra vem de “sinus”, o bolso da toga dos romanos, que ficava, obviamente, do lado esquerdo. Mas, com o passar do tempo, as coisas mudaram: os romanos começaram a valorizar o bolso direito e a palavra “sinister” passou a significar “azarado”. Vem daí a palavra portuguesa “sinistro”.
  • Desafiando as probabilidades, 4 dos 5 designers originais do Mac eram canhotos e dos cinco últimos Presidentes dos Estados Unidos três são canhotos: Obama, Clinton e Bush Jr.

E existem canhotos muito famosos, além do Presidente Obama. São tantos que não daria para citar aqui, mas alguns deles são:

E, claro, não poderia faltar o canhoto mais famoso de todos:

Atualidades, Curiosidades, Family, Novidades

A misteriosa doença de morgellons…

Eu nunca tinha ouvido falar disso, até que Clene Salles (https://www.facebook.com/Clene.Salles) me alertou.

E se você também não conhece o que as autoridades americanas chamam de “dermopatia não explicada”, vou tentar explicar. Esta doença ou síndrome está sendo considerada a mais complexa dos últimos tempos. E muitos especialistas a consideram um caso de “parasitose ilusória”, que é um distúrbio psiquiátrico.

Não faz muito tempo, em 2002, a bióloga americana Mary Leitão tirou um fio muito fino de um abcesso no lábio de seu filho, que lembrava a penugem da flor dente-de-leão.  Em breve, pequenas feridas começaram a aparecer em todo o corpo do menino e nelas encontraram estranhos fios brancos, negros e vermelhos. O menino queixou-se à mãe, dizendo que “debaixo de sua pele rastejavam besouros”. A mãe consultou oito médicos, tentando entender o que realmente ocorria com seu filho, mas não recebeu nenhuma resposta convincente. Todos os médicos disseram que o menino era saudável e as “linhas estranhas”, que saíam de seu corpo eram apenas fios da roupa, que colaram nas feridas.

Mary decidiu começar uma investigação por conta própria e, depois de estudar ao microscópio os “fios” das feridas de seu filho, chegou à conclusão de que eles não eram fios sintéticos da roupa, da roupa de cama ou de brinquedos de pelúcia que teriam encostado na pele do menino. Buscando informação na Internet, ela soube que não apenas seu filho estava com essa terrível doença, que os médicos se recusavam a reconhecer, mas muitas outras pessoas. Então ela criou com o marido uma organização de pesquisa dessa doença, a que deram o nome de doença de Morgellons, porque no livro “A Letter to a Friend” de Sir Thomas Browne, de 1690, havia uma descrição dessa doença (ele chamava de morgellons os pelos grosseiros que cresciam nas costas de crianças em  Languedoc, sul da França. Não há indícios que esses casos tenham relação com os casos atuais)

O dermatologista Alexander Tsvetkevich, da Rússia, contou sobre a aparência das pessoas que sofrem desse mal e quais os principais sintomas da doença:

“Em minha prática houve apenas dois pacientes com semelhantes “doença”. Ambos tinham a pele inchada nos locais das feridas. Entretanto eu relaciono isto em primeiro lugar com intensos arranhões da pele, pois sentiam uma coceira incessante. Com o exame visual não foi encontrado nenhum fio, de que os pacientes se queixavam. Nós realizamos análises clínicas mas também não encontramos parasitas. Eu acho que é um problema inventado. A coceira pode surgir em virtude de estresse nervoso, problemas no trabalho. E o que as pessoas aqui fazem quando adoecem? Elas, infelizmente, não vão ao médico, mas pedem ajuda na Internet, em virtude da falta de tempo. Caem em algum fórum onde especialistas duvidosos ou pessoas comuns lhes dão conselhos, como melhor se curar, sem ter nenhuma ideia do caráter da doença, não tendo a possibilidade de realizar um exame visual. Forma-se um círculo vicioso. As pessoas, tendo lido nos fóruns essas histórias terríveis , fazem elas próprias os diagnósticos e depois acreditam tanto neles, que nenhum médico pode mais convencê-las de que são saudáveis. Eu considero que a doença de Morgellons é uma doença psíquica, em primeiro lugar. E os “doentes” são pacientes não de clínicos gerais e dermatologistas, mas de psiquiatras”.

