Concerto para Máquina de Escrever

Jerry Lewis, hoje com 87 anos, foi talvez o rei das pantomimas, um dos ramos da comédia ocidental (vaudeville, burlesco, etc. são outros ramos). Pantomima é aquele humor gestual, com poucas palavras – ou nenhuma – que era a base das comédias nos filmes mudos de Charles Chaplin, Buster Keaton e Harold Lloyd. Atualmente, acredito que Jim Carey é o herdeiro desse gênero, inspirado por… Jerry Lewis! Jerry estrelou, escreveu e/ou dirigiu mais de 40 filmes, com e sem o parceiro Dean Martin.

Um dos filmes mais conhecidos e bem-sucedidos, “O Professor Aloprado”, de 1963, foi refilmado anos depois, com Eddie Murphy no papel central.  No ano de 1963, Jerry Lewis estava no auge da carreira e estrelou outra comédia de sucesso, “Errado Pra Cachorro”.

       

No filme, Phoebe Tuttle (Agnes Moorehead) é dona de uma grande loja de departamentos que não aprova o namoro de sua filha, Barbara Tuttle (Jill St. John, que 10 anos depois estrelou “Os Diamantes são Eternos”, a última vez que Sean Connery fez o papel de 007), com um rapaz pobre chamado Norman Phiffier (Jerry Lewis). Phoebe, então, decide contratar o rapaz para trabalhar na loja, dando-lhe tarefas complicadas para poder humilhá-lo e também mostrar à filha que tipo de sujeito ele é, um desmiolado.

      

Uma das cenas mais conhecidas dessa comédia é aquela em que Jerry toca numa imaginária máquina de escrever, fazendo coincidir cada gesto a cada nota e cada som. As novas gerações talvez não entendam muito bem o significado dessa “gag”, uma vez que não tiveram contato com as máquinas de escrever, e nem conhecem os sons tão característicos no teclar, no fim de página e no virar da mesma. Mas certamente vão apreciar o trabalho de mímica, em que Jerry Lewis não falha uma única nota. Um show da arte expressiva desse ator, revelada em menos de dois minutos.

O curioso é que sempre achei que a música que Jerry “interpreta” tivesse sido composta especialmente para a cena, e que seus toques na máquina de escrever invisível fossem invenção dele. Engano meu.

Ela foi composta em 1950 pelo compositor americano Leroy Anderson, que se especializou em  música clássica ligeira – aquela facção pop da música de concerto caracterizada por ritmos cativantes e melodias fáceis de digerir. O mais incrível é que ela pode ser “tocada” com uma máquina de escrever, mas real. O clipe abaixo comprova isso, gravado durante o concerto apresentado em  12 de junho de 2011 no Auditório Nacional de Madrid pelo projeto “Vocês para a Paz” (Músicos Solidários). Regência: Miguel Roa. Solista: Alfredo Anaya.

Reparou que o solista imita os trejeitos de Lewis no filme? Geniais, o solista e o mestre do humor.

Dica do concerto por Eliseu Petrone.

Publicado por Julio

Uma pena eu não ter nascido herdeiro ou milionário. Pois tenho um grande potencial pra isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: