Atualidades, Curiosidades, Family, Novidades, Sabedoria

Lie to Me: era tudo verdade!

Havia uma série muito legal na TV que foi descontinuada em 2011, depois de apenas 3 temporadas, estrelada por um ator de quem gosto muito, Tim Roth. Ele deu um show, por exemplo, em “Cães de Aluguel” e como o assustador general Thade na nova versão de “Planeta dos Macacos”, de 2001.

Ficheiro:Tim Roth cropped.jpg  

O que eu não sabia é que a série foi baseada nas pesquisas de Paul Ekman, notável psicólogo americano e expert em linguagem corporal e expressões faciais, e que estuda a linguagem não-verbal há 50 anos. Claro que imaginei que havia alguma base científica nos enredos, porém descobri que o personagem de Tim Roth, Cal Lightman, era baseado diretamente no especialista – com sotaque britânico e alguma liberdade criativa. Paul Ekman inclusive foi consultor de muitos episódios, e declarou, no entanto, o seguinte:

“A forma como o Lightman Group descobre as mentiras é baseada nas minhas investigações. No entanto, e uma vez que se trata de uma série de ficção e não de um documentário, Lightman não se preocupa tanto em interpretar comportamentos, como eu. Na série, as mentiras são descobertas de forma mais certeira e rápida do que na vida real.” Mas antes que se pense que era tudo uma grande mentira, Ekman garante: “A maioria das coisas que você vê na série é baseada em estudos científicos.”

Para quem não conhece a série, que me parece está passando atualmente no Netflix, explico resumidamente do que se trata: o personagem principal, Dr. Cal Lightman é auxiliado por sua parceira, Dra. Gillian Foster, e juntos detectam fraudes, observando a linguagem corporal e as micro expressões faciais, e usam esse talento para ajudar as autoridades, auxiliados por seu grupo de pesquisadores e psicólogos.

O legal é que certos detalhes que a gente vê nos episódios nos ajudam a ficar mais atentos a alguns comportamentos não-verbais de quem poderia estar mentindo. Eu grifo “poderia” porque, de acordo com Sérgio Senna, psicólogo e doutor em Psicologia pela UnB, as técnicas de detecção de mentiras baseadas na observação do comportamento não verbal são válidas e confiáveis desde que:

 1. Não se considerem indicadores isolados e descontextualizados;

2. Sirvam como método auxiliar no contexto da observação do comportamento verbal e de outros indicadores temporais (quando ocorreu) e espaciais (onde ocorreu);

3. Sejam contextualizadas em relação ao ambiente em que o comportamento foi observado (por exemplo, encolher-se por causa do frio, não por causa do nervosismo);

4. Que se tomem os devidos cuidados éticos e legais antes de acusar alguém de estar mentindo.

Tendo esses cuidados em mente, a corrente que segue as conclusões de Paul Ekman sugere algumas dicas para avaliar se a pessoa estaria mentindo:

1. Usa termos de reforço como “para ser sincero”  ou “pra falar a verdade”

As pessoas falam a verdade naturalmente. Não precisamos avisar que estamos sendo honestos ou dizer que falamos a verdade. Isso já é subentendido. Quando se tenta maquiar a mentira, costuma-se usar esse reforço.

2. Evita o contato visual ou pisca várias vezes.

Isso apareceu em diversos episódios. As pessoas vibram os olhos, piscando muitas vezes, ou não fixa o olhar. Ela pode estar escondendo algo, ou isolando um aspecto de uma lembrança.

3. Hostilidade

A pessoa é questionada sobre algo que a irrita demais e tem que disfarçar essa emoção.

4. Detalhes demais

Quem fala a verdade não precisa se ligar em detalhes. Quem esconde a verdade precisa dar atenção a muita coisa em sua história, como para dar veracidade ao discurso.

5. O corpo pode estar revelando a mentira

A pessoa está falando, aponta para um lado e olha para o outro. É que a mente trabalha tanto para racionalizar a mentira que o corpo fica sem sincronia.

6. Reconhecendo a mentira de forma inconsciente.

Essa parece ser a reação mais comum. A pessoa se afasta, movimento quase sempre acompanhado de um cruzar de braços, o que significa que não acredita no que está dizendo.

Evidentemente, essas dicas recolhi de diversas fontes diferentes que comentavam os estudos de Paul Ekman e que serviram de base a episódios da série. Mas os psicólogos e aqueles que estudam psicologia podem contribuir com muito mais informações.

 

Atualidades, Curiosidades, Sabedoria

Não confunda a Suméria com a Ciméria

Momento Discovery Channel:

Muita gente (especialmente entre os curtidores de quadrinhos) confunde Ciméria com Suméria.

Ciméria é a terra de origem fictícia dos bárbaros na Terra Antediluviana e pátria de Conan, o Bárbaro, principal personagem do escritor Robert E. Howard.