Os especialistas que compartilham da mesma opinião, especialmente os psiquiatras, tratam do problema com medicamentos psicotrópicos. Já outros médicos receitam antibióticos e medicamentos contra parasitas, além de ervas e dietas especiais.

Médicos e psiquiatras consideram que os fios, (às vezes eles aparecem em exame) têm origem externa, isto é, simplesmente aderem nas feridas da pele. Mas existem aqueles que acreditam numa conspiração silenciosa, que os governos liberaram uma caixa de Pandora com as pesquisas químicas, fisiológicas e que acabaram perdendo o controle.

Os que compartilham dessa tese afirmam que o aumento do número de casos de doentes coincide com a expansão dos alimentos transgênicos, e como as pesquisas sobre a origem da doença – e sua eventual cura – ainda não resultou em nada, essa teoria ganha cada vez mais adeptos.

O ponto onde eles mais se prendem é que as chamadas “agrobactérias” são muito promíscuas na aquisição de ácidos nucleicos e estão presentes em todos os solos do mundo, então é provável que tenham incorporado genes de virulência para humanos, por exemplo, dos “promotores virais” usados na montagem de transgêneros e seus mutantes, que continuamente se desprendem dos milhões de toneladas de resíduos transgênicos que se decompõem pelos campos cultivados, espalhando-se pelo ambiente. Isso, sendo verdade, deveria preocupar os pesquisadores pelo poder de aumentar o aparecimento do Morgellons.

Os sintomas identificados até hoje são:

  • Lesões de pele, acompanhadas frequentemente de dor e de prurido intenso
  • Fibras nas lesões – que podem ser brancas, azuis, vermelhas ou pretas
  • Sensações de rastejamento sob a pele, comparada frequentemente aos insetos que movem-se, picando ou mordendo
  • Dor nas juntas e nos músculos
  • Fadiga significativa que interfere nas atividades diárias
  • Inabilidade de concentrar-se e dificuldade com memória a curto prazo
  • Mudanças de comportamento

Outros sinais e sintomas podem incluir:

  • Mudanças na visão
  • Dor de estômago ou outros sintomas gastrintestinais
  • Mudanças na textura e na cor da pele

Seja como for, a quantidade de “falsos doentes” que aparece a cada dia causa uma certa dúvida… Será possível que milhões de pessoas não possam distinguir fios comuns de roupa de fios que saem de feridas e úlceras ? E se essas pessoas não estão todas mentindo, então por é que os médicos atribuem tudo a doenças psíquicas ou alucinações?

Só sei se uma coisa: se um dia eu acordar com uma coceira pelo corpo, irei ao médico. De repente, é apenas estresse, não é?

Fontes:

http://portuguese.ruvr.ru

Bohart Museum of Entomology

http://www.morgellons-disease-research.com/

Atualidades, Novidades, Sabedoria

Alguns erros mais comuns quando você está treinando

Acho que hoje as pessoas estão melhor informadas sobre os benefícios de se fazer exercícios físicos, e sua importância para a manutenção da saúde. Mas acho que não custa relembrar os motivos mais importantes.

• Queima de calorias – exercícios queimam calorias. Porém, evite pensar que fazendo exercícios, você pode abusar na alimentação. Você provavelmente vai consumir mais calorias do que perdeu no exercício! Controlar a alimentação também é essencial para se manter saudável.

• Protege contra doenças – os exercícios podem diminuir vários problemas físicos; alivia dores nas costas; fortalece os ossos reduzindo o risco de osteoporose; diminui dores menstruais; diminui o risco de pressão alta, derrame e doenças cardíacas. O exercício aumenta o HDL (o bom colesterol) e diminui os triglicérides.

• Melhora a função imunológica – os exercícios moderados podem proteger as pessoas de infecções, como a gripe.

• Eleva a confiança e melhora outros fatores psicológicos – os exercícios físicos permitem bem-estar às pessoas, melhorando a autoconfiança, aliviando o stress, diminuindo a ansiedade.

• Aumenta força, resistência e flexibilidade física – alguns exercícios como andar de bicicleta e o futebol fortalecem os músculos, outros como a ginástica dão flexibilidade e coordenação motora, enquanto nadar e correr aumenta a resistência.

• Aumenta a produtividade no trabalho – os exercícios físicos dão energia e disposição física para realizar atividades laborais, além de ajudar na concentração,

• Auxilia na manutenção do peso em longo prazo – se você tem problemas com peso, o exercício físico regular irá prevenir o ganho futuro e ajudar na manutenção do peso perdido.

O importante, porém, é ficar atento para os riscos de se treinar sem a supervisão adequada e exagerar na dose. Quem faz isso está sujeito a cometer erros que podem comprometer os resultados que se pretendia e ainda provocar lesões. Dois especialistas, o professor de educação física e personal trainer Thiago Gonçalves e o médico e especialista em Medicina Desportiva Cláudio Zanelatto apontam os principais erros de quem resolve encarar a atividade física.

1. Pular o alongamento

Exercícios de alongamento são importantes para o relaxamento, previnem lesões e mantêm a postura adequada. Alongue-se sempre antes e depois do treino.

2. Usar roupa errada

Use roupas adequadas para a prática de exercícios físicos, com tecidos que respiram, sejam leves e adaptem-se ao seu corpo.

3. Treinar demais, o overtraining

Se você acha que, em termos de exercícios, quanto mais melhor, esqueça. Treinar em ritmo intenso demais pode levar a distensões, lesões de esforço  e até à perda de tecido magro, ou seja, os músculos.

4. Não manter a disciplina

Você treina forte por uma semana e depois fica outra sem se mexer? Péssima ideia. Alterações frequentes no ritmo dos treinos diminuem os benefícios de qualquer programa de exercícios, aumentando bastante o risco de lesões.

5. Treinar em jejum ou de estômago cheio

Talvez o mais comum dos erros. Em jejum, aumenta o risco de hipoglicemia e faz o corpo queimar a massa magra, os músculos, em vez de gordura. E, de estômago cheio, pode levar a náuseas e mal-estar, além de complicar demais a digestão. Se você comeu muito e quer se exercitar, espere pelo menos duas horas antes de fazer isso.

6. Cuidado com o abdômen

Na repetição de abdominais, mantenha os pés próximos ao quadril e as costas apoiadas no chão. Suba e desça contraindo a musculatura abdominal. Mantenha a cabeça no prolongamento da coluna, olhando para a frente na diagonal. Assim, você previne dores nas costas e no pescoço.

Fazer exercícios é ótimo para a saúde, mas todo o cuidado é pouco!

fonte: minhavida.uol.com.br

Atualidades, Curiosidades, Novidades

Atores que QUASE conseguiram papéis icônicos no cinema

Todo mundo que gosta de cinema sabe que certos papéis acabam marcando um ator para sempre, por mais que ele atue em outros filmes com igual, ou maior sucesso. Parece que aquele determinado papel foi feito para ele, e mais ninguém.

Normalmente, os estúdios testam três ou mais atores para os papéis mais importantes de suas produções, e nem sempre aquele que foi o preferido, ou cujo teste foi o melhor, acaba sendo o escolhido. Por exemplo, Jon Voight ( o pai da Angelina Jolie) não foi a primeira escolha para “Perdidos na Noite”, filme pelo qual ele ganhou um “Globo de Ouro” pela atuação. O ator que tinha sido escolhido em vez dele não foi liberado pelo estúdio no qual estrelava um seriado de TV. Foi o mesmo caso de Tom Selleck, a primeira escolha de Spielberg para o papel de Indiana Jones  – ele também não foi liberado pelo estúdio, no qual era o astro da série de TV “Magnum”.

Descobri que há outros casos assim emblemáticos. Veja só:

 Kelly McGillis, que tinha ficado famosa em “Top Gun”, tinha sido a escolha inicial para o papel que acabou lançando Sharon Stone para o estrelato. Sinceramente, não consigo imaginar outra atriz fazendo esse papel…

Robin Williams foi cotado para o papel que acabou consagrando o fantástico Jack Nicholson em “O Iluminado”… Williams disse que não se sentiria bem no papel. Já o vi em papéis dramáticos e tenho dúvidas da afirmação dele. Mas Nicholson dá um show.

Michelle Pffeifer recusou o papel que acabou nas mãos de Jodie Foster em “O Silêncio dos Inocentes”, porque considerou o roteiro do filme violento demais. Acho que o Hannibal Lecter teria apreciado Michelle, servida com ervilhas e acompanhada de um Chianti.