O personagem nasceu em 1932, e fez sua primeira aparição na revista pulp Weird Tales no conto chamado “The Phoenix on the Sword” (em português, A Fênix na Espada). Howard escreveu mais dezenove histórias e um romance protagonizados pelo personagem (três dos contos só publicados após sua morte), sendo que outros escritores também criaram histórias de Conan ou reescreveram contos, a partir de sinopses e fragmentos originais após 1936, ano em que Howard se suicidou.

No começo da década de 1970 a Marvel Comics começou a publicar histórias em quadrinhos de Conan com estrondoso sucesso, e esse é o meio ao qual sua imagem ficou mais vinculada. Os quadrinhos de Conan foram editados pela Marvel até 2004, quando a editora desistiu dos direitos do personagem, que foram adquiridos pela Dark Horse Comics, que começou então a publicar a premiada revista Conan.  Outro meio pelo qual o personagem ficou conhecido do grande público foi o cinema, nos filmes estrelados por Arnold Shwarzennegger e mais recentemente por Jason Momoa.

  

Conan nos quadrinhos e no cinema.

Agora, a Suméria é outra história.

A Suméria é a civilização mais antiga de que se tem registro, e estima-se que eles viveram há cerca de 3.500 anos antes de Cristo. Alguns historiadores colocam essa data mais para trás, 6.000 anos! Os sumérios foram os pais da escrita, chamada escrita cuneiforme, da astronomia, teriam inventado a roda e muito mais. Eles habitavam o sul da Mesopotâmia, entre o rio Tigre e Eufrates, lugar extremamente fértil que a Bíblia chamou de Terra Prometida.
mapa Suméria
Os sumérios – ao contrário dos bárbaros de Conan – foram um povo muito além de seu tempo. Possuíam tecnologia e informações que a civilização ocidental só foi redescobrir muitos séculos mais tarde. Para se ter uma ideia, os sumérios faziam cálculos das distâncias entre os planetas de nosso Sistema Solar, inclusive quantos planetas existem, sabiam que o Sol é uma estrela e a órbita de cada um!
Abaixo, segue uma listinha dos conhecimentos desse povo e que as civilizações posteriores acabaram adotando, depois de decifrar a escrita sumeriana em tábuas de argila onde o conhecimento tinha sido armazenado:
  • Técnicas de medicina, arquitetura, engenharia e hidráulica, baseados em conhecimentos de matemática, química, física e astronomia.
  • Profundos conhecimentos de astronomia
  •  Técnicas de irrigação e drenagem de solo, construção de canais, diques e reservatórios;
  • Sistema de escrita cuneiforme, assim chamado porque escreviam em plaquetas de argila com um estilete em forma de cunha;
  • Criaram as primeiras bibliotecas. Na cidade de Nipur, a 150 km ao sul de Bagdá, foi encontrada uma biblioteca sumeriana inteira, contendo cerca de 60.000 tabletes de barro com inscrições cuneiformes sobre a origem da humanidade.
  • Criaram as fabulosas construções chamadas de zigurates, pirâmides com várias camadas de edifícios interligados por rampas espirais desde a base até o topo.

Imagem de computador de um zigurate.
O que intriga a todos os estudiosos e pesquisadores é como uma civilização tão antiga possuía tais conhecimentos? Eles sabiam que a Terra é redonda, conheciam a existência de Plutão, e muitas peças criadas pelos sumérios foram encontradas espalhadas pelo mundo. Como essas peças foram levadas até lá?
E não foram apenas peças de arte que se espalharam. Vejam abaixo as imagens de construções de outros povos, que foram erigidas muito depois deles, e notem as semelhanças:
7-12
Zigurate na cidade de Ur, 3.500 a.C.
Ficheiro:Chichen-Itza El Castillo.jpg
Maias, 1.500 a. C.
El Brujo
Pirâmides aos norte do Peru, com 30 metros de altura e 1.500 metros de extensão, da cultura Mochica, entre 0-600 d.C.
O que esses povos tinham em comum, mesmo habitando tão distantes uns dos outros? O conhecimento! Os maias e os sumérios deixaram uma escrita misteriosa – os mochicas não tinham escrita. Todos tinham conhecimentos surpreendentes (no Peru existem aquedutos desde aquela época que foram usados pelos Incas e que funcionam até hoje, trazendo água dos Andes para as regiões mais áridas!). Outra coisa em comum é o desaparecimentos dessas civilizações. Os maias, que tinham cidades com 70 mil habitantes, ficaram reduzidos a poucas centenas de remanescentes empobrecidos. Os sumérios, depois de conquistados pelos acádios, sumiram do mapa. (como um povo tão avançado como os sumérios foram conquistados por um povo nômade, os acadianos?). E os mochicas também sumiram, algumas teorias rezam que uma prolongada seca dizimou as plantações e a população se espalhou em busca de outros lugares para morar, desaparecendo lentamente.
Será que algum dia as perguntas serão respondidas? Ou o mistério permanecerá para sempre?