Ewan McGregor recusou o papel de Neo em “Matrix” para fazer Obi-Wan Kenobi em “Star Wars: A Ameaça Fantasma”. Gosto muito de Star Wars (dos episódios originais), mas acho que Ewan não fez uma boa escolha, porque Neo marcou para sempre seu intérprete, Keanu Reeves – e teria acontecido o mesmo com ele.

John Travolta recusou de cara o papel de Forrest Gump e nem quis fazer os testes de câmera. Deve ter achado o personagem muito bobo, sei lá. O fato é que essa recusa abriu caminho para Tom Hanks entregar um de seus melhores desempenhos no cinema, com frases inesquecíveis, como: “Mamãe sempre dizia que a vida é como uma caixa de bombons, você nunca sabe o que vai encontrar”.

Quase que Tony Stark teve a cara do Tom Cruise… Por sorte, o astro pediu algumas mudanças no roteiro e os produtores não aceitaram, então ele recusou o papel. Ufa, ainda bem…

 

Atualidades, Curiosidades, Family, Humor, Sabedoria

O Homem das Cavernas e o Homem Moderno

Os neandertais, homens pré-históricos que viveram entre 130.000 e 30.000 anos atrás na Europa e em partes da Ásia, enterravam seus mortos, usavam objetos de adorno pessoal e desenvolveram uma sofisticada tecnologia do fogo. Do ponto de vista arqueológico, não existe diferença cultural significativa entre neandertais e humanos modernos, segundo os estudiosos.

Bem que eu desconfiava que não havia muita diferença, porque conheci diversos homens das cavernas e sei de outros tantos rodando por aí. Segundo os pesquisadores, os neandertais era muito parecidos conosco. Eram “gente como a gente”, com pequenas diferenças, como o formato do queixo e a testa alongada. Provavelmente, seus cabelos também exibiam as mesmas variações de tonalidades que os do homem moderno.

Reprodução de neandertais feita pela antropóloga francesa Elisabeth Daynes (LatinStock).

Se pensarmos com calma, à parte as semelhanças físicas, o homem moderno não difere muito do homem das cavernas nem mesmo em comportamento! Quer ver?

O homem das cavernas estocava comida que encontrava no chão ou que caçava. O homem moderno estoca comida que encontra… No supermercado!

O homem das cavernas vivia enfiado em cavernas. O homem moderno vive enfiado nos escritórios.

O homem das cavernas pichava as cavernas. O homem moderno picha os túneis… E os prédios, muros, monumentos…

O homem das cavernas tinha intensa vida sexual. Bem… Aqui a coisa muda, porque televisão, shopping  center e “Benzinho, estou com uma doooor de cabeça” foram inventados bem depois, então o homem moderno ficou meio prejudicado nessa área.

Uma coisa que o homem das cavernas tinha era a “pegada”. O homem moderno perdeu essa herança dos ancestrais e é cheio de mimimi.  Antes, você bebia água – quando bebia – e hoje, você se reúne para comer pizza com uma turma de amigos e um pede uma Coca zero, o outro pede água de coco, quando não aparece o rei do camarote e pede champanhe… O homem neandertal comia o que tivesse na frente – desde que estivesse parado -, hoje um homem não gosta de grão-de-bico, o outro não come ovo e um terceiro nem suporta o cheiro de peixe, e só come salada. O cara vivia numa caverna, então imagina-se que não tinha banheiro (ele devia fazer o download no mato, mesmo). E o homem moderno? É cheio de “uis” e “ais”… Se suja, a mãe limpa. Acorda, a empregada arruma a cama. Ele não lava nem a cueca!

E chegamos à pegada: o neandertal tinha pegada (ou melhor, tinha porretada na cabeça). Mas o homem moderno perdeu esse “toque”.

Não estou dizendo que ele deva ser violento, longe de mim.  Um homem que força uma mulher a fazer qualquer coisa tem que estar na cadeia.  Mas o que eu quero dizer é aquela coisa de “mão forte”, entendeu? Nada daquela mãozinha mole, de quem no máximo segura o controle do Play Station com força e mais nada além disso.

Pense bem, você acha que existe alguma mulher que gosta de ver o cara fazendo biquinho na hora de beijar? Duvido que nossos antepassados fizessem isso! Que mulher gosta do cara pedindo licença para isso ou para aquilo? “Dá licença de desabotoar sua blusa? Perdão, vou desatar seu sutiã. Com sua permissão, posso abaixar minhas calças?”

Resumindo, acho que a gente devia resgatar nosso DNA neandertal e somá-lo ao nosso mestrado em educação e fineza. Certamente sairia dessa mistura uma pessoa bem melhor…

NeanderthalHumanCartoonDailyMail

Atualidades, Curiosidades, Humor

Os títulos dos filmes em português são bons ou ruins?

Já li muitas vezes críticos de cinema detonando as traduções que são feitas no Brasil para os títulos dos filmes. Há casos clássicos pela bizarrice, como “A Noviça Rebelde” (The Sound of Music), porque não havia nenhuma rebelião no convento. Ou “Assim Caminha a Humanidade”, que nada tem a ver com o original, Giant. Assim como sempre quis saber como se escolhe o nome de um carro (assunto deste post:  https://otrecocerto.com/2012/08/23/como-e-escolhido-o-nome-de-um-carro/), também tenho curiosidade em saber o motivo de alguém ter tirado um título do nada como “Os Brutos Também Amam” para um filme chamado simplesmente de Shane, o nome do protagonista…

Essa resposta não consegui, ou pelo menos, só descobri uma parte: ao que parece, o título do filme é criado em português a partir da sinopse, sem que o tradutor o tenha assistido antes. Mas, sendo justo, acho que, muitas vezes, o título em português é melhor do que o original, que é sem graça ou incompreensível para o nosso público. Um exemplo disso é “Apertem os Cintos, o Piloto Sumiu”, melhor do que o insosso Airplane (Avião) original – e que fazia alusão a um popular (e horroroso) filme-catástrofe da época, “Aeroporto” (Airport).

Abaixo, listei alguns filmes famosos com o título que foi lançado aqui, o original e sua tradução literal, se nossos distribuidores optassem por lançá-los assim:

Tarde Demais para Esquecer – An Affair to Remember (Um Caso para ser Lembrado)

O Homem que Odiava as Mulheres – The Boston Strangler ( O Estrangulador de Boston)

Sintonia de Amor – Sleepless in Seattle (Insone em Seattle)

A Força do Destino – An Officer and a Gentleman (Um Oficial e um Cavalheiro)

O Pecado Mora ao Lado – The Seven Year Itch (O Comichão do Sétimo Ano)

Ladrão de Casaca – To Catch a Thief (Como Capturar um Ladrão)

Matar ou Morrer – High Noon (Meio-Dia)

Como se pode notar por esses poucos exemplos, nossos títulos são mais atraentes. Afinal, sua função é chamar a atenção do público e atraí-lo para as salas de cinema! Mas tenho que reconhecer que há algumas traduções, ou melhor, invenções que mostram a criatividade de nossos tradutores, mas que ficaram bem toscas:

As Bem Armadas – The Heat (As Poderosas)

Entrando Numa Fria – Meet the Parents (Conheça a Família) – o problema maior foi ter que continuar a piada nas sequências, aí o último ficou quilométrico: “Entrando Numa Fria Maior Ainda com a Família.”

Fé Demais Não Cheira Bem – Leap of Faith (Ato de Fé) – santa criatividade!

Se Beber, Não Case! – The Hangover (A Ressaca)

 O Garoto do Futuro – The Teen Wolf (O Lobo Adolescente) – quiseram aproveitar a popularidade do Michael J. Fox, o eterno Marty McFly.

O Tiro que Não Saiu pela Culatra – Parenthood ( Paternidade) – santa criatividade! (2)

Amor sem Escalas – Up in the Air (Lá em Cima no Céu) – a tradução é nada a ver com o filme…

Onze Homens e um Segredo – Ocean’s Eleven (Os Onze Homens de Ocean) – Ocean é o nome do personagem principal do filme (George Clooney) e nosso título parece, sei lá, um filme de mistério, de terror… Enfim, não é pior do que em Portugal, que ficou “Ocean’s Eleven – Façam as Vossas Apostas”.

A Primeira Noite de um Homem – The Graduate ( O Formando) – o personagem de Dustin Hoffman nem era virgem…

Minha mãe quer que eu case – Because I said so (Porque eu disse) – o problema aqui é que contaram o filme no título…

Sei que há muitos mais, por isso, se quiser lembrar mais alguns, fique à vontade nos comentários